SEMIOLOGIA UROLÓGICA

Сomentários

Transcrição

SEMIOLOGIA UROLÓGICA
SEMIOLOGIA E PROPEDÊUTICA
UROLÓGICA
Semiologia - definição

Estudo dos sinais e sintomas de uma
doença; semiótica; sintomatologia

Propedêutica : conjunto de indagações orais
e de técnicas de exame físico que serve
como base para orientar investigação com
exames e chegar ao diagnóstico
Urologia

Especial:
Pré-natal,criança,adolescente,adulto,geriátrico
 Habilidades: diagnóstico, tratamento clínico e
cirúrgico das doenças do sistema genitourinário.
 História completa e exame físico : ``fundamental``
História





Princípio da avaliação do paciente
Permite elucidar o diagnóstico provável
Dificuldades: ansiedade, relação médicopaciente, uso da línguagem, nível
educacional e cultural
Paciente confortável e captar a sua
confiança
Tempo suficiente ( paciente e médico )
Queixa principal




Sintomas urinários - conhecimento
Permite a procura direta do urologistas como
primeira consulta
Queixa principal – início da formulação do
disgnóstico , porém identifica também outros
problemas
Considerações:duração,severidade,cronicidade,peri
odicidade,grau de deficiência
Dor
Mecanismo: do trato genito-urinário pode ser
severa , associa-se à obstrução ou
inflamação
 Inflamação: envolve o parênquima do órgão
( edema e distensão da cápsula – prostatite,
pilonefrite e epididimite )
Mucosa – bexiga e uretra ,mais disconforto

Dor renal

Ângulo costovertebral lateral, lateral ao músculo
sacroespinal e sob a 12a. Costela
Irradiação flanco, umbigo, testículo e lábios vaginais
Renal x retroperitoneal

Constante ( inflamação) X Intermitente (obstrução)

Cólica: obstrução ureteral – intensifica com a
peristalse ureteral e aumento da pressão intrapiélica
renal


Dor renal e Sintomas gastrointestinais




Estímulo reflexo de gânglios celíacos
Proximidades de órgãos
adjacentes(fígado,pâncreas,duodeno,
vesícula e cólon)
Patologias intraperitoneais a diminuição da
movimentação corpórea minimiza a dor
Dor renal = agitação motora
Dor vesical




Distensão ou inflamação da bexiga
Retenção urinária aguda
Retenção urinária crônica – diabéticos e
bexiga neurogênica flácida
Dor suprapúbica intermitente: cistite
Disúria

Micção difícil e por isso , dolorosa

ESTRANGÚRIA : forma extrema de disúria,
dificuldade e dor à micção, acompanhada de
espasmos em intensa cistite
Dor prostática





Secundária à inflamação
Edema e distensão da cápsula prostática
Local: abdome inferior, inguinal,
perineal,lombosacral e/ou retal
Frequentemente associada à sintomas
urinários irritativos
Pode causar retenção urinária aguda
Dor peniana



Flacidez: secundário à inflamação da bexiga
e uretra com reflexo para o meato uretral
externo
Ereção : doença de peyronie , priapismo
Parafimose
Dor Testicular





Edema
Folículo piloso infectado ou cisto sebáceo
Epididimite, torsão
Gangrena de fournier – infecção necrotizante
que origina-se no escroto e pode progredir e
ser fatal
Dor escrotal crônica: hérnia inguinal,
hidrocele, varicocele
Hematúria

Presença de sangue na urina, proveniente
das vias urinárias acima da uretra anterior

Hemouretrorragia ( uretrorragia) – perda de
sangue através do meato uretral externo fora
da micção
Hematúria





Microscópica ( >3hem./campo grande aumento) Macroscópica
Inicial : início da micção, uretro-cérvico-prostática
Final: geralmente de origem vesical
Total : toda a micção, renal ou ureteral
Associada à dor : inflamação ou obstrução do trato
urinário
Hematúria com coágulos




Geralmente pode indicar grau maior de
sangramento
Amorfos ou vermiformes( inferior ou superior
)
Vermiforme = ureter
Macroscópica = ``cistoscopia``
Sintomas do trato urinário inferior

`` prostatismo``- origem não obrigatória

Irritativos e obstrutivos

Frequência miccional

Redução da força do jato urinário
Sintomas irritativos
Adulto normal – micção 2 a 8vezes (média 5 ou 6 vezes) , vol.
300ml
Polaciúria:
necessidade imperiosa e freq.
de urinar, ``tamúria``


Noctúria: micção noturna

Nictúria:predominância do
volume urinário noturno em
relação ao diurno

Ardor urinário : sensação de
queimadura durante a
passagem de urina pela
uretra
Disúria : dificuldade e dor
Urgência miccional:
necessidade de urinar impondo
micção urgente


Poliúria
Diurese superior a 2.000 ml
em 24 horas

Sintomas Obstrutivos



Diminuição da força do
jato
Hesitação miccional:
retardo para o início da
micção
Intermitência : ato
involuntário de
interromper e reiniciar
Gotejamento terminal:
Perda após o final da
micção secundário à
resíduo de urina na
uretra bulbar ou
prostática
 Retenção urinária

