news 53_JAN 2014_especial_4.indd

Сomentários

Transcrição

news 53_JAN 2014_especial_4.indd
uma publicação do Grupo Wilson Sons
Março 2014 | ano 10 | nº 53
Novas unidades
e operações
especiais
Wilson Sons expandiu negócios
e ampliou o volume
de operações em 2013
NEW UNITS AND
SPECIAL OPERATIONS
Wilson Sons expanded its business and
increased the volume of operations in 2013
Índice
Editorial
Planos concretizados
3
Apoio Portuário
Central de Operação
de Rebocadores cresce em 2013
4
Giro pela WS
Wilson Sons Agência lança aplicativo
Monsanto premia Wilson Sons Logística
Presença nas redes sociais
6
Responsabilidade Social
Ações de voluntariado
8
Construção nava
Estaleiros assina novo contrato
9
Entrevista
Exploração de petróleo e gás melhorará futuro
do país – Vice-Almirante Viveiros,
da Diretoria de Portos e Costas (DPC)
10
Retrospectiva 2013
Crescimento e muito trabalho
14
Wilson Sons Estaleiros
Início de uma nova fase
18
Wilson Sons Ultratug Offshore
Ano de resultados
20
Wilson Sons Terminais
Movimento intenso
22
Wilson Sons Logística
Plataformas consolidadas
26
Wilson Sons Agência
Câmbio favorável impulsiona negócios
28
SMS
WS+ ganha prêmio
29
Memória
Tradição e segurança nos mares
30
Editorial
Specific plans………………………………………………3
Port Support
Tugboat Operations Center grew in 2013…………..4
On tour around WS
Wilson Sons Shipping Agency launches app
Monsanto awards Wilson Sons Logistics
Social networks presence…………………….………......6
Social Responsibility
Volunteer work…………………………...……………......8
Naval Construction
Shipyards signs a new contract…………………...…….9
Interview
Oil and gas exploration is set to improve
the country’s future - Vice Admiral Viveiros
of the Ports and Coasts Authority (DPC)………….10
Retrospective 2013
Growth and hard work………………………………....14
Wilson Sons Shipyards
The start of a new phase…………………..…………...18
Wilson Sons Ultratug Offshore
A year of results………………………………………......20
Wilson Sons Terminals
Intensive activity………………………………………....22
Wilson Sons Logistics
Consolidated platforms………………………...………26
Wilson Sons Shipping Agency
Favorable exchange rates boost business………..…..28
HSE
WS+ receives award………….…………………..……..29
History
Tradition and safety at sea………………………..……30
NEW,S é uma publicação trimestral do Grupo Wilson Sons, produzida e editada pela Textual Corporativa.
Edição e Redação: Daniel Cúrio
E-mail: [email protected]
Revisão: Liciane Corrêa
Fotos: Arquivo Wilson Sons e DPC (página 11)
GRUPO WILSON SONS - CEO: Cezar Baião
e Estaleiros: Arnaldo Calbucci
Jornalista responsável: Danielle Bastos
Diagramação: Conticom Comunicação Integrada
CFO e Relações com Investidores: Felipe Gutterres
Vice-presidente de Terminais e Logística: Sérgio Fisher
Vice-presidente de Rebocadores, Offshore, Agenciamento
Coordenação editorial: Comunicação & Sustentabilidade
Conselho editorial: Comitê de Comunicação Corporativa - CCC
Os artigos assinados e as opiniões são de total responsabilidade de seus autores.
Nenhum material desta publicação pode ser reproduzido sem prévia autorização.
NEW,S
Fevereiro 2013
2
Empresa associada
Expediente
Editorial
Planos concretizados
O ano de 2013 não foi nada fácil. A economia mundial ainda está abalada e o cenário
apresentou muitas incertezas. Ainda assim, com o esforço e a dedicação de toda a nossa
equipe, conseguimos superar os desafios que se impuseram em nosso caminho.
Para esta edição, preparamos uma retrospectiva de 2013 em todos os nossos negócios. Um
dos destaques do ano foi o aumento nas manobras da Wilson Sons Rebocadores, tanto em
operações especiais quanto nas operações portuárias. Todas as companhias do Grupo Wilson
Sons registraram resultados muito positivos e a expectativa para 2014 é a melhor possível.
Ressaltamos ainda algumas conquistas dos últimos meses, como a assinatura do contrato para
construção de quatro Oil Spill Recovery Vessels (OSRVs) pela
Wilson Sons Estaleiros, o prêmio concedido pela DuPont
ao programa de segurança WS+ e as ações de voluntariado
corporativo do Criando Laços.
No Giro pela WS, contamos um pouco sobre a conquista
de um prêmio pela Wilson Sons Logística, o lançamento do
aplicativo da Wilson Sons Agência e a presença do Grupo
Wilson Sons nas redes sociais.
Trazemos também uma entrevista com o Vice-Almirante
Claudio Portugal de Viveiros, que fala sobre a atuação da
Diretoria de Portos e Costas (DPC). Na seção Memória,
vamos conhecer um pouco mais do trabalho dos rebocadores
da Wilson Sons, que operam no país desde o século XIX.
Boa leitura!
Cezar Baião
CEO do Grupo Wilson Sons
Specific plans
The year of 2013 was a hard year indeed. Global economy is still
affected and the outlook was truly uncertain. However, despite this,
thanks to our entire team’s effort and dedication, we managed to
overcome all the challenges that came our way.
We prepared a retrospective for 2013 encompassing all our businesses
for this edition. One of the highlights was the increase in the number of
maneuvers carried out by Wilson Sons Tugboats, both in terms of special
operations and port operations. All the Wilson Sons Group companies
presented very positive results and the outlook for 2014 is as
good as it gets.
We would like to highlight some of the achievements from the last
few months, such as the signing of a contract for building four Oil
Spill Recovery Vessels (OSRVs) by Wilson Sons Shipyards, the award
from DuPont for the WS+ safety program and the actions of the corporate
volunteer program Creating Bonds.
In the Tour of WS section, we will speak a little about the award
Wilson Sons Logistics got, the launching of the Wilson Sons Shipping Agency
app and Wilson Sons Group’s presence in the social networks.
We also included an interview with Vice Admiral Claudio Portugal de
Viveiros, who speaks of the actions of the Port and Coast Authority (DPC).
In the Historical Awareness section, we will have a more in-depth look at
the work Wilson Sons’ tugboats - who have been in operation in the country
since the XIX century - carry out.
Have a nice read!
Cezar Baião
Wilson Sons Group CEO
Rua da Quitanda, 86 - 5º andar | Centro | Rio de Janeiro | RJ | Cep: 20091-005 | T 55 21 3504-4222 | www.wilsonsons.com.br
NEW,S
Março 2014
3
Apoio Portuário
Central de Operação
de Rebocadores
cresce em 2013
Companhia rastreia 25 embarcações, garantindo maior eficiência e segurança
A Central de Operação de
Rebocadores (COR) da
Wilson Sons Rebocadores foi ampliada em 2013 e vai crescer ainda
mais neste ano. A ferramenta, que
visa maior eficiência e segurança nas
operações de rebocagem, passou a
monitorar quatro novos portos no ano
passado. Em julho, foram incluídas as
embarcações que atendem aos portos
de Paranaguá (PR) e Vitória (ES). Em
dezembro, foi a vez de Recife e Suape,
ambos em Pernambuco.
Com isso, a companhia passou a
rastrear 25 rebocadores, que atendem a estas regiões e mais os portos
de Santos (SP), São Sebastião (SP),
Rio de Janeiro (RJ) e Itaguaí (RJ).
Mais 23 embarcações passarão a
integrar a Central em 2014. Elas
NEW,S
Março 2014
4
operam nos portos de Fortaleza,
Pecém, Salvador, Imbituba, Itajaí,
São Francisco do Sul e Rio Grande.
“A COR é fundamental para garantirmos o melhor aproveitamento
de nossas operações. Melhoramos a
navegabilidade nos portos em que
atuamos e aumentamos a eficiência
da embarcação por usar a potência
adequada para todos os portes de navios. A Central nos ajuda também a
ampliar a economia de combustível”,
diz o gerente da COR, Pedro Lima.
O projeto piloto foi iniciado na
filial Santos, com apenas dois operadores. Hoje, já são nove profissionais, recrutados no mercado marítimo de Santos, não necessariamente
na área de rebocagem, aumentando
a expertise da equipe.
Lima conta que, após a implementação da COR nos portos, o retorno
da comunidade marítima foi muito
positivo. Ele ressalta que a Central é
mais uma ferramenta para colaborar
com as operações portuárias.
“Para os clientes, a COR também
é uma ferramenta muito importante.
Podemos mostrar nosso serviço em
tempo real. Temos recebido muitos
clientes que ficam impressionados
com a quantidade de informações que
dispomos. A resposta tem sido ótima.”
Atualmente, a Central passa por
um processo de incremento em sua
infraestrutura. Novos equipamentos
estão sendo adicionados para dar
conta da demanda, que aumentará
com a entrada de novas embarcações
no sistema.
.
Até o final do ano, 48 embarcações serão rastreadas pela COR
48 vessels will be COR-tracked before the end of the year
Tugboat Operations Center grew in 2013
The company tracks 25 vessels, guaranteeing improved efficiency and safety
Wilson Sons Tugboat’s Operation Center
(COR) grew in 2013 and it is set to grow even
further this year. Last year, the tool, which is
designed to increase efficiency and safety in
tugboat operations, started monitoring nine
new ports. In July, the vessels attending to
the ports of Paranaguá (PR) and Vitória (ES)
were included. In December, it was Recife
and Suapé’s turn, both of which are located
in Pernambuco.
In this way, the company went on to track
25 tugboats attending to these regions plus
the ports of Santos (SP), São Sebastião (SP),
Rio de Janeiro (RJ) and Itaguaí (RJ). More
than 23 vessels will become a part of the
Center in 2014. These operate at the ports of
Fortaleza, Pecém, Salvador, Imbituba, Itajaí,
São Francisco do Sul and Rio Grande.
“The Tugboat Operation Center (COR) is key
to guaranteeing increased return in our operations. We improved navigability in the ports
in which we operate and increased vessel
efficiency thanks to using the correct power
for the different-sized vessels. The Center also
helps increase fuel savings”, explained COR’s
manager Pedro Lima.
The pilot project started at the Santos
subsidiary with just two operators. There are
now nine professionals, all recruited at the
Santos maritime market but not necessarily
in the area of tugboats, which increased the
team’s expertise.
Lima explains that the implementation of
COR reflected in a very positive way among the
maritime community at the ports. He highlights
that the Center represents one more tool to
enhance collaboration in port operations.
“For the clients, COR is also a very important tool. We are able to show our services
in real time. We have a number of clients
who were very impressed with the amount
of information that we handle. Feedback has
been very positive.” Currently the Center is
undergoing a process of infrastructure expansion. New equipment is being added to
be able to handle the volume, which is set
to increase once new vessels are added to
the system.
.
NEW,S
Março 2014
5
Giro pela WS
Wilson Sons Agência
lança aplicativo
Usuários de iPad e iPhone terão acesso a diversos recursos
A Wilson Sons Agência desenvolveu um novo canal de contato com
seus clientes. A companhia lançou no final de 2013 o aplicativo
WSAgency, que reúne todos os recursos que já existiam no site. Está
disponível para iPad e iPhone e o download pode ser feito gratuitamente.
Por meio do aplicativo, os usuários podem obter informações de todas
as filiais da companhia no Brasil e no exterior e ter acesso a uma listagem
de portos atendidos pela Wilson Sons, além do calendário com as datas de
feriados em cada porto e da descrição dos serviços oferecidos.
Na área exclusiva do WSAgency para clientes, é possível acompanhar
informações operacionais sobre as escalas de navios e solicitar serviços online.
Quem ainda não tiver acesso ao sistema Wilson Online deve cadastrar-se
por meio do site http://agency.wilsononline.com.br.
.
