Agenda Mar - Teatro Municipal do Porto

Сomentários

Transcrição

Agenda Mar - Teatro Municipal do Porto
TEMPOR ADA 2016
T E AT RO
M U N I C I PA L D O
PORTO
⁄
MARÇO — ABRIL
DANÇA • TE ATRO • MÚSICA • CINEMA • LITER ATUR A
MARIONETAS • NOVO CIRC O
RE SIDÊNCIAS ARTÍSTICAS • WORKSHOP S
SE AS ON 2016 ⁄ MARCH — APRIL
DA NC E • T H E ATR E • MUSIC • C I NE MA • LI T E R AT UR E • PUPPETRY • N EW CIRCUS
ART I ST R E SI DE NC I E S • WOR KSH OP S
W W W.TE ATROMUNICIPALDOPORTO.PT
ENC ONTR AR RE SPO STAS
F I N DI N G A N SW E RS
In March and April, the Teatro Municipal do Porto will present a series of shows
and activities at the Rivoli and Campo Alegre that confirm the mission this municipal facility was given and are the result of projects which were conceived
when we first set out. I would even venture to say that there has never been a
two-month period with such a broad range of different events planned.
Most of what audiences will enjoy has been conceived on the theme of
Connection, which is common to all of the content created by the department
of culture in 2016.
Besides being translated into various shows, this theme is continuously
present in Parallel – Programme to Embrace the Performance Arts, which develops a series of activities such as workshops, conversations, open rehearsals
and projects with the community which enable a direct involvement with the
various audiences and, above all, with those we hope to reach out to.
We will begin a programme with a strong connection to the city and
dedicated to its music and musicians entitled Porto Best Of. Based on an idea by
Miguel Guedes, vocalist of Blind Zero, it brings together different musical groups.
Some are better known and will re-examine their most memorable work, while
others will be discovered by the public for the first time.
In March, we have the chance to become voyeurs via a focus in the programme
on shows, film, workshops and debates which question the place of the spectator and the way they observe and are observed inside a theatre. Three surprising
solos addressing the issues of gender, sexuality and evolution form the basis of
two days of stimulating discoveries.
In April we will also launch Festival DDD - Days of Dance, which will take place in
Porto, Gaia and Matosinhos at ten different venues in the public realm. This new
festival, which consists of over twenty shows, was designed to provide national
and international audiences and organisers with an eclectic programme and,
primarily, to gauge the vibrancy of locally created contemporary dance through
the premiere of 7 pieces by choreographers from Porto. The festival will also feature a number of master-classes and workshops at various art schools, bringing
students into contact with important artists working today.
Alongside these key events in our programme, over the next two months we will
present national and international shows most of which are being performed
for the first time and coproduced. We present with you the challenge to discover
them through the following questions, which we hope will pique your interest:
• Which show will be performed in an HGV and what travel stories
will the drivers tell us?
• Which concert at the Sub-Stage by a performer from Italy is entitled
to a laser show?
• What is the link between contemporary dance and the work undertaken at the European Organisation for Nuclear Research (CERN)?
• Which show is the result of the meeting between Chekhov and the
Iranian stage director Amir Reza Koohestani?
• What bridges were created over one year between six teenagers and
six ladies aged over 70 through 19 shows?
All of these questions are answered in shows from all over the world which examine science, gender and society. In the pages which follow I hope you feel as
much excitement about discovering them as we did when deciding on their inclusion in the programme.
Tiago Guedes
Director of the Teatro Municipal do Porto
E
m março e abril, o Teatro Municipal do Porto apresenta um conjunto de espetáculos e de diferentes atividades no Rivoli e no Campo Alegre, que confirmam a missão
definida para este equipamento municipal e o resultado de projetos que foram pensados na origem do nosso trabalho. Arrisco mesmo dizer que nunca em dois meses
foi proposta uma pluralidade tão grande de diferentes abordagens.
Grande parte do que apresentamos foi pensado sob o tema Ligação que é transversal a todos os conteúdos gerados pelo Pelouro da Cultura em 2016.
Para além de traduzido em diversos espetáculos, o tema Ligação tem presença contínua no Paralelo – Programa de Aproximação às Artes Performativas no qual se desenvolvem
um conjunto de atividades tais como workshops, conversas, ensaios abertos e projetos com a
comunidade que possibilitam uma mediação direta com os vários públicos e, sobretudo, com
aqueles que queremos conquistar.
Também com uma forte ligação à cidade iniciamos em março o ciclo Porto Best Of dedicado à música e aos músicos do Porto. A partir de uma proposta de Miguel Guedes, vocalista dos Blind Zero, juntaremos diferentes grupos musicais, uns mais emblemáticos que remontarão os seus mais marcantes álbuns e outros a serem descobertos nos nossos palcos.
Em março temos a possibilidade de nos transformarmos em voyeurs através de um foco de
programação composto por espetáculos, cinema, workshops e debates que questionam o
lugar do espectador e a forma como observa e é observado dentro de um teatro. Três solos
inusitados que abordam questões de género, sexualidade e transformismo servem de base
para dois dias de estimulantes descobertas.
Em abril iniciaremos também o Festival DDD - Dias da Dança que se desenrolará no Porto, em
Gaia e em Matosinhos numa dezena de equipamentos diferentes e no espaço público destas
três cidades. Este novo festival, composto por mais de duas dezenas de espetáculos, foi pensado de forma a que públicos e programadores nacionais e internacionais possam descobrir
uma programação eclética e, acima de tudo, aferir a vitalidade da criação local na dança contemporânea, com sete estreias de coreógrafos do Porto. No âmbito do festival será também
proposto um conjunto de masterclasses e workshops nas várias escolas de ensino artístico,
aproximando a comunidade estudantil a importantes artistas da atualidade.
Para além destes projetos pilares da nossa programação, serão apresentados, nos próximos
dois meses, espetáculos internacionais e nacionais, grande parte deles em estreia e coprodução. Fica um repto à sua descoberta, em forma de perguntas, com as quais esperamos aguçar a curiosidade:
• Que espetáculo acontece num camião TIR e que histórias de viagens
nos contam os camionistas?
• Que concerto no Sub-Palco, de um artista vindo de Itália, tem direito
a espetáculo de lasers?
• Qual a ligação entre a dança contemporânea e a física que foi
desenvolvida no CERN – Organização Europeia de Pesquisa Nuclear?
• Que espetáculo resulta do encontro entre Tchekhov e o encenador
iraniano Amir Reza Koohestani?
• Que pontes se criaram, durante um ano, entre seis adolescentes e seis
senhoras com mais de 70 anos a partir de 19 espetáculos?
Todas estas questões têm resposta em espetáculos de diferentes latitudes do mundo, que
nos interrogam sobre a ciência, o género ou a sociedade. Nas páginas que se seguem espero
que sintam um grande entusiasmo em descobri-los tal como nós tivemos em programá-los.
Tiago Guedes
Diretor do Teatro Municipal do Porto
MARÇO
&
ABRIL
DANÇA
TE ATRO
AM B R A SE NATO RE ( I T )
A R I N G A RO S SA
( FE ST I VA L D D D )
(PÁGS. 54 E 55)
A M I R R E Z A KO O H E STA N I ( I R)
I VA N OV
( P Á G S . 1 0 E 11 )
GI LL E S JO B I N ( C H )
QUA N T U M
( P Á G S . 4 0 E 41 )
JOA NA C R AVE I RO
—TE ATRO DO VE STI DO
V I A JA N T E S S OL I T Á R I O S
( P Á G S . 26 E 2 7 )
MA RC H & APR IL
E I SA JO C S O N ( P H )
M AC HO DA N C E R
+
DE AT H T HE P OL E DA N C E R
( VOY E U R? )
( P Á G S . 20 E 21 )
F R ANÇ O I S C H A I GNAU D ( F R )
Д У МИ МО Ї ( D U M I M OY I )
( VOY E U R? )
( P Á G. 1 9 )
J OA NA P ROVI DÊ N C I A
& LU Í S M I GU E L C E RQ U E I R A
S E M L E G E N DA S
( P Á G S . 3 6 E 37 )
AIM A R P É R E Z G A L Í ( E S )
SU DA N D O E L D I S C U R S O:
UNA C R Í T I CA E N C U E R PA DA
( FE ST I VA L D D D )
(PÁGS. 52 E 53)
M A R I A NA A M O RI M
E SCA N DA LO S O S D E S EJ O S
D E U M M I L FOL HA S
+
SP EE C HE S ( PA LC O S I N ST Á V E I S )
( P Á G. 9 )
MARI A DE M E LO FA LC Ã O
IT ME
+
X A NA N OVA I S
UN TEKNÈ
( PA LC O S I N ST Á V E I S )
( P Á G. 47 )
TE ATRO E XP E R I M E N TA L
DO P O RTO ( TE P)
TODA A G E N T E
(PÁGS. 14 E 15)
RE NATA P O RTAS
— P Ú B L I C O R E SE RVA DO
O J OG O DA S P E RG U N TA S
OU V I AG E M À T E R R A S ON OR A
(PÁGS. 44 E 45)
E M A N U E L DE S O U SA
— P O N TO TE ATRO
GH
( P Á G. 4 3 )
A N TÓ N I O JO RGE GO N Ç A LVE S
A M ON TA N HA
( P Á G. 1 6 )
LU Í SA P I N TO
ON D E O FR I O S E D E M OR A
( P Á G. 28 )
MÚSICA
CINEMA
GNR + LOBO
PORTO B E ST O F
(PÁ GS . 1 2 E 1 3)
C I C LO AGN È S VA RDA
( P Á G. 3 4 )
LORENZO S EN N I (I T )
UNDE RSTAG E
(PÁ G. 2 9)
T EE TH OF T H E S E A (UK )
UNDE RSTAG E
(PÁ G. 42 )
NAIS SA N T; M E , MYSE L F A N D I ; TR I XI
ST E P HE N DWO S K I N ( E UA )
( P Á G. 22)
O A M A N TE
J OÃ O S OU SA CA R D O S O
( P Á G. 3 0 )
DINAMIT E
C ONCERTO DE HO ME NAG E M À DINA
(PÁG. 32 )
L' O M B RE DE S F E M M E S
P HI L I P P E G A R R E L
( M E D E I A FI L M E S )
( P Á G. 25 )
QUA RT E TO C ON T R AT EMPU S
O S DIL EMAS D IET É T IC O S DE UMA
M ATRIO S K A DO MEIO
(PÁ GS . 3 8 E 39)
PO STO AVA N Ç A DO DO P RO GR E S S O
HU G O V I E I R A DA S I LVA
( M E D E I A FI L M E S )
( P Á G. 25 )
GONÇ A LO LÉLIS
NOVO S TA L ENTO S
(PÁG. 33)
O TE S O U RO
C OR N E L I U P ORU M BOI U
( M E D E I A FI L M E S )
( P Á G. 4 8 )
DA NIE L CU N HA
NOVO S TA L ENTO S
(PÁ G. 46)
U M A N OVA A M I G A
FR A N Ç OI S OZON
( M E D E I A FI L M E S )
( P Á G. 4 8 )
F E STA DO C I N E M A I TA L I A N O
( P Á G. 4 8 )
FA N TASP O RTO
( P Á G. 8 )
WORKSHOP S
MASTERCLASSES
I N TRO DU Ç Ã O AO M AC H O DANC ING
E I SA J OC S ON ( P H)
( VOY E U R? )
( P Á G. 24 )
M ASTE RC L AS S
A M BR A S E NATOR E ( I T )
( FE ST I VA L D D D )
( P Á G. 5 5 )
M ASTE RC L AS S
A I M A R P É R E Z G A L Í ( E S)
( FE ST I VA L D D D )
( P Á G. 5 3 )
AQ U E C I M E N TO PA R A L E LO
MARA ANDRADE
( VOY E U R? )
( P Á G. 24 )
+
E L I SA BET H L A M BE C K
( FE ST I VA L D D D )
( P Á G. 5 5 )
RE SIDÊNCIAS
ARTÍSTICAS
C RI STI NA P L A NAS L E I TÃ O
JOA NA C R AVE I RO
—TE ATRO DO VE STI DO
LITER ATUR A
JO NATH A N SA L DA N H A
Q U I N TAS DE L E I TU R A
( P Á G. 3 5 E 51 )
M A RC O DA SI LVA F E R R E IR A
A N DR É M E N DE S
E M A N U E L DE S O U SA — P O N TO T E AT RO
T E ATRO E XPA N DI DO ! O L I VRO
J OÃ O S OU SA CA R D O S O
( P Á G. 3 0 )
RE NATA P O RTAS
— P Ú B L I C O RE SE RVA DO
( P Á G. 5 8 )
8
CINEMA
DE 26 FEV A 5 MAR
FANTASPORTO
⁄
FE STIVAL INTERNACIONAL
DE CINEMA DO PORTO
Toda a programação disponível em
1. “Gelo”
Luís e Gonçalo Galvão Teles
2. “Blind Sun”
Joyce A. Nashawati
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
www.fantasporto.com
A 36ª edição do Fantasporto – Festival Internacional de Cinema do
Porto decorre até 5 de Março no Teatro Rivoli. Segue as orientações
programáticas de anteriores anos – inovação, pesquisa, promoção e
divulgação do cinema português, europeu e mundial – e apresenta, ainda, uma estrutura mais consistente com os objetivos a atingir, que incorporam a Música como principal área de
suporte. No setor retrospetivo, o destaque vai para a mostra/
homenagem dedicada à obra do realizador de origem macedónia Milcho Manchevski.
1.
C I N E M A F ROM 26 F EB TO 5 MAR
The 36th edition of FANTASPORTO - OPORTO INTERNATIONAL FILM FESTIVAL happens between
February 26 and March 5 at Teatro Rivoli. It follows
the programme guidelines of previous years - innovation, research, promotion and disclosure of portuguese, european and worldwide film - and presents
a more consistent structure, with goals that incorporate Music as a main area of support.
2.
AU D I T ÓR I O S · R I VOL I
9
DA N Ç A
SE X 4 M A R ⁄ 2 1 H 3 0
MARIANA AMORIM
⁄
E SCANDALO S O S DE SEJO S DE UM MIL FOLHAS
+
SPEECHE S
E ST RE IA S ⁄ PA LC O S I N ST Á V E I S • C OM PA N HI A I N ST Á V E L
DANCE FRI 4 TH ⁄ 9:30 PM
Scandalous Desires of a Millefeuille” is a play about
what we imagine ourselves to be, about that which
we want others to think we are, about what others
see in us, about that which is imagined and about
shadows, reflections and reflections of shadows.
About the realities that each of our shadows might
carry. — Mariana Amorim
When I was little, I thought that RTP staff walked
along the electric wire to the magic box, where
they spent their days entertaining the viewer. I also
thought that, if I unplugged the box, they would be
trapped inside. — Mariana Amorim
Mariana Amorim has a degree in Dance and a Research Master’s in Choreography and Performance
from London’s Roehampton University. Her work
focuses on the human condition and on the influences and limitations of physical spaces on those who
live there. She directs the Esquiva Dance Company.
Speeches são as ilusões a que tantas vezes tentam reduzir a realidade.
Quando eu era pequena achava que os funcionários da RTP caminhavam pelo fio eléctrico até à caixa mágica, onde passavam o dia a animar o espectador. Achava também que se desligasse a ficha do aparelho eles ficavam lá presos. Parecia-me uma maldade para quem trazia
momentos de felicidade. Hoje em
Mariana Amorim é licenciada em Dança e Mesdia a caixa está mais plana e transtre em Pesquisa Coreográfica e Performance pela
mite-me acima de tudo discursos,
Roehampton University of London. O seu trabalho
discursos que iludem, que não corcentra-se em particular na condição humana e nas
respondem ao gesto. Talvez agora
influências e condicionantes dos espaços físicos naqueles que os habitam. Na sua pesquisa, utiliza difefosse mais justo desligar a ficha. —
rentes processos como a escrita, a fotografia e o víMariana Amorim
Fotografia © Direitos Reservados
deo. Dirige a Esquiva Companhia de Dança através
da qual apresenta as suas criações.
CAFÉ -T E AT RO · CA M P O A L E G R E
5,0 0 E U R • M /6
Escandalosos desejos
de um mil folhas
Direção e coreografia
Mariana Amorim
• Colaboração Vídeo
Dinis Sottomayor
• Colaboração Cénica
Eduardo Pousa
• Direção Plástica
Ricardo Alves
• Sonoplastia e composição
musical Domingos Alves
• Interpretação
Cláudia Eiras,
Esquiva Companhia
de Dança
• Peça desenvolvida
no âmbito do apoio
à criação/residência
da Companhia Instável
Speeches
Direção, coreografia e
interpretação Mariana
Amorim
• Colaboração com Tom
Holman-Sheard •
Sonoplastia, composição
musical e edição de vídeo
Tom Holman-Sheard
• Captura de vídeo Dinis
Sottomayor
• Peça desenvolvida
no âmbito do apoio
à criação/residência
da Companhia Instável
• Duração aprox. dos dois
espetáculos
55m (c/ intervalo)
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Escandalosos desejos de um mil folhas é uma peça que será apresentada sempre em processo, sobre aquilo que imaginamos que somos,
sobre aquilo que queremos que os outros achem que nós somos, sobre
o que os outros vêem em nós, sobre o que é imaginado, sobre sombras,
reflexos e reflexos de sombras. Sobre as realidades que cada uma das
nossas sombras pode carregar. Um mapa que indica o percurso do mítico
Dorian Gray às diferentes nomenclaturas de um bolo. — Mariana Amorim
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
10
T E AT RO
SÁB 5 MAR ⁄ 19H00
AMI R RE Z A
KOOHE STANI
(IRÃO)
⁄
IVANOV
E ST R E I A NAC I ONA L
Texto Original Anton
Tchekhov • Adaptação
Amir Reza Koohestani,
a partir da versão
inglesa de David Hare
• Encenação Amir Reza
Koohestani
• Interpretação
Vahid Aghapour,
Reza Behboodi,
Saeid Changizian,
Fatemeh Fakhraee,
Negar Javaherian,
Fariba Kamram,
Mohammadhassan
Madjooni,
Mohammadreza Najafi,
Mahin Sadri
• Assistência de Encenação
Mohammad Reza
Hosseinzadeh, Roxna
Bahram • Cenografia
Amir Hossein Ghodsi,
Amir Reza Koohestani
• Música Hooshyar
Khayam • Som Kave
Abedin • Figurinos Negar
Nemati • Vídeo Davoud
Sadri • Direção de Palco
Mohammadhossein
Nafariazad
• Legendagem Negar
Nemati • Produção Mehr
Theatre Group
AUDI T ÓR I O • CA M P O A L E G R E
1 0,0 0 E U R • M /1 2
• Direção de Produção
Mohammad Reza
Hosseinzadeh • Produção
Executiva Pierre Reis
• Coapresentação com
Teatro Nacional
D. Maria II
www.mehrtheatregroup.com
Espetáculo falado em
persa, com legendagem
em português
• Duração aprox. 2h
(c/ intervalo)
11
THE ATR E SAT 5 TH M AR ⁄ 7 P M
Amir Reza Koohestani casts a contemporary eye
over this Russian classic, using it to produce an indepth theatrical reflection on the Iran of today. In this
show, which won a best theatrical production award
Se “Ivanov” é considerado o anti-herói dos tempos modernos, a versão iraniana da peça de Anton Tchekhov encarna a melancolia de uma
pós-modernidade preocupante. Um mundo em constante mutação,
assolado por conflitos, guerras, discriminações várias. Um mundo de
diferenças, de lutas armadas, onde os países do Médio Oriente são os
mais destacados a nível mundial – quer pelas diferenças culturais, quer
pela intolerância à diferença. Amir Reza Koohestani lança assim, a partir do clássico russo, um olhar conAmir Reza Koohestani nasceu em 1978, em Shitemporâneo sobre a obra, fazendo
raz, Irão. Tinha 16 anos quando começou a publicar
uma das mais profundas reflexões
pequenas histórias em jornais locais. Atraído pelo citeatrais sobre o Irão dos nossos
nema, tirou cursos de realização e cinema em 1995 e
dias. Neste espetáculo, vencedor
realizou dois filmes, que nunca terminou. Após uma
breve experiência enquanto ator, decidiu enveredar
do prémio para melhor produção
pela escrita e encenação, de forma definitiva, tendo
teatral do seu país e que tem sido
escrito a primeira peça em 1999, “And The Day Neapresentado em vários países da
ver Came”, que nunca foi encenada. Seguiu-se “The
Murmuring Tales” (2000), que recebeu rasgados eloEuropa, Ivanov surge como um ser
gios da crítica em Teerão, durante a apresentação
solitário perante uma revolução
no Festival Internacional de Teatro de Fadjr. Mas foi
desfeita (quiçá, inconsequente).
com a terceira peça “Dance On Glasses” (2001), que
in Iran, and has been performed at various European venues, Ivanov is alone, a solitary figure facing
an unravelling (perhaps inconsequential) revolution.
