Recomendações para aumentar a cooperação

Сomentários

Transcrição

Recomendações para aumentar a cooperação
Recomendações para aumentar a cooperação
internacional da Educação Superior através da
Educação Aberta
Dezembro 2015
Grupo de autoria: Parceiros do eMundus
Objetivo do documento
O Projeto eMundus, mantido pela Comissão Europeia sob o Programa Erasmus Mundus,
vem trabalhando nos últimos 2 anos explorando o potencial da Educação Aberta (incluindo
os Recursos Educacionais Abertos, MOOCs e Mobilidade Virtual) a fim de apoiar parcerias
acadêmicas interculturais, balanceadas, de longo prazo. A visão do projeto é a de que a
Educação Aberta não deveria ser vista apenas como uma solução aos desafios urgentes de
redução dos custos unitários da educação superior, mas também como uma forma valiosa
de ajudar a estabelecer parcerias internacionais de longo prazo, criando um ecossistema
internacional aberto onde as universidades cooperariam por meio de sua capacidade de
atrair alunos internacionais e de compartilhar de forma significativa conteúdos e
conhecimentos com as universidades parceiras.
A conclusão geral do trabalho do eMundus, que incluiu atividades de mapeamento e
numerosas discussões com importante público estratégico, é de que abordagens abertas
podem certamente ter um impacto positivo nas práticas colaborativas internacionais,
aumentando não apenas a confiança e compreensão mútua, mas também a eficiência e
inovação da cooperação internacional. Ao mesmo tempo, descobriu-se que a relação entre
a educação aberta e a cooperação internacional ainda se encontra inexplorada,
principalmente porque as práticas colaborativas fomentadas pela educação aberta são
bastante novas e estão em desenvolvimento.
Para tratar dessa questão, eMundus propõe um conjunto de recomendações dirigidas a três
categorias de público estratégico: primeiro: líderes institucionais, executivos e agentes de
relação internacional dentro das universidades; segundo: redes acadêmicas e terceiro:
legisladores (possivelmente agentes de mudança) na Educação Superior.
1
Recomendações para líderes da universidade, executivos, agentes de relação
internacional
1. Incluir Licenças Abertas e REA como padrão de componente fundamental de seus
acordos de cooperação (bom exemplo: política da Politécnica de Otago
2. Permitir aos centros de design de aprendizagem promover mixagem, uso e reuso de
REA, uma vez que isto promoverá a colaboração por definição (bom exemplo: a
estratégia de REA da Universidade de África do Sul).
3. Incluir licenças abertas e REA em seu planejamento estratégico “de uma forma
razoável” (bons exemplos: as estratégias da Politécnica de Otago e da Universidade
Aberta dos Países Baixos).
4. Criar habilidades e competências digitais nas mixagens, usos e reusos colaborativos de
REA (bom exemplo: o curso aberto online da UNESCO sobre "Habilidades Digitais para
Desenvolvimento de REA Colaborativo").
5. Aceitar credenciamento de alunos baseado em avaliações de conhecimento e
habilidades, tanto aprendidas por meio de REA quanto por outros meios, fomentando,
assim, a mobilidade (virtual) (bom exemplo: REA Universitas).
Recomendações para redes acadêmicas
1. Identificar e engajar os campeões de REA entre seus membros e parceiros (começando
pelas Comissões sobre REA da UNESCO/ICDE).
2. Promover a conscientização de Educação Aberta e os benefícios e desafios de REA
entre seus membros e parceiros (usando por exemplo o Sítio de REA da UNESCO ou a
Nuvem de Conhecimento de REA).
3. Assegurar que as considerações e exigências de qualidade do conteúdo educacional
são as mesmas das dos conteúdos comerciais/conteúdos protegidos por direitos
autorais, uma vez que a qualidade é melhor avaliada por meio da efetividade do material
na transferência do conhecimento do que por sua aparência, ou pelo tipo de licença.
4. Facilitar a construção de comunidade para compartilhar e discutir boas práticas,
experiências e recursos abertos autorizados e moderados pela própria comunidade.
5. Conectar as redes de educação aberta (tais como OER Universitas e ICORE).
Recomendaçoes para legisladores a nível nacional e local responsáveis pela
Educação Superior
1. Incluir licenças abertas como padrão em suas políticas de conteúdo (bons exemplos:
Política de Educação Aberta da Comissão Europeia, o Ato de Educação a Distância
Aberta das Filipinas e a Política de Acesso Aberto da Agência-Tri Canadense sobre
Publicações).
2. Aceitar credenciamento baseado em avaliação do conhecimento e habilidades
adquiridas pelos alunos usando REA, através de exames desafiadores e
Reconhecimento de Aprendizagem Adquirida (bons exemplos: Universidade de
Athabasca; Faculdade Excelsior).
3. Premiar inovadores e praticantes de Educação Aberta através de incentivos (exemplos:
BCcampus no Canadá e Universidade Federal do Paraná no Brasil).
4. Conectar com outros legisladores preeminentes em desenvolvimentos em educação
aberta (bom exemplo: a política de Abertura da Eslovênia).
5. Desenvolver, promover e avaliar suas políticas de Educação Aberta e compartilhar
abertamente seus resultados de avaliação.
2

Documentos relacionados

Traduções Aspectos dos Recursos Educacionais Abertos como

Traduções Aspectos dos Recursos Educacionais Abertos como MOOC, portanto, representam um aspecto de uma subcultura ou vertente do movimento REA. Um outro subdomínio é o dos livros didáticos abertos. Trata-se de livros didáticos focalizados normalmente em ...

Leia mais