Informações da companhia e dos portos
brasileiros estão disponíveis no aplicativo
Informações da companhia e dos portos brasileiros
estão disponíveis no aplicativo
Wilson Sons Agency launches app
iPad and iPhone users will have access to a number of resources
Wilson Sons Shipping Agency has developed a new channel for
contacting its clients. At the end of 2013, the company launched
WSAgency, an app that includes all the resources which were already
available at the website. It is a free download for iPad and iPhone.
Users may access all the information of the company’s subsidiaries
both in Brazil and abroad, as well as a list of the ports attended to by
Wilson Sons and the calendar with all the holidays in each port and
a description of the services offered.
The exclusive WSAgency client area allows for monitoring operational
information on vessel stopovers and requesting services online. Those
who still have no access to the Wilson Sons online system must register
through the website http://agency.wilsononline.com.br.
.
Monsanto premia Wilson Sons Logística
Companhia foi reconhecida pela excelência na armazenagem de sementes
O trabalho da Wilson Sons Logística
na armazenagem de sementes
para a Monsanto foi homenageado
pelo cliente. A empresa, que é parceira
da Monsanto há oito anos, recebeu em
novembro o Prêmio de Reconhecimento de Logística 2013 na categoria
Armazenagem/Sementes.
Em sua oitava edição, o prêmio
destaca aspectos como qualidade do
NEW,S
Março 2014
6
serviço prestado, produtividade, segurança, gestão e sustentabilidade, itens
que precisam atuar de forma alinhada e
equilibrada para refletir no resultado final, que é a satisfação do produtor rural.
“O reconhecimento é importante
porque mostra que estamos alinhados,
mas, também serve para nos motivar
na busca por valor e eficiência operacional”, disse a diretora Comercial da
Wilson Sons Logística, Miriam Korn,
que recebeu o prêmio.
Essa foi a primeira vez que a logística
de armazenagem foi premiada pela
Monsanto. O objetivo da companhia
com as homenagens é fazer com que
todos os seus fornecedores tenham a
mesma visão do cliente, ou seja, trabalhem em sintonia e focados em metas
que se traduzam em qualidade.
.
Presença nas redes sociais
Wilson Sons se aproxima de clientes, parceiros
e fornecedores por meio da internet
A ntenado com as novas tendências
dos meios de comunicação, o
Grupo Wilson Sons tem estreitado
Wilson Sons becomes closer to its clients, partners
laços com seus clientes, parceiros e
and suppliers through the internet
fornecedores por meio das redes sociais. Utilizando Facebook, Twitter,
In line with the new communications
carried out by Wilson Sons, simply access
trends, the Wilson Sons Group has been
your social media of choice. The Facebook
Youtube e LinkedIn, a companhia
using social media to come closer to clients,
address is facebook.com/WilsonsonsBR.
divulga suas novidades, apresenta
partners and suppliers alike. The company
For Twitter, go to twitter.com/Wilsoncuriosidades sobre suas operações,
promotes its news, displays curious operaSonsIR. LinkedIn users may access through
promove concursos culturais e dispotional facts, organizes cultural competitions
http://www.linke-din.com/company/wilsonand makes videos available through Facesons. The company’s videos may be seen
nibiliza vídeos.
book, Twitter, YouTube and LinkedIn.
through its channel on youtube.com/user/
Para estar sempre em contato com a
To be in constant touch with the activities
WilsonSonsir.
Wilson Sons, basta escolher sua mídia
social favorita. No Facebook, o endereço é facebook.com/WilsonsonsBR.
No Twitter, acesse twitter.com/WilsonSonsIR. Os usuários do LinkedIn
podem entrar no http://www.linkedin.com/company/wilsonsons. E para
assistir aos vídeos no Youtube, o canal
twitter.com/WilsonSonsIR
da companhia é youtube.com/user/
facebook.com/WilsonsonsBR
WilsonSonsir.
Social networks presence
.
.
http://www.linkedin.com/company/wilsonsons
youtube.com/user/WilsonSonsir
Monsanto awards Wilson Sons
The company was acknowledged for its excellence in the storage of seeds
Wilson Sons Logistics’ work in the storage of seeds for Monsanto was
praised by the client. The company has been in partnership with Monsanto for eight years and in November, it received the 2013 Logistics
Acknowledgement Award in the Storage/Seeds category.
In this, its eighth edition, the award highlights quality aspects for the
services delivered, productivity, safety, management and sustainability,
which are items that need to be dealt with in an aligned and balanced
manner in order that this reflects on the result, which is the rural pro-
ducer’s satisfaction. “This acknowledgement is important because it
showcases our alignment, but it also helps motivate us in the quest
for operational value and efficiency”, said Wilson Sons Logistics
Commercial Director, Miriam Korn, who the award. It was to be the
first time that storage logistics received the award by Monsanto. The
company’s objective with the bestowing of awards was to enable for
all of their suppliers to have the same vision of the client, that is to
say, to work in harmony and focused on goals that derive in quality.
.
NEW,S
Março 2014
7
Responsabilidade Social
Ações de voluntariado
Colaboradores participam de atividades promovidas pelo programa Criando Laços
A proveitando as festas de fim
de ano, os colaboradores da
Wilson Sons participaram de ações
de voluntariado para alegrar o
Natal e o Ano Novo de dezenas
de pessoas. As atividades foram
estimuladas pelo programa Criando Laços. Funcionários da filial de
São Francisco do Sul, da Estação
Aduaneira de Interior (EADI) Santo
André, da Wilson Sons Estaleiros e
do Tecon Rio Grande se engajaram na
iniciativa.
Na filial, em Santa Catarina, a ação
ocorreu no Lar dos Idosos de São Francisco do Sul. Os voluntários se reuniram para comprar e entregar materiais
para a finalização da pintura das novas
edificações da instituição.
Já os colaboradores da EADI Santo
André (SP) realizaram uma confraternização com a Pastoral da Criança. No
encontro, foram distribuídos lanches
e presentes como roupas, brinquedos
e calçados a quarenta e cinco crianças
atendidas pela instituição.
No Guarujá (SP), a equipe da
Wilson Sons Estaleiros fez entrega de
livros para crianças de uma escola vizinha às duas unidades da companhia.
A obra escolhida foi A Perigosa Vida
dos Passarinhos Pequenos, da jornalista
Míriam Leitão. As cerca de 70 crianças
presentes ouviram algumas histórias
sobre os animais e a natureza e desfrutaram de um delicioso lanche.
NEW,S
Março 2014
8
Voluntários da filial São Francisco do Sul no Lar dos Idosos
Volunteers from the São Francisco do Sul subsidiary at the Geriatric Home
Em Rio Grande (RS), 80 crianças
da 4ª Secção da Barra, onde fica o
Tecon, participaram de uma festa na
sede da empresa, com direto a visita
do Papai Noel, que distribuiu presentes, lanches e panetones. O material
foi arrecadado entre funcionários do
terminal.
.
Volunteer work
Staff partakes of activities organized by the Creating Bonds program
To celebrate the end-of-year festivities,
Wilson Sons staff partook of volunteer
actions to brighten up the Christmas
and New Year’s celebrations of dozens
of people. The activities were organized
by the Creating Bonds program. Staff
from the São Francisco do Sul subsidiary, the Santo André Inland Port (EADI),
Wilson Sons Shipyards and Tecon Rio
Grande partook of this initiative.
At the Santa Catarina, subsidiary the action
was carried out at the São Francisco do Sul
Geriatric Home. The volunteers gathered
to buy and hand out materials for finishing
painting the institution’s new building.
As for the EADI Santo André (SP) staff,
they organized a reunion with the Children’s
Pastoral. Snacks and presents such as
clothing, toys and shoes were distributed
among the forty-five children attended to
by the institution.
At Guarujá (SP), the Wilson Sons Shipyards
team distributed books for a school that
is near both of the company’s units. The
book they chose was A Perigosa Vida dos
Passarinhos Pequenos, or The Dangerous
Lives of Little Birds, written by the journalist Míriam Leitão. The almost 70 children
who were present heard some stories
about animals and nature and enjoyed
delicious snacks.
In Rio Grande (RS), 80 children from the
4ª Secção da Barra, which is where Tecon
is, partook of a party at the company’s subsidiary, which included a visit from Santa
Claus, who handed out presents, snacks
and panetones. The goodies were donated
by the terminal’s staff.
.
Construção Naval
Estaleiros assina
novo contrato
Quatro OSRVs foram encomendados pela Oceanpact
A Wilson Sons Estaleiros fechou
um novo contrato, no final de
dezembro. A companhia vai construir quatro Oil Spill Recovery Vessels
(OSRVs), embarcações de apoio
offshore especializadas no combate
ao derramamento de óleo, que serão
operadas pela Oceanpact Serviços Marítimos. Cada OSRV tem 67 metros de
comprimento, 14 metros de largura e
capacidade de armazenagem de 1.050
m³ de óleo derramado.
Pela construção das quatro embarcações, a Oceanpact desembolsará
cerca de R$ 333 milhões. Os OSRVs
serão construídos no complexo de
estaleiros da Wilson Sons, em Guarujá
(SP), e têm previsão de entrega à
Oceanpact até 2016.
Além desta encomenda, a
Wilson Sons Estaleiros possui outras 17
embarcações em carteira, sendo 12 rebocadores para a Wilson Sons Rebocadores,
um Platform Supply Vessel (PSV) para
a Wilson Sons Ultratug Offshore, um
Remotely Operated Vehicle Support Vessel
(ROVSV) para a Fugro Brasil e dois
OSRVs e um PSV para a Geonavegação.
.
ORSVs serão construídos nos estaleiros do Guarujá
ORSVs serão construídos nos estaleiros do Guarujá
Shipyards signs a new contract
Four OSRVs ordered by Oceanpact
At the end of December, Wilson Sons Shipyards
closed a new contract. The company is to
build four Oil Spill Recovery Vessels (OSRVs), which are specialized offshore support vessels for combating oil spills; these
will be operated by Oceanpact Maritime
Services. Each OSRV will be 67 meters in
length, 14 meters wide and will be able to
store 1,050 m³ of spilt oil.
Oceanpact is set to pay almost R$ 333
million for the building of these four
vessels. The OSRVs will be built in the
Wilson Sons shipyard complex in Guarujá
(SP), and delivery to Oceanpact is expected
to take place before 2016.
Besides this assignment,
Wilson Sons Shipyards also has 17 other
vessels on order, 12 of which are tugboats for
Wilson Sons Tugboats, one Platform Supply Vessel (PSV) for
Wilson Sons Ultratug Offshore, one Remotely Operated Vehicle Support Vessel
(ROVSV) for Fugro Brasil and two OSRVs
and one PSV for Geonavegação.
.
NEW,S
Março 2014
9
Entrevista
Exploração de petróleo
e gás melhorará
futuro do país
Vice-Almirante Viveiros, da Diretoria de Portos e Costas (DPC),
diz que entidade se prepara para o crescimento desse mercado
U M DOS TEMAS MAIS DEBATIDOS NO PAÍS NOS ÚLTIMOS ANOS,
O CRESCIMENTO DA EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NO
BRASIL TEM SIDO OBSERVADO DE PERTO PELA DIRETORIA DE
PORTOS E COSTAS (DPC). DE ACORDO COM SEU DIRETOR, O
VICE-ALMIRANTE CLAUDIO PORTUGAL DE VIVEIROS, O FORTALECIMENTO DESSE MERCADO É UM DESAFIO , JÁ QUE ESSES
RECURSOS PODEM TRAZER UM FUTURO MELHOR PARA O PAÍS.
“NESSE SENTIDO, A DPC TEM PROCURADO IDENTIFICAR AS SUAS
CARACTERÍSTICAS, COMO A CONCENTRAÇÃO E INTENSIFICAÇÃO
DO TRÁFEGO MARÍTIMO RESULTANTE, E AS PECULIARIDADES DAS
EMBARCAÇÕES DEDICADAS A ELA, E SE ADEQUANDO E ATUALIZANDO PARA SE MANTER EM CONDIÇÕES DE ATENDER A ESSAS NOVAS
DEMANDAS”, EXPLICA
Oil and gas exploration
is set to improve the
country’s future
Vice Admiral Viveiros, from the Ports
and Coasts Authority (DPC) says that the
organization is preparing for the growth
which is to take place in this market
NEW,S
Março 2014
10
VIVEIROS.