Escore de sintomas prostáticos internacional
(I-PSS)1992– AUA
``Escore total``:
Valor de zero a 35
 leve: zero a 7
 Moderado: 8 a 19
 Severo 20 a 35
 Zero=nunca 5=sempre
 7questões - sintomas
 1questão - qualidade de
vida de zero( excelente) a 6
( terrível )


1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
Questões
Esvaziamento completo
Frequência
Intermitência
Urgência
Jato fraco
Forçar o início da micção
Noctúria
Incontinência

Perda involuntária de urina

Contínua : fístula ( vésicovaginal,
ureterovaginal) , ureter ectópico

Incontinência por esforço ( tossir, espirrar,
exercícios físicos ) , aumento da pressão
abdominal
Urgência – incontinência miccional

Quando a urgência miccional atinge forma
extrema, associando-se à incontinência

Diferenciar da incontinência de esforço
Incontinência urinária por
transbordamento




Iscúria paradoxal
Incontinência paradoxal
Secundária ao quadro de retenção urinária
crônica e avançada com grande volume
residual de urina
Bexiga urinária sempre distendida e nunca
esvazia completamente
Enurese

Micção involuntária e inconsciente que surge
durante o sono de uma criança que
ultrapassou os três anos de vida.
Oligúria

Diminuição da diurese para volume entre
700ml e 300ml em 24 horas

Oligoanúria : diurese abaixo de 300ml em 24
horas
Anúria ( igual a anurese)




Supressão da secreção urinária, ausência de
urina na bexiga
Pós-renal: excretora ou obstrutiva ( via
excretora )
Pré-renal : secretora ( insuficiência
circulatória, desidratação, anóxia )
Renal : secretora. Resulta de lesão do
parênquima renal , também consequente de
estado de anúria pré renal
Sinais e sintomas
Opsiúria: eliminação maior
de urina em jejum do que na
digestão
( indica início de hipertensão
portal – retardo da absorção
intestinal)
 Anisúria: alternância de
oligúria com poliúria em
afecções hepáticas
 Pimelúria: presença de
gordura na urina;lipúria




Pneumatúria: emissão de
gás com urina na micção (
diabetis mellitus ou fístula
entre o intestino e bexiga –
diverticulite, ca. de colon,
doença crohn)
Quilúria: linfa alimentar na
urina( comunicação vascular
linfático e trato urinário )
Planúria:eliminação de urina
por via não uretral
Disfunção sexual



Disfunção erétil ( impotência): inabilidade de
adquirir e manter uma ereção satisfatória
para o adequado relacionamento sexual.
Ereção, libido e ejaculação
Libido: deficiência androgência ( SNC ou
testicular ) , depressão ou outras doenças
associadas
Ejaculação




Fenômeno reflexo, para a expulsão do esperma
através das vias genitais
Polução: ejaculação noturna
Retrógrada: emissão do esperma para a bexiga
Precoce : atual – inabilidade em retardar a
ejaculação o suficiente para a satisfação dos
parceiros ( muito rápida )
Ejaculação ausente ( ``anejaculação``)
Deficiência androgênica( redução secreção próstata
e vasículas seminais)
 Denervação simpática ( cirurgias
retroperitoneais)
 Agentes farmacológicos ( antagonistas alfaadrenérgicos )
 Cirurgia do colo vesical e prostática ( ejaculação
retrógrada )

Anorgasmia




Incapacidade de chegar ao orgasmo, no
coito
Geralmente psicogênico
Uso de medicamentos psiquiátricos
Diabéticos com neuropatia periférica
Hematospermia( hemospermia)




Presença de sangue no esperma, emissão de
esperma sanguinolento.
Após período prolongado de abstinência sexual
Processos inflamatórios de próstata e vesículas
seminais
Investigação específica, geralmente de resolução
espontânea
Uretrorréia


Corrimento uretral: uretrite
Sangramento: carcinoma de uretra
Febre


Pielonefrite, prostatite, epididimite
Associado à obstrução urinária pode evoluir
para septicemia e necessitar de tratamento
de urgência
Antecedentes pessoais





Diabetes mellitus- disfunção autonômica,
alterações urinárias e de função sexual
Tuberculose: função renal, obstrução
ureteral e UTIs
Hipertensão arterial : disfunção sexual e uso
de medicamentos
Doenças neurológicas
Anemia falciforme : necrose papilar e
priapismo
Antecedentes familiares



Doenças genéticas: renal policística,
esclerose tuberosa, doença de von hippellindau, acidose tubular renal e cistinúria
História familiar : urolitíase
Câncer de próstata: 8 a 10% com história
familiar
Uso de medicamentos
Disfunção erétil:
antihipertensivos
 Disfunção ejaculatória:
psicotrópicos, bloqueadores alfa
adrenérgicos
 Priapismo:
antipsicóticos,antidepressivos
 Redução da espermatogênese:
quimioterápicos, drogas,
antiandrogênicos