Amir Reza Koohestani was born in 1978, in Shiraz,
Iran. He was just 16 when local newspapers began
publishing his short stories. Drawn to film, he took
courses in cinema and film-making in 1995, which
he never completed, and also directed two films. After a brief spell as an actor, he decided to apply himself to writing and directing plays. He wrote his first
play, “And The Day Never Came”, in 1999, though
it has never been performed. This was followed by
“The Murmuring Tales” (2000), which was rapturTheatre Festival in Tehran. However, it was his third
play, “Dance On Glasses” (2001), which toured for
four years, that earned Amir Reza Koohestani international recognition.
esteve em digressão durante quatro anos, que Amir
Reza Koohestani ganhou o reconhecimento internacional, tendo recebido o apoio de vários teatros
e diretores europeus, e apresentado desde então as
suas peças um pouco por todo o mundo.
PAR ALELO
P ROG R A M A D E A P ROXI M A Ç Ã O À S A RT E S P E R FOR M AT I VA S
S E X 4 M A R ⁄ 11 H0 0
E N C O N TRO
C OM A M I R R E Z A KOOHE STA N I
⁄
ESMAE - Teatro Helena Sá e Costa
No âmbito da apresentação do espetáculo "IVANOV", no Teatro Campo
Alegre, com o qual venceu em 2011 o prémio de melhor produção teatral
do ano, desafiámos o encenador iraniano a conversar com os alunos de
teatro da cidade do Porto. • As part of presenting the "IVANOV" show,
at the Campo Alegre Theatre, which in 2011 won the award for the best
theatre production in the year, we challenge the Iranian director to speak
with Porto’s theatre students.
Destinatários Estudantes de Teatro e Profissionais do Espetáculo
•
Fotografias © Mani Lotfizadeh
SÁB 5 MAR
C O N VE RSA P Ó S- E SP E TÁ C U LO
C OM A L I A Z A R I A N
Membro da Associação de Estudantes Iranianos no Porto
Informações [email protected]
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
ously received by critics at the Fadjr International
12
Mesmo a melhor das histórias merece uma outra oportunidade. No
Porto Best Of não há canções nem letras que se considerem mortas.
Pelo palco do Teatro Rivoli passará o melhor do passado em revisitação
pelo tempo presente e o melhor que o presente traz e que o futuro dirá.
Em cada noite Porto Best Of, um artista ou banda emblemática da cidade do Porto tocará - na íntegra - o seu primeiro, mais influente ou seminal álbum, revisto à luz do tempo presente. Em cada uma das noites,
partilhará o palco com algumas das mais excitantes propostas da nova
música da cidade. É mais do que um encontro de géneros, estilos ou de
gerações. Estamos, em todos os casos, a presenciar o nervo musical
do Porto no coração da cidade e a sua particular influência na história
da música portuguesa.
A 9 de Março, a primeira noite Porto Best Of, encontraremos a chave
que repousa no divã para a redescoberta do álbum “Psicopátria” dos
GNR, com a luz própria de 1986. As onze canções deste disco fazem
parte do imaginário colectivo de uma geração mas não se esgotam sem
futuro. Numa nova primeira vez, para ver e ouvir na íntegra.
Tendo já revisitado a canção “Pós-Modernos”, a noite abre voraz com
o LOBO, banda de Pedro Bessa que traz para palco o álbum “Reverberação” (2015), pontuado por uma singular versão de “Homens Temporariamente Sós”. — Miguel Guedes
Even the best stories deserve another opportunity.
At Porto Best Of no songs or lyrics are regarded as
having faded away. The Rivoli Theatre stage will host
a revival of the best music from the past and will
showcase best music of today and perhaps for the
future, as time will tell.
During Porto Best Of, each evening one notable musician or band from the city of Porto will perform its
first, most influential or seminal album, in full, to be
appreciated from today’s perspective. Each evening,
these acts will share the stage with some of the most
promising musicians in Porto’s new music scene. It
is more than a meeting of genres, styles or generations. In all cases, we are witnessing Porto’s musical
nerve in the city’s heart and its particular influence
on the history of Portuguese music.
On 9 March, the first evening of Porto Best Of, we
will find the key lying on the couch to rediscover the
album “Psicopátria” by GNR, with lighting effects
from 1986. This album’s eleven songs are part of a
generation’s collective imaginary and, yet, are still
meaningful now and have a promising future. The
event is like a “new first time” to watch and hear
the entire album.
Having already revisited the song “Pós-Modernos”,
the evening starts with LOBO, Pedro Bessa’s band
that will take to the stage to play the album “Reverberação” (2015), highlighted by a unique version of
“Homens Temporariamente Sós”. — Miguel Guedes
Fotografia © Direitos Reservados
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
PORTO BE ST OF
13
M Ú S I CA
Q UA 9 M A R ⁄ 2 1 H 3 0
MUSIC WED 9 TH M AR ⁄ 9:30 P M
GNR’s "Psicopátria" album, of blatantly pop music,
is now 30 years old. This album had Portugal singing
in unison, catapulted the band to a popularity never
seen before and created a solid foundation for a relatively new group. From then on, GNR began playing
at major venues where audiences would spontaneously start singing to the first chords of “Efectivamente”, “Pós Modernos” or “Bellevue”.
The main vehicle for Pedro "Lobo" Bessa, the LOBO
project, is not committed to musical genres but, rather, subverts them in a relentless pursuit for the perfect song. LOBO is: Pedro Lobo (Vocals and Guitar),
Luís Ribeiro (Guitars and Vocals), Bruno de Oliveira (Drums and Vocals), Sérgio Valmont (Bass), João
Mascarenhas (Keyboard) and Eva Danin (Vocals).
GNR + LOBO
L IG AÇÃO
TEMA PELO URO DA CULT UR A 201 6
Ciclo de concertos que fortalece
a ligação entre a música e dos músicos da
cidade com Teatro Municipal do Porto.
A cycle of concerts that strengthens the
bond between the city’s music and musicians
Fotografia © Direitos Reservados
and the Porto Municipal Theatre.
Principal veículo de Pedro “Lobo” Bessa, o LOBO não tem compromissos
com géneros musicais, subvertendo-os, na ingrata procura da canção
perfeita. Alternador de discos, produtor e obcecado por música desde
que ouviu o “1967/1970” dos Beatles no gira discos dos pais, percorreu o
país de lés-a-lés a tocar, em sítios pequenos e festivais com bandas como
os Buena ou Renderfly. Gravou e misturou discos para MESA, Slimmy,
Nuno Prata (Ornatos Violeta) ou Valter Lobo no “seu” Estúdio Eléctrico.
“Ecléctico is my middle name”, diz o músico. Foi Novo Talento Fnac 2009
com o tema “Agora, Aqui” e edita, também nesse ano, o disco de estreia
“Socorros a Náufragos”. No final de 2015 chega o segundo disco, “Reverberação”. O LOBO é: Pedro Lobo (Voz e Guitarra), Luís Ribeiro (Guitarras
e Voz), Bruno de Oliveira (Bateria e Voz) , Sérgio Valmont (Baixo), João
Mascarenhas (Teclados) e Eva Danin (Voz).
G R A N D E AU D I T ÓR I O M O • R I VOL I
P R E Ç O Ú N I C O 7,5 0 E U R • M /1 2
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
O álbum “Psicopátria” dos GNR, registo em que a banda do Porto assumiu
sem reservas uma sonoridade pop, completa 30 anos de existência. Com
este disco, Portugal começou a cantar em uníssono, levando a banda a
índices de popularidade nunca atingidos, permitindo cimentar a sua ainda recente carreira. A partir desse momento, os GNR passaram a tocar
nas grandes salas, onde o público cantava imediatamente aos primeiros
acordes de “Efectivamente”, “Pós Modernos” ou “Bellevue”. Contudo, este
sólido álbum não fica pelos sucessos mais mediáticos. Canções como
“Dá Fundo”, “Nova Gente”, “Choque Frontal” ou “Paciente” completam
esta obra prima da música portuguesa, de melodias marcantes e letras
nonsense, atingindo o equilíbrio quase perfeito entre o sucesso comercial e a aclamação da crítica. Um grande concerto com forte identidade
GNR. Uma viagem no tempo, que recria em 2016 o melhor do anos 80. É
a altura certa para comemorar o melhor disco dos GNR!
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
14
T E AT RO
DE QUI 10 A S ÁB 1 2 M AR ⁄ 2 1 H 3 0 • D OM 13 M A R ⁄ 1 7H 0 0
D E QUA 1 6 A S ÁB 1 9 M AR ⁄ 2 1 H 3 0
TE ATRO
E XPERIMENTAL
DO PORTO
⁄
TODA A GENTE
E ST RE IA ⁄ C O P RO DUÇ Ã O
AUDIT Ó RIO • CA MP O A L EG RE
7,50 EUR • M / 1 2
Encenação Gonçalo
Amorim • Texto Rui Pina
Coelho • Elenco Catarina
Gomes, Gonçalo Amorim,
João Miguel Mota,
Manuel Nabais, Maria
do Céu Ribeiro e Paulo
Moura Lopes
• Cenografia e figurinos
Catarina Barros
• Desenho de luz
Francisco Tavares Teles
• Música original e
sonoplastia Pedro João
e Ricardo Nogueira
• Duração aprox.1h30
15
nador, colaborou com as seguintes estruturas: Teatro o Bando, Comédias do Minho, Culturgest, Teatro
da Terra, Teatroàparte, Primeiros Sintomas/Teatro
THEATRE FROM THU 10 TH TO SAT 12 TH ⁄ 9:30 PM
Maria Matos, Alkantara, Movimenta-te e ZDB/Negó-
SUN 13 TH ⁄ 5 PM
cio. Colabora regularmente com o TEP desde 2010.
WED 16 TH TO SAT 19 TH MAR ⁄ 9:30 PM
Toda a gente (All the people) is a morality play about
happiness. It is a play about having to be happy - forcibly. It is about a family that has been split up and is
living in different parts of the world because of work.
However, all is going well. There is no tragedy. It is
just life. It has to be. This play is no tragedy; nor is
the life of the people that the play is about. The life
of these characters - just like that of the families
that the play is based on - is no tragedy. Employment
mobility has, in fact, brought improved well-being,
better working conditions, more money and a rosier
future. Emancipation. All is well. Eppur… There is
no freedom when you can only choose between two
bad options, or between one good one and a bad one.
There is only freedom when you can choose between
two good options. And, in “All the people”, nobody
has good options. But all is well.
PAR ALELO
Gonçalo Amorim was born in Porto, in 1976. He
PROGR AMA DE A P ROX IMA Ç Ã O À S A RT E S P E RF O RMAT I VA S
and of FITEI, since September 2014. He attended
is the artistic director of TEP, since January 2013,
the Anthropology Course at Universidade Nova de
Lisboa and obtained a degree from ESTC (Actors and
Q UI 1 0 MA R
C O N V ER SA PÓS - E S P E T ÁCU LO
C O M V Â NIA RO DRIG UE S
Responsável pela gestão e programação cultural na mala voadora
Imagens © Direitos Reservados
Informações [email protected]
Directors Training). He has collaborated regularly
with TEP since 2010.
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
“Toda a gente” é uma espécie de moralidade sobre a felicidade. É uma peça
sobre a necessidade imperiosa de sermos felizes – nem que tenha de ser
à força. Trata de uma família que está separada e dispersa pelo mundo
por razões laborais. Emigraram. São migrantes económicos, diz-se agora. Está, contudo, tudo a correr muito bem. Não há nenhuma tragédia nem
nenhum drama. É só a vida. Tem de ser. Vendo bem, até tem alguma graça,
isto tudo. A emigração, cidades novas por descobrir e assim. A mobilidade laboral trouxe, com efeito, a melhoria do bem-estar individual, melhores
condições de trabalho, mais dinheiro, melhores perspeGonçalo Amorim nasceu no Porto, em 1976. É ditivas de futuro. Emancipação. Tudo bom. Eppur… Não
retor artístico do TEP, desde Janeiro de 2013 e do
há liberdade quando só se pode escolher entre duas
FITEI, desde Setembro de 2014. Frequentou o curso
más opções ou entre só uma boa opção e uma má. Só
de Antropologia da Universidade Nova de Lisboa e é
há liberdade a sério quando se pode optar entre duas
licenciado pela ESTC (Formação de Actores e Encenadores). É cooperante e ator do Teatro o Bando desde
boas opções, dizia já não me lembra quem. Aqui “nin1999 e foi membro do colectivo Primeiros Sintomas.
guém” tem boas opções e “toda a gente” quer ser feliz.
Como actor, trabalhou também com a Útero – Asso“Ninguém” percebeu ainda nada disto e “toda a genciação Cultural, Companhia Olga Roriz, Cão Solteiro,
Truta, Teatro da Terra e Artistas Unidos. Como encete” anda à procura. —Teatro Experimental do Porto
T E AT RO
S E X 11 MAR ⁄ 9 H3 0, 1 0 H 3 0 & 1 5 H 0 0 • SÁ B 1 2 M A R ⁄ 1 6 H 0 0
ANTÓNIO
JORGE
GONÇALVE S
PAR AL ELO
E SPETÁCULO PAR A
GRUPO S E SC OL ARE S (SE X 11 )
E FAMÍLIAS (SÁB 12)
Criação António Jorge
Gonçalves • Intérpretes
Ana Brandão e António
Jorge Gonçalves
• Coprodução Maria
Matos Teatro Municipal,
Centro de Arte de
Ovar, Teatro Virgínia e
Culturproject
• Duração aprox. 30 mins
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
⁄
A MONTANHA
“A Montanha” é uma peça performativa interpretada por um artista
visual e uma atriz, concebida para o público pré-escolar (dos 3 aos 5
anos). É uma história simples e inteligente, que recupera o tom dos contos clássicos e intemporais, e que centra a sua ação no meio natural.
“De tanto dizer NÃO um dia Céu perdeu a cabeça”.
É este o ponto de partida que vai levar esta menina de António Jorge Gonçalves licenciou-se em Design
5 anos numa viagem surpreendente pelas encostas ín- Gráfico pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa (1989) e é Mestre em Theatre Design pela Slade
gremes até ao coração da montanha em busca da ca- School of Fine Art em Londres (1999), onde foi bolbeça perdida. Lá, onde só uma Palavra Mágica a pode seiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Leccionou
ajudar a dar um sentido a tudo o que lhe aconteceu. no IADE e na RESTART. O seu trabalho abrange desenho, fotografia, música e arte pública. A narração
por imagens é o seu território favorito: desde 1978
que publica banda desenhada em jornais, revistas
e fanzines em Portugal, Espanha, França e Itália.
THE ATR E FRI 11 TH M AR ⁄ 9:30 AM , 10:30 AM & 3 P M
SAT 12 TH M AR ⁄ 4 PM
“The Mountain” is a performance piece for pre-school
audiences (3 to 5-year olds) performed by a visual artist and an actress. It is an intelligent and yet simple
story that recreates the tone of the timeless classics.
António Jorge Gonçalves has a degree in Graphic
Design from the Lisbon Higher School of Fine Arts
(1989) and a Master’s in Theatre Design from London’s Slade School of Fine Arts (1999), where he
was a Calouste Gulbenkian Foundation scholar. His
work embraces design, photography, music and public art. His favourite form of expression is narration
through images.
SA L A-E ST Ú D I O • CA M P O A L E G R E
P R EÇOS ÚN I C OS AD ULTOS 5,0 0 • C R I A NÇ A S E G RU P O S E S C O L A R E S 2,0 0 E U R • M /3
Fotografias © Direitos Reservados
16
CINEMA
TE R 1 5 M A R
VER PRIMEIRO
⁄
MEDEIA FILME S
L'OMBRE DE S F EM M E S (1 8 H 3 0 )
⁄
PHIL IPPE G AR R EL (FR )
FR ANÇA , SUÍÇA • 2 0 1 5 • 73’ • M/ 1 2
FAL ADO EM FR AN CÊS
Pierre e Manon são pobres. Fazem documentários com
(quase) nada e vivem de biscates. Um dia, Pierre co-
VOYEUR?
nhece uma jovem estagiária, Elizabeth, que se torna
sua amante. No entanto, não quer deixar Manon, sua
que Manon tem também um amante. E conta-lhe tudo,
levando a que Pierre obrigue Manon a interromper
esse romance “proibido”. Ela cede, por amor a Pierre.
• Pierre and Manon are poor. They make documentaries with (nearly) nothing and survive doing odd jobs.
One day, Pierre meets a young apprentice, Elizabeth,
and becomes her lover. However, he doesn’t want to
leave Manon, his wife, and maintains a relationship
with both women. One day, Elizabeth discovers that
1.
Manon also has a lover. When she tells Pierre about his
wife’s infidelity, Pierre demands that Manon ends her
“forbidden” affair. She agrees, out of love for Pierre.
1. “Posto Avançado do
Progresso”
Hugo Vieira da Silva
2. “L'Ombre des Femmes”
Philippe Garrel
POSTO AVANÇADO DO PROGRESSO (22H00)
⁄
H U GO VI E I R A DA SI LVA
( C OM A P R E S E N Ç A D O R E A L I Z ADO R)
A N G OL A , P ORT U G A L • 20 1 5 • 1 20 ´• M/1 2
2.
No final do século XIX, dois colonizadores portugueses, imbuídos de uma vaga intenção civilizadora, desembarcam numa parte remota do Rio Congo para
coordenar um posto comercial. À medida que o tempo passa, começam a desmoralizar pela sua incapacidade de enriquecer à custa do comércio de marfim.
Sentimentos de desconfiança mútua e mal-entendidos com a população local isolam-nos no coração
da floresta tropical. • In the late 19th century, two
Portuguese colonialists, inspired by a vague civilizing mission, disembarked in a remote area of the
Congo River to set up a trading post. As time goes
by, their enthusiasm starts to fade because of their
inability to become rich from the ivory trade. Feelings of mutual distrust and misunderstandings with
the local population isolate them in the heart of the
tropical forest.
AU D I T ÓR I O I AC • R I VOL I
P R E Ç O Ú N I C O P O R S E S S Ã O 3,0 0 E U R
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
esposa, e mantém as duas. Um dia, Elizabeth descobre
18
18
T E AT RO
“Voyeur: Pessoa
que assiste, para sua satisfação, às manifestações
S E X 11 MAR
9 H3 0, 1 0 H 3 0 &de
1 5outrem.
H 0 0 • SÁ BPessoa
1 2 M A R que
⁄ 1 6 sente
H00
de⁄sexualidade
prazer na observação, às
escondidas, de cenas íntimas ou eróticas levadas a efeito por outras
pessoas”. — Dicionários Priberam e Infopédia (Porto Editora)
A partir deste conceito, “Voyeur?” é um Foco de programação
comPAR AL ELO
posto por três espetáculos, três filmes, dois workshops e um
encontro,
E SPETÁCULO PAR A
S E SC OL ARE S (SE X 11 )
que pretende questionar o lugar do espectador na suaGRUPO
dupla
dimenE FAMÍLIAS (SÁB 12)
são, o de observador e o de observado. Os limites confundem-se e a
dúvida impõe-se: quem faz o quê, quem controla o quê, quem é quem
neste jogo? Com uma abordagem mais ampla, questionam-se noções
tão diferentes como voyeurismo, restrição, vulnerabilidade, violência,
Criação António Jorge
sexualidade e poder.
ANTÓNIO
JORGE
GONÇALVE S
Gonçalves • Intérpretes
Ana Brandão e António
Jorge Gonçalves
• Coprodução Maria
Matos Teatro Municipal,
Centro de Arte de
Ovar, Teatro Virgínia e
Culturproject
• Duração aprox. 30 mins
Assim, o coreógrafo francês François Chaignaud propõe um ambiente de proximidade e intimidade com o público onde a dança, a música e os figurinos exuberantes remetem para o ambiente dos cabarés exóticos dos anos 20. Já a coreógrafa filipina Eisa Jocson recria,
por um lado, a feminilidade extrema das bailarinas da dança do varão
(“Death of the Pole Danser”) e, por outro lado, transforma o seu corpo
através
dos movimentos
dos
strippers masculinos de clubes noturnos
“A Montanha” é uma peça performativa
interpretada
por um
artista
(“Macho
Dancer”),
fazendo
o
público
visual e uma atriz, concebida para o público pré-escolar (dos 3 aos 5 mergulhar no submundo de Manila.