One of the most talked about issues in the country in the last few years has
been oil and gas exploration, it has been closely monitored by the ports and coasts
authority (dpc). According to its director, vice admiral claudio portugal de viveiros,
the strengthening of this market represents a challenge, as these resources may
be able to bring about a brighter future for the country. “To this end, the dpc has
endeavoured to identify its characteristics , such as the volume and intensifying
of the resulting maritime traffic, the peculiarities of the vessels involved, and has
further committed to adapt to and modernise in order to be able to better attend
to the needs prompted by these new demands”, viveiros explains.
NEW,S | Qual é o papel da Diretoria
de Portos e Costas para o desenvolvimento das atividades marítimas?
Vice-Almirante Viveiros | O papel
da DPC se confunde com a própria
história dessas atividades no Brasil.
A constatação, no início do século
passado, da necessidade de um órgão
centralizador de controle e fiscalização
marítimos foi o que resultou na criação,
primeiramente da Inspetoria, posteriormente da Superintendência de Portos e
Costas e ainda da Diretoria de Marinha
Mercante, que antecederam a DPC.
A DPC, hoje revestida da responsabilidade de Representante da Autoridade Marítima, que é o Comandante
da Marinha do Brasil, não deixou de
evoluir, de modo a manter-se aderente
às suas obrigações legais. Nesse sentido,
dedica-se atualmente a diversas tarefas
essenciais, como implementação e fiscalização de leis e regulamentos, segurança do tráfego aquaviário, prevenção
da poluição, e habilitação e qualificação
de pessoal marítimo, entre outras.
Portanto, seu papel é chave para a atividade marítima no Brasil, e é com essa
importância que o enxergamos aqui
na DPC. Para melhor contribuir para
o desenvolvimento dessa atividade, a
DPC busca a maior proximidade e
a melhor interlocução possíveis com
todos os atores envolvidos, identificar
e superar os desafios que a intensa dinâmica dessa atividade, tão primordial
ao País, nos impõe.
NEW,S | Qual é o efetivo e como
está estruturada a DPC?
Vice-Almirante Viveiros | A DPC
dispõe hoje de uma força de trabalho
de cerca de 350 pessoas, entre civis e
militares. Ela está estruturada em quatro assessorias: Comunicação Social,
Atividades Marítimas Internacionais,
Jurídica e Gestão Financeira; e seis
superintendências: Ensino Profissio-
Vice-Almirante Claudio Portugal de Viveiros, da Diretoria de Portos e Costas (DPC)
Vice Admiral Claudio Portugal de Viveiros, from the Ports and Coasts Authority (DPC)
nal Marítimo, Segurança do Tráfego
Aquaviário, Administração e Apoio,
Gestão e Processos, Meio Ambiente e Política Marítima. Além destas
NEW,S | What role does the Ports and Coasts
Authority play in the development of maritime
activities?
Vice Admiral Viveiros | The DPC’s role has
always been closely linked to the very history
of these activities in Brazil. The creation of
the DPC came about during the course of
the last century when it was established that
there needed to be a centralized organization
for maritime control and surveillance, to take
over from the Ports and Coasts Superintendence, and the Merchant Navy Authority,
both predecessors of the DPC. Nowadays,
the responsibility for the representation of
the Maritime Authority, which Commands the
Brazilian Navy, falls on the DPC, and it has
not stopped evolving so as to keep adhering to
its legal obligations. In this respect, different
essential tasks such as implementing surveillance methods for laws and regulations, safety
in water traffic, pollution prevention, training
of maritime staff and others are carried out.
Therefore, its role is key for maritime activities
in Brazil, and this is the level of importance
with which we treat it here at the DPC. In order
atividades, faz a supervisão funcional
da rede de Capitanias, Delegacias e
agências marítimas e fluviais em todo
o território nacional.
to better contribute towards the development
of this activity, the DPC seeks increased proximity and the best possible communication
with the different actors involved, as well as
identifying and raising to the challenges which
are set by the intense dynamics of this activity
and which are so important for the Country.
NEW,S | How many people work for the DPC
and how is it structured?
Vice Admiral Viveiros | The DPC’s workforce is of about 350 people, including civilians and military staff. These are divided into
four advice bureaus: Social Communication,
International Maritime Activities and Judicial
and Financial Management; and six superintendences: Professional Marine Training,
Water Safety Training, Administration and
Support, Management and Processes, the
Environment and Maritime Policies. Besides
these activities, it is in charge of the functional
supervision of the network of Captaincies,
Delegations and maritime and river agencies
all over the country.
NEW,S
Março 2014
11
NEW,S | A DPC está preparada para
atender o crescimento da indústria de
petróleo e gás?
Vice-Almirante Viveiros | Esse
crescimento constitui um desafio na
medida em que a exploração de importantes riquezas no subsolo marinho
descortina um futuro melhor para o país.
Nesse sentido, a DPC tem procurado
identificar as suas características, como a
concentração e intensificação do tráfego
marítimo resultante, e as peculiaridades
das embarcações dedicadas a ela, e se
adequando e atualizando para se manter
em condições de atender a essas novas
demandas.
NEW,S | Quais são os fatos que marcaram 2013?
Vice-Almirante Viveiros | Acredito
Marítimas Brasil-Dinamarca, no Centro
de Instrução Almirante Graça Aranha
(CIAGA); a visita do secretário-geral
da Organização Marítima Internacional
(IMO) à Autoridade Marítima Brasileira; e a realização do Processo Seletivo
para a categoria de Praticante de Prático
2012/2013.
NEW,S | Quais são os desafios para
ano de 2014?
Vice-Almirante Viveiros | Entre os
principais desafios para 2014 estão a
elevação do número de vagas oferecidas pelas empresas para a realização do
Programa de Estágio Embarcado – Prest,
para os futuros Oficiais de Náutica e
Máquinas, e a aplicação da regulação
econômica da atividade de praticagem.
Jurisdição Nacional (PNC), que fixa
responsabilidades, estabelece estrutura
organizacional e define diretrizes, procedimentos e ações, com o objetivo
de permitir a atuação coordenada de
órgãos da administração pública e entidades públicas e privadas para ampliar
a capacidade de resposta em incidentes
de poluição por óleo, que possam afetar
as águas sob jurisdição nacional, e minimizar danos ambientais.
NEW,S | O mar é essencial para o
desenvolvimento da economia brasileira, e a cada ano esta participação
se intensifica, seja no comércio ou na
exploração de suas riquezas. Como é
manter este fluxo sem se descuidar do
meio ambiente?
Vice-Almirante Viveiros | A per-
que os fatos que mais marcaram o ano
de 2013 foram a inauguração do Centro
de Simuladores de Navios CLC José
Jacaúna Sales, no Centro de Instrução
Almirante Braz de Aguiar (CIABA); a
realização do Seminário de Autoridades
NEW,S | Existe plano de contingência
para as bacias de Campos e Santos?
Vice-Almirante Viveiros | Foi aprovado, no ano de 2013, o Plano Nacional de Contingência para Incidentes
de Poluição por Óleo em Águas sob
gunta já explicita a crescente importância do mar para a economia
brasileira e o bem estar dos brasileiros. Intensificar a atividade marítima
sem declinar da preservação do meio
ambiente marinho é um desafio que
NEW,S | Is the DPC is ready for attending to
the growth of the oil and gas market?
Vice Admiral Viveiros | This growth represents a challenge, in that the exploration of
the riches which lie under the seabed unveils
a better future for the country. To this end, the
DPC has endeavored to identify its characteristics, such as the volume and intensifying of
the resulting maritime traffic, the peculiarities
of the vessels involved, and has further looked
at modernizing to better attend to the needs
prompted by these new demands.
nha (CIAGA) Training Center; the visit from the
secretary-general of the International Maritime
Organization (IMO) to the Brazilian Maritime
Authority; and the carrying out of the Selection
Process for the category of Pilot Apprentice
2012/2013.
tion (PNC), which lays out the responsibilities,
establishes an organizational structure and
defines the guidelines, procedures and actions
to take place, was passed. Its objective is to
allow for coordinated efforts from the government and public and private organizations to
increase the response capacity in the event
of polluting incidents involving oil which may
affect international waters, thus minimizing
environmental damages.
NEW,S | What facts marked 2013?
Vice Admiral Viveiros | I believe that the
most important events of 2013 included the
inauguration of the José Jacaúna Sales Vessel
Simulation Center (CLC), at the Almirante Braz
de Aguiar (CIABA) Training Center; the BrazilDenmark Maritime.
Authority Seminar, at the Almirante Graça Ara-
NEW,S
Março 2014
12
NEW,S | What are the challenges for 2014?
Vice Admiral Viveiros | The challenges for
2014 include increasing the number of vacancies offered by the companies for the carrying
out of the On-board Internship - Prest, for
future Nautical and Machinery Officers, as
well as achieving an increase in the economic
attributes of the piloting activity.
NEW,S | Is there a contingency plan in place
for the Campos and Santos basins?
Vice Admiral Viveiros | In 2013, the National
Contingency Plan for Pollution Incidents due to
Oil in Waters which are under National Jurisdic-
NEW,S | The sea is essential for the development of Brazilian economy, and its participation
grows year after year, be it through commerce
or the exploration of its riches. How might this
rhythm be maintained without harming the
environment?
Vice Admiral Viveiros | The growing importance of the sea in the Brazilian economy and
the well-being of Brazilians is implicit in the
question. Intensifying maritime activity without
se apresenta a toda a comunidade
marítima mundial.
No Brasil, que reconhecidamente
possui uma legislação ambiental
moderna e rigorosa, há três agentes governamentais – a Associação
Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), o Instituto
Brasileiro do Meio Ambiente e
dos Recursos Naturais Renováveis
(IBAMA) e Marinha do Brasil – que
dividem responsabilidades no que
tange ao combate à poluição hídrica,
operando de forma complementar e
articulada. É, portanto, mediante o
cumprimento das leis, sob a vigilância
dos órgãos competentes, que será
possível ao Brasil auferir os benefícios
da exploração dessas riquezas e preservar o seu meio ambiente marinho.
A Marinha empenha-se no emprego
dos seus recursos de Patrulha Naval,
como navios, embarcações e aeronaves, na fiscalização do cumprimento a
essas convenções e normas, o que demonstra a importância de possuirmos
neglecting marine environment preservation
is a challenge for the world’s maritime community. Brazil is well known for its modern
and rigorous environmental legislation, and
there are three governmental agencies - the
National Agency for Petroleum, Gas and
Biofuels (ANP), the Brazilian Institute of Environment and Renewable Natural Resources
(IBAMA) and the Brazilian Navy, who share
responsibilities for issues to do with water
pollution combat, aiming at operating in a
coordinated manner. Therefore, it is through
the fulfilment of the law, under surveillance
from the organizations in charge that Brazil
will be able to benefit from the exploiting of
said riches as well as preserving our marine
environment.
The Navy is committed to the usage of its
Naval Patrols resources, including vessels,
boats and planes, in the control of these
conventions and norms, which highlights the
meios compatíveis com a extensão
das nossas águas.
Isso comprova as peculiaridades a que
me referi anteriormente.
NEW,S | Como está o desafio de
NEW,S | Existe alguma ação espe-
formar marítimos, sobretudo oficiais,
para uma frota sempre crescente?
Vice-Almirante Viveiros | A iden-
cífica que precisa ser tomada para
atingir o objetivo de formar cada
vez mais Oficiais?
Vice-Almirante Viveiros | Esse é
tificação das reais necessidades de mão
de obra de marítimos nem sempre é
uma tarefa fácil, em virtude das características muito particulares desse
mercado de trabalho. Há tempos a
DPC identificou a necessidade de
elevar a quantidade de marítimos formados, a fim de responder ao desafio
da crescente atividade marítima. Nesse
sentido, a capacidade das escolas de
formação foi elevada, alcançando o
número recorde de cerca de 730 novos
oficiais em 2013.