Incontinência urinária:
relaxantes musculares, histamina
 Retenção urinária:
anticolinérgicos, agonistas alfaadrenérgicos, antihistamínicos
(loratadine)
 Insuficiência renal aguda:
antimicrobiano(aminoglicosídeos,
quimioterápicos(cisplatina),
antinflamatório não hormonal

Cirurgias anteriores



Planejamento cirúrgico
Alterações anatômicas locais
Aderências e fibrose
Tabagismo , uso de álcool e alergias
Tabagismo: risco de câncer urotelial de bexiga ,
doenças vasculares periféricas e disfunção erétil
 Alcoolismo: neuropatia periférica e autonômica,
disfunção hepática, redução de testosterona, atrofia
testicular e perda de libido
** parar de fumar pré operatório
Ideal = 8semanas ou até 48horas – benefício da
função pulmonar e cardiovascular
 Alergias : sempre questionar para a prevenção de
complicações

Exame físico

Geral :
Nutricional : caquexia – doenças malignas
obesidade – doenças endocrinológicas
Edema de extremidades: cardiopatias ou nefropatias
Linfadenomegalias :
- Supraclavicular ( neo. de próstata e testículo )
-Inguinal ( câncer de pênis ou uretra)
Exame físico - Rins
Retroperitoneal bilateral , difícil palpação
( diafragma e costelas)
 Direito mais baixo pelo fígado
 Possível palpação do polo inferior em crianças e
mulheres magras na inspiração profunda
 Palpação bimanual : deitado o rim é levantado por
pressão de trás para diante e associado com a outra
mão também comprimindo o abdome anterior na
região do flanco

Exame físico - Bexiga



Normal : no adulto não palpável
Bexiga distendida ( 500ml ) : visível em
magros, percussão é melhor do que
palpação para o diagnóstico
Exame bimanual em pacientes anestesiados
: avalia a mobilidade da bexiga e invasão
regional de tumor de bexiga ou massa
pélvica
Exame de Pênis





Fimose , tamanho do pênis em crianças
Meato uretral externo : estenose, fenda
Doenças venéreas ( condiloma )
Corpo cavernoso : doença de peyronie,
curvatura peniana
Tumor de pênis : lesão vegetante ou
ulcerativa
Exame físico - Escroto






Pele : infecção, cisto sebáceo
Hidrocele : transiluminação
Pequisa de hérnia inguinal
Cordão espermático: cistos, varicocele, canal deferente
Testículo: tamanho, consistência ( elástica, superfície lisa,
nodulação, área endurecida)
Epidídimo : posição , consistência, cistos, dor local
Exame do escroto
Exame Digital Retal ( toque retal )



Orientação verbal prévia ( não contrair o esfíncter
retal )
Posições: decúbito dorsal com pernas fletidas e bem
elevada, genupeitoral, decúbito lateral, ortostática
com tronco fletido para diante
Uso de luva e lubrificante ( dedo indicador )
Exame Digital Retal
Introduzir dedo – tônus do esfíncter anal
 Introduzir o dedo mais profundo possível e avaliar ampola retal
 Próstata : 3 a 4cm do ânus, semelhante à uma castanha,
triangular com o vértice dirigido para baixo e base superior.
Consistência elástica semelhante à eminência tenar (dedo polegar
( opondo-se ao dedo mínimo ou mediano )
Bordas arredondadas divididas simetricamente por sulco mediano
longitudinal
Indolor à palpação ( 3cm de altura e 4cm de largura )

EDR - Prostatite
Febre
 Próstata dolorosa
 Amolecida
 Áreas de flutuação ( abscesso ?)
 Não recomendável massagear
( desconfortável, dissemina bactérias )

EDR – Hiperplasia Prostática Benigna
Consistência elástica e firme, indolor
 Tamanho aumentado
Pouco ( grau I ), Moderado (grau II ) , Severo (
grau III )
 Nodulações
 Desaparecimento do sulco mediano

EDR – Carcinoma de Próstata




Consistência endurecida, lenhosa, nódulos ,
áreas ou todo o órgão
Superfície irregular
Tamanho normal ou aumentada de volume
Indolor ou dolorosa caso tumor com invasão
de tecidos vizinhos
Exame físico – Pelve feminina




Posição litotomia ou ginecológica
Genitália externa e intróito vaginal : atrofia,
ulcerações, prolapso de mucosa
Manobra de valsalva : cistocele e retocele
Palpação da uretra: inflamação crônica ou
malignidade, divertículo uretral
Exame físico – RN , Criança e adolescente




Coluna lombo-sacra ( bexiga neurogênica)
Abdome : massa abdominal ( hidronefrose neonatal ) , flacidez
( prune-belly ), umbigo( patologias do uráco ), anomalias
congênitas ( extrofia de bexiga )
Genital - Feminino: aderências labiais
- Masculino : tamanho do pênis, criptorquidia, testículo
retrátil, fimose e hipospádia
Adolescentes: varicocele e torção testicular