Serãoque
ainda
apresentadas
obras
do realizador norte-americano Stephen
anos). É uma história simples e inteligente,
recupera
o tom dos
conDwoskin,
com
uma
dimensão
quase
tos clássicos e intemporais, e que centra a sua ação no meio natural. táctil do voyeurismo e a possibilidadea de
criação de uma relação próxima com o espectador, através
“De tanto dizer NÃO um dia Céu perdeu
cabeça”.
de
uma
experiência
afetiva
e Gonçalves
emocional
muitoemforte,
Jorge
licenciou-se
Designsob a forma de um
É este o ponto de partida que vai levar esta menina de António
Gráfico
pela
Escola
Superior
de
Belas-Artes
de Lis- Moita conduzirá
cinema
imbuído
5 anos numa viagem surpreendente pelas
encostas
ín- de intimidade. A sexologista Gabriela
boa (1989) e é Mestre em Theatre Design pela Slade
ainda
um da
debate
torno do voyeurismo como meio de conhecimengremes até ao coração da montanha em
busca
ca- em
School of Fine Art em Londres (1999), onde foi bole de (re)criação
de daum
novo mundo de prazer, ligando assim, todos
beça perdida. Lá, onde só uma PalavratoMágica
a pode seiro
Fundação Calouste Gulbenkian. Leccionou
estes
universos,
sejam
eles
mais performativos
oude-visuais.
no
IADE
e
na
RESTART.
O seu trabalho abrange
ajudar a dar um sentido a tudo o que lhe aconteceu.
senho, fotografia, música e arte pública. A narração
por imagens é o seu território favorito: desde 1978
Um Foco sem tabus,
sem pudores, a ocupar diferentes espaços do
que publica banda desenhada em jornais, revistas
Teatro Rivoli ao longo
de em
umPortugal,
fim-de-semana.
e fanzines
Espanha, França e Itália.
Based on this concept, “Voyeur?” is a programmed
THE ATR E FRI 11 TH M AR ⁄ 9:30 AM , 10:30 AM & 3 P M
Focus consisting of three shows, three films, two
SAT 12 TH M AR ⁄ 4 PM
workshops and one debate, which aim to question
the spectator’s two-dimensional role: as the observ-
“The Mountain” is a performance piece for pre-school
er and the observed. The limits are intertwined and
audiences (3 to 5-year olds) performed by a visual art-
unclear, and a doubt arises: who does what, who con-
ist and an actress. It is an intelligent and yet simple
trols what, who is who in this game? In a broader
story that recreates the tone of the timeless classics.
approach, questions are asked about distinct notions
such as voyeurism, restrictions, vulnerability, vio-
António Jorge Gonçalves has a degree in Graphic
lence, sexuality and power.
Design from the Lisbon Higher School of Fine Arts
A Focus free of taboos, without shame, occupying
(1989) and a Master’s in Theatre Design from Lon-
different spaces at the Porto Municipal Theatre dur-
don’s Slade School of Fine Arts (1999), where he
ing this weekend.
was a Calouste Gulbenkian Foundation scholar. His
work embraces design, photography, music and public art. His favourite form of expression is narration
through images.
BI LHETE C O NJUNTO
10,00
EURO S
O Bilhete
SA LConjunto
A-E ST Úinclui
D I O entrada
• CA Mpara
P O os
A L3Eespetáculos
GRE
Sessão 5,0
de cinema
P R EÇOS ÚN I C OS AD +ULTOS
0 • C R+I Encontro
A NÇ A S E“Voyeur?
G RU P OEspectador?”
S E S C O L A R E S 2,0 0 E U R • M /3
Fotografia © Odile Bernard Schroeder
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
⁄
A MONTANHA
19
P E RF O RMA NC E
CINEMA
S E X 11 & S ÁB 1 2 M AR ⁄ 1 9 H 0 0, 2 1 H 3 0 &TE2R3 H
1 51 5M A R
FR ANÇOIS
CHAIGNAUD
VER PRIMEIRO
⁄
MEDEIA FILME S
(FRANÇA)
⁄
ДУМИ МОЇ
L'OMBRE DE S F EM M E S (1 8 H 3 0 )
(DUMY MOYI)
⁄
PHIL IPPE G AR R EL (FR ) E ST REIA NACIO NA L
FR ANÇA , SUÍÇA • 2 0 1 5 • 73’ • M/ 1 2
FAL ADO EM FR AN CÊS
Sonho com esta peça como um antídoto. Um antídoto para rituais de
teatro ocidental, para a sua abordagem, a sua frequência, a sua luta pelo
(quase) nada e vivem de biscates. Um dia, Pierre copoder.
num
espaço
confinado, sem filas de bancos ou
nhece
umaEstaremos
jovem estagiária,assim
Elizabeth,
que se
torna
sua
entanto, não Próximos
quer deixar Manon,
umamante.
palcoNoelevado.
unssuados outros. Algumas pessoas mesmo
esposa, e mantém as duas. Um dia, Elizabeth descobre
ao nível do chão. Onde se pode escolher o tempo, já que o espetáculo
que Manon tem também um amante. E conta-lhe tudo,
será realizado várias vezes num dia – como a exibição de filmes ou o
levando a que Pierre obrigue Manon a interromper
teatro
de“proibido”.
feira, deElaresto.
Eamor
vamos
aproveitar ao máximo essa intimidade,
esse
romance
cede, por
a Pierre.
•essa
Pierre and
Manon are poor. They
documentaproximidade,
estemake
cenário
para usufruir da subtileza e excesso –
ries with (nearly) nothing and survive doing odd jobs.
como em rituais theyyman em Malabar (Índia), durante os quais os figuOne day, Pierre meets a young apprentice, Elizabeth,
rinos imponentes e surpreendentes dos bailarinos transformados
François Chaignaud nasceu em Rennes, França, e
1.
estudou dança desde os 6 anos de idade. Licenciou-se
em deuses se destacam e os aproem 2003 no Conservatório National de Dança de Paximam daqueles que vieram para
ris, tendo colaborado depois com vários coreógraos ver e sentir, a poucos metros de
fos, entre eles Boris Charmatz, Emmanuelle Huynh,
1. “Posto
Avançado do
Alain Buffard e Gilles Jobin. Criou espetáculos que
distância. —
François
Chaignaud
Pierre e Manon são pobres. Fazem documentários com
muitas inspirações.
P E RF ORM AN C E
F R I 11 TH & SAT 12 T H MAR ⁄ 7 PM , 9: 30 PM & 11: 15 PM
I dream about this piece as about an antidote. An
antidote to western theatre rituals, its head-on approach, its frequency, its power struggle. Thus we
will be in a confined space, without seat rows or a
stage. Close to one another. Few people. At floor level.
— François Chaignaud
François Chaignaud was born in Rennes, France,
and studied dance from the age of 6. In 2003, he graduated from the National Conservatoire of Dance in
Paris and, since then, has worked with a number of
choreographers, including Boris Charmatz, Emmanuelle Huynh, Alain Buffard and Gilles Jobin.
Progresso”
Hugo Vieira da Silva
2. “L'Ombre des Femmes”
Philippe Garrel
POSTO AVANÇADO DO PROGRESSO (22H00)
⁄
H U GO VI E I R A DA SI LVA
( C OM A P R E S E N Ç A D O R E A L I Z ADO R)
A N G OL A , P ORT U G A L • 20 1 5 • 1 20 ´• M/1 2
2.
No final do século XIX, dois colonizadores portugue-
Criação e Interpretação
François Chaignaud
• Figurinos Romain Brau
• Luz Philippe Gladieux
• Direção de Cena
Anthony Merlaud
• Consultor Musical
Jérôme Marin
• Adaptação Musical /
Treino Vocal Antoine
Bernollin • Som JeanMichel Olivares.
• Produção Vlovajob Pru
• Coprodução Festival
Montpellier Danse 2013,
Festival d’Automne
à Paris, Centre de
Développement
Chorégraphique
Toulouse / MidiPyrénées, Gessnerallee
Zürich, deSingel
Internationale
Kunstcampus (Antwerp),
Ménagerie de Verre.
• Duração aprox. 30 mins.
CA F É -C O NCE RTO • RIVO LAU
I D I T ÓR I O I AC • R I VOL I
5,0 0 EUR • M / 1 P6 R E Ç O Ú N I C O P O R S E S S Ã O 3,0 0 E U R
ses, imbuídos de uma vaga intenção civilizadora, desembarcam numa parte remota do Rio Congo para
coordenar um posto comercial. À medida que o tempo passa, começam a desmoralizar pela sua incapacidade de enriquecer à custa do comércio de marfim.
Sentimentos de desconfiança mútua e mal-entendidos com a população local isolam-nos no coração
da floresta tropical. • In the late 19th century, two
Portuguese colonialists, inspired by a vague civilizing mission, disembarked in a remote area of the
Congo River to set up a trading post. As time goes
by, their enthusiasm starts to fade because of their
inability to become rich from the ivory trade. Feelings of mutual distrust and misunderstandings with
the local population isolate them in the heart of the
tropical forest.
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
riedade de abordagens e pontos de encontro com
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
cruzam a dança com o canto vocal, numa ampla va-
20
20
T E AT RO
DA N Ç A
S E X 11 MAR ⁄ 9 H3 0, 1 0 H 3 0 & 1 5 H 0 0 • SÁ B 1 2 M A R ⁄ 1 6 H 0 0
ANTÓNIO
EISA JOC S ON
JORGE ⁄
DE ATH OF THE POLE DANCER
GONÇALVE
S
+
PAR AL ELO
( F I LI P IN A S )
E SPETÁCULO PAR A
GRUPO S E SC OL ARE S (SE X 11 )
E FAMÍLIAS (SÁB 12)
SE X 11 & SÁ B 1 2 M A R ⁄ 1 9 H 45
⁄
MACHO DANCER
A MONTANHA
SE X 11 & SÁ B 1 2 M A R ⁄ 2 2 H 1 5
“A Montanha” é uma peça performativa interpretada por um artista
visual e uma atriz, concebida para o público pré-escolar (dos 3 aos 5
anos). É uma história simples e inteligente, que recupera o tom dos contos clássicos e intemporais, e que centra a sua ação no meio natural.
“De tanto dizer NÃO um dia Céu perdeu a cabeça”.
É este o ponto de partida que vai levar esta menina de António Jorge Gonçalves licenciou-se em Design
5 anos numa viagem surpreendente pelas encostas ín- Gráfico pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa (1989) e é Mestre em Theatre Design pela Slade
gremes até ao coração da montanha em busca da ca- School of Fine Art em Londres (1999), onde foi bolbeça perdida. Lá, onde só uma Palavra Mágica a pode seiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Leccionou
ajudar a dar um sentido a tudo o que lhe aconteceu. no IADE e na RESTART. O seu trabalho abrange deTE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
E ST R E I A S NAC I ONA I S
Criação António Jorge
Gonçalves • Intérpretes
Ana Brandão e António
Jorge Gonçalves
• Coprodução Maria
Matos Teatro Municipal,
Centro de Arte de
Ovar, Teatro Virgínia e
Culturproject
• Duração aprox. 30 mins
senho, fotografia, música e arte pública. A narração
por imagens é o seu território favorito: desde 1978
que publica banda desenhada em jornais, revistas
e fanzines em Portugal, Espanha, França e Itália.
THE ATR E FRI 11 TH M AR ⁄ 9:30 AM , 10:30 AM & 3 P M
SAT 12 TH M AR ⁄ 4 PM
“The Mountain” is a performance piece for pre-school
audiences (3 to 5-year olds) performed by a visual artist and an actress. It is an intelligent and yet simple
story that recreates the tone of the timeless classics.
António Jorge Gonçalves has a degree in Graphic
Design from the Lisbon Higher School of Fine Arts
(1989) and a Master’s in Theatre Design from London’s Slade School of Fine Arts (1999), where he
was a Calouste Gulbenkian Foundation scholar. His
work embraces design, photography, music and public art. His favourite form of expression is narration
through images.
S U B- PA LC O + PA LC O D O G R A N D E AU D I T ÓR I O M O • R I VOL I
SA L A-E ST Ú D I O • CA M P O A L E G R E 5,0 0 E U R • M /1 8
P R EÇOS ÚN I C OS AD ULTOS 5,0 0 • C R I A NÇ A S E G RU P O S E S C O L A R E S 2,0 0 E U R • M /3
Death of the Pole Dancer • Este espetáculo interroga
C I N E M Aa forma como
TE
R 15
M A R o público é
olhamos para aquilo que pensamos estar a avaliar.
Aqui,
convocado a refletir sobre aquilo que vê, no momento: uma mulher em
movimento contínuo, durante um ato (aparentemente comum) de poledance. Com este espetáculo, a filipina Eisa Jocson procura colocar o
público a pensar, através de simples movimentos, sobre noções como
o voyeurismo e a contenção, a vulnerabilidade e a violência, a sexualidade e o poder, temas que são a base de todo o trabalho da coreógrafa e bailarina.
21
VER PRIMEIRO
⁄
MEDEIA FILME S
Macho Dancer • O denominado “Macho Dancing” é um conjunto de
fundados no ballet, ganhou a sua primeira competi-
• Pierre and Manon are poor. They make documen-
ção de pole dance em Manila, em 2010, tendo inicia-
taries with (nearly) nothing and survive doing odd
do as suas apresentações públicas desde então em
jobs. One day, Pierre meets a young apprentice, Eli-
várias cidades do mundo.
zabeth, and becomes her lover. However, he doesn’t
Após sucessivas residências artísticas na Bélgica, de-
want to leave Manon, his wife, and maintains a re-
senvolveu uma prática artística que questiona o es-
lationship with both women. One day, Elizabeth dis-
tereótipo e contexto do pole-dance feminino. O solo
TH
TH
PM
PM
covers
also
a lover.
When
tells
DANCE that
FRI 11Manon
& SAT
12 has
MAR
⁄ 7:45
& she
10:15
“Death of the Pole Dancer” foi apresentado em vários
Pierre about his wife’s infidelity, Pierre demands that
países europeus. Mas Eisa Jocson investigou ainda a
Manonofends
Death
the Pole
her “forbidden”
Dancer • The
affair.
audience
She agrees,
is invitedout
to
“macho dancing”, uma popular forma de entreteni-
of
love on
forwhat
Pierre.
reflect
it sees: a woman in continuous move-
mento noturno, tendo estreado “Macho Dancer” em
ment during an (apparently everyday) pole dance act.
2013. Usando estas duas formas de dança, ela inves-
Using simple movements, Eisa Jocson, who is from
tiga a forma como o corpo está ao serviço da indús-
the Philippines, wants to get the audience thinking
tria, expondo, desta forma, as questões de género,
about such ideas as voyeurism and restraint.
as políticas de sedução e a mobilidade social nas Fi-
POSTO AVANÇADO DO PROGRESSO (22H00)
⁄
H U GO VI E I R A DA SI LVA
( C OM A P R E S E N Ç A D O R E A L I Z ADO R)
A N G OL A , P ORT U G A L • 20 1 5 • 1 20 ´• M/1 2
lipinas. O seu próximo trabalho irá agora desvendar
Macho Dancer • Eisa Jocson's show in Porto, com-
o “Japayuki”, um movimento de jovens estrangeiros
No final do século XIX, dois colonizadores portugue-
prises a solo female interpretation of the dance,
contratados nas Filipinas para apresentações em clu-
ses, imbuídos de uma vaga intenção civilizadora, de-
which is used to bring our attention to bear on the
bes noturnos do Japão, tendo em conta o prazer dos
sembarcam numa parte remota do Rio Congo para
issue of using sexuality and gender as tools for so-
homens de negócios locais.
coordenar um posto comercial. À medida que o tem-
cial campaigning. She uses her body as a product;
po passa, começam a desmoralizar pela sua incapaci-
to investigate the mutations of a body directly chal-
dade de enriquecer à custa do comércio de marfim.
lenged by the (social, cultural, economic...) changes
Sentimentos de desconfiança mútua e mal-enten-
occurring in today’s society.
didos com a população local isolam-nos no coração
da floresta tropical. • In the late 19th century, two
Eisa Jocson is a choreographer and dancer from
the Philippines. Trained in the visual arts, and with
a solid grounding in ballet, she won her first pole
dance competition in Manila, in 2010. This led to her
touring her show to a number of major cities around
the world. Following a number of artistic residences
in Belgium, she has developed an artistic line of inquiry that questions the stereotype and context of
Fotografia © Angelo Vermeulen
pole dancing by women.
Death of the Pole Dancer
Concepção, Coreografia e
Interpretação Eisa Jocson
• Assistência de
Dramaturgia Rasa
Alksnyte • Apoios
In Transit 2011
Performance Art Festival,
HKW Berlin
• Duração aprox. 25min
Macho Dancer
Conceção, Coreografia e
Interpretação Eisa Jocson
• Luz Jan Maertens
• Música Lina Lapelyte
• Apoio de Movimento
Rasa Alksnyte • Apoio
Dramatúrgico Arco Renz
• Músicas “Devil’s Dance”,
Metallica; “Total Eclipse
of the Heart”, Bonnie
Tyler; “Pagbigyang Muli”,
Erik Santos
• Coprodução
Workspacebrussels,
Beursschouwburg
• Duração aprox. 45min
AU D I T ÓR I O I AC • R I VOL I
P R E Ç O Ú N I C O P O R S E S S Ã O 3,0 0 E U R
Portuguese colonialists, inspired by a vague civilizing mission, disembarked in a remote area of the
Congo River to set up a trading post. As time goes
by, their enthusiasm starts to fade because of their
inability to become rich from the ivory trade. Feelings of mutual distrust and misunderstandings with
the local population isolate them in the heart of the
tropical forest.
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
esse romance “proibido”. Ela cede, por amor a Pierre.
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
movimentos interpretado por jovens homens em clubes noturnos para
clientes masculinos e femininos. Com movimentos físicos específicos,
envoltos
em sensualidade e sedução, este tornou-se um fenómeno fiL'OMBRE DE S F EM M E S (1 8 H 3 0 )
lipino sem precedentes
em muitos clubes locais. Uma nova forma de
⁄
IPPE Gusando
AR R EL (FRo) corpo como ferramenta de desejo. “Macho
ganhar PHIL
dinheiro,
FR ANÇAespetáculo
, SUÍÇA • 2 0 1 5 •que
73’ • Eisa
M/ 1 2 Jocson apresenta no Porto, é um solo
Dancer”,
FAL ADO EM FR AN CÊS
de uma mulher interpretando esta dança, usando-a para chamar a
atenção
asFazem
questões
da com
sexualidade e de género como ferraPierre e Manonpara
são pobres.
documentários
(quase)
nada de
e vivem
de biscates. Um dia,
Pierre comentas
mobilização
social.
Usa o seu corpo como um produto,
nhece uma jovem estagiária, Elizabeth, que se torna
investigando, deste forma, as mutações de um corpo em confronto
sua amante. No entanto, não quer deixar Manon, sua
direto
com as
alterações
(sociais,
esposa, e mantém
as duas.
Um dia, Elizabeth
descobre
culturais,
económicas...)
vigentes
que Manon tem também um amante. E conta-lhe tudo,
Eisa Jocson é coreógrafa e bailarina das Filipnas.
levando
a que Pierre obrigue
na sociedade
atual.Manon a interromper Formada em artes visuais, com conhecimentos apro-
22
22
T E AT RO
CINEMA
S E X 11 MAR ⁄ 9 H3 0, 1 0 H 3 0 & 1 5 H 0 0 • SÁSÁ
B 1B2 1M
2 AMRA⁄
R ⁄
1 6 1H4H
0 03 0
ANTÓNIO
STEPHEN
JORGE
DWO SKIN
⁄
GONÇALVE
S
NAIS SANT (13´, 196 4)
PAR AL ELO
E SPETÁCULO PAR A
GRUPO S E SC OL ARE S (SE X 11 )
E FAMÍLIAS (SÁB 12)
( E UA )
Criação António Jorge
Gonçalves • Intérpretes
Ana Brandão e António
Jorge Gonçalves
• Coprodução Maria
Matos Teatro Municipal,
Centro de Arte de
Ovar, Teatro Virgínia e
Culturproject
• Duração aprox. 30 mins
⁄
ME , MYSELF
AND I (18´, 1967 )
A MONTANHA
TRIXI (30´, 1969)
“A Montanha” é uma peça performativa
interpretada por
um artista
O norte-americano
Stephen
Dwoskin nasceu em 1939 e foi reconhevisual e uma atriz, concebida para ocido,
público
pré-escolar
3 aoscomo
5 um dos mais ricos e emocionais
ao longo
da sua(dos
carreira,
anos). É uma história simples e inteligente,
que
recupera
o
tom
dos
conrealizadores do cinema britânico (nomeadamente, pelas suas imagens
tos clássicos e intemporais, e que centra
a sua
ação no meio
de forte
intensidade).