Paradoxalmente, porém, esse esforço
não tem sido acompanhado pelo indispensável aumento do número de vagas
disponibilizadas pelas empresas para
a realização do Programa de Estágio
Embarcado, como seria de se esperar.
importance of having means that are in line
with the extension of our waters.
NEW,S | How is the challenge of training
maritime workers, officers in particular for
this ever-growing fleet coming along?
Vice Admiral Viveiros | In view of the peculiarities of this market, identifying the real
need for maritime workers is not always easy.
Some time ago, the DPC identified the need
for increasing the amount of qualified maritime personnel in order to be able to respond
to the challenge of the growing maritime
activity. In this respect, the capacity of the
training Centers was high, reaching a record
number of almost 730 new officers in 2013.
However, this effort has not been accompanied by the essential increase in the number
of spaces made available by companies for the
carrying out of the On-Board Internship Program, as would be expected. This highlights
um mercado de trabalho muito específico e, como tudo o mais na atividade
marítima, possui uma dinâmica muito
própria. Assim, mostra-se necessário um
permanente e criterioso monitoramento
das suas demandas, para responder tempestivamente a elas na medida devida.
NEW,S | Os atuais centros de formação serão suficientes para dar conta
deste objetivo?
Vice-Almirante Viveiros | Até o
presente momento, os dois centros de
formação têm se mostrado adequados à
demanda que tem se apresentado. Como
temos visto, tem sido possível, mediante o
investimento na ampliação das suas capacidades, atender às necessidades surgidas.
.
the peculiarities to which I referred earlier.
NEW,S | Is there an action which may be
taken specifically to reach the objective of
having an increasing number of trained Officers?
Vice Admiral Viveiros | It is a very specific
market and, like everything else in maritime
activities, it has its own dynamics. In this
way, permanent and careful monitoring of the
demands is necessary in order to respond to
them in the right measure.
NEW,S | Will the current training Centers be
enough to cover this objective?
Vice Admiral Viveiros | Up until this moment,
the two training Centers have been adequate
for the demand which has arisen. As we have
seen, through investing in the broadening of
capabilities, it has been possible to attend to
the demands which have come up.
.
NEW,S
Março 2014
13
Retrospectiva 2013
NEW,S
Março 2014
14
Crescimento
e muito trabalho
Com a entrada em operação de três novas unidades,
companhia comemora conquistas de 2013
O ano que passou foi muito especial para o Grupo Wilson Sons.
A companhia, que comemorou seus
176 anos, guardará 2013 para sempre
como um período de conquistas,
com a inauguração e aquisição de
unidades, mas também como um ano
de resultados positivos, colhidos em
todos os segmentos em que atua. O
bom desempenho nos negócios foi
reconhecido pelo mercado, já que a
companhia recebeu diversos prêmios,
concedidos por clientes, parceiros e
pela imprensa.
“Ao longo de 2013, concluímos um
intenso ciclo de investimentos, que teve
seu início com o IPO (oferta pública
inicial de ações), em 2007. Neste período, cerca de US$ 1 bilhão foi aplicado
pela companhia no desenvolvimento da
infraestrutura brasileira”, diz o CEO do
Grupo Wilson Sons, Cezar Baião.
Entre os principais marcos do ano
está a entrada de três novas unidades.
Fruto de um investimento de US$ 60
milhões, o estaleiro Guarujá II foi inaugurado em abril. Ele mais que duplica a
capacidade de processamento de aço e
torna a Wilson Sons Estaleiros capaz de
construir embarcações ainda maiores,
graças a um moderno dique seco com
boca de 26 metros. O novo espaço
permitiu à companhia fechar contratos
para a construção de novas embarcações,
como Oil Spill Recovery Vessels (OSRVs)
e Remotely Operated Vehicle Support Vessels
(ROVSVs).
A companhia também adquiriu uma
nova base para a Brasco, em julho.
Batizado de Brasco Caju, o terminal
fica na Zona Portuária do Rio de Janeiro e amplia a capacidade de atender
às embarcações de apoio offshore que
operam nas bacias de Campos e Santos.
Para a aquisição, a Brasco desembolsou
R$ 121,9 milhões. Após obras de modernização, em que serão investidos mais
R$ 100 milhões, a unidade passará a ter
entre cinco e seis berços.
Em Pernambuco, a Wilson Sons Logística
inaugurou, em fevereiro, o Centro Logístico Suape. O terminal faz parte do
planejamento de plataformas regionais
da companhia e ajudará a desenvolver as
operações de logística em todo o Nordeste. O resultado foi tão positivo que
a unidade será transformada em Estação
Aduaneira de Interior (EADI) em 2014.
NEW,S
Março 2014
15
Outras conquistas do ano incluem a
aquisição de novos equipamentos para
o Tecon Rio Grande, a continuidade
das obras de modernização do Tecon
Salvador e o início das operações de
quatro Platform Supply Vessels (PSVs)
pela Wilson Sons Ultratug Offshore.
“Todos estes projetos vêm proporcionando um substancial incremento
no nível de excelência dos serviços que
prestamos a nossos valiosos clientes”,
ressalta Baião.
ANO DESAFIADOR
Além de tantos fatos que ficarão marcados na história do Grupo Wilson Sons,
o ano também foi de superação
de desafios, como ocorreu com a
Wilson Sons Rebocadores. A companhia
viu a receita de suas operações especiais
extrapolar as previsões. Segundo o diretor
operacional da Wilson Sons Rebocadores,
Sérgio Guedes, este segmento teve boa
performance em 2013.
“Realizamos diversas manobras com
plataformas, como as das P-55, P-58 e
P-63 em Rio Grande (RS) e da P-62 em
Suape (PE), além dos petroleiros Zumbi
dos Palmares e Dragão do Mar, também
em Suape”, destaca o executivo. “Houve
ainda um importante reboque oceânico
para balsas da holandesa Jan De Nul,
no Nordeste, e ajuda no combate a três
incêndios em instalações portuárias, com
destaque para o ocorrido no Porto de
Santos, em outubro, além da participação
no salvamento do navio Vale Indonésia,
em São Luís (MA). Durante o ano, também ficamos responsáveis pelas manobras
das embarcações que trouxeram novos
equipamentos para os terminais da BTP
e da Embraport, em Santos.”
As operações portuárias tradicionais,
de acordo com Guedes, foram bastante
impactadas pelo desaquecimento da
economia mundial, o que fez com que
o número de manobras fosse reduzido.
Iniciamos 2013 com operações em
NEW,S
Março 2014
16
uma nova base no porto de Itajaí (SC).
A companhia já atendia os demais portos
catarinenses e agora conta com frota neste estado de sete rebocadores. Outro fato
importante de 2013 foram as renovações
dos contratos com a Petrobras para atuações nos terminais de gás de Pecém (CE),
ocorrida no primeiro semestre, e em São
Sebastião (SP), no segundo semestre.
Em 2013, a Wilson Sons Rebocadores
começou a operar uma nova embarcação, o Telescopium, rebocador azimutal
entregue em abril. O plano de renovação da frota contempla a construção
de 12 rebocadores azimutais de alta
potência financiados com recursos do
Fundo de Marinha Mercante (FMM).
Pelas previsões da Wilson Sons Estaleiros,
que constrói os rebocadores, cinco deles
serão entregues em 2014.
Na área de Saúde, Meio Ambiente e
Segurança (SMS), a companhia implementou o programa de segurança WS+,
que visa a mudança comportamental
dos colaboradores, na matriz e em todas
as suas filiais. Em 2012, o programa foi
iniciado nas filiais de Santos, Rio de
Janeiro e Vitória e, em 2013, foi estendido para as demais filiais. Além disso,
a Wilson Sons Rebocadores recebeu a
recertificação do sistema de qualidade
pelo Lloyd’s Register, que é renovado
a cada três anos.
A companhia também esteve focada
na capacitação de seus colaboradores em
2013. O Centro de Aperfeiçoamento
Marítimo William Salomon (CAM)
cumpriu treinamentos para todos os
gerentes e coordenadores de operações
do negócio rebocadores – aproximadamente 110 comandantes e 30 chefes
de máquinas. Para 2014, o objetivo é
atender a outro grupo de comandantes,
demais chefes de máquinas e iniciar
módulos específicos para marinheiros de
convés e máquinas.
Também no CAM, foi realizado um
treinamento piloto para capacitação de
comandantes, abordando o tema “liderança”. Inicialmente, participaram 30
profissionais. Neste ano, o curso será
ministrado para os demais comandantes
da companhia e fará parte da agenda de
engajamento do Grupo Wilson Sons.
Para o sucesso em 2013, as parcerias
de longo prazo com os clientes foram
fundamentais. A equipe comercial fez
diversas viagens para Europa e Ásia
para manutenção e prospecção de
novos negócios.
Em ano desfiador,Wilson Sons Rebocadores superou desafios
Wilson Sons Tugboats was able to overcome a year filled with challenges
.
Growth and hard work
With the starting up of three units, the company celebrates
the achievements of 2013
This last year was a very special one for the
Wilson Sons Group. After the 176 that have
elapsed, the company will always remember
2013 as a year of accomplishments, thanks to the
inauguration of units, but also as a year of positive
results throughout the segments it acts in. The
market acknowledged good performance in business, showcased by the different awards which
were given by clients, partners and the press alike.
“2013 closed an intense cycle of investments,
which started with the IPO (Initial Public Offering), in 2007. During this period, almost US$ 1
billion was invested by the company in Brazilian
infrastructure”, says Wilson Sons Group CEO,
Cezar Baião.
Among the main frameworks for the year is the
entry of three new units. As a result of a US$60
million investment, the Guarujá II shipyard was
inaugurated in April. It more than doubles the steel
processing capacity and means Wilson Sons Shipyards is able to build even larger vessels thanks to
a modern, 26-metre breadth dry dock. The new
space allowed the company to close contracts for
the construction of new vessels, such as Oil Spill
Recovery Vessels (OSRVs) and Remotely Operated
Vehicle Vessels (ROVSVs).
The company also acquired a new base for
Brasco in July. Baptized Brasco Caju, it is located
in the Port of Rio de Janeiro and broadens the
attendance capacity for offshore support vessels
which operate in the Campos and Santos basins.
Brasco paid R$ 121.9 million for the acquisition.
After the refurbishment, in which more than R$100
dollars are to be invested, the unit will have between five and six berths.
In February, Wilson Sons Logistics inaugurated
the Suape Logistics Center in Pernambuco. The
terminal is part of the company’s regional platform
planning and will help develop logistics operations
throughout the North East. The result was such
that the unit will be transformed into an Inland
Port (EADI) in 2014.
Other success stories that have taken place
this year have included new installations for
Tecon Rio Grande, the continued building works
at Tecon Salvador and the start of operations
of four Platform Supply Vessels (PSVs) by
Wilson Sons Ultratug Offshore.
“All these projects have been bringing in a
substantial increment in the level of excellence
where the services we lend to our valued clients
is concerned”, says Baião.
A YEAR OF
CHALLENGES
In conjunction with many
other issues that will go
down in the history of the
Wilson Sons Group, it was
a year for challenges,
like the ones faced by
Wilson Sons Tugboats.
The company saw its
Nas operações especiais, receita extrapolou previsões
revenue for special
All revenue expectations were exceeded for special operations
operations exceed all
expectations. According to Sérgio Guedes,
Wilson Sons Tugboats operations director, the by the Merchant Navy Fund (FMM). According
segment displayed a good performance in 2013. to Wilson Sons Shipyards, who are to build
“We carried out a number of maneuvers in the tugboats, five of them will be delivered
platforms, such as those in the P-55, P-58 and in 2014.
In the area of Health, Safety and the EnP-63 in Rio Grande (RS) and P-62 in Suape(PE),
as well as the petrol tankers Zumbi dos Pal- vironment (HSE), the company implemented
mares and Dragão do Mar, also in Suape”, says the WS+ safety program, which contemplates
the executive. “There was also an important a behavioral change among personnel, in
oceanic tow for vessels of the Dutch Jan De the headquarters and all the subsidiaries.
