teoria humanista e a relação com o processo

Сomentários

Transcrição

teoria humanista e a relação com o processo
TEORIA HUMANISTA E A RELAÇÃO COM O PROCESSO ADMINISTRATIVO NA
ÁREA DA ENFERMAGEM: UMA REFLEXÃO
SARTURI F, GEWEHR TR, CASTIONI D, TISSOT ZL.
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) - Centro de Educação Superior Norte do
Rio Grande do Sul (CESNORS) – Palmeira das Missões
E-mail: [email protected]; [email protected]
Resumo:
Introdução: as relações humanas ocorrem em decorrência do processo de interação
(ROSSÉS, 2010). Surge contrapondo com a Teoria Clássica, que tratava a organização
como uma máquina, possuindo autoridade centralizada e acentuada divisão do trabalho,
tendo
origem
pela
necessidade
de
humanizar
e
democratizar
os
processos
administrativos, pelo desenvolvimento das ciências humanas, pelas ideias filosóficas de
John Dewey, da psicologia dinâmica de Kurt Lewin e das conclusões das experiências de
Hawthorne. Com esta teoria surge uma nova concepção sobre a natureza do homem, o
homem social, enfatizando agora a motivação, liderança, comunicação e dinâmicas de
grupo. Liderar é saber conduzir as pessoas, é um processo de escolha que permite que a
organização caminhe em direção a sua meta, o líder é quem ajuda o grupo a tomar
decisões adequadas, os líderes informais, segundo a Teoria das Relações Humanas,
ajudam os trabalhadores a atuar como um grupo social coeso e integrado, contrapondose a Teoria Clássica que enfatizava a liderança autoritária, hierárquica e formal. As
relações humanas são as ações e atitudes desenvolvidas a partir do contato entre as
pessoas e grupos. Objetivo: refletir sobre a Teoria das Relações Humanas, e a sua
relação com a evolução da administração em Enfermagem. Metodologia: trata-se de uma
reflexão teórica, realizada em Novembro de 2012, por análise documental. Resultado:
percebe-se através desse estudo que a Teoria das Relações humanas é uma perspectiva
no processo administrativo na área da enfermagem. De acordo com a pesquisa
identificam-se divergências na forma de liderança, onde, anteriormente, na Teoria
Clássica a autoridade era centrada e vertical com regras, limites e sem a autonomia do
trabalhador ao contrário da abordagem humanista que volta para liderança informal do
profissional enfermeiro. Observa-se que o líder deve focar na motivação, comunicação,
organização informal e dinâmica de grupo entre a equipe. Nota-se a importância de
trabalhar com a qualidade de vida no ambiente de trabalho e da interação social dos
sujeitos no processo. Destacam-se também nesta abordagem, que os grupos informais
que se formam no ambiente de trabalho possam dar algum sentido as vidas profissionais,
ou seja, que ocorram relações sociais fora do ambiente de trabalho, promovendo
atividades conjuntas entre os trabalhadores. Conclusão: a comunicação entre enfermeiro
e equipe de trabalho, desempenha um papel importante na relação entre ambos, sendo
uma das melhores maneiras para obter melhor qualidade no ato de liderar, com o intuito
de fazer com que toda a equipe participe. Com a ajuda da teoria humanista, o profissional
passa a ser visto como uma pessoa que tem necessidades não só físicas, mas também
psicológicas.
Ao ser integrado socialmente ao grupo de trabalho, o trabalhador é
diretamente influenciado na qualidade e quantidade da produção, é necessário que neste
grupo o gestor com habilidades de comunicação, seja aberto a mudanças, consiga extrair
o melhor do grupo, e possa gerar um trabalho sadio, confortável e prazeroso. Sob ponto
de vista administrativo, a característica humana desta teoria, possibilita um melhor
desempenho das atividades nas instituições de saúde, principalmente no processo de
gestão do Enfermeiro.
Palavras-chaves: Gerência, Administração dos serviços de Saúde, Organização e
administração.
Referências
ROSSÉS, G.F. et al. Teoria das Relações Humanas e Economia Solidária: o caso do
Projeto Esperança/Cooesperança. VII SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e
Tecnologia – 2010.