Apósnatural.
ter trabalhado como designer gráfico e di“De tanto dizer NÃO um dia Céu perdeu
a
cabeça”.
retor de arte da emissora CBS e da editora Epic Records, realizou duas
Jorge Gonçalves licenciou-se em Design
É este o ponto de partida que vai levarcurtas-metragens
esta menina de António
em 1961
e tornou-se, então, parte fundamental do
Gráfico pela Escola Superior de Belas-Artes de Lis5 anos numa viagem surpreendente pelas
encostas
ínmundo louco do cinema
underground nova-iorquino. Em 1964 mudouboa (1989) e é Mestre em Theatre Design pela Slade
gremes até ao coração da montanha em
busca
da ca- ao
se para
Londres,
abrigo
programa
de estudos,
e foi aí que gaSchool of Finede
Artum
em Londres
(1999), onde
foi bolbeça perdida. Lá, onde só uma Palavranhou
Mágica
a
pode
seiro
da
Fundação
Calouste
Gulbenkian.
Leccionou
maior protagonismo com vários prémios e uma filmografia marno IADE e na RESTART. O seu trabalho abrange deajudar a dar um sentido a tudo o quecada
lhe aconteceu.
pela intimidade
latente. Dwoskin explorou as relações do desejo
senho, fotografia, música e arte pública. A narração
que se estabelecem
e ofavorito:
olhar,desde
alimentando
o desejo do
por entre
imagens a
é ocâmara
seu território
1978
que publica
bandaassim
desenhada
em jornais,
revistas
indivíduo ao ser visto,
criando
uma
relação
íntima e performatiEspanha, França neste
e Itália. programa, a exibiva entre quem vê ee fanzines
quememé Portugal,
visto. Propõe-se,
ção de três curtas-metragens fundamentais deste realizador de culto.
A sessão será apresentada por David Pinho Barros, mestre em Cinema
e Televisão pela Universidade Nova de Lisboa, programador, docente
e investigador nas áreas do cinema e da banda desenhada.
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
S E S S Ã O A P R E S E N TA DA P OR DAV I D P I N HO BA R RO S
THE ATR E FRI 11 TH M AR ⁄ 9:30 AM , 10:30 AM & 3 P M
SAT 12 TH M AR ⁄ 4 PM
“The Mountain” is a performance piece for pre-school
C I N E MA SAT 12 TH M AR ⁄ 2:30 PM
audiences (3 to 5-year olds) performed by a visual artist and an actress. It is an intelligent and yet simple
The American Stephen Dwoskin was born in 1939
story that recreates the tone of the timeless classics.
and during his lifetime he was recognised as one of
the most captivating and moving directors of Brit-
António Jorge Gonçalves has a degree in Graphic
ish cinema (particularly for his very intense imag-
Design from the Lisbon Higher School of Fine Arts
es). Dwoskin explores the relations between desires
(1989) and a Master’s in Theatre Design from Lon-
created between the camera and looking, fostering
don’s Slade School of Fine Arts (1999), where he
the individual’s desire for being seen and thus creat-
was a Calouste Gulbenkian Foundation scholar. His
ing an intimate and performative relation between
work embraces design, photography, music and pub-
those who watch and those who are watched. This
lic art. His favourite form of expression is narration
programme shows three of this cult director’s fun-
through images.
damental short films.
SA L A-E ST Ú D I O • CA M P O A L E AU
G R DE I T ÓR I O I AC • R I VOL I
P R EÇOS ÚN I C OS AD ULTOS 5,0 0 • C R I A NÇ A S E G RU P PORSEEÇSOC ÚO NL AI CROE S3,0
2,0
0 0E UERU R• M
•M
/1 /3
6
ENC O NT RO
S ÁB 1 2 MAR ⁄ 1 6 H0 0
CINEMA
TE R 1 5 M A R
23
VOYEUR?
E SPECTADOR?
VER PRIMEIRO
⁄
MEDEIA FILME S
⁄
G ABRIEL A MOITA
EISA JOC S ON
ÓSCAR FELGUEIR AS
L'OMBRE DE S F EM M E S (1 8 H 3 0 )
⁄
PHIL IPPE G AR R EL (FR )
FR ANÇA , SUÍÇA • 2 0 1 5 • 73’ • M/ 1 2
FAL ADO EM FR AN CÊS
(MODERAÇÃO)
Pierre e Manon são pobres. Fazem documentários com
(quase) nada e vivem de biscates. Um dia, Pierre conhece uma jovem estagiária, Elizabeth, que se torna
Instituto Superior de Serviço Social do Porto. É in-
Manon ends her “forbidden” affair. She agrees, out
vestigadora e activista na área do género, em parti-
of love for Pierre.
cular nos estudos LGBT.
D E BAT E SAT 12 T H MAR ⁄ 4 PM
Eisa Jocson é uma coreógrafa e bailarina das Filipnas. Formada em artes visuais, com conhecimentos
POSTO AVANÇADO DO PROGRESSO (22H00)
⁄
H U GO VI E I R A DA SI LVA
( C OM A P R E S E N Ç A D O R E A L I Z ADO R)
A N G OL A , P ORT U G A L • 20 1 5 • 1 20 ´• M/1 2
The dichotomies of what is public and private, of
aprofundados no ballet, ganhou a sua primeira com-
what is individual and collective, of the specific and
petição de pole dance em Manila, em 2010, tendo
general, of the visible and concealed, of what is per-
iniciado as suas apresentações públicas desde então
No final do século XIX, dois colonizadores portugue-
mitted and what is a transgression. Spectator and/
em várias cidades do mundo.
ses, imbuídos de uma vaga intenção civilizadora, de-
or voyeur? A question that will take us from voyeur-
sembarcam numa parte remota do Rio Congo para
ism related to sexual pleasure to voyeurism in all its
Óscar Felgueiras é proprietário de uma sex shop.
coordenar um posto comercial. À medida que o tem-
social forms.
Nasceu e vive no Porto. Tem formação em Gestão de
po passa, começam a desmoralizar pela sua incapaci-
Empresas com diversas especializações nas áreas
dade de enriquecer à custa do comércio de marfim.
Gabriela Moita holds a Psychology Degree from Uni-
de marketing e formação e, mais recentemente, em
Sentimentos de desconfiança mútua e mal-enten-
versidade do Porto, where she also obtained a Doc-
marketing online e redes sociais.
didos com a população local isolam-nos no coração
torate in Biomedical Sciences. She is a Psychodram-
da floresta tropical. • In the late 19th century, two
atist and a Sexologist.
Portuguese colonialists, inspired by a vague civilizing mission, disembarked in a remote area of the
Eisa Jocson is a choreographer and dancer from
Congo River to set up a trading post. As time goes
the Philippines.
by, their enthusiasm starts to fade because of their
inability to become rich from the ivory trade. Feelin-
Óscar Felgueiras was born and lives in Porto. He
gs of mutual distrust and misunderstandings with
currently owns a sex shop.
the local population isolate them in the heart of the
tropical forest.
AUDIT Ó RIO IAC • RIVO L I AU D I T ÓR I O I AC • R I VOL I
EN T R ADA L I VR E • M
P R/ 1E2Ç O Ú N I C O P O R S E S S Ã O 3,0 0 E U R
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Pierre about his wife’s infidelity, Pierre demands that
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Reflexão
torno
dodeixar
voyeurismo
sua amante. Noem
entanto,
não quer
Manon, sua como meio de conhecimento e de
(re)criação
deduas.
umUmnovo
mundo
de prazer. A curiosidade e a expetativa
esposa, e mantém as
dia, Elizabeth
descobre
que Manon
tem também um que
amante.
E conta-lhe tudo, como estímulos base desta procude
um acontecer
surpreenda,
levando a que Pierre obrigue Manon a interromper
ra
do conhecimento. As dicotomias do público e do privado, do indiesse romance “proibido”. Ela cede, por amor a Pierre.
vidual
e do
coletivo,
do make
particular
• Pierre and
Manon
are poor. They
documen- e do geral, do visível e do oculto, da
taries
with
(nearly)
nothing
and
survive
doing
odd
permissão e da transgressão. Esjobs. One day, Pierre meets a young apprentice, Elipectador e/ou voyeur? Interroga- Gabriela Moita é licenciada em Psicologia pela Unizabeth, and becomes her lover. However, he doesn’t
versidade do Porto e doutorada em Ciências Bioméção
que nos levará do voyeurismo dicas pela mesma Universidade. É Psicodramatista
want to leave Manon, his wife, and maintains a religado
sexual
todas
lationshipao
withprazer
both women.
One day,em
Elizabeth
dise Sexologista. Trabalha fundamentalmente em psicovers
that
Manon
also
has
a
lover.
When
she
tells
cologia clínica, com prática privada e é docente no
as suas formas no social.
24
24
T E AT RO
S E X 11 MAR ⁄ 9 H3 0, 1 0 H 3 0 & 1 5 H 0 0 • SÁ B 1 2 M A R ⁄ 1 6 H 0 0
PAR ALELO
P ROG R A M A D E A P ROXI M A Ç Ã O À S A RT E S P E R FOR M AT I VA S
QUA 9 M A R ⁄ DA S 1 9 H0 0 À S 21 H0 0
WO R KSH O P
I N T ROD U Ç Ã O AO M AC HO DA N C I N G
ANTÓNIO
JORGE
GONÇALVE S
⁄
PAR AL ELO
E SPETÁCULO PAR A
GRUPO S E SC OL ARE S (SE X 11 )
E FAMÍLIAS (SÁB 12)
Sala de Ensaios • Rivoli
Este workshop introduz as técnicas básicas usadas no macho dancing.
Aborda técnicas como postura, ondulação, andar, movimentos giratórios
ou pose, utilizadas neste tipo de dança, assim como os princípios físicos
utilizados: a criação de ilusão do peso e do volume. • This workshop
inCriação António Jorge
troduces macho dancing techniques. It covers techniques such asGonçalves
pos• Intérpretes
Brandão e António
ture, undulation, walking, gyrating movements or poses, used inAna
this
⁄
A MONTANHA
Jorge Gonçalves
• Coprodução Maria
Matos Teatro Municipal,
Centro de Arte de
Ovar, Teatro Virgínia e
Culturproject
• Duração aprox. 30 mins
type of dance, as well as the principles of physics applied: creating the
illusion of weight and volume.
Orientadora Eisa Jocson
Destinatários Adultos, Profissionais
ou Estudantes das Artes Performativas
Gratuito mediante apresentação de bilhete para
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
o espetáculo “Macho Dancer”
“A Montanha” é uma peça performativa interpretada por um artista
visual e uma atriz, concebida para o público pré-escolar (dos 3 aos 5 •
S Á B 1dos
2 M AconR ⁄ DA S 1 8 H0 0 À S 1 9 H0 0
anos). É uma história simples e inteligente, que recupera o tom
AQ U E C I M E N TO PA R A L E LO
tos clássicos e intemporais, e que centra a sua ação no meio natural.
MARA ANDRADE
“De tanto dizer NÃO um dia Céu perdeu a cabeça”.
⁄
de Ensaios
• Rivoli em Design
Gonçalves
licenciou-se
É este o ponto de partida que vai levar esta menina de António JorgeSala
Gráfico pela Escola Superior de Belas-Artes de Lis5 anos numa viagem surpreendente pelas encostas ínConvidam-se
boatodos
(1989)
oseespectadores,
é Mestre em Theatre
com ou sem
Design
experiência,
pela Sladea aprender
gremes até ao coração da montanha em busca daa caqualidade
School
de movimento,
of Fine Artsensações
em Londres
ou (1999),
ideias coreográficas
onde foi bol- que estão
beça perdida. Lá, onde só uma Palavra Mágica a pode
na base deseiro
um determinado
da Fundação espetáculo,
Calouste Gulbenkian.
mesmo antes
Leccionou
de o verem. • We
invite
our
no
audience
IADE
e
from
na
RESTART.
any
age
group,
O
seu
trabalho
with
or
without
abrange
experience,
deto
ajudar a dar um sentido a tudo o que lhe aconteceu.
senho, of
fotografia,
música
e arte pública.
narração
learn the quality
movement,
the sensations
and A
choreographic
ideas,
imagens
seu território
favorito:
desde
which are por
at the
base ofé ao given
performance
before
they1978
even see it.
que publica banda desenhada em jornais, revistas
e fanzines
emem
Portugal,
Espanha,
França
e Itália.inspira-se na
Mara Andrade
nasceu
1987. Entre
Medicina
e Dança,
fisicalidade de estados emocionais e como se transformam uns nos outros. Criou “Uma Pequena Morte e Psicanálise” em 2012. Em 2013, com
“Oxitocina”, representou Portugal na VI Bienal de Jovens Criadores em
Salvador da Bahia e cocriou “Por minha Culpa minha tão grande culpa”
com Marco da Silva Ferreira. Entre 2014 e 2015 criou o solo “Um Triste
Ensaio sobre a Beleza”, que estreou a 4THE
de ATR
Outubro
E FRI de
11 TH2015
M AR no
⁄ Teatro
9:30 AM , 10:30 AM & 3 P M
Campo Alegre, no Porto. • Mara Andrade was born SAT
in 1987.
12 TH MBetween
AR ⁄ 4 PM
Medicine and Dance, she is inspired by the physicality of emotional states and how they are transformed into“The
otherMountain”
states. In is
2012,
a performance
she created
piece for pre-school
“Uma Pequena Morte e Psicanálise” (A
audiences
Small Death
(3 to 5-year
and Psychoanalyolds) performed by a visual artsis). From 2014 to 2015 she created ist
theand
soloan“Um
Triste
sobre and yet simple
actress.
It Ensaio
is an intelligent
a Beleza” (A Sad Essay about Beauty)
thatthat
debuted
on 4 the
October
2015
story
recreates
tone of
the timeless classics.
at the Campo Alegre Theatre, in Porto.
António Jorge Gonçalves has a degree in Graphic
• Design from the Lisbon Higher School of Fine Arts
S E X 11 & S Á B(1989)
1 2 M Aand
R a Master’s in Theatre Design from LonE U TA M B É don’s
M VOSlade
U ! School of Fine Arts (1999), where he
Calouste
Gulbenkian Foundation scholar. His
OL HE M PA Rwas
A MaI M
!
work embraces design, photography, music and pubDos 5 aos 10
lic anos
art. His favourite form of expression is narration
2€ por criança
through images.
Monitores Joana Espanha (Dança), Ricardo Barbosa (Teatro)
Serviço de babysitting performativo mediante marcação prévia.
A atividade começa 15 minutos antes do início
do espetáculo e termina após o mesmo.
Informações [email protected]
SA L A-E ST Ú D I O • CA M P O A L E G R E
P R EÇOS ÚN I C OS AD ULTOS 5,0 0 • C R I A NÇ A S E G RU P O S E S C O L A R E S 2,0 0 E U R • M /3
CINEMA
TE R 1 5 M A R
VER PRIMEIRO
⁄
MEDEIA FILME S
L'OMBRE DE S F EM M E S (1 8 H 3 0 )
⁄
PHIL IPPE G AR R EL (FR )
FR ANÇA , SUÍÇA • 2 0 1 5 • 73’ • M/ 1 2
FAL ADO EM FR AN CÊS
Pierre e Manon são pobres. Fazem documentários com
(quase) nada e vivem de biscates. Um dia, Pierre conhece uma jovem estagiária, Elizabeth, que se torna
sua amante. No entanto, não quer deixar Manon, sua
que Manon tem também um amante. E conta-lhe tudo,
levando a que Pierre obrigue Manon a interromper
esse romance “proibido”. Ela cede, por amor a Pierre.
• Pierre and Manon are poor. They make documentaries with (nearly) nothing and survive doing odd jobs.
One day, Pierre meets a young apprentice, Elizabeth,
and becomes her lover. However, he doesn’t want to
leave Manon, his wife, and maintains a relationship
with both women. One day, Elizabeth discovers that
1.
Manon also has a lover. When she tells Pierre about his
wife’s infidelity, Pierre demands that Manon ends her
“forbidden” affair. She agrees, out of love for Pierre.
1. “Posto Avançado do
Progresso”
Hugo Vieira da Silva
2. “L'Ombre des Femmes”
Philippe Garrel
POSTO AVANÇADO DO PROGRESSO (22H00)
⁄
H U GO VI E I R A DA SI LVA
( C OM A P R E S E N Ç A D O R E A L I Z ADO R)
A N G OL A , P ORT U G A L • 20 1 5 • 1 20 ´• M/1 2
2.
No final do século XIX, dois colonizadores portugueses, imbuídos de uma vaga intenção civilizadora, desembarcam numa parte remota do Rio Congo para
coordenar um posto comercial. À medida que o tempo passa, começam a desmoralizar pela sua incapacidade de enriquecer à custa do comércio de marfim.
Sentimentos de desconfiança mútua e mal-entendidos com a população local isolam-nos no coração
da floresta tropical. • In the late 19th century, two
Portuguese colonialists, inspired by a vague civilizing mission, disembarked in a remote area of the
Congo River to set up a trading post. As time goes
by, their enthusiasm starts to fade because of their
inability to become rich from the ivory trade. Feelings of mutual distrust and misunderstandings with
the local population isolate them in the heart of the
tropical forest.
AU D I T ÓR I O I AC • R I VOL I
P R E Ç O Ú N I C O P O R S E S S Ã O 3,0 0 E U R
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
esposa, e mantém as duas. Um dia, Elizabeth descobre
26
T E AT RO
QUA 1 6, QU I 1 7 & S E X 18 M A R ⁄ 2 1 H 3 0 • SÁ B 1 9 M A R ⁄ 1 9 H 0 0
TE ATRO
DO VE STIDO
⁄
VIA JANT E S S OLITÁRIO S
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
C OP ROD U Ç Ã O
RUA DA M A D E I R A — S Ã O BE N TO
7,5 0 E U R • M /1 2
Fotografias © Tiago Craveiro
Texto e direção Joana
Craveiro • Interpretação
Estêvão Antunes e Simon
Frankel • Música original
Bruno Pinto • Desenho de
luz Pedro Teixeira
• Operação Carlos Ramos
• Produção Cláudia
Teixeira • Coprodução
Teatro do Vestido,
Teatro Viriato, Centro
de Artes de Ovar, Teatro
Municipal do Porto e
Teatro Nacional D. Maria
II • Viajantes Solitários
é uma criação do Teatro
Vestido, a partir de uma
ideia do Teatro Viriato e
Patinter, SA
• Duração aprox. 1h20
• Lotação 30 lugares
27
Teatro do Vestido é um coletivo fundado em 2001,
que realizou até ao momento 36 criações. O seu trabalho pauta-se pela pesquisa e experimentação, bem
como pelo desenvolvimento de uma dramaturgia original. Caracteriza-se ainda por uma forte relação com
espaços de apresentação variados, bem como com o
THEATRE WED 16 TH , THU 17 TH & FRI 18 TH MAR ⁄ 9:30 PM
SAT 19 TH M AR ⁄ 7 PM
Based on an extensive collection of stories about the
life of the truck driver and the road, this show explores the poetic potential of lives that are in permanent movement. A show that is a sort of manual for
the single traveller, whilst it also speaks of the Portuguese restlessness that we know so well - that of
leaving; and, once out there, that of wanting to come
back, so one might leave again, driven by this thing
that compels us to go on kilometre after kilometre
after kilometre, without stopping.
The Teatro do Vestido collective was founded in
2001 and has produced 36 different works, to date.
The company’s work is noted for its research and
experimentation as well as for the creation of original drama. It also well-known for its strong relationship with a variety of performance spaces and
for the development of initiatives designed to create
a community of attentive spectators, immersed in
a contemplation of reality. Under the artistic direction of Joana Craveiro, the company also engages in
collaborative work.
PAR ALELO
P ROG R A M A D E A P ROXI M A Ç Ã O À S A RT E S P E R FOR M AT I VA S
QUA 1 6 M A R
C O N VE R SA P Ó S- E SP E TÁ C U LO
C OM O SVA L D O J O S É
Administrador da Tracar, SA Transportes e Logística
Informações [email protected]
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Em que pensam os camionistas desenvolvimento de iniciativas que visam a criação
durante todos os quilómetros que de uma comunidade de espectadores atentos e implicados na reflexão acerca da realidade. A compapercorrem? O que acontece com nhia trabalha em colaboração, com direção artística
estes homens durante estas via- de Joana Craveiro.
gens? Que viajantes são estes e
como mitigam a sua solidão? Se tivessem que parar de meter-se à
estrada, aguentariam? E as famílias, há lugar para elas nestas histórias? Construído a partir de uma extensa recolha de histórias de vida
e de ‘estrada’ de camionistas, o espetáculo explora as possibilidades
poéticas dessas vidas de permanente deslocação, vidas também de
quilómetros de solidão, de distância física das famílias, de passagens,
de noites fugazes, de um conhecimento geográfico de autoestradas,
estradas nacionais, restaurantes de beira de estrada, hotéis. Um espetáculo que é uma espécie de manual de um viajante singular, ao mesmo
tempo que fala dessa inquietação portuguesa que bem conhecemos
- a de partir; e, estando lá fora, a vontade de regressar, para de novo
partir, impelidos por essa coisa que nos puxa a percorrer quilómetros,
após quilómetros, após quilómetros, continuamente.