Nul company from the North East, and help in The program was started by the Santos,
the combating of three fires in port installations, Rio de Janeiro and Vitória subsidiaries, and
highlighting what took place at the Santos Port in 2013 it was extended to all the others.
in October, as well as the participation in the Furthermore, Wilson Sons Tugboats received
rescue operations of the Vale Indonésia vessel recertification of the safety system by Lloyd’s
in São Luís (MA). During the course of the year, Register, which is renewed every three years.
The company also focused on training its
we were also in charge of the maneuvers of
vessels bringing new equipment to the BTP and staff in 2013. The William Salomon Maritime
Improvement Center (CAM) completed trainEmbraport terminals, both in Santos.”
According to Guedes, traditional port opera- ing in conjunction with all the operations
tions suffered from the winding down of the managers and coordinators of the tugboat
global economy, which derived in a reduction section, approximately 110 captains and 30
of the number of maneuvers. We started 2013 machinery commanders. The objective being
with operations in a new base which was set up to attend to another group of captains, other
at the port of Itajaí (SC). The company already machinery commanders and start specific
attended to other ports in Santa Catarina and modules for deckhands and machinery crew.
A pilot training scheme for captains was
now has a fleet of seven tugboats in the state.
Another important event for 2013 were the also carried out at the CAM, under the
renewals of the contracts with Petrobras for “leadership” theme. At first, 30 professionals
work at the Pecém (CE) gas terminals, which took part. During this year, the course will
happened in the first semester, and in São be imparted to the rest of the company’s
captains, and will be a part of the Wilson
Sebastião (SP) in the second semester.
In 2013, Wilson Sons Tugboats started Sons Group joining schedule.
Long-term partnerships with clients were
to operate a new vessel, the Telescopium,
an azimuthal-propelled tugboat that was key to the success of 2013. The commercial
delivered in April. The fleet renovation plan team travelled to Europe and Asia on several
contemplates the construction of 12 high occasions for maintaining and prospecting
power azimuthal-propelled tugboats financed new business.
.
NEW,S
Março 2014
17
Wilson Sons Estaleiros
Início de uma
nova fase
Com a inauguração de sua segunda unidade, Wilson Sons Estaleiros vive novo momento
A Estaleiro Guarujá II foi inaugurado em abril
The Guarujá II shipyard was inaugurated in April
NEW,S
Março 2014
18
Wilson Sons Estaleiros tem um
grande motivo para comemorar
as conquistas de 2013. A companhia
dobrou de tamanho com a inauguração,
em abril, de sua segunda unidade, resultado de um investimento de US$ 60
milhões. Na cidade de Guarujá (SP), o
estaleiro Guarujá II fica a poucos metros
da primeira unidade e eleva a capacidade de processamento de aço de 4.500
toneladas por ano para 10 mil toneladas.
“O ano foi muito bom para a companhia. Inauguramos um novo estaleiro que
não só permite ampliar nosso volume de
produção bem como construir embarcações ainda maiores”, afirma o diretor
executivo da Wilson Sons Estaleiros,
Adalberto Souza. “Temos agora um
dique seco, que nos proporciona alternativas melhores na fabricação dos barcos.
Esse novo espaço possui dimensões que
nos permitem atender à maioria das embarcações de apoio ao mercado offshore.”
O executivo destaca que a nova
unidade mudou a cara da empresa.
“Saímos de uma fase em que provamos
que podemos construir Platform Supply
Vessels (PSVs) para uma nova fase em
que atingimos outro nível, capacitados a
construção de diversos tipos de Offshore
Support Vessel (OSV). É uma nova era
para o nosso negócio.
The start of a new phase
Thanks to the inauguration of the second unit, Wilson Sons Shipyards is undergoing a new phase
Wilson Sons Shipyards have reasons to celebrate the achievements of 2013. The company
doubled in size with the
inauguration of its second unit in April, which
resulted from a US$60 million investment. The
Guarujá II shipyard, in the city of Guarujá is only
a few meters from the first unit and it increased
the steel processing capacity from 4,500 tons
per year to 10 thousand.
“It was a very good year for the company.
We inaugurated a new shipyard which doesn’t
only allow us to broaden our production volume, it also allows us to build larger vessels”,
says Adalberto Souza, Wilson Sons Shipyards’
executive director. “We now have a dry dock,
which provides us with better alternatives for
building vessels. The dimensions of this new
installation allows us to attend to the majority
of support vessels for the offshore market.” The
executive says that the new unit has changed the
company’s image. “We have ended a phase in
which we have proven that we can build Platform
Supply Vessels (PSVs), and have entered another
in which we reach another level, being able to
build different types of Offshore Support Vessels
(OSVs). It is a new era for our business.
Adalberto Souza stressed that the shipyard
represents an important differentiating factor for
the Wilson Sons Group, as it allows for building
vessels that attend to Wilson Sons Tugboats and
Wilson Sons Ultratug Offshore’s fleets. He adds
that being a part of the group is also an advantage for Wilson Sons Shipyards. “It is thanks to
backing from the Group that we were able to
close important contracts such as the ones with
Fugro Brasil, Geonavegação and Oceanpact.”
Due to having units near the port of Santos,
which is an area that is not traditionally part
of the naval industry, Wilson Sons decided to
invest in training its personnel. In collaboration
with Senai, the company that set up the William
Salomon Training Center and which has been
training boilermakers, welders and painters.
The demand for labor grew even further with
the setting up of the second unit, and in order to
meet with the orders, between the end of 2012
and the beginning of 2013, the company trained
almost 400 professionals. “The differentiating
factor of these training sessions is that the
students leave with a qualification from Senai,
which is an acknowledged institution throughout
Brazil. This means they are then qualified to work
at any shipyard”, says Souza. Nowadays, the two
shipyards have 1,100 staff if in-house and third
party staff are taken into account.
In 2013, the company finalized the construction of four vessels. In all, three PSVs were
delivered to Wilson Sons Ultratug Offshore Tagaz, Prion and Alcatraz - as well as a tugboat
for Wilson Sons Tugboats - Telescopium.
Wilson Sons Shipyards is to deliver a further
eight vessels this year. Wilson Sons Tugboats is
set to receive five new azimuthal units as part of
financing approved by the Marine Merchant Fund
(FMM) in 2011. Three OSVs were also approved,
one for Wilson Sons Ultratug Offshore, one for
Fugro and one for Geonavegação.
Adalberto Souza was optimistic about 2014,
in particular due to the new round of bidding
processes for vessels for Petrobras. “We are
looking to secure a contract for the building of
an Anchor Handling Tug Supply Vessel (AHTS),
which is a vessel not yet on our portfolio, but
which we are now able to build. It will be an
important challenge.”
Adalberto Souza reforçou que o
estaleiro é um grande diferencial para
o Grupo Wilson Sons, na medida
em que pode construir as embarcações que atendem às frotas
da Wilson Sons Rebocadores e da
Wilson Sons Ultratug Offshore. Em
contrapartida, ele garante, fazer parte
do Grupo é uma vantagem para a
Wilson Sons Estaleiros. “É graças
ao respaldo do Grupo que conquistamos importantes contratos como
os da Fugro Brasil, da Geonavegação
e da Oceanpact.”
Por ter suas unidades próximas ao
Porto de Santos, uma área que não é
um tradicional polo de indústria naval, a Wilson Sons Estaleiros decidiu
apostar na capacitação para formar
seu quadro de funcionários. Em
parceria com o Senai, a companhia
montou o Centro de Treinamento
William Salomon, que desde 2010
forma caldeireiros, soldadores e
pintores.
Com a inauguração da segunda
unidade, a demanda por mão de obra
cresceu ainda mais e, para dar conta
das encomendas, a companhia capacitou, entre o final de 2012 e início de
2013, cerca de 400 profissionais. “O
diferencial desse treinamento é que o
aluno sai com um diploma do Senai,
uma instituição reconhecida em todo
o Brasil. Com isso, ele está capacitado
a trabalhar em qualquer estaleiro”, diz
Souza. Hoje, os dois estaleiros juntos
possuem 1.100 colaboradores, entre
próprios e terceirizados.
Em 2013, a companhia concluiu
a construção de quatro embarcações. Foram três PSVs entregues
à Wilson Sons Ultratug Offshore –
Tagaz, Prion e Alcatraz – e um rebocador
para a Wilson Sons Rebocadores –
Telescopium.
Para este ano, a Wilson Sons Estaleiros
programa a entrega de mais oito barcos.
A Wilson Sons Rebocadores receberá
cinco novas unidades azimutais, parte
de um financiamento aprovado pelo
Fundo de Marinha Mercante (FMM)
em 2011. Também serão concluídos
três OSVs, sendo um da Wilson Sons
Ultratug Offshore, um da Fugro e um
da Geonavegação.
Adalberto Souza se mostrou bastante
otimista em relação a 2014, principalmente com uma nova rodada de licitações para embarcações para a Petrobras.
“Estamos buscando um contrato para
construção de um Anchor Handling Tug
Supply Vessel (AHTS), uma embarcação
que ainda não temos em portfólio, mas
que já temos capacidade de construir.
Será um importante desafio.”
.
.
NEW,S Março 2014
19
Wilson Sons Ultratug Offshore
Ano de resultados
Com quatro novas embarcações em operação, companhia superou grandes desafios
Tagaz foi um dos PSVs lançados em 2013
Tagaz was one of the PSVs launched in 2013
NEW,S
Março 2014
20
pesar das difi culdades impostas por 2013, a Wilson Sons
Ultratug Offshore, joint venture entre
o Grupo Wilson Sons e a chilena
Ultramar, conseguiu atingir ótimos
resultados no ano. De acordo com
o diretor executivo da companhia,
Gustavo Machado, os bons resultados foram conquistados graças ao
comprometimento e à dedicação de
toda a equipe.
A Nosso desempenho foi muito bom.
Registramos aumento significativo
nos níveis de segurança e conseguimos incrementar o volume de nossas
operações. Nossa expectativa é melhorar ainda mais em 2014”, explica
o executivo.
No ano passado, a Wilson Sons
Ultratug Offshore colocou quatro novas embarcações em operação – Tagaz,
Prion, Alcatraz e Mandrião – elevando
a frota própria a 18 Platform Supply
Vessels (PSVs).
Os três primeiros são de uma nova classe, construída pela Wilson Sons Estaleiros,
que tem características técnicas um pouco
diferentes dos demais PSVs da companhia. Além do porte de 4.500 toneladas,
as embarcações têm potência para chegar
à velocidade de 13 nós, o que é bastante
significativo para esse tipo de barco. Com
essa especificações, os PSVs são aptos
a atender plataformas mais distantes da
costa, como as que exploram as reservas
da camada pré-sal.
A companhia continua investindo na estrutura administrativa. A
Wilson Sons Ultratug Offshore fechou
2013 com 592 funcionários – dos quais
480 tripulantes e 112 da área administrativa – ante 475 em 2012. O volume
de operações também cresceu, ficando
15% acima do ano anterior.
Um dos destaques do ano foi o índice
de conteúdo local do Prion, que chegou
a 77%, enquanto a obrigação contratual
é de 60%.“Isso mostra o nosso comprometimento em investir em conteúdo
local para construção”, frisa o diretor.
Gustavo Machado ressalta que, em
2014, o ritmo de lançamentos de novos
PSVs vai cair, já que há apenas uma
embarcação prevista para entrar em
Prion (à esquerda) e Alcatraz (à direita) ajudaram a ampliar a frota
operação. Apesar disso, novos contratos
de construção devem ser fechados no
período.“Seguimos com nosso plano de
expandir a frota” diz o diretor. Segundo
ele, nem todas as novas embarcações
serão PSVs, pois a companhia decidiu
diversificar a frota. Entre os novos tipos
de barcos de apoio que a Wilson Sons
Ultratug Offshore pretende adquirir
estão Anchor Handling Tug Supply Vessels
(AHTSs).
O ano, segundo ele, será marcado por
ajustes de processos em busca de maior
eficiência na gestão em todas as áreas.
“Teremos mais tempo para nos dedicar
a essa melhorias.”
.
Prion (left) and Alcatraz (right) will help expand the fleet
A year of results
With four new vessels in operation, the company overcame important challenges
Despite the difficulties encountered in 2013,
Wilson Sons Ultratug Offshore’s joint venture
between the Wilson Sons Group and the Chilean
group Ultramar returned excellent yearly results.
According to Gustavo Machado, the company’s executive director, said results were made possible by
the commitment and dedication of the whole team.
Our performance was very good. We registered
a significant increase in safety levels as well as the
volume of our operations. We plan to improve even
further in 2014” explained the executive.
Wilson Sons Ultratug Offshore put four new vessels into operation last year - Tagaz, Prion, Alcatraz
and Mandrião – increasing its fleet to 18 Platform
Supply Vessels (PSVs).
The first three belong to a new class built by
Wilson Sons Shipyards, which have slightly dif-
ferent technical characteristics to the other PSVs
in the company. As well as weighing 4,500 tons,
the vessels have enough power to reach 13 knots,
which is rather a lot for this type of vessel. These
specifications allow the PSVs to attend to platforms
which are further from the coastline, such as the
ones carrying out the exploration of the pré-sal
layer’s reserves.
The company continues to invest in the administrative
structure. At year-end 2013, Wilson Sons Ultratug Offshore
had 592 staff - 480 of whom were crew and 112
were administrative staff - versus 475 in 2012.
The volume of operations also grew to more than
15% compared to the previous year.
One of the highlights of the year was Prion’s local content, which was 77% when the contractual
obligation was only 60%. This showcases our
commitment with investing in local content in
construction”, said the director.
Gustavo Machado further said that in 2014, the
rate of PSV launches would drop, as only one vessel
is planned to start operating. Despite this fact, new
construction contracts are in the process of being
closed for this period. “The plan to expand the fleet
is ongoing” said the director. According to him,
not all the vessels will be PSVs, as the company
decided to diversify its fleet. Among the new types
of support vessels, Wilson Sons Ultratug Offshore
plans to purchase Anchor Handling Tug Supply
Vessels (AHTSs).
According to him, the year will be marked by
adjustments in processes, on a quest for increased
management efficiency in all areas. “We will have
more time to invest on these improvements.”
.
NEW,S
Março 2014
21
Wilson Sons Terminais
Movimento intenso
Terminais de contêiner de Rio Grande e de Salvador dão sequência
a seus planos de modernização para ampliar volume de cargas
s ter minais de contêiner
do Gr upo Wi ls o n So n s –
Tecon Rio Grande,no Rio Grande do Sul,
e Tecon Salvador, na Bahia – viveram
momentos bastante especiais em 2013.
As duas unidades seguiram investindo
no aumento de capacidade, seja por
meio de obras ou da aquisição de novos equipamentos, e esperam colher os
resultados nos próximos anos.
O diretor presidente doTecon Rio Grande,
Paulo Bertinetti, destaca que o ano foi
atípico, com muitas subidas e descidas,
principalmente devido às variações do
dólar, que acabaram dando alguns sustos.“Isso influencia muito no comércio
exterior e nas renovações de contrato”,
diz o executivo. “Estávamos bastante
preocupados com 2013, mas foi o segundo melhor ano da nossa história e
deixou bases sólidas para 2014.”
O foco do trabalho em Rio Grande
no ano passado foi a mudança no
conceito de movimentação. O Tecon
iniciou a operação de seis novos Rubber
Tyred Gantry Cranes (RTGs), que são
pórticos sobre rodas. Esses equipamentos substituem os Reach Stackers
utilizados anteriormente e otimizam o
aproveitamento do pátio com ganho
de área, deixando a movimentação de
contêineres mais dinâmica.
Além disso, Bertinetti destaca que o
Tecon automatizou a presença de carga
na exportação, agilizando o processo
para clientes e despachantes e ganhando
O NEW,S
Março 2014
22
velocidade e precisão nas informações.
“Finalizamos a instalação física da automação dos gates com tecnologia de
leitura ótica, que entra em operação no
inicio de 2014 , atendendo a Receita
Federal e com excepcionais ganhos
operacionais.Também informatizamos
todo o controle de contêineres, passando para plataforma digital o agendamento e os pedidos dos clientes”,
reforça o diretor.
Outro ponto positivo de 2013, de
acordo com Bertinetti, foi a consolidação do WS+, o programa de mudança
cultural da Wilson Sons visando o aumento da segurança em suas unidades,
que foi implementado no final de 2012.
“O WS+ nos colocou em um patamar
diferenciado no mercado. O olhar
atento para a segurança trouxe para os
colaboradores um clima de confiança
muito importante para a companhia.”
Para 2014, o executivo alerta que,
além do carnaval, que já costuma alterar
o ritmo da movimentação nos portos,
outros dois grandes eventos ocorrerão e
vão demandar atenção especial: a Copa
do Mundo e as eleições.“Mesmo assim,
acredito no incremento da movimentação, com destaque para a cabotagem
e para o transbordo.”
OBRAS ESTRUTURAIS
No Tecon Salvador, o ano foi marcado pela continuidade das obras estruturais no terminal, que eram parte
dos investimentos para o aumento da
capacidade. “Estamos ampliando um
armazém e construindo oficina e refeitório. Esse trabalho segue até 2014”,
explica o diretor executivo do Tecon
Salvador, Demir Lourenço Junior.
O executivo conta que 2013 foi
um ano muito importante para o
Tecon Salvador, pois o terminal voltou a fazer parte das rotas dos grandes
navios. “Recebemos em nosso cais
Intense activity
The Rio Grande and Salvador
container terminals further
their plans for modernization in
order to increase cargo volume
Wilson Sons Group container terminals –
Tecon Rio Grande, in Rio Grande do Sul, and
Tecon Salvador, in Bahia – lived through very
special moments during 2013. Both units
continued to invest in increased capacity, both
through building works and acquisition of new
equipment, and they hope to reap the results
in the next few years.
Paulo Bertinetti, Tecon Rio Grande’s
director-president said that the year was not
a normal one, it had many ups and downs,
especially in connection to the fluctuations of
the US Dollar, which gave us a few frights. “It
greatly affects international commerce and
contract renewals”, said the executive. “We
were fairly concerned about 2013, but it
turned out to be the second best year in our
history, and lay solid foundations for 2014.”
No Tecon Salvador, movimentação
cresceu 6,3% em 2013
Traffic increased by 6.3% at Tecon Salvador
in 2013
algumas das maiores embarcações que
escalaram os portos brasileiros. Isso
demonstra o vigor do nosso trabalho.”
Com maiores embarcações, cresceu
também a movimentação no terminal,
que registrou recorde em 2013. De janeiro a dezembro, foram movimentados
mais de 289 mil TEU, atingindo um
crescimento de 6,3% em relação a 2012.
O grande destaque foi o aumento de 16%
do volume de cabotagem (44,6 mil TEU
movimentados), refletindo a tendência
de diversificação do modal logístico e
os esforços comerciais para a atração e
conteinerização de novas cargas.
“Houve aumento significativo nas
importações. Nas exportações, o destaque foi o escoamento de uvas e mangas
produzidas na região doVale do Rio São
Francisco. Tivemos dois novos serviços
voltados para a exportação de frutas, que
foram resultado de grande empenho da
nossa equipe comercial.”
Nos últimos cinco anos,oTecon Salvador
obteve crescimento de quase 23% em
sua movimentação total. Segundo o
diretor, o terminal se diferencia por
sua proximidade a diferentes polos
produtores do Nordeste e pelo fácil
acesso a quase todas as regiões brasi-
leiras. “Podemos trabalhar com uma
pauta de cargas diversificada, que vai
do agronegócio até importantes segmentos da indústria, como mineração
e siderurgia. Com os últimos investimentos, o Tecon passou a contar com
uma melhor estrutura operacional e
mais ofertas de serviços marítimos
para diferentes destinos”, expõe o
executivo.
A eficiência do terminal também cresceu no ano passado.A produtividade, que
era de 7,5 contêineres/hora em 2000 e
de 38 contêineres/hora em 2010, fechou
2013 com 55 contêineres/hora.
The main activity for last year was changing the
concept of movement. Tecon started to operate six
new Rubber Tyred Gantry Cranes (RTGs), which are
like archways on wheels. This equipment substitutes
the Reach Stackers that were used previously, and
they optimize the yard usage due to the extra space,
which makes the moving of containers more dynamic.
Furthermore, Bertinetti points at the fact that Tecon
automated the presence of cargo in exports, making
the process more agile for clients and dispatchers
alike, increasing speed and exactness of information. “We finished the physical installation of the
gates with optical reading technology and they will
start operating attending to the Federal Revenue
Service, which is to bring about exceptional operational benefits. We also digitalized all the container
control, migrating order scheduling for clients to a
digital platform,” he said.
According to Bertinetti, another positive issue in 2013 was the consolidation of WS+,
Wilson Sons’ mentality-changing program aimed
at increased safety in the units, and which was
implemented at the end of 2012. “WS+ placed
us in a differentiated place where the market is
concerned. A serious approach towards safety
brought confidence to our staff, which is very
important for the company.” According to the
executive, besides the carnival, which normally
changes the dynamics of the ports, in 2014 two
other large events demanding special attention
will take place: the World Cup and the elections.
“Even so, I believe in the increased movement,
especially where coasting and transferring are
concerned.”
highlight was the 16% increase in the coasting
trade volume (44.6 thousand TEU moved), which
showcases the trend of changing logistics modes,
as well as the commercial efforts for the attracting
and containerizing of new cargo.
“A significant increase in imports was registered.
Where exports are concerned, the highlight was
the outflow of grapes and mangoes picked in the
São Francisco river valley area. We included two
new services based on fruit exports, resulting from
a large effort made by our sales team.
For the last five years, Tecon Salvador has grown
by almost 23% in terms of total traffic. According to
the director, its differentiating factor is its proximity
to different produce areas of the North East, as
well as the easy access to the different Brazilian
regions. “We are able to work with diversified cargo
businesses, from the agricultural business to other
important segments of industry, such as mining and
metal works. Thanks to the most recent investments, Tecon went on to have improved operational
structure and more maritime services offered for
the different destinations”, says the executive.
The terminal’s efficiency also grew last year.
Productivity, which was of 7.5 containers/hour in
2000, went to 38 containers/hour in 2010, and
by the end of 2013, it was of 55 containers/hour.
STRUCTURAL WORKS
The year at Tecon Salvador was marked by the
continued structural works at the terminal, which
were part of the investments for increased capacity.
“We are increasing a storage facility and building a
workshop and a refectory. This work will continue
through 2014”, explains Tecon Salvador’s executive
director Demir Lourenço Junior.
He explained that 2013 was a very important year
for Tecon Salvador, as the terminal was once again
included in the route of large vessels. “We received
some of the largest vessels to stop over at Brazilian
ports in our quays. This showcases the intensity of
our activities.” Due to the larger vessels, the terminal’s activity level grew, reaching new records in
2013. More than 289 thousand TEU were registered
between January and December, which represents
a 6.3% growth when compared to 2012. The main
NEW,S
Março 2014
23
Brasco comemora conquistas de 2013
Em 2013, a Brasco deu um passo
adiante. A companhia, que já possuía
uma base em Niterói (RJ), além de
operações remotas em diversas regiões
do Brasil, irá mais que dobrar sua capacidade de atender embarcações de apoio
offshore na Baía de Guanabara.A região,
que concentra intensa movimentação da
indústria de óleo e gás, deve ficar ainda
mais visada com o fortalecimento da exploração das reservas da camada pré-sal.
“O ano foi marcado por desafios e
conquistas. Iniciamos 2013 em ritmo
mais lento, pois algumas operações que
estavam previstas acabaram não ocorrendo. Em compensação, no decorrer
do ano, conquistamos novos clientes e
concluímos a aquisição de uma nova
base, no Rio de Janeiro, consolidando
nossa posição de maior operador logístico offshore do país”, afirma o vice
-presidente de Terminais e Logística da
Wilson Sons, Sérgio Fisher
A nova base, chamada Brasco Caju,
foi adquirida em julho, mas já estava
nos planos da companhia desde 2010.