28
T E AT RO
S E X 1 8 MAR ⁄ 1 9 H 0 0 & SÁ B 1 9 M A R ⁄ 1 7H 0 0
LUÍSA PINTO
“Onde o Frio se Demora” fala sobre violência de género, ruptura, solidão
e incapacidade para amar, num país marcado pela recessão e pelo envelhecimento. O texto resulta de conversas longas e sem filtros entre três
pessoas residentes na Área Metropolitana do Porto e Ana Cristina Pereira
jornalista do Público. Três vozes de um país progressista e conservador,
moderno e obsoleto, tranquilo e violento, em qualquer caso, desigual. É
uma proposta de teatro-documental. Uma brecha para um mundo feminino de desencontro, de desamor, de violência na intimidade – umas
vezes evidente, outra subtil. O interlocutor original desaparece. O espectador assume o seu lugar, faz as vezes de parceiro mudo.
Luísa Pinto é Mestre em Teatro / Encenação pela
Escola Superior Artística do Porto. Docente na Escola Superior Artística do Porto e integra a Direção
da CESAP, Cooperativa de Ensino Superior Artístico do Porto. Doutoranda em estudos teatrais e performativos na Faculdade de Letras, Universidade de
Coimbra. Encenou mais de 20 peças, entre elas , “Mil
olhos de vidro”, “Dali”, “Missa do Galo” de Carlos Tê e
Manuel Paulo, “Sicrano” de Jorge Louraço Figueira,
“A Casa Encantada” de Roberto Merino, “elegante
melancolia do crepúsculo”, “Chavela” de Pedro Pinto e Filipe Pinto, entre outros. A par da encenação,
cria cenografia e figurinos para os seus espetáculos
tendo nos últimos cinco anos a sua assinatura em
todas as criações.
THEATRE FRI 18 TH MAR ⁄ 7 PM & SAT 19 TH MAR ⁄ 5 PM
"Onde o Frio se Demora" (Where Cold Lingers) speaks
about gender-based violence, breaking away loneliness
and the incapacity to love in a country affected by recession and an ageing population. The text is based on
long unedited conversations between three persons
living in the Porto Metropolitan Area and Ana Cristina Pereira, a journalist for the Público newspaper.
Luísa Pinto has a Master’s Degree in Theatre/Direction from Porto’s Higher School for the Arts (ESAP).
She teaches at ESAP and sits on the board of Cesap,
the higher education cooperative for the arts in Porto. She has a PhD in theatre and performance studies
PAR ALELO
from the University of Coimbra’s Faculty of Letters.
She has directed over 20 plays.
P ROG R A M A D E A P ROX I M A Ç Ã O À S A RT E S P E R FOR M AT I VAS
Texto Ana Cristina
Pereira • Encenação,
Cenografia e Figurinos
Luísa Pinto
• Interpretação Margarida
Carvalho • Música e
Sonoplastia Peixe
SÁB 19 MAR
C O N VE RSA P Ó S- E SP E TÁ C U LO
C OM J OÃ O M A R I A A N D R É
• Desenho de Luz Bruno
Santos • Fotografia/vídeo
Paulo Pimenta • Produção
Narrativensaio-AC
• Duração aprox. 1h
Professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
Informações [email protected]
AU D I T ÓR I O I AC • R I VOL I
5,0 0 E U R • M /1 6
Fotografia © Paulo Pimenta
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
⁄
ONDE O FRIO SE DEMOR A
29
M Ú S I CA
SÁ B 1 9 M A R ⁄ 2 2 H 0 0
MUSIC SAT 19 TH M AR ⁄ 10 PM
The multidisciplinary artist, composer and producer
Lorenzo Senni, who lives in Milan, studied musicology
at the University of Bologna. He is a tireless researcher
of the mechanisms of dance music and the sub-genres
of the rave culture of the 1990s. He is generally acclaimed as one of the most solid, unique and unmissable
performers of the new generation of musical explorers.
His work synthesises the rhythms and melodic structures that define such genres as techno and trance, on
which a major part of his musical structure is based.
LORENZO SENNI
PA RC E R I A C OM M AT É R I A P R I M A
Fotografias © Mayumi Hosokura
Lorenzo Senni, artista multidisciplinar, compositor e produtor a residir
em Milão, estudou musicologia na Universidade de Bolonha, é um investigador incansável dos mecanismos da música de dança e dos subgéneros da cultura rave dos anos 90, sendo reconhecido como um dos
artistas mais sólidos, singulares e incontornáveis da nova geração de
exploradores musicais. Com um trabalho de síntese dos ritmos e das
melodias que definem géneros como techno ou o trance, nos quais assenta grande parte da sua estrutura musical, caraterizada por composições simples que se transformam em espirais sonoras de percussões
infinitamente contagiosas e efervescentes, que o próprio nomeou de
“Pointilistic Trance”. Tal é plenamente concretizado nos álbuns “Quantum Jelly” (na editora Editions Mego) e “Superimpositions”(na Boomkat).
Criou a sua própria editora, focada nas novas sonoridades da cena musical contemporânea, onde lançou álbuns de vários artistas de renome internacional como Florian Hecker, Carl Michael Von Hausswolff, Carsten
Holler, Powell, Palmistry, How to Dress Well, EVOL, DJ Stingray, Gábor
Lázár, Theo Burt e Lasse Marhaug.
S U B- PA LC O • R I VOL I
5,0 0 E U R • M /1 2
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
⁄
UNDERSTAGE
( I TÁ LI A )
30
L I T E R AT U R A ⁄ C I N E M A
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
JOÃO S OUSA CARDO S O
⁄
TER 22 MAR ⁄ 19H00
L ANÇAMENTO DE TE ATRO E XPANDIDO!
A P RE SENTA Ç Ã O P O R JO SÉ B R AG A N Ç A D E M I R A N DA E J OÃ O S OU SA CA R D O S O
+
TER 22 MAR ⁄ 22H00
O AMANTE
E ST R E I A ⁄ C OP ROD U Ç Ã O
TEATRO EXPANDIDO! é uma edição que documenta e reflete a experiência de TEATRO EXPANDIDO!, uma criação de João Sousa Cardoso
desenvolvida no Teatro Campo Alegre, ao longo do ano de 2015. TEATRO
EXPANDIDO! atravessou textos fundamentais da dramaturgia dos últimos cem anos – de Arthur Schnitzler
a Edward Bond, passando por, entre outros, Bertolt
Brecht, Tennessee Williams, Harold Pinter e Heiner
Müller – ensaiando novas relações entre a encenação,
os atores, a arquitetura e o público. Todos os meses, um
texto foi tomado em mãos por João Sousa Cardoso,
o ator Ricardo Bueno e um grupo de participantes, interrogando as possibilidades de um teatro cidadão.
O livro inclui textos originais de José Bragança de
Miranda e de João Sousa Cardoso, acompanhados de
uma profusa documentação visual, com design gráfico de Pedro Nora.
CA F É -C O NCE RTO + AU D I T ÓR I O I AC • R I VOL I
EN T R ADA L I VR E • M /6 + P R E Ç O Ú N I C O 3,0 0 E U R • M /1 8
31
LITERATURE ⁄ CINEMA
TUE 22 ND MAR ⁄ 7 PM ⁄ 10 PM
TEATRO EXPANDIDO! (EXPANDED THEATRE!)
documents and reflects the experiment of EXPANDED THEATRE! carried out by João Sousa Cardoso at
the Campo Alegre Theatre during 2015. TEATRO
EXPANDIDO! draws its essence from essential plays
written in the last one hundred years – from Arthur Schnitzler to Edward Bond, including, among
others, Bertolt Brecht, Tennessee Williams, Harold
Pinter and Heiner Müller – exploring new relationships between the work of staging, acting, architecture and the audience.
THE LOVER by João Sousa Cardoso is a cinematographic experience based on Harold Pinter’s
play (1962). It was the only film produced by EXPANDED THEATRE! This creative project, which cut
across an entire century of modern and contemporary drama, ran from January to December 2015 at
the Porto Municipal Theatre.
João Sousa Cardoso has a PhD in Social Sciences from Paris’ Descartes University (Sorbonne). In
2014, he created “MIMA-FATÁXA”, based on Almada
Negreiros, co-produced by Rede 5 Sentido and first
performed at the Viriato Theatre. Between January
and December 2015, he worked on his TEATRO EXPANDIDO! (EXPANDED THEATRE!) project at the
Porto Municipal Theatre. This involved staging 11
different plays.
Em 2014, criou “MIMA-FATÁXA”, a partir de Alma-
da Negreiros, coproduzida pela Rede 5 Sentidos e
com estreia no Teatro Viriato. Criou os espetáculos
“Raso como o Chão” (2012) no Teatro Nacional São
João, no Porto, “A Carbonária” (2008), com estreia
no Teatro Municipal de Bragança, e “O Bobo” (2006),
com estreia na La Générale (Paris) e estreia nacional no Teatro Taborda, em Lisboa. Autor dos filmes
Fotografias © Catarina Oliveira (superiores) e Maria Bergasse (inferior)
“Cinema Mudo” (2006) e “2+2” (2008), estreado no
Jeu de Paume, em Paris. Realizou os filmes “Baal”
a partir de Bertolt Brecht (2013), “A Ronda da Noite” a partir de Heiner Müller (2013), “O Amante” a
partir de Harold Pinter e “A Santa Joana dos Matadouros” a partir de Bertolt Brecht (ambos em 2016).
Desenvolveu, de janeiro a dezembro de 2015, a criação TEATRO EXPANDIDO! no Teatro Municipal do
Porto, onde encenou onze peças de teatro.
Realização João Sousa
Cardoso • Texto Harold
Pinter • Interpretação
Ricardo Bueno, Marta
Cunha, António Alves
Vieira • Tradução Pedro
Marques • Assistência
de Realização Nuno
Gonçalves • Iluminação
Miguel Ângelo Carneiro
• Imagem João Sousa
Cardoso, Nuno Gonçalves
• Som Nuno Gonçalves
• Assistência de Som
Catarina Oliveira, Daniel
José, Guilherme Silva,
Lara Bolito
• Fotografia de Cena
Catarina Oliveira
• Design Gráfico Pedro
Nora • Direção de
Produção Isalinda Santos
• Assistente de Produção
Daniel José • Montagem
Tiago Afonso
• Coprodução Teatro
Municipal do Porto,
Confederação
• Apoios Light Set
• Duração 100'
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
O Amante de João Sousa Cardoso é uma experiência cinematográfica
a partir do texto de Harold Pinter (1962) e o único filme produzido no
âmbito do TEATRO EXPANDIDO!, projeto de criação que atravessou
um século das dramaturgias moderna e contemporânea de janeiro a
dezembro de 2015 no Teatro Municipal do Porto. Inicialmente escrito
para televisão, “O Amante” foi aqui devolvido às condições do estúdio
de filmagem (o apartamento T1 do Teatro Campo Alegre) e recuperou
o conflito da relação entre o ensaio de teatro e a rodagem de um filme, alimentando um teatro de câmara no duplo sentido da expressão:
intimista e cinemático. “O Amante” prolonga o filme anterior de João
Sousa Cardoso, “A Ronda da Noite” (2013), adaptação de “Quarteto
de Heiner Müller”, também protagonizada por Ricardo Bueno e Marta
Cunha, mas responde ainda a “A Santa Joana dos Matadouros”, longa
metragem com estreia em maio no Teatro Municipal do Porto, tornando os espectadores de “O Amante” ao mesmo tempo público e atores
involuntários na rodagem de um filme. Ou espectadores de um plateau
de cinema tornado cena de teatro. Seguindo os pressupostos do eterno ensaio e de uma estética da urgência que marcaram a experiência
do TEATRO EXPANDIDO!, o filme reflete o conflito entre a civilidade,
as culturas dominadas e o corpo,
João Sousa Cardoso é doutorado em Ciências Sona encruzilhada do desejo e do inciais, pela Universidade Paris Descartes (Sorbonne).
conformismo.
32
M Ú S I CA
QU I 24 M A R ⁄ 2 1 H 3 0
DINAMITE
⁄
C ONCERTO DE HOMENAGEM
À DINA
Mais de 15 artistas em palco da nova geração musical portuguesa, entre cantores e músicos, celebram a obra duma intérprete-compositora que marcou a canção portuguesa e que compôs
durante quatro décadas, passando pela canção de intervenção,
o pop, a folk, o funk e o rock. No ano em que Dina celebra os 40
anos de carreira, os artistas participantes, acompanhados por
uma banda criada especialmente para esta ocasião, reinterpretam contemporaneamente o seu repertório que ficou praticamente invisível por só ter sido marcado por alguns grandes sucessos. O espetáculo revisita na íntegra o primeiro álbum de Dina, “Dinamite” (1982),
álbum seminal da música moderna portuguesa que passou despercebido no seu tempo, para além de outras 12 canções lançadas entre 1980
e 2000, e escolhidas ao gosto dos artistas convidados. “Dinamite” é o
concerto oficial de encerramento da carreira de Dina.
Intérpretes
Ana Bacalhau - Voz
B Fachada - Voz,
Programações e Teclados
Best Youth - Voz e
Guitarra
Da Chick - Voz
D´Alva - Voz e
Programações
Márcia - Voz e Guitarra
Mitó - Voz
Samuel Úria - Voz e
Guitarra
Tochapestana - Voz,
Guitarra e Teclados
Banda
Manuel Dordio - Guitarra
João Pinheiro - Bateria
David Santos - Baixo
João Gil - Teclados
• Direção Artística
Gonçalo Tocha
• Produção Executiva
Sophie Bárbara
• Produção Barca13
• Duração aprox. 2h
MUSIC THU 24 TH M AR ⁄ 9:30 PM
More than 15 artists from the new generation of Portuguese musicians and singers take to the stage to
celebrate the work of a singer-songwriter who has
left such an indelible mark on Portuguese music.
Dina has been composing for four decades, covering everything from protest songs to rock, via pop,
folk and funk. To mark her 40-year long career, the
performers, accompanied by a band formed especially for the occasion, offer a contemporary reinterpretation of her repertoire, which has been relatively
inconspicuous, with the exception of a few big hits.
G R A ND E AU D I T ÓR I O M O • R I VOL I
P R EÇ O Ú NI C O 1 0,0 0 E U R • M /6
Fotografias © Direitos Reservados
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
( ENCE R R A M E N TO D E CA R R E I R A )
33
M Ú S I CA
SÁ B 2 6 M A R ⁄ 1 7H 0 0
GONÇALO LÉLIS
⁄
NOVO S TALENTO S
PA RC E RIA C OM C U R S O D E M Ú S I CA S I LVA M ON T E I RO
MUSIC SAT 2 6 TH M AR ⁄ 5 PM
Gonçalo Lélis was born in 1995, in Aveiro, and started
his musical training at the city’s Music Conservatoire,
in the violoncello class taught by Isabel Boiça. In addition to his conservatoire classes, he was taken under
Pavel Gomziakov’s wing in 2009. In 2013, he won a
place at the prestigious Escuela Superior de Musica
Reina Sofia, in Madrid, where he is currently a stu-
Fotografias © Direitos Reservados
dent of Natalia Shakhovskaya and Ivan Monighetti.
CA FÉ - C ON C E RTO • R I VOL I
P R E Ç O Ú N I C O 5,0 0 E U R • M /6
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Gonçalo Lélis nasceu em 1995 em Aveiro, iniciando os seus estudos
musicais no Conservatório de Música desta mesma cidade, na classe
de violoncelo da Professora Isabel Boiça. Paralelamente aos seus estudos no Conservatório, em 2009 começou a ser orientado por
Pavel Gomziakov. Em 2013 é admitido na prestigiada Escuela
Superior de Musica Reina Sofia em Madrid, onde é atualmente,
aluno dos professores Ivan Monighetti e Natalia Shakhovskaya.
Frequentou masterclasses com músicos como Natalia Gutman,
Heinrich Schiff, Truls Mork, Gary Hoffman, Lluis Claret, Maria de
Macedo, Ralph Gothoni, Valentin Erben, entre outros. Em 2015
obteve o primeiro prémio no concurso Prémio Jovens Músicos na categoria violoncelo nível superior, assim como o Prémio
União Europeia dos Concursos Musicais para Jovens (EMCY).
É atualmente bolseiro da Fundación Albeniz.
34
CINEMA
T ER 2 9 M A R A SE X 1 A B R
VARDA HONORIS CAUSA
⁄
CICLO AGNÈS VARDA
UM A INIC IAT IVA DA UNIV ERSIDA DE LUSÓ F O NA D O P ORTO E M PA RC E R I A C OM A C Â M A R A M U N I C I PA L D O P ORTO
PROGR AMA
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
TER 2 9 MAR ⁄ 2 2 H 0 0
LE S TROIS BOU TON S
FR A NÇA • 20 1 5 • 11 ’
+
LE S PL AGE S D 'AG N ÈS
FR A NÇA • 20 0 8 • 11 0 ’
GR ANDE AUDITÓRIO MO • RIVO L I
•
QUA 30 MAR ⁄ 18 H 30 * & 2 1 H 30
* C L ÉO DE 5 À 7
FR A NÇA • 19 62 • 11 0 ’
+
SA NS TOI N I LOI
FR A NÇA • 1985 • 1 05 ’
AUDITÓRIO IAC • RIVO L I
•
QUI 31 MAR ⁄ 18H 30 * & 2 1 H 30
*JA NE B. PA R AG N ÈS V.
FR A NÇA • 19 87 • 97 ’
+
JAC QUOT DE NAN T E S
FR ANÇA • 19 91 • 11 8 ’
Depois das Universidades de Gotemburgo e de Liège, a Universidade
Lusófona do Porto atribui o título de Doutor Honoris Causa a Agnès
Varda, uma das maiores cineastas do nosso tempo, a 29 de março.
No contexto desta atribuição, a Universidade Lusófona do Porto organiza um ciclo dedicado aos filmes mais representativos da obra da cineasta, numa parceria com a Câmara Municipal do Porto. O ciclo abre,
na presença da cineasta, com Les Trois Boutons, obra em estreia nacional. E prolonga-se por seis sessões que permitem uma leitura transversal da obra, da longa-metragem inicial à produção mais recente.
CINEMA FROM TUE 2 9 TH M AR TO FR I 1 ST A P R
AUDITÓRIO IAC • RIVO L I
•
After attending the universities of Gothenburg and
SE X 1 AB R ⁄ 1 8 H 30
of our time, was awarded an Honoris Causa Degree
Liège, Agnès Varda, one of the greatest film-makers
by Universidade Lusófona do Porto on 29 March. As
Q U ELQUE S VEUVE S D E N OIR M OU T IER
FR ANÇA • 20 0 6 • 70 ’
part of this award, Universidade Lusófona do Porto is holding a cycle dedicated to the film-maker’s
most representative films in partnership with the
AUDITÓRIO IAC • RIVO L I
Porto City Council.
Os Filmes serão apresentados
na versão original, sem legendagem.
AU D I T ÓR I O S • R I VOL I
EN TR A DA G R ATU I TA • M /6
35
L I T E R AT U R A
Q U I 31 M A R ⁄ 2 2 H 0 0
QUINTAS
DE LEITUR A
⁄
A S OCIAL-POE SIA
LITER ATUR E THU 31 ST M AR ⁄ 1 0 P M
Session centred on the poetry of Maria do Rosário
Pedreira. Unpublished poems by the guest poet,
writings based on newspaper headlines. Some of
the topics to be addressed: Crisis Brings Former
Prostitutes Onto The Street; Waiting Times For
Appointments And Operations Shoot Up; Economic Crisis Increases Domestic Violence Against
Women; Crisis Affects Sexual Appetites In Portugal; and many other headlines… The session will also
Ilustração © Jas
Maria do Rosário
Pedreira, Sérgio
Godinho, Pedro Lamares,
Cristiana Sabino, João
Alexandrino aka Jas,
Erva Daninha
AU D I T ÓR I O • CA M P O A L E G R E
7,5 0 E U R • M /6
involve other moments, including Sérgio Godinho
(guest musician), Pedro Lamares, Cristiana Sabino
and the author herself (readings), Jas (image), and
Erva Daninha (new circus), who present “Fio Prumo” (Plumb Line) with two artistes.
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Sessão centrada na poesia de Maria do Rosário Pedreira, que conversará com Manuel Carvalho, jornalista do “Público”. Poemas inéditos da
poeta convidada, escritos a partir de manchetes de jornais. Alguns temas que serão abordados: Crise Traz Antigas Prostitutas Para a Rua;
Disparam Tempos de Espera Para Consultas e Cirurgias; Crise Económica Faz Aumentar Violência Doméstica Contra Mulheres; Crise Afecta
Apetite Sexual Dos Portugueses; e muitas outras manchetes. A sessão
incorporará ainda outros momentos, protagonizados por Sérgio Godinho (músico convidado), Pedro Lamares, Cristiana Sabino e a própria
autora (leituras), João Alexandrino aka Jas (imagem), e Erva Daninha
(novo circo), que apresenta “Fio Prumo” com dois manipuladores.