Localizada no bairro do Caju, na Zona
Portuária do Rio, a unidade amplia
a capacidade da Brasco de atender às
empresas que operam nas bacias de
Campos e Santos. Atualmente, o terminal possui apenas um berço, mas, após
obras estruturais que estão em curso,
até seis embarcações poderão atracar
simultaneamente na base.
“Estamos a pleno vapor com o plano
de integração da nova base. Já iniciamos
as obras de infraestrutura no cais e continuamos operando normalmente no
berço que já existe no terminal.”
EXCELÊNCIA
Um dos pilares da atuação da Brasco
é a área de Saúde, Meio Ambiente
e Segurança (SMS). Em 2013, a
empresa colheu importantes frutos,
como a consolidação do programa
Compromisso Brasco, que completou
dois anos, e teve seus reflexos sentidos diretamente nos negócios. Prova
disso foram as marcas de mil dias sem
O Tecon Salvador investiu também
no agendamento de entrega e recebimento de contêineres, gerando ganho
para os clientes e transportadores. Em
2011, o tempo de espera médio de uma
embarcação para atracar no terminal era
de pouco mais de 24 horas. Já em 2013,
esse tempo caiu para apenas 34 minutos.
As operações no Tecon também
foram beneficiadas por obras no entorno do Porto de Salvador, como a
Via Portuária, inaugurada no segundo
semestre. A nova via eliminou os congestionamentos e facilitou o acesso
rodoviário à região.
.
Novos equipamentos melhoraram o aproveitamento do pátio no Tecon Rio Grande
New equipment set to improve yard exploitation at Tecon Rio Grande
NEW,S
Março 2014
24
Tecon Salvador also invested in the scheduling of container delivery and receipt, which
derived in benefits for clients and transport
companies alike. In 2011, the average waiting time for a vessel to dock at the terminal
was of slightly over 24 hours. This time fell
to 34 minutes in 2013.
Tecon’s operations were also positively
affected by the building works that took
place around the Port of Salvador, such as
the Via Portuária road, which was launched
in the second semester. The new road eased
up heavy traffic and improved access to the
region by road.
.
acidentes com afastamento na base
de Guaxindiba e de 500 dias na base
de Niterói.
“O Compromisso Brasco hoje é
reconhecido por nossos clientes como
benchmark”, afirma o executivo. Outra
conquista importante em SMS foi a
certificação OHSAS 18.001, bem como
a renovação do ISO 9.001 e do ISO
14.001, que atestam a qualidade do
trabalho da companhia.
Na área operacional, o desenvolvimento do Offshore Logistic System
(OLS), que gerencia toda a movimentação da base de Niterói, e do Centro
de Controle de Operações (CCO)
ajudaram a companhia a atingir a marca
de 95 atracações por mês. A média de
eficiência da Brasco chegou a 81% em
2013, ante 75% no ano anterior.
Brasco celebrates
its 2013
achievements
O ano foi importante também na
implementação bem-sucedida de operações da BP e da Transpetro em Salvador
e da Petrobras/Papa Terra e Queiroz
Galvão, em Niterói. Já na área de Gestão
de Serviços Ambientais, os novos clientes
foram BP e Shell.
Para 2014, o vice-presidente que a
Brasco tem grandes projetos, como a
consolidação dos investimentos e a estruturação da base do Caju.Além disso,
a companhia pretende desenvolver
estrutura para atender à demanda que
surgirá nas regiões Nordeste e Norte,
onde estão os blocos arrematados na
11º rodada de leilão para exploração
de blocos de petróleo e gás.
“Como muitos dos vencedores já são
nossos clientes e temos ampla expertise
em operar naquela região, certamente
a margem Equatorial está nos nossos
planos”, comenta Fisher.
Após obras estruturais, até seis embarcações poderão atracar simultaneamente na Brasco Caju
After the structural works, up to six vessels will be able to dock at Brasco Caju simultaneously
Brasco took a step forward in 2013. As well
as remote operations in different Brazilian regions, the company, which already had a base
in Niterói (RJ), is set to double its capacity for
attending to offshore support vessels in the Bay
of Guanabara. The area, which presents intense
oil and gas industry activity levels, will become
even more sought after due to the strengthening
of the exploration of the pré-sal layer’s reserves.
“It was a year filled with challenges and achievements. We started 2013 at a slower pace, as
some of the planned operations ended up falling through. However, during the course of the
year we made new customers and finalized the
purchasing process for the new Rio de Janeiro
base, consolidating the company’s position as
the largest offshore operator in the country”,
says Wilson Sons Terminals and Logistics VP,
Sérgio Fisher.
The new base, called Brasco Caju, was
acquired in July, but it has been part of the
company’s plans since 2010. Located in Caju,
Rio’s Port Area, the unit expands Brasco’s capacity for attending to companies that operate
in the Campos and Santos basins. The terminal
only has one berth at this time, but after the
structural works planned, it will be able to receive
up to six vessels simultaneously at the base.
“We are full steam ahead with the integration
plan for the new base. We have already started
the quay’s infrastructure works and continue to
operate normally at the berth that is at the terminal.
EXCELLENCE
One of Brasco’s operational pillars is the area
of Health, Safety and the Environment (HSE). In
2013, the company reaped important benefits,
thanks to the consolidation of the Brasco Commitment program, which is in its second year and
whose consequences were felt in business directly.
Proof of this was reaching the one thousand-day
mark without any incidents requiring time off at
the Guaxindiba base, and 500 at the Niterói base.
“Nowadays, the Brasco Commitment is thought
of as a benchmark by our clients”, says the executive. Another important HSE achievement was the
OHSAS 18,001 certification, as well as the renewal
of ISO 9,001 and ISO 14,001, all of which are a
reflection on the company’s activities.
In the area of operations, the development of the
Offshore Logistic System (OLS), which manages
all of Niterói’s movement, and the Operations
Control Center (CCO) helped the company reach
95 moorings per month. Average efficiency for
Brasco reached 81% in 2013, as opposed to
75% the previous year.
It was also an important year for the successful
implementation of BP and Transpetro operations in Salvador and Petrobras / Papa Terra
and Queiroz Galvão, in Niterói. BP and Shell
became clients in the area of Environmental
Services Management.
The vice-president says that Brasco has great
projects for 2014, such as the consolidation
of investments and the structuring of the Caju
base. Furthermore, the company aims at developing the infrastructure to meet the demand
which will come from the North East and North
regions, where the blocks auctioned for petrol
and gas exploration at the 11th bidding round
are located.
“As a number of the successful applicants are
already our clients and we have ample experience in operating in that region, we would like
to state that the Equatorial margin falls within
our plans”, said Fisher.
NEW,S
Março 2014
25
Wilson Sons Logística
Plataformas
consolidadas
Companhia fortaleceu estratégia regional em 2013
Wilson Sons Logística aproveitou
2013 para consolidar sua estratégia de desenvolvimento de plataformas
regionais. O objetivo é oferecer soluções customizadas para as necessidades
de seus clientes.A partir de ativos estratégicos, como a Estação Aduaneira de
Interior (EADI) Santo André (SP), o
Centro Logístico São Paulo e o Centro
Logístico Suape (PE), a empresa vem
direcionando seus esforços para a formação de plataformas que vão atender
os principais segmentos de mercado de
cada região.
“Nossa intenção é analisar cada
região individualmente, identificando os principais segmentos e seus
desafios e desenvolver soluções customizadas e completas”, diz o diretor
executivo da Wilson Sons Logística,
Thomas Rittscher III. “Queremos
oferecer aos clientes uma proposta
de valor para suas operações logísticas
devidamente alinhada ao desafio de
cada um e compreendendo soluções
completas de ponta a ponta.”
Contribuiu muito para a estratégia a inauguração, em fevereiro, do
Centro Logístico Suape. Resultado de
um investimento de R$ 7 milhões, o
terminal possui armazém de 23 mil
m², além de pátio de 25 mil m² preparado para receber cargas de projeto,
com equipamentos e know how apro-
A NEW,S
Março 2014
26
priados. A unidade foi desenvolvida
para operar com todos os tipos de
carga, inclusive produtos químicos,
farmacêuticos, cosméticos, eletrônicos e bens de consumo variados, e
sua estrutura conta com uma linha de
transportes que conecta a unidade ao
porto de Suape e aos variados destinos e origens das cargas que passam
pela região.
O resultado foi tão positivo que,
no segundo semestre, a companhia
participou de uma concorrência e
ganhou o direito de ter um porto
seco no Centro Logístico. Agora, a
Wilson Sons Logística está adaptando a área para que ela possa receber
cargas alfandegadas.
SUDESTE
Na região Sudeste, o ano foi atípico.
No decorrer de 2013, novos terminais
portuários entraram em operação
no estado de São Paulo e aeroportos
foram privatizados. Com essas transformações, o EADI Santo André tem
se estruturado para atender esse novo
momento do mercado.
Para Rittscher, isso será muito positivo para a região, mas exigirá maior
esforço das companhias. “Esses terminais tendem a trazer um ambiente
mais competitivo e desafiador para os
operadores logísticos.”
.
Consolidated platforms
The company strengthened
its regional strategy in 2013
Centro Logístico Suape foi inaugurado em
fevereiro
The Suapé Logistics Center was inaugurated
in February
EADI Santo André é ativo importante
para a plataforma regional do Sudeste
The Santo André EADI is an important asset
for the South East regional platform
In 2013, Wilson Sons Logistics consolidated its development
strategy where regional platforms are concerned. The objective
is to offer customized solutions in keeping with the needs of
its clients. Through strategic assets such as the Santo André
Inland Port (EADI) (SP), the São Paulo Logistics Center and the
Suape Logistics Center (PE), the company has been focusing
its efforts on forming platforms which are to attend to the main
market segments for each region.
“Our goal is to analyze each region on an individual basis,
identifying the main segments and the challenges they face in
order to then develop customized, comprehensive solutions,”
says Thomas Rittscher III, Wilson Sons Logistics’ executive
director. “We would like to offer our clients a service which is
of value to their logistics operations, duly aligned with each
of their challenges and which covers comprehensive solutions
throughout their process.” The inauguration of the Suape
Logistics Center contributed greatly towards the strategy.
Resulting from a R$7 million investment, the terminal boasts a
23 thousand m² warehouse, as well as a 25 thousand m² yard
that is prepared for receiving project cargo, with appropriate
equipment and know-how. The unit was developed to operate
with all types of cargo, including chemical, pharmaceutical,
cosmetic, electronics and consumer products in general; its
infrastructure boasts a transport system that connects the unit
to the port of Suape and the different destinations and origins
of cargo which circulate the region.
The result was so positive that in the second semester, the
company partook of a competition and gained the right to
have a dry dock at the Logistics Center. Wilson Sons Logistics
is now adapting the area in order that it may receive
customs cargo.
SOUTH EAST
It was an unusual year for the
South East region. Nine port
terminals came into operation
in the state of São Paulo in
2013 and airports were privatized. Because of these transformations, EADI Santo André
has been restructuring in order
to attend to this new moment
the market is undergoing.
According to Rittscher, it will
be very positive for the region,
but it will require more effort
from the companies. These
terminals tend to bring about
a more competitive and challenging atmosphere for the
logistics operators.”
.
NEW,S
Março 2014
27
Wilson Sons Agência
Câmbio favorável
impulsiona negócios
Valorização da moeda americana frente ao real
ajudou a ampliar volume de cargas
uem observava o cenário econômico no início de 2013 não
podia imaginar que o ano seria tão
bom para a Wilson Sons Agência. Com
seus primeiros meses complicados e
desafiadores, o ano acabou reservando algumas surpresas positivas para a
companhia.
O diretor executivo da Wilson Sons Agência,
Christian Lachmann, conta que o ano
passado foi um período bastante propício para olhar para dentro da empresa.
“Trabalhamos muito a produtividade
e a melhoria nos processos.”