36
DA N Ç A ⁄ T E AT RO
S E X 1 ABR ⁄ 2 1 H 3 0 & SÁ B 2 A B R ⁄ 1 9 H 0 0
JOANA PROVIDÊNCIA
&
LUÍS MIGUEL CERQUEIR A
⁄
SEM LEGENDAS
Este espetáculo resulta de um projeto com a duração
de um ano. Num primeiro momento, quando convidámos um grupo de adolescentes da Escola Secundária
Carolina Michaelis e um grupo de senhoras da Universidade do Autodidacta e da Terceira Idade do Porto para
assistirem, em par, a vários espetáculos (19) do Teatro
Municipal do Porto, não poderíamos imaginar o forte impacto que isso iria ter nas suas vidas. Que as artes performativas podem
ser transformadoras do indivíduo não tínhamos quaisquer dúvidas, mas
quando acompanhamos de perto esse processo e nos focamos nele, aí,
tomamos consciência da sua real dimensão. Através do registo inicial em
vídeo (diálogo entre sénior e júnior após os espetáculos) e posteriormente escrito (cartas entre pares), compilou-se o material que daria origem
a este espetáculo, sob a direção artística da Joana Providência e do Luís
Miguel Cerqueira. No "Sem Legendas" iremos não só presenciar e testemunhar em primeira mão as reações e as questões deste grupo de participantes, mas seguramente questionar qual é a nossa posição enquanto
espectadores. — Dina Lopes, coordenadora do Paralelo – Programa de
Aproximação às Artes Performativas
PA LC O DO G R A N D E AU D I T ÓR I O M O • R I VOL I
P R EÇOS ÚN I C OS ADU LTO S 5,0 0 • C R I A NÇ A S 2,0 0 E U R • M /6
Fotografias © José Caldeira
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
E ST RE IA ⁄ P RO D U Ç Ã O T E AT RO M U N I C I PA L D O P ORTO
37
Joana Providência nasceu em Braga, em 1965. In-
DANCE ⁄ THEATRE FRI 1 ST APR ⁄ 9:30 PM
tegra a direção artística da ACE/Teatro do Bolhão
& SAT 2 ND APR ⁄ 7 PM
desde 2002, data da sua fundação. Da sua vasta criação enquanto coreógrafa destacam-se “Território”, a
This show involved a one-year project. In a first stage,
partir da obra de Alberto Carneiro com coprodução
when we invited a group of adolescents from the
Teatro do Bolhão /Culturgest/ Comédias do Minho;
Carolina Michaelis Secondary School and a group of
e “Mão na Boca”, a partir da obra de Paula Rego, co-
women from the Autodidactic and Senior’s Univer-
produção Teatro do Bolhão/ Fundação de Serralves.
sity of Porto to attend, in pairs, various shows (19)
Participou em diversos festivais.
at the Porto Municipal Theatre, we could not have
imagined the strong impact on their lives. We had
Luís Miguel Cerqueira é um jovem de 21 anos recen-
no doubts that performing arts could transform indi-
temente formado em Interpretação pelo Balleteatro
viduals, but when we examined that process closely
Escola Profissional. Trabalhou já com encenadores
and focussed on it, we became aware of its real di-
como Luís Mestre, Nuno M. Cardoso, Marcos Barbo-
mension. — Dina Lopes, coordinator of Paralelo –
sa, Pedro Zegre Penim, Pedro Almendra, Marta Frei-
Programa de Aproximação de Artes Performativas
tas, entre outros. Ainda como aluno, foi criador-in-
(Approach Programme to Performing Arts).
térprete de dois projetos teatrais de curta-duração,
Joana Providência was born in Braga, in 1965. She
“Dear Kay Iatsy” (Prova de Aptidão Profissional),
has been part of the artistic direction team at ACE/
respetivamente. Apresentou em Dezembro de 2015
Bolhão Theatre since 2002, when the theatre first
“Isaurida, uma história de uma mulher cansada da
opened. Her extensive production of choreographic
vida” como resultado da sua Bolsa de Criação, atri-
works includes “Territory”, based on the work by Al-
buída pelo Teatro Municipal do Porto, no âmbito do
berto Carneiro and co-produced by the Bolhão Thea-
programa “Campo Aberto”.
tre /Culturgest/ Comédias do Minho; and “Hand in
the Mouth”, based on the work of Paula Rego, a Bolhão Theatre/ Serralves Foundation co-production.
Luís Miguel Cerqueira is a young 21-year old dancer
who recently completed his training at the Balleteatro Professional School. He has worked with such
directors as Luís Mestre, Nuno M. Cardoso, Marcos
Barbosa, Pedro Zegre Penim, Pedro Almendra and
Marta Freitas, amongst others. In December 2015,
he presented "Isaurida, a story of a woman tired of
life” the outcome of the Creative Scholarship he was
awarded under the Porto Municipal Theatre’s “Campo Aberto” programme.
PAR ALELO
P ROG R A M A D E A P ROXI M A Ç Ã O À S A RT E S P E R FOR M ATI VAS
S E X 1 A BR
C O N VE RSA P Ó S- E SP E TÁ C U LO
C OM J OÃ O P E D RO VA Z
Director artístico das Comédias do Minho
Informações [email protected]
Direção Artística Joana
Providência e Luís Miguel
Cerqueira • Desenho de
Luz e Direção Técnica Rui
Simão • Desenho de som
José Carlos Menezes
• Vídeo Ivan Markelov
(ESMAE) • Apoio à
Dramaturgia Regina
Guimarães
• Interpretação (UATIP)
Elisabete Charrua, Maria
Antonieta Fidalgo, Maria
de Fátima Costa, Maria
Teresa Mota, Odete Rute
Moreira, Rosa Lima;
(ES Carolina Michaelis)
Ângela Carvalho,
Catarina Sereno, Inês
Brás, Marta Ramos,
Mário Novo, Paulo
Santos, Patrícia Martins,
Soraia Silva; Daniela
Cruz, Paulo Mota, Valter
Fernandes • Duração 1h
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
“Mens Vaga” (inserido nas Mostras BTEP 2013) e
38
M Ú S I CA ⁄ ÓP E R A
S ÁB 2 ABR ⁄ 2 1 H 3 0 & DO M 3 A B R ⁄ 1 7H 0 0
⁄
O S DILEMAS DIE TÉTIC O S
DE UMA MATRIO SKA DO MEIO
E ST R E I A
“São Petersburgo, 1866. Quando a mãe de Ludmila
consegue emprego na casa de Anna Filosofova, toda
a família matrioska deixa a sua pequena aldeia junto
ao Mar Branco e viaja com ela para São Petersburgo. Ali, Ludmila, uma matrioska do meio, irá tornar-se
desde o primeiro dia na discípula predilecta da filantropa e feminista Filosofova. A nova vida de Ludmila passa-se entre livros, alguma vida social, almoços, lanches, petiscos, jantares e bublikis, muitos bublikis. Este doce tradicional passa a
ocupar um lugar tão especial nas suas tentações como ocupara até
então a carne de foca. A juntar a isto, Ludmila, num encontro casual,
conhece Raskolnikov, protagonista de Crime e Castigo, romance de
Dostoievsky. Será este encontro a evitar que Raskolnikov cometa o
crime que o tornaria célebre, virando as suas atenções para a jovem
Ludmila. Mas a sua vida está prestes a sofrer um volte-face inesperado: as suas profundas alterações alimentares causaram rápidas
alterações na sua pessoa. Só há uma pessoa capaz de a fazer reencontrar o caminho da felicidade e do espelho: o Dr. Musa Ramelov,
nutricionista do Czar.” — Mário João Alves
AUDI T ÓR I O • CA M P O A L E G R E
7,5 0 E U R • M /6
Fotografias © Mariana Figueroa
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
QUARTE TO
C ONTR ATEMPUS
39
MUSIC SAT 2 ND APR ⁄ 9:30 PM & SUN 3 RD APR ⁄ 5 PM
“Saint Petersburg, 1866. When Ludmila’s mother
manages to get a job in Anna Filosofova’s household,
the whole matryoshka family leaves their small village on the White Sea and travel with her to Saint
Petersburg. From her very first day there, Ludmila,
a middling matryoshka, becomes the favourite disciple of the philanthropist and feminist Filosofova.
Ludmila’s new life is spent amongst books, social
events, lunches, teas, snacks, dinners and bubliks,
a lot of bubliks. This traditional bread soon becomes
as important a temptation as seal meat had once
been.” — Mário João Alves
Quarteto Contratempus is a contemporary music
quartet founded, in 2008, by Teresa Nunes (Soprano), Crispim Luz (Clarinet), Susana Lima (Violoncello) and Brenda Vidal Hermida (Piano), while they
were all studying at ESMAE, in Porto. Their aim, in
is to bring the sublime art that is music to a wider
audience. Contratempus produces and plays contemporary musical works and has collaborated with numerous composers, librettists and directors.
Quarteto Contratempus é um grupo de música contemporânea fundado em 2008 pelos músicos Teresa
Nunes (Soprano), Crispim Luz (Clarinete), Susana
Lima (Violoncelo) e Brenda Vidal Hermida (Piano),
no contexto académico da ESMAE, no Porto. O Contratempus dedica-se a produzir e interpretar obras de
música contemporânea e tem vindo a trabalhar com
inúmeros compositores, libretistas e encenadores noTexto Original Mário João
Alves • Composição Nuno
Côrte-Real • Encenação
António Durães • Músicos
Teresa Nunes (Soprano),
Job Tomé (Barítono),
Crispim Luz (Clarinete),
Susana Lima (Violoncelo),
Brenda Vidal Hermida
(Piano) • Participação
Especial Os Plebeus
Avintenses (António
Soares, Bruno Costa,
Carla Costa, Cláudia
Pinto, Daniel Dias,
Eduardo Moura, Leonor
Rodriguez, Serafim Dias,
Sousa Moura)
• Desenho e Operação de
Luz Mariana Figueroa
• Multimédia/Vídeo/Som
Hugo Edgar Mesquita
• Figurinos Inês Mariana
Moitas • Design Nuno
Brito e Cunha
• Espaço Cénico Criação
Colectiva • Produtora
Sandra Carneiro
• Produção Quarteto
Contratempus
• Projeto Financiado por
Direção Geral das Artes
• Apoios Câmara
Municipal de Esposende,
Fundação Portuguesa
de Cardiologia, ESMAE
Escola Superior de Artes
do Espectáculo, Teatro
Nacional São João,
JAJU Supermercado,
Despertix, Twintex,
Risquinha,
OportoNidades
• Duração aprox. 1h10
meadamente Fernando Lapa, Daniel Moreira, João
Guilherme Ripper, Fátima Fonte, Nuno Cortê-Real,
Sérgio Azevedo, Morten Lauridsen; com os escritores
Mário João Alves, Tiago Schwäbl, Regina Guimarães,
José Manuel Mendes e com os encenadores António
Durães e Catarina Costa e Silva. As suas criações estrearam em Portugal, Espanha e Brasil.
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
taking this project beyond the realms of academia,
40
DA N Ç A
SEX 8 ABR ⁄ 21H30
GILLE S
JOBIN
(SUÍÇA)
⁄
QUANTUM
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
E ST RE IA NACIO NA L
“QUANTUM” é o resultado de uma residência artística no maior laboratório de partículas do mundo: o CERN em Genebra, na Suíça. Durante a residência, o coreógrafo suíço Gilles Jobin aprendeu que todos flutuamos no espaço mas que a gravidade foi a força mais fraca
do universo – um verdadeiro choque para um bailarino e coreógrafo
contemporâneo cujo trabalho se centra, em grande medida, no contacto com o solo. Sob a bandeira do Bosão de Higgs,
o encontro foi uma colisão artística de grande energia. Gilles Jobin ficou conhecido internacionalmente a
Artistas no meio de cientistas, o coreógrafo e artista partir da sua primeira coreografia para três intér“A+B=X”, criado em 1997 em Lausanne, e
visual totalmente imerso num universo de números pretes
apresentado dois anos mais tarde no Festival de Mone abstrações durante meses. Uma experiência emo- tpellier. Mudou-se depois para Londres, onde estreou
cionante, nas palavras de Jobin, que acabou por in- “Macrocosm” no Place Theater. Em 1999, produziu
jetar fisicalidade humana à abstração do espaço e “Braindance”, espetáculo de abertura da temporada
2000-2001 no Théâtre de la Ville de Paris. As suas
tempo, concebendo uma impressionante escultura direções artísticas mais radicais e o seu reconhecide luz. Composta por quatro lâmpadas balançando mento internacional fizeram dele o percursor de uma
num movimento circular constante, a instalação des- nova geração de coreógrafos europeus, tendo criataca as principais leis da física e responde a flutua- do e estreado vários espetáculos, de então para cá,
nalguns dos mais reconhecidos teatros e locais munções imperceptíveis, onde os bailarinos e as luzes diais. Em 2015 recebeu o Grande Prémio de Dança na
se fundem num objeto peculiar, misturando dança, Suiça pelo seu contributo ao desenvolvimento da dança contemporânea. Criou a sua própria companhia,
artes visuais e ciência num espetáculo imperdível.
com sua sede no Studio 44 em Genebra, um espaço
pioneiro de reconhecimento da dança contemporânea na Suíça. Um centro de extrema importância
para a formação e residência de jovens intérpretes.
G R A ND E AU D I T ÓR I O M O • R I VOL I
1 0,0 0 E U R • M /1 2
41
DANCE FR I 8 TH APR ⁄ 9:30 P M
“QUANTUM” is the result of an artistic residence at
the world’s largest particle physics laboratory: CERN
in Geneva, Switzerland. During his residency, the Swiss
choreographer Gilles Jobin learned that we all float in
space but that gravity is the weakest force
LIGAÇÃO
TE M A P E LO U RO DA C U LTU R A 2 01 6
in the universe – something of a shock for a
contemporary dancer and choreographer
whose work is focused, to a large extent,
Espetáculo desenvolvido em residência
on contact with the ground. Under the
no CERN – Organização Europeia para
banner of Higgs Boson, this coming to-
a Pesquisa Nuclear - a partir da forte
gether took the form of a high-energy ar-
relação entre a física e a dança.
tistic collision. Artists in the midst of scientists, the choreographer and visual artist
A show created in a residency at
fully immersed for months in a universe
CERN – European Organization for
of numbers and abstractions. Composed
Nuclear Research – based on the strong
of four lamps swinging in a constant cir-
link between physics and dance.
cular motion, the installation highlights
the main laws of physics and responds to
PAR ALELO
Gilles Jobin gained international recognition for his
PROGR A MA DE A P ROX IMA Ç Ã O À S A RT E S P E RF O RMAT I VA S
public two years later at the Montpelier Festival.
first choreographed piece for three dancers, “A+B=X”,
created in 1997, in Lausanne, and presented to the
He then moved to London, where “Macrocosm”
premièred at the Place Theatre. In 1999, he produced
Q UA 6 A B R ⁄ 1 7 H 0 0
EN C ON T RO
C O M G ILL E S JO B IN
“Braindance”, which opened the 2000-
⁄
direction and his international recog-
Auditório do Departamento de Física e Astronomia da Faculdade
nition, he was deemed the precursor
de Ciências da Universidade do Porto
of a new generation of European cho-
2001 season at the Théâtre de la Ville,
in Paris. Thanks to his radical artistic
reographers. In 2015, he was awarded
Promove-se um diálogo com a comunidade científica, aberto a todos os
Switzerland’s Dance Grand Prix, for
que tiverem curiosidade de saber de que forma a Dança Contemporânea
his contribution to the development
e a Física se relacionam. • A dialogue is suggested with the scientific
of contemporary dance.
community that is, however, open to anyone curious about knowing
how Modern Dance and Physics are related.
•
SE X 8 A B R
C O N V ER SA PÓS - E S P E T ÁCU LO
C O M O RF EU B E RTO L A MI
Presidente do Departamento de Física e Astronomia da Faculdade
de Ciências da Universidade do Porto
•
SE X 8 A B R
EU TAM BÉM VOU !
SEMP RE A AC E L E R A R
Dos 5 aos 10 anos • 2€ por criança
Monitores Joana Espanha (Dança), Ricardo Barbosa (Teatro)
Serviço de babysitting performativo mediante marcação prévia.
Fotografias © Gregory Batardon
A atividade começa 15 minutos antes do início
do espetáculo e termina após o mesmo.
Informações [email protected]
Coreografia Gilles Jobin
• Interpretação Catarina
Barbosa, Stéphanie
Bayle, Susana Panadés
Díaz, Bruno Cezario,
Stanislas Charré,
Adriano Coletta
• Instalação Luminosa
Cinética Julius von
Bismarck
• Engenheiro Martin
Schied • Música Carla
Scaletti • Figurinos JeanPaul Lespagnard
• Assistente de Figurinos
Léa Capisano
• Consultores Científicos
Michael Doser, Nicolas
Chanon (CERN)
• Direção Técnica Marie
Predour • Administração
e Produção Mélanie
Rouquier
• Assistente de Produção
Susana Panadés Díaz
• Apoio Fondation
d’entreprise Hermès /
New Settings program,
Loterie Romande,
Fondation Meyrinoise
du Casino, Fondation
Leenaards, Fondation
Ernst Göhner, Fonds
d’encouragement
à l’emploi des
intermittents genevois
• Colaboração [email protected]
CERN, Théâtre Forum
Meyrin, CMS Experiment
• Duração aprox. 50 mins.
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
imperceptible fluctuations.
M Ú S I CA
SÁ B 9 A B R ⁄ 2 2 H 0 0
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
TEE TH O F THE SE A
( R E I N O U NI D O )
⁄
UNDERSTAGE
PA RC E RIA C OM LOV E R S & LOLLY P OP S
Numa tensão difícil de catalogar entre aquilo que é a música pesada e
a cultura de clubbing, os Teeth of the Sea são das poucas bandas que
se podem orgulhar de surgir em palco e moldar o ambiente em que
se encontram às suas necessidades. Ora a puxar pelo balanço e ambiências saturadas dos géneros pesados, ora trabalhando a síncope da
dança em regime de saturação sónica, o quarteto britânico tem assinado discos e protagonizado concertos que primam pela capacidade
de esbater fronteiras e redefinir conceitos, algo que repetem no último lançamento discográfico jocosamente apelidado de “Highly Deadly
Black Tarantula”. Ao vivo, são tão terrenos e humanos quanto espaciais
e de outro mundo, convergindo a essência do imaterial, para a mente,
na expressão corporal que, inevitavelmente, provocam.
MUSIC SAT 9 TH APR ⁄ 10 PM
Faced with the difficulty of having to catalogue something as being heavy music or as belonging to the clubbing culture, Teeth of the Sea are one of the few bands
that are able to take to the stage and then mould the
environment to fit their needs. Whether leaning towards the saturated ambiences of heavy genres or
working the syncope of dance in sonic saturation
mode, this British foursome have made records and
played concerts that are renowned for their ability to
smash down barriers and redefine concepts.
S U B- PA LC O • R I VOL I
5,0 0 E U R • M /1 2
Fotografia © Direitos Reservados
42
43
T E AT RO
S E X 1 5 & SÁ B 1 6 A B R ⁄ 2 1 H 3 0
EMANUEL DE
S OUSA
—PONTO TE ATRO
⁄
GH
E ST R E I A ⁄ C OP ROD U Ç Ã O
THE ATR E FRI 15 TH & SAT 16 TH APR ⁄ 9:30 P M
Research into the (im)materiality of the body, the
notions of identity and gender violence and the imaginaries of Clarice Lispector, Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Giorgio Agamben, Judith Butler
and Paul B. Preciado, amongst others, allows one to
give form, ultimately, to Bernard Berenson’s premise:
“a complete life may be one ending in so full identification with the non-self that there is no self to die”.
Emanuel de Sousa was born in Espinho in 1980.
An architect and theatre director, his research in
critical spatial practices, combines the fields of art,
architecture and performing arts. Founder and artistic director of Ponto Teatro since 2011, he directed
the Trilogy of Place – U TO PIATM, DYSTOPIA, HETEROTOPIA (2013-2015), CAPITAL FUCK (2012),
among other works.
mativas. Fundador e diretor artístico da Ponto Teatro
desde 2011, onde assinou a Trilogia do Lugar – U TO
PIATM, DYSTOPIA, HETEROTOPIA (2013-2015),
Fotografia © Direitos Reservados
CAPITAL FUCK (2012), entre outros.
Dramaturgia, Encenação,
Dispositivo Cénico
Emanuel de Sousa
• Banda Sonora Original
João Dorminsky
• Desenho de Luz João
Teixeira e Emanuel de
Sousa • Desenho de Vídeo
e Vídeo em Tempo Real
Emanuel de Sousa
• Assistência de
Movimento André Mendes
• Figurinos e Adereços
Patrícia Sousa
• Interpretação Daniela
Gonçalves • Assistência de
Produção Rita Vieira
• Coprodução Ponto
Teatro, Teatro Municipal
do Porto • Apoios O
Espaço do Tempo,
Companhia Instável
• Duração Aprox. 1h30
PA LC O D O AU D I T ÓR I O • CA M P O A L E G R E
7,5 0 E U R • M /1 6
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
“Porque não és frio, nem quente, porque és morno, eu te vomitarei da
minha boca.” G.H., acrónimo de um qualquer ser humano em todas as
suas mutações mas também, simples abreviação para ‘Género Humano’, devora o próprio ser como linguagem, na impossibilidade de narrar,
à posteriori, a própria impotência de descrever um evento passado,
presente, futuro. A investigação sobre a (i)materialidade do corpo, as
noções de identidade e violência do género e o cruzamento dos imaginários de Clarice Lispector, Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir,
Giorgio Agamben, Judith Butler, Paul B. Preciado, entre outros, permite materializar, em última instância, a premissa de Bernard Berenson:
“uma vida plena pode ser aquela
Emanuel de Sousa nasceu em Espinho, em 1980.
que alcance uma identificação tão
Arquiteto e encenador, desenvolve pesquisa em torno
completa com o não-eu que não
de práticas espaciais críticas, cruzando os campos
haja mais um eu para morrer”.
disciplinares da arte, arquitetura e das artes perfor-
44
T E AT RO
S E X 1 5 ABR ⁄ 2 1 H 3 0 & SÁ B 1 6 A B R ⁄ 1 9 H 0 0
RENATA PORTAS
—PÚBLIC O
RE SERVADO
⁄
O JOGO DAS PERGUNTAS OU
VIAGEM À TERR A S ONOR A
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
E ST R E I A ⁄ C OP ROD U Ç Ã O
Desmancha-Prazeres:
E o Anjo disse-me: Porque te espantas?
Observador:
A última pergunta da Sagrada Escritura. Depois disso não há lugar para
espanto: só as imagens da Revelação, com Ámen e Aleluia. Pergunta e Revelação, aliás, contradizem-se. E tu, que epitáfio escolherias?
(in O Jogo das Perguntas, tradução. de João Barrento)
O Jogo das Perguntas ou Viagem à Terra Sonora”, de Peter Handke, é
um texto que visa interrogar a linguagem (através da linguagem nomear
o mundo, e através do mundo duvidar da linguagem). Na linhagem de
outros autores, que já abordamos, como Valère Novarina, interessa-nos
um palco que se abra à filosofia: um teatro ensaístico que mantenha o
lado lúdico e performativo da cena. Através de oito figuras/arquétipos,
numa viagem que dura quase três horas, procuramos responder à questão central deste texto: Para onde foram as perguntas? — Renata Portas
PA LC O DO G R A N D E AU D I T ÓR I O M O • R I VOL I
7,5 0 E U R • M /1 2
45
Renata Portas nasceu em 1976, em São Paulo. É
encenadora, atriz e dramaturga. É diretora artística
e membro fundador da Público Reservado. Concluiu
o curso de Interpretação no Balleteatro e frequentou
o Mestrado de Encenação na ESTC. Estreou profissionalmente como assistente de encenação de JeanPierre Sarrazac, no espectáculo “ Cantiga para JÁ”,
uma coprodução da Companhia Teatro de Braga com
o Centro Dramático Galego (2003). Encena regularmente desde 2006, com textos originais e assemblages de autores como Valère Novarina, Racine, Tácito,
Heiner Müller, Pedro Eiras, entre outros.
THE ATR E FR I 15 TH APR ⁄ 9:30 P M
& SAT 16 TH APR ⁄ 7 PM
“Voyage to the Sonorous Land or The Art of Asking”, by Peter Handke, is a text that aims to interrogate language (through language we name the
world and through the world we doubt language).
PAR ALELO
As with other authors that we have already looked
PRO G R A MA DE A P ROX IMA Ç Ã O À S A RT E S P E R FOR M AT I VA S
theatre that retains the ludic and performative side
at, such as Valère Novarina, we are interested in a
stage that opens up to philosophy: a rehearsealist
of the scene.” — Renata Portas
SÁ B 1 6 A B R
C ON V ER SA P ÓS - E S PE T Á C U LO
C O M T E RE SA MA RT INS DE O L I V E I R A
Renata Portas was born in 1976, in São Paulo. She
is a director, actress and playwright. She is the artistic director and a founding member of Público Reservado. She has directed regularly since 2006, using
Professora do Departamento de Estudos Germanísticos da Faculdade
both original texts and assemblages of such authors
de Letras da Universidade do Porto
as Valère Novarina, Racine, Tácito, Heiner Müller and
•
SE X 1 5 & SÁ B 1 6 A B R
EU TAM BÉM VOU !
O NDE SE E SC O NDE M A S P ERGU N TA S ?
Dos 5 aos 10 anos • 2€ por criança
Monitores Joana Espanha (Dança), Ricardo Barbosa (Teatro)
Fotografia © Direitos Reservados
Serviço de babysitting performativo mediante marcação prévia.
A atividade começa 15 minutos antes do início
do espetáculo e termina após o mesmo.
Informações [email protected]
Pedro Eiras, amongst others.
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Encenação Renata Portas
• Assistente de Encenação
Hugo Cardoso • Autor
Peter Handke
• Tradução João Barrento
• Dramaturgista Raquel
Almeida (Estágio
Curricular Balleteatro)
• Intérpretes Daniel
Viana, Diana Sá, Diogo
Tormenta, Emílio
Gomes, Fábio Henriques,
Judite Costa, Pedro
Damião, Pedro Manana
• Desenho de luz Nuno
Tomás • Figurinos Vânia
Dinis e Jordann Santos
• Espaço Cénico e Adereços
Renata Portas e Laurent
Scanga • Sonoplastia
Rafael Cortés • Registo
Fotográfico Tiago Aguiart
• Design lina&nando
• Produção Inês Carvalho
e Lemos / Público
Reservado • Apoios
Residência Artística
no espaço Circolando
(Cace Cultural), Goethe
Institut • Duração aprox.
3h (c/intervalo)
46
M Ú S I CA
S Á B 1 6 A B R ⁄ 1 7H 0 0
DANIEL CUNHA
⁄
NOVO S TALENTO S
Doutorado em Artes Musicais na especialidade de piano pela Universidade do Kansas (E.U.A.), onde se aperfeiçoou com o consagrado pianista e pedagogo Sequeira Costa, Daniel Cunha é um dos mais destacados pianistas portugueses da sua geração. Foi premiado na XVI
edição do Concurso Internacional de Piano Viana da
Mota e é detentor, entre outros, do primeiro prémio
do concurso Helena Sá e Costa. Tem em agenda para
2016 a interpretação da suite Goyescas de Granados
nos festivais “Dias da Música” e “Estoril-Lisboa”, assim
como a interpretação do Quinteto de Dvorak num festival no País de Gales.
M U S I C SAT 16 T H AP R ⁄ 5 PM
Daniel Cunha has a PhD in Musical Art (piano) from
the University of Kansas (USA), where he honed his
skills with the renowned pianist and teacher Sequeira Costa. Daniel is one of the most prominent Portuguese pianists of his generation. He won an award at
the 16th Viana da Mota International Piano Competition and, amongst his other achievements, took first
prize at the Helena Sá e Costa Competition.
CA F É - C ON C E RTO • R I VOL I
P R EÇ O Ú N I C O 5,0 0 E U R • M /1 2
Fotografia © Direitos Reservados
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
PA RCE RIA C O M C U R S O D E M Ú S I CA S I LVA M ON T E I RO
47
DA N Ç A
DO M 1 7 A B R ⁄ 2 1 H 3 0
MARIA DE MELO FALCÃO
⁄
IT ME
+
X ANA NOVAIS
⁄
UN TEKNÈ
It Me • O mote é a objetificação do corpo da mulher no mundo em que
vivemos. Que corpo é este, que para existir precisa de ser artificializado - física, estética e simbolicamente? A minha existência, a minha feminilidade emerge da relação que partilho comigo mesma ou depende
da aprovação dos outros? Ser-se pessoa ou ser uma figura que preenche os requisitos de uma categoria socialmente construída, e imposta
de fora para dentro? — Maria de Melo Falcão
DANCE S UN 1 7 TH APR ⁄ 9:3 0 P M
It Me • The theme is the objectification of the female
body in the world in which we live. What kind of body
is this, which, to exist, must be made artificial – physically, aesthetically and symbolically? Does my exist-
Un Teknè • Em que lugar está o artista? Não interessa o tipo de artista, o tipo de arte produzida por ele, a forma de produção do objecto artístico, as ideologias, ou mesmo o meio social onde o artista reside. Neste espaço performativo, mas essencialmente visual, mistura-se
arte. A única coisa original desta coisa “performativa” é o facto de poderem pôr “like” ao vivo, pois o Facebook é, na verdade, uma dádi- Maria de Melo Falcão completou o curso de Danva pós-futurista. — Xana Novais ça - Teatro (Cia Olga Roriz) e do Balleteatro Escola
Fotografia © Direitos Reservados
It Me
Criação e Interpretação
Maria de Melo Falcão
• Banda Sonora Rui Lima
e Sérgio Martins
• Desenho de Luz LD
Leston Design • Vídeo
Cláudia Machado
• Agradecimentos Carlota
Lagido, Catarina
Câmara, Joana Veiga,
Olga Roriz, Vitor Fontes
• Duração aprox. 30 mins
Un Teknè
Criação, Interpretação e
Cenografia Xana Novais
• Influências sob Registo
António Mv, Flavio
Leihan e Rogério Nuno
Costa • Figurinos Tiago
da Costa • Sonoplastia
Xana Novais • Consultoria
Artística Cristina Planas
Leitão e Joana Von
Mayer Trindade • Apoios
Hugo Calhim Cristóvão
e Vapor4all – Cigarros
Eletrónicos
• Duração aprox. 35 mins
ence, my femininity emerge from the relationship I
have with myself or does it depend on the approval
of others? — Maria de Melo Falcão
Un Teknè • Where is the artist at? It doesn’t matter what type of artist, the type of work the artist
produces, the form in which the artistic object is
produced, the ideologies, or even the social milieu
in which the artists live. In this performative, but
essentially visual, space, art is made, art is mixed,
Profissional. Estagiou com Victor Hugo Pontes, em
different types of art, from the oldest forms to the
“Fall”. Como intérprete, trabalhou com Elisabete Ma-
youngest. — Xana Novais
galhães, Teatro de Ferro, Willi Dorner, Marco Ferreira
e Sara Garcia. Dirigiu a disciplina de Oficina Coreo-
Maria de Melo Falcão took courses in Dance-Thea-
gráfica no Estúdio B.
tre (Olga Roriz Company) and at the Balleteatro Professional School. She did her internship with Victor
Xana Novais estudou Teatro no Balleteatro e fez a
Hugo Pontes, in “Fall”. She ran the Choreographic
Formação Avançada/Companhia Instável. Como in-
Workshop subject at Estúdio B.
térprete trabalhou com a Cia Mandrágora, Pedro Penim, Flavio Leihan e Hugo Calhim Cristovão/Joana
Xana Novais studied Theatre at Balleteatro and did
Trindade. Os dois focos da sua carreira são a insta-
her advanced training with the Instável Company.
lação e a performance. Está a desenvolver um traba-
As a dancer, she has worked with the Mandrágora
lho musical “THE GLASGOW”, em colaboração com
Company, Pedro Penim, Flavio Leihan and Hugo Cal-
Flavio Leihan.
him Cristovão/Joana Trindade.
SA L A- E ST Ú D I O • CA M P O A L E G R E
5,0 0 E U R / M /1 6
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
PA LC O S I N ST Á V E I S ⁄ C OM PA N HI A I N ST Á V E L
48
CINE MA
T ER 1 9 ABR
CINEMA
DE Q U I 2 1 A DO M 24 A B R
VER PRIMEIRO
⁄
MEDEIA FILME S
FE STA
DO CINEMA
ITALIANO
1.
Em 2016 a 9ª edição do 8 ½ Festa do Cinema Italiano
será apresentada na cidade do Porto, em diversos espaços, entre 21 e 24 de abril, apresentando o melhor
do cinema produzido em Itália aliado à experiência
daquilo que é ser-se italiano, através de momentos
e Cultura diversificados.
Em antecipação à presença de Romeo Castellucci / Societas Rafaello Sanzio em Maio, e com o objectivo de
aproximar o público destes autores e do seu trabalho,
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
serão apresentados dois episódios da Tragedia Endogonidia (2002-2004, filmada pelos realizadores italianos Cristiano Carloni e Stefano Franceschetti) e do
Inferno (ou Purgatório) da Divina Commedia (2008,
filmado por Don Kent, para a ARTE). As duas projeções serão introduzidas por Sara Dal Corso, doutora-
O T E S OURO (1 8 H 3 0 )
⁄
C ORNELIU PORU M BOIU (RO)
ROM ÉNIA • 2015 • 89’ • M/ 1 2
FAL AD O EM ROM EN O
LEGENDADO EM P ORT UG UÊS
U M A N OVA A M I G A ( 2 2 H 0 0 )
⁄
F R A N Ç O I S OZO N ( F R )
F R A N Ç A • 20 1 4 • 1 0 8 ’ • M / 1 2
FA L A D O E M F R A N C Ê S
L EGE NDA D O E M P O RTU G U Ê S
Costi (de 33 anos) leva uma vida tranquila. À noite,
Adaptado do conto “The New Girlfriend” de Ruth
and their work to the public by showing two episo-
gosta de ler histórias ao seu filho de 6 anos, para o
Rendell, o novo filme de Ozon mistura com suces-
des of Tragedia Endogonidia (2002-2004, filmed by
ajudar a adormecer. A sua história favorita é “Robin
so várias influências e tons, do melodrama almo-
the Italian directors Cristiano Carloni and Stefano
dos Bosques”. Costi vê-se, de resto, como um herói,
dovariano ao thriller hitchcockiano, passando ain-
Franceschetti) and of Inferno (or Purgatory) of the
um justiceiro e defensor dos oprimidos. Um dia, um
da por “Laura” de Otto Preminger, e transita sem
Divine Comedy (2008, filmed by Don Kent for ARTE).
vizinho conta-lhe um segredo: que há um tesouro en-
esforço entre eles. A obra de François Ozon abor-
terrado no jardim dos seus avós. Para o convencer a
da frequentemente questões de sexualidade, géne-
Mais informações e programa completo em
procurar, diz-lhe que irá dividir metade do tesouro
ro e identidade e “Uma Nova Amiga” acaba por ex-
www.festadocinemaitaliano.com
com ele. Céptico no início, Costi não consegue resis-
plorar estes temas, mas fá-lo através de uma nova
tir à tentação. • Costi (33 years of age) is living a
luz. • Adapted from Ruth Rendell’s short story “The
peaceful life. In the evening he likes to read bedtime
New Girlfriend”, Ozon’s new film successfully com-
stories to his 6-year-old son. His favourite story is
bines various influences and tones, from Almodo-
“Robin Hood”. Costi sees himself as a hero, a crime
varian melodrama to a Hitchcockian thriller, and
fighter and protector of the oppressed. One day, a
also includes “Laura”, by Otto Preminger, effortles-
neighbour tells him a secret: that there is a treasure
sly switching between them. The work by François
buried in his grandparents’ garden. To convince him
Ozon frequently dwells on issues of sexuality, gen-
to help search for the treasure, he promises to split it
der and identity, and “Uma Nova Amiga” (A New
with him. Although sceptical at the beginning, Costi
Girlfirend) explores these themes, but does so from
cannot resist the temptation.
a new perspective.
da pela Faculdade de História da Dança e Teatro da
Universidade de Bolonha, bailarina e performer, que
trabalhou com Romeo Castellucci e conhece como poucos o seu trabalho. • Romeo Castellucci / Societas
Rafaello Sanzio will be in Portugal in May. In this light, Rivoli – a stage for theatre and performing arts
– will be the ideal venue to introduce these authors
2.
1. “O Tesouro”
Corneliu Porumboiu
2. “Uma Nova Amiga”
François Ozon
AUDIT Ó RIO IAC • RIVO L I
P R EÇO ÚN I C O P OR S E S S ÃO 3,0 0 E U R
AU D I T ÓR I O I AC • R I VOL I
DE 2 7 ABR — 7 MAI 2016
49
FE STIVAL DDD
⁄
DIAS DA DANÇA
PORTO — G AIA — MATO SINHO S
AMBR A SENATORE ( I T ) • R AIMUND HOG HE ( D E )
• MARLENE MONTEIRO FREITAS
• MIGUEL PEREIR A • NÉ BARRO S
• AIMAR PÉRE Z G ALÍ ( E S )
• CRISTINA PLANAS LEITÃO • MARA ANDRADE
• BRUNO SENUNE
• JOANA CASTRO & FLÁVIO RODRIGUE S
• DINIS MACHADO • ANDRÉ MENDE S
• GONÇALO FERREIR A • KALE
• CORPO + CIDADE [MIGUEL MOREIRA ⁄ ÚTERO,
ANA RITA TEODORO, CHARLOT TE SPENCER ( U K ) ,
GILLE S VERIÈPE ( FR ) , BALLE TE ATRO...]
TO DA A P RO G R A MA Ç Ã O D I S P ON Í V E L A PA RT I R D E 3 0 D E M A R Ç O E M
W W W.F E STI VA L DDD.C O M
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
• VER A MANTERO • JOÃO FIADEIRO
50
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
O Festival DDD – Dias da Dança é coorganizado pelo Teatro Municipal do Porto/Câmara Municipal do Porto, em parceria com a
Câmara Municipal de Gaia e a Câmara Municipal de Matosinhos.
A primeira edição terá apresentações nas três cidades que constituem
a Frente Atlântica - Porto, Gaia e Matosinhos -, entre os dias 27 de abril
e 8 de maio, com múltiplos parceiros envolvidos: o Teatro Municipal
do Porto – Rivoli e Campo Alegre, Serralves, o Teatro Nacional
São João, o Balleteatro, a mala voadora, o Coliseu Porto, o CineTeatro Constantino Nery, o Auditório Municipal de Gaia e o Ginasiano/Armazém 22.
Ao longo de 12 dias, nove estruturas das três cidades, assim como o seu
espaço público, acolhem cinco espetáculos de artistas internacionais
em estreia nacional, dez espetáculos de coreógrafos nacionais e sete
estreias absolutas de jovens artistas locais, num programa que regista cerca de 25 espetáculos (num total de mais de 50 apresentações),
quatro masterclasses e dois workshops, para além de sessões de cinema, literatura e de momentos e encontros para reflexão, discussão
e celebração.
O Festival DDD – Dias da Dança será assim uma oportunidade única
para que públicos e programadores descubram novas criações de coreógrafos internacionais e nacionais, e também a vitalidade da forte comunidade local da dança contemporânea, que com este festival poderá
assim ultrapassar as barreiras destas cidades e chegar além-fronteiras.
Nesta agenda apresentamos os espetáculos que têm lugar no Teatro
Municipal do Porto no mês de abril. Toda a programação será revelada a 30 de março, com propostas que visam estimular e desenvolver a formação e circulação de públicos, unindo ainda mais
estas três cidades vizinhas.
Festival DDD – Dias da Dança (The Days of Dance) is
organised by the Porto Municipal Theatre/Porto City
Council, in partnership with the Gaia City Council
and the Matosinhos City Council. The first edition
will include performances in the three cities comprising the Atlantic Front – Porto, Gaia and Matosinhos
– from 27 April to 8 May, with many participating
partners: the Porto Municipal Theatre – Rivoli and
Campo Alegre, Serralves, the São João National Theatre, Balleteatro, mala voadora, Coliseu Porto, the
Cine-Teatro Constantino Nery, the Gaia Municipal
Auditorium and Ginasiano/ Armazém 22.
During 12 days, nine structures of the three cities,
along with their public spaces, will host five shows by
international artists debuting in Portugal, ten shows
by national choreographers and seven first-ever debuts by local young artists. The programme will include about 25 shows (in a total of 50 performances),
four masterclasses and two workshops, in addition
to sessions of cinema, literature and moments and
meetings for reflection, discussion and celebration.