O executivo explica que a companhia foi beneficiada pelo aumento
de volumes de alguns clientes – entre
eles, a Mitsui e a Norsul –, motivado
pelo câmbio favorável, que se refletiu
no comércio exterior. “A valorização
do dólar frente ao real proporcionou
ganhos para a Wilson Sons Agência,
já que a maior parte dos clientes é de
fora do Brasil”, explica Lachmann.
Um dos destaques do ano foi a entrada de um novo cliente, a Rickmers,
empresa de carga geral e de projetos. A
agência marítima passou a atender, no
final do primeiro semestre, a uma nova
rota, que liga o Extremo Oriente aos
Estados Unidos, passando pelo Brasil.
Q NEW,S
Março 2014
28
O aumento da movimentação ocorreu graças ao trabalho dedicado da
Wilson Sons Agência no Brasil, mas
contou com o importante apoio do
escritório da companhia em Xangai,
na China, e de um representante nos
Estados Unidos.
Para 2014, o diretor acredita que
haverá muitos desafios para os armadores. “Vemos muitas companhias
de navegação com situação financeira
delicada. Mesmo assim, vamos nos
empenhar para apresentar bons resultados.”
.
Favorable exchange
rates boost business
The appreciation of the dollar versus the Real helped expand the cargo volume
Those observing the economic scenery at the
offset of 2013 would not have imagined it would be
such a good year for Wilson Sons Shipping Agency.
Despite the first few months having been hard
and challenging, the year still had some pleasant
surprises in store for the company.
Wilson Sons Shipping Agency’s executive
director Christian Lachmann explained that last
year presented an opportunity to examine the
company from within. “We worked on productivity and the improvement of processes.”
The executive explained that the company
benefited from increased volumes from some of
their clients - which included Mitsui and Norsul
-, boosted by the favorable exchange rate, which
reflected on foreign trade. “The appreciation of
the Dollar against the Real was profitable for
Wilson Sons Shipping Agency, as most of our
clients are foreign”, explained Lachmann.
One of the year’s highlights was the inclusion of a new client, Rickmers, a client that
deals with general and project cargo. At
the end of the first semester, the maritime
agency started to attend to a new route that
joins the Far East and the United States, with
a stopover in Brazil.
This increase in business happened thanks to the
dedicated efforts of Wilson Sons Shipping Agency in
Brazil, but it was also aided by the invaluable
support of the company’s office in Shanghai,
China, as well as a representative in the
United States.
The director believes that 2014 will bring
many challenges for the ship-owners. “We are
observing different navigation companies which
are undergoing financial hardships. Nevertheless, we will still concentrate on presenting
good results.”
.
SMS
WS+ ganha prêmio
Programa de segurança foi o segundo colocado em premiação da DuPont
M ais uma vez, o projeto WS+, da
área de Saúde, Meio Ambiente
e Segurança (SMS) da Wilson Sons,
esteve entre os ganhadores do Prêmio
DuPont de Gestão em Saúde e Segurança do Trabalhador, conquistando
a segunda colocação. Planejado em
2010 e implantado a partir de 2011,
em parceria com a DuPont, empresa
referência no segmento, o WS+ tem
apresentado excelente desempenho.
Entre janeiro de 2010 e agosto de 2013,
a companhia registrou uma redução de
64% da taxa de frequência de acidentes
com afastamento de funcionários.
“Além do reconhecimento, o prêmio é
um incentivo para mantermos o engajamento de todo o Grupo Wilson Sons com
a segurança e bem-estar dos trabalhadores. Podemos dizer que hoje esse é
um valor compartilhado por todos e
entendido como estratégico pelas altas
lideranças”, afirma o gerente corporativo de SMS da Wilson Sons, João
David Santos”.
O WS+ tem como objetivo criar uma
cultura de segurança na empresa, com
base no reconhecimento das responsabilidades em SMS, disciplina no cumprimento das regras, engajamento das
lideranças e administração dos desvios.
O projeto foi iniciado em 2011 como
um piloto no estaleiro Guarujá I e, posteriormente, passou a ser replicado para
as demais unidades de negócios do grupo.
“O sucesso do programa foi mudar
a percepção da grande maioria dos colaboradores, que passou a acreditar que
todo acidente pode ser evitado, e tem
conseguido provar isso com a nítida
melhoria dos indicadores. Outras mudanças comportamentais dizem respeito
à manutenção da ordem e limpeza, ao
aumento da disciplina operacional e
à aplicação de melhores tecnologias
de proteção coletiva, para citar alguns
exemplos”, conta o gerente.
Já foram aplicadas, aproximadamente, 9.300 horas de treinamento para
mais de 661 líderes. Esses seminários
são conduzidos sempre no início do
projeto em cada unidade, de modo a
facilitar e dar suporte às atividades a
serem implementadas.
Atualmente, o WS+ está presente nos
seguintes negócios do grupo: Estaleiros,
Agenciamento, Rebocadores, Tecon
Rio Grande, EADI Santo André (Logística), Brasco e Tecon Salvador, além
da própria matriz do Grupo, no Rio de
Janeiro. A meta é concluir a implantação do projeto em todas as unidades
da Wilson Sons até o final de 2014.
.
WS+ receives award
The safety program came second in the Dupont awards
Once again, the Wilson Sons’ WS+ project regarding Health, Safety and
the Environment (HSE) was amongst the winners of the Dupont Award for
Management of Health and Safety for the Workers, coming second. Planned
in 2010 and implemented from 2011, and in collaboration with DuPont,
which is a referential company in the sector, WS+ has been presenting
outstanding performance. Between January 2010 and August 2013, the
company registered a 64% decrease in the frequency of accidents leading
to sick leave in the workplace.
“As well as representing an acknowledgement, the award is an incentive
to keep the Wilson Sons Group engaged with the well-being of its workers.
We are in a position to state that it is a shared principle and it is considered
of strategic importance by the highest managerial levels”, says João David
Santos, Wilson Sons’ corporate HSE manager.
The objective of WS+ is to create a culture of safety in the workplace
based on the acknowledgement of HSE responsibilities as well as discipline in the fulfilment of the rules, involvement by leaderships and the
management of any deviations. The project started as a pilot in 2011 at
the Guarujá I shipyard, and went on to be replicated at the other business
units of the group.
“The program’s success was that of changing the perception of the majority
of the workers, who started to believe that all accidents may be prevented, and
this fact has been proven through the concise data provided by the indicators.
Other behavioral changes had to do with maintaining order and cleanliness,
increased operational discipline and the applying of improved technology for
collective protection, to name but a few examples”, says the manager.
Approximately 9,300 training hours have been dedicated to the issue for
more than 661 leaders. These seminars are always organized at the beginning of the project in each of the units, to facilitate and provide support for
the activities that are to be implemented.
WS+ is currently present in the following of the group’s businesses: Shipyards, Agency, Tugboats, Tecon Rio Grande, EADI Santo André (Logistics),
Brasco and Tecon Salvador as well as the company’s headquarters in Rio
de Janeiro. The objective is to implement the project in all of Wilson Sons’
units before the end of 2014.
.
NEW,S
Março 2014
29
Memória
Tradição e segurança
nos mares
Wilson Sons opera rebocadores desde o século XIX
A tripulação do rebocador Linosa (à direita), na década de 1950, e as embarcações
que participaram da rebocagem do vão central da Ponte Rio-Niteroi (acima)
The tugboat Linosa's crew in the 1950's and the vessels which partook of the towing
of the Rio-Niteroi Bridge’s central span (above)
NEW,S
Fevereiro 2014
30
F orça, potência e habilidade são
apenas alguns dos muitos adjetivos que podem ser atribuídos a um
rebocador. Projetado para empurrar,
puxar e rebocar barcaças ou navios
em operações delicadas como atracação e desatracação, o rebocador,
com seus motores potentes e alta capacidade de manobra, representa uma
peça-chave no dia a dia dos portos e
também tem um papel importantíssimo em mar aberto, em operações
de salvatagem.
O negócio de rebocadores é um
dos mais antigos e tradicionais da
Wilson Sons. Em 1870, quando a
então Wilson, Sons & Co. se instalou em Recife, a empresa já operava
rebocadores, batelões a alvarengas.
No fim do século XIX a empresa
possuía três rebocadores: Evelyn,
Linosa e Felicidade. Ao iniciar o
século seguinte, a Wilson Sons já
estava estabelecida em vários portos
do Brasil e oferecia com eficiência os
serviços de rebocagem.
Os rebocadores da Wilson Sons
destacaram-se em vários momentos da
história do país, como na rebocagem
do vão central da Ponte Presidente
Costa e Silva, a Ponte Rio-Niterói,
durante sua construção. Além disso,
foram os primeiros de uma empresa
nacional a prestar serviços a um navio
em alto mar sem programação de
escala em portos brasileiros.
Em 2002, a companhia foi pioneira
ao participar do Projeto de Parques
de Naufrágios Artificiais de Pernambuco. Desde então, já colaborou com
oito rebocadores para o processo de
colonização, ocupação biológica e
lazer do parque. A excelência no setor
levou a Wilson Sons a deter, a partir
da década de 1990, 50% do mercado
de manobras de navios, serviços de
reboque de unidades flutuantes em
alto mar e auxílio a obras de engenharia oceânica.
A Wilson Sons Rebocadores, atualmente, é líder em serviços de rebocagem no país. Sua frota é a maior do
país e uma das maiores da América Latina e é formada em grande parte por
embarcações modernas, de propulsão
azimutal, com motores eletrônicos
que emitem menos gases poluentes.
.
Tradition
and safety
at sea
Wilson Sons has been operating
tugboats since the XIX century
Strength, power and skill are but a few
of the attributes which may be said of
a tugboat. Designed for pushing, pulling and towing boats or vessels during
delicate operations such as mooring and
unmooring, thanks to its powerful engines
and high maneuverability, the tugboat is a
key player in a port’s daily activities, and
tugboats also play a very important role in
the open ocean, for salvage operations.
The tugboat business is one of
Wilson Sons’ oldest and most traditional.
In 1870, when Wilson, Sons & Co. established itself in Recife, the company
already operated tugboats, barges and
dinghies. At the end of the XIX century,
the company had three tugboats. Evelyn,
Linosa and Felicidade. At the start of
the following century, Wilson Sons was
established in different Brazilian ports
and efficiently offered towing services.
Wilson Sons tugboats shone at different
times during the country’s history, like
in the towing of the Presidente Costa e
Silva bridge (which joins Rio and Niterói)´s
central span during its construction.
They were also the first nationally based
company to lend services to a vessel at
high sea without it planning a stopover
at a Brazilian port.
In 2002, the company was first to partake of Pernambuco’s Artificial Shipwreck
Parks Project. Since then, they have collaborated towards the park’s colonization,
biological occupation and leisure with
eight tugboats. The excellence achieved
within the sector has meant that since
the 1990’s, the company has had 50% of
the market for vessel maneuvers, towing
services for fluctuating units at high sea
and oceanic engineering works aid.
Currently, Wilson Sons Tugboats are
the national leaders in towage services.
Its fleet is the largest in the country and
one of the largest in Latin America, and
it is made up of a modern, azimuthalpropelled vessels with electronic engines
which emit less polluting gases.
.
NEW,S
Fevereiro 2014
31
Você sabia que a Wilson Sons
está presente nas redes sociais?
Facebook, Twitter,
Linkedin e Youtube.
Tudo o que acontece no grupo,
projetos, prêmios e novas iniciativas,
está pertinho de você nas redes sociais.
Participe e conheça mais sobre
a nossa história e curiosidades dos negócios
Esperamos você!
www.facebook.com/WilsonSonsBR
www.twitter.com/WilsonSonsIR
www.linkedin.com/company/wilsonsons
www.youtube.com/WilsonSonsIR

Documentos relacionados

Energia no ar

Energia no ar do país. Para ajudar esse desenvolvimento, a Wilson Sons Logística e o Tecon Salvador vêm ampliando esforços para atrair cargas de projeto destinadas à instalação de parques eólicos. Na Entrevista,...

Leia mais