51
L I T E R AT U R A
Q U I 28 A B R ⁄ 2 2 H 0 0
QUI NTAS DE
LEITUR A
⁄
DEIX AR A DANÇA SER
NATUR ALMENTE CARNE
Gonçalo M. Tavares,
José Gil, Cláudia Galhós,
Clara Andermatt,
Mariana Magalhães,
Joana Von Mayer
Trindade, Sónia Baptista,
Tânia Carvalho, José
Caldeira
LITER ATUR E THU 2 8 TH APR ⁄ 1 0 P M
A verse by Gonçalo M. Tavares, one of the guest writers for this session, inspires a “Reading Thursday” entirely dedicated to dance. A poetic storyboard, based
on a universe of movement, of dance and of the body,
with iconic poetic texts (Herberto Helder, Sophia
de Mello Breyner Andersen, António Botto, António
Ramos Rosa, Natália Correia, Alexandre O'Neill, Ruy
Belo, Carlos Drummond de Andrade and Adília Lopes,
amongst others). Mariana Magalhães will be doing
the readings, and dialoguing, in one of the poems,
with the dancer Joana von Mayer Trindade. The performer Sónia Baptista will make a solo presentation.
A reflection on the loving relationship between the
body and poetry. Finally, the choreographer Tânia
Carvalho surprises us at the piano with her songs,
one of which has lyrics by Valter Hugo Mãe. José
Caldeira will be responsible for photographing the
session, producing a selection of magical moments
of dance that will transform and unsettle the stages
Fotografia “Lastro”, Né Barros © José Caldeira
at the Teatro Municipal do Porto.
AU D I T ÓR I O • CA M P O A L E G R E
7,5 0 E U R • M /1 2
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Um verso de Gonçalo M. Tavares, um dos escritores convidados para esta
sessão, inspira uma “Quinta de Leitura” inteiramente dedicada à dança. A
sessão contará com a presença do filósofo e ensaísta José Gil, considerado pelo semanário francês “Le Nouvel Observateur” um dos 25 grandes
pensadores do mundo. Escreveu, entre muitos outros, o livro “Movimento
Total: O Corpo e a Dança”. Claudia Galhós, que atualmente escreve sobre
artes performativas para o semanário “Expresso”, irá moderar a conversa
entre os dois escritores (José Gil e Gonçalo M. Tavares). Um roteiro poético, baseado no universo do movimento, da dança e do corpo, com textos de poetas emblemáticos (Herberto Helder, Sophia de Mello Breyner
Andresen, Alexandre O'Neill, Carlos Drummond de Andrade, Adília Lopes,
Hélia Correia, entre outros). As leituras ficarão a cargo de Clara Andermatt
e de Mariana Magalhães que dialogará, num dos poemas, com a bailarina
Joana von Mayer Trindade. A performer Sónia Baptista fará uma apresentação a solo. Uma reflexão sobre a relação, amorosa, entre corpo e poética. Por fim, a coreógrafa Tânia Carvalho surpreende-nos com as suas
canções, uma das quais com letra de Valter Hugo Mãe. A imagem da sessão será assinada por José Caldeira, numa seleção de momentos mágicos de dança que transformaram os palcos do Teatro Municipal do Porto.
52
DA N Ç A
S Á B 3 0 A B R ⁄ 1 8H 0 0
AIMAR PÉRE Z G ALÍ
( E S PA N H A )
⁄
SUDANDO EL DISCURS O:
UNA CRÍTICA ENCUERPADA
E ST R E I A NAC I ONA L
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Criação, texto, voz e
interpretação Aimar Pérez
Galí • Apoio teórico Paulo
B. Preciado e Jaime
Conde-Salazar
• Duração aprox. 45 mins
Ao contrário da crítica tradicional, em que o indivíduo desenvolve a
sua prática como um objeto de estudo, o trabalho de Aimar Pérez Galí
propõe uma nova abordagem, que o discurso físico e intelectual se encontrem numa mesma pessoa: o intérprete, em movimentos encorpados e suados. Com esta proposta, tenta-se enfatizar
Aimar Pérez Galí nasceu em Barcelona, em 1982,
a alteridade desta língua cinestésica enquanto anáe trabalha no campo da dança e das artes cénicas
lise crítica. Ao mesmo tempo, aborda-se, historicacomo bailarino, performer, criador, pedagogo, invesmente, a figura do bailarino e como este se foi constigador e escritor. Com formação na Escola Supetruíndo enquanto sujeito de subalternidade, mudo e
rior de Arte de Amesterdão, desenvolve o seu trabalho em Espanha, onde se formou no Master do
sem capacidade ou voz política. O livro “Sudando El
Programa de Estudos Independentes do Museu de
Discurso”, que acompanha o trabalho, foi já publicaArte Contemporânea de Barcelona. O seu trabalho
do em 2015.
passa pela investigaçao sobre as relações entre a dança, o movimento, a pedagogia e o desenvolvimento de novas metodologias à prática cénica. Entre os
seus últimos trabalhos destacam-se “A Post-Believe
Manifesto”, a conferência performativa “Sudando El
Discurso” e “The Ping-Pong Dialogues”. Colaborou
com criadores como Xavier Le Roy, Nicole Beutler,
Nora Heilmann e David Zambrano, entre outros.
É cofundador e diretor artístico de Espacio Práctico,
um local no centro de Barcelona criado em 2010, e
docente do Departamento de Corografia e Interpretação do Conservatório Superior de Dança do Instituto de Teatro de Barcelona.
SA L A D E E N SA I O S • R I VOL I
5,0 0 E U R • M /1 2
53
P ROG R A M A D E A P ROXI M A Ç Ã O À S A RT E S P E R FOR M ATI VAS
S Á B 3 0 A BR ⁄ DA S 11 H0 0 À S 1 3 H0 0
M ASTE RC L AS S
A I M A R P É R E Z G A LL I
DAN C E SAT 30 T H AP R ⁄ 6 PM
⁄
Armazém 22 – Vila Nova de Gaia
Contrary to traditional critique, in which the individual carries out his/her practice as an object of
Uma oficina para a abordagem e construção do discurso, hipóteses, teorias
study, the work of Aimar Pérez Galí proposes a new
e conceitos que são implantados no espetáculo “Sudando el discurso”. A
approach in which the physical and intellectual dis-
oficina propõe um quadro para a experimentação e emancipação, toman-
courses meet together within the same person: the
do a palabra como ela própria, impondo-se, dessa forma, ao discurso. • A
interpreter, in sweaty bodily movements.
workshop for approaching and building the discourse, the hypotheses,
theories and concepts that are part of the show “Sudando el discurso”
Aimar Pérez Galí was born in Barcelona in 1982 and
(Sweating the Discourse). The workshop proposes a framework for ex-
works in dance and scenic arts as a dancer, perform-
perimentation and emancipation, in which the body speaks and thus
er, creator, educator, researcher and writer. Educated
becomes the discourse.
at the Amsterdam University of the Arts, he worked
in Holland for some years and currently works in
Orientador Aimar Pérez Galí
Spain where he obtained his Master’s Degree in the
Destinatários Estudantes e Profissionais do Espetáculo
Independent Studies Programme at the Barcelona
Gratuito mediante apresentação de bilhete
Museum of Contemporary Art. His work includes re-
para o espetáculo “Sudando el discurso”
search on the relations between dance, movement,
education and the development of new methodolo-
Fotografias © Direitos Reservados
gies to scenic practices.
Informações [email protected]
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
PAR ALELO
54
DA N Ç A
SÁB 30 ABR ⁄ 21H30
AMBR A SENATORE
⁄
ARING A RO S SA
E ST R E I A NAC I ONA L
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Nove indivíduos unidos numa comunidade, por acaso ou por necessidade. Em palco, relacionamentos que se fundem, que se afastam, que
entendemos na sua essência mas perdemos no seu contexto. Será sonho, utopia ou realidade, aquilo que nos surge em palco? Através destes
movimentos, repetidos, observam-se os hábitos de uma comunidade,
os seus relacionamentos e os seus dissabores. A dança mesclada do
quotidiano. O quotidiano elevado pela dança. Um conjunto de flashes
surrealistas, onde os sentimentos antagónicos se misturam com um
novo sentido para a vida em comunidade. Com este espetáculo, a coreógrafa Ambra Senatore continua
a abordar a natureza humana, as- Ambra Senatore nasceu em 1976, em Turim, Itásunto que tem caraterizado todo lia. É coreógrafa e bailarina. Colaborou com diversos coreógrafos, como Jean-Claude Gallotta, Giorgio
o seu trabalho.
Rossi, Raffaela Giordano, entre outros. Após a sua
formação em dança contemporânea, lecionou História da Dança na Universidade de Milão, em Itália.
Abordando a dança, o teatro e as artes visuais, o seu
trabalho explora as fronteiras entre a ficção e a realidade. É desde 1 de janeiro de 2016 a nova diretoDA N CE SAT 3 0 TH AP R ⁄ 9: 30 PM
ra do Centre Choréographique National de Nantes.
Nine persons united in a community, by chance or
necessity. On stage, they assume relationships that
bring them together, that drive them apart, that we
understand in their essence, but which we lose in
their context. Could it be a dream, a utopia or a reality, that which we see brought to life on stage? With
this show, the choreographer Ambra Senatore continues to scrutinize human nature, an issue that has
characterised all her work.
Ambra Senatore was born in 1976 in Turin, Italy.
She is a choreographer and a dancer. She collaborated with various choreographers, such as Jean-Claude
Gallotta, Giorgio Rossi, Raffaela Giordano, among
others. Involving dance, theatre and visual arts, her
work explores the frontiers between fiction and reality. Since 1 January 2016, she has been the new director of Centre Choréographique National de Nantes.
G R A ND E AU D I T ÓR I O M O • R I VOL I
1 0,0 0 E U R • M /1 2
( I TÁ LI A )
55
PAR ALELO
P ROG R A M A D E A P ROXI M A Ç Ã O À S A RT E S P E R FOR M ATI VAS
QU I 28 A BR ⁄ DA S 1 9 H0 0 À S 21 H0 0
M ASTE RC L AS S
A M BR A S E NATOR E
Através de jogos de grupo, exercícios de escuta e de relacionamento,
elementos, gestos e expressões da vida quotidiana. Nesta masterclass, a
artista partilha com os participantes o método que utiliza nos seus processos de trabalho. • Through this masterclass, Ambra Senatore aims to
have participants try and/or gain an approximate idea on the approach
and method she used in her work processes and, consequently, in the
creation of her shows. Through group games, exercises in listening and
relations, the artist offers a work of theatricality, built on every-day life
elements, gestures and expressions.
Orientadora Ambra Senatore
Destinatários Profissionais e Estudantes de Dança
Gratuito mediante apresentação de bilhete
para o espetáculo “Aringa Rossa”
•
Coreografia Ambra
Senatore • Assistência de
Coreografia Aline Braz da
Silva, Tommaso Monza
• Interpretação (em
palco) Ambra Senatore,
Caterina Basso, Aline
Braz da Silva, Claudia
Catarzi, Elisa Ferrari,
Simona Rossi, Mateo
Ceccarelli, Pierdaolfo
Ciulli, Romain Bertet,
François Brice
• Luz Fausto Bonvini
• Desenho de Som Igor
Sciavolino, Ambra
Senatore • Composição
Musical Igor Sciavolino
• Música Claudio
Monteverdi, Igor
Stravinsky, Fausto
Amodei, Caravan Palace,
Brian Bellot
• Figurinos Roberta
Vacchetta com apoio de
Augusta Tibaldeschi
• Produção EDA, ALDES
• Produção Executiva
CCNN • Coprodução
Biennale de la Danse de
Lyon, Théâtre de la
Ville - Paris, Scène
Nationale de Besançon,
MC2: Grenoble,
Torinodanza festival et
Fondazione del Teatro
Stabile di Torino, L’Arc
Scène Nationale du
Creusot, Centre Culturel
André Malraux Scène
Nationale de VendoeuvreLes-Nancy, Théâtre Louis
Aragon - Tremblay-enFrance, Château Rouge
- Annemasse, Le Phare
CCN du Havre, Ballet
de l’Opéra National du
Rhin - CCN Mulhouse,
La Comédie de Valence CDN Drôme-Ardèche
• Apoio DSN Dieppe
Scène Nationale,
Ministère de la culture
et de la communication
- DRAC Franche-Comté
- Aide au projet 2014,
Franche-Comté, Conseil
Générale du Doubs et
La Saline Royale d’Arc
et Senans, MIBACT
- Ministère pour les
Biens et les Activités
Culturelles / Direction
Générale pour le
spectacle vivant. Région
Toscane / Système
régional du spectacle.
• Duração aprox. 1h
S Á B 3 0 A BR ⁄ DA S 1 9 H0 0 À S 20 H0 0
AQ U E C I M E N TO PA R A L E LO
E L I SA BET H L A M BE C K
Coordenação Cristina Planas Leitão
Sessão orientada por Elisabeth Lambeck
Convidam-se os espectadores, com ou sem experiência, a aprenderem
a qualidade de movimento, sensações ou ideias coreográficas que estão
na base de um determinado espetáculo, mesmo antes de o verem. • We
invite our audience from any age group, with or without experience, to
learn the quality of movement, the sensations and choreographic ideas,
which are at the base of a given performance before they even see it.
Elisabeth Lambeck trabalha como bailarina profissional desde 2000,
logo após concluir o Curso Superior de Dança na Fontys Hogescholen,
Tilburg Desde 2000 tem trabalhado com: Carte Blanche,Dancetheatre of
Nurnberg, De Stilte e Conny Janssen Danst, e em projetos com Rui Horta,
Paulo Ribeiro, Helder Seabra, Peter Greenaway, Caroline Eckly e Andrea
Spreafico, Mafalda Deville. Desde 2011 que trabalha como performer e
também professora de dança contemporânea no Ginasiano Escola de
Dança. • Elisabeth Lambeck has worked as a professional dancer since
Fotografia © Viola Berlanda
2000, immediately after completing her Dance Degree at Fontys Hogescholen, Tilburg. Since 2011, she has worked as a modern dance performer
and also as a teacher at the dance school Ginasiano Escola de Dança.
Informações [email protected]
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Ambra Senatore oferece um trabalho de teatralidade alimentado por
CAMPO ABERTO
⁄
PROGR AMA DE
RE SIDÊNCIAS ARTÍSTICAS
Campo Aberto – Programa de Residências Artísticas é um dos pilares da programação do Teatro Municipal do Porto, dirigido a várias
companhias, projetos e artistas. No Teatro Campo Alegre, nove estruturas da cidade desenvolverão residências de longa duração que
comportam espaços de produção, ensaios e apresentação. Estão representadas cinco áreas diferentes – dança, teatro, música, cinema e
novo circo – transformando o Campo Alegre num autêntico laboratório
criativo. Drumming e Nome Próprio juntam-se agora a Casa da Animação, Companhia Instável, Erva Daninha, Medeia Filmes, Núcleo de Experimentação Coreográfica, Radar 360º e Teatro Experimental do Porto. As residências de curta duração têm lugar nos dois polos do Teatro
Municipal, trazendo à cidade artistas de várias latitudes que, mais tarde, apresentam as criações resultantes destes momentos de trabalho.
Campo Aberto – Artist Residencies Programme
is one of the pillars for the artistic development of
several companies and artists. In Teatro Municipal
Campo Alegre, nine companies and projects develop
long-term residencies, comprising production facilities, rehearsal studios and stage presentations. Five
areas will be represented, turning Campo Alegre into
a real creative lab. Drumming and Nome Próprio now
join Casa da Animação, Companhia Instável, Erva
Daninha, Medeia Filmes, Núcleo de Experimentação
Coreográfica, Radar 360º and Teatro Experimental
do Porto. The short-term residencies take place in
the two hubs of Teatro Municipal, bringing to Porto
artists from different latitudes, which later on will
present the work resulting from these residencies.
CA MP O A B ERTO ⁄ A RTI ST R E S I D E NC I E S P RO G R A M M E
D RU M M I N G – GRU P O DE P E RC U S SÃ O
M E DE I A F I L M E S
Vocacionado para a música contemporânea e de por-
Há mais de 20 anos a exibir cinema em Portugal e há
tas abertas a todos os mundos sonoros, o Drumming–
dez anos no Teatro Campo Alegre, a Medeia Filmes
Grupo de Percussão (DGP) afirma-se como um dos
aposta na qualidade e diversidade, com estreias em
mais importantes coletivos do género a nível inter-
exclusivo, privilegiando o cinema europeu, o cinema
RE SID ÊNCIAS
nacional. Fundado e dirigido por Miquel Bernat, o
independente americano, o “cinema do mundo”, di-
grupo institui-se em 1999, aliando a necessidade de
vulgando as mais variadas cinematografias e exibin-
tocar ao vivo com a vontade de mostrar o trabalho
do os melhores filmes selecionados e premiados nos
DE LONG A D U R AÇÃO
⁄
LONG TERM RE SIDE NCIE S
de formação desenvolvido na EPME (1° Curso Pro-
mais importantes festivais de cinema. • Medeia Film-
fissional na área de Percussão) e na ESMAE (1° Cur-
es has been showing films in Portugal for more than
so Superior de Percussão em Portugal). • Devoted to
20 years, and at Teatro Municipal Campo Alegre for
contemporary music and open to all sound spheres,
10. Medeia privileges quality and diversity, with ex-
Drumming - Grupo de Percussão (DGP) is interna-
clusive premieres, focusing on European, American,
tionally established as one of the most important
independent and World cinema. Showing different
groups of its kind. Founded and directed by Miquel
cinematographies and a selection of films from the
Bernat, the collective appears in 1999, connecting
most important film festivals.
CASA DA AN IM AÇÃO
A Casa da Animação nasceu em 2001, com o apoio
the need to perform live with the will to show the
da Capital Europeia da Cultura – Porto 2001 e da Câ-
training work developed at EPME (1st Profession-
mara Municipal do Porto. Conta, desde 2002, com
al Course in Percussion).
o apoio do Instituto de Cinema e do Audiovisual e
www.drumming.pt
da autarquia para promover e divulgar a animação
57
www.medeiafilmes.com
N O M E P RÓ P R I O
nacional e internacionalmente. Em 2014 integra-se
no Teatro Campo Alegre, passando a desenvolver as
A Nome Próprio é uma estrutura dedicada à produ-
E RVA DA N I N H A
suas atividades regulares nos dois edifícios do Teatro
ção e promoção de projetos artísticos, sobretudo de
dança contemporânea e teatro. Fundada em 2000
Municipal do Porto: Rivoli e Campo Alegre. • Casa da
A companhia Erva Daninha tem como missão a cria-
por Victor Hugo Pontes, coreógrafo e encenador, que
the European Capital of Culture Porto 2001 and the
ção de circo contemporâneo, explorando o diálogo
assegura a direção artística, as suas atividades in-
Municipality of Oporto. Since 2002 it has the sup-
entre diferentes expressões das artes performativas.
tensificaram-se a partir de 2010. Desde a sua funda-
port of Instituto do Cinema e do Audiovisual and of
Desde 2009, o trabalho da companhia centra-se na
ção, produziu diversos espetáculos, entre os quais “A
the municipality, to promote Portuguese animation
investigação de novas formas de fazer e apresentar
Ballet Story” (espetáculo de dança do Ano 2012, Pú-
films in Portugal and abroad. In 2014 it moved to Te-
circo, procurando elevar o virtuosismo a uma forma
blico e Expresso), “Zoo”, “Fall”, “Coppia” e “Orlando”.
atro Municipal Campo Alegre, developing its regular
de comunicação de ideias e emoções por excelência.
Para além da circulação de alguns destes projetos,
activities in the 2 hubs of Teatro Municipal do Porto.
A Erva Daninha é uma das poucas companhias por-
a Nome Próprio tem em curso novas criações, com
tuguesas dedicadas, em exclusivo, à experimentação
estreias em 2016 e 2017. • Nome Próprio is a struc-
e criação do circo. • The mission of Erva Daninha
ture dedicated to the production and promotion of
is the creation of contemporary circus, exploring
artistic projects, mainly contemporary dance and
the combination of different expressions in the per-
theatre. Founded in 2000 by Victor Hugo Pontes -
forming arts. Since 2009, the work of the company
choreographer, theatre director and artistic direc-
is focused on the research of new ways of making
tor of the structure - the activities of Nome Próprio
A Companhia Instável surgiu no Porto como resposta
and presenting circus, elevating its mastery to a
have intensified since 2010.
à necessidade de criar opções de valorização do intér-
distinct way of communicating ideas and emotions.
prete de dança contemporâneo. Foi criada uma com-
Erva Daninha is one of the few Portuguese compa-
panhia que, no seu nome, encerra a contradição em
nies exclusively dedicated to circus experimentation
que trabalha: companhia enquanto elemento cons-
and creation.
www.casa-da-animação.pt
C OMPA NHIA IN ST ÁV EL
tante e estabelecido e instável enquanto referência
à mutação característica da criação contemporânea.
www.ervadaninha.pt
www.facebook.com/nomeproprio
N Ú C L E O DE E XP E R I M E N TA Ç Ã O
C O R E O GRÁ F I CA — N EC
O projeto assenta num modelo que tem, no seu centro, a vontade de dar oportunidades de experimentar,
O Núcleo de Experimentação Coreográfica – NEC
praticar e divulgar linguagens coreográficas pertinen-
iniciou a sua atividade em 1993, através de encon-
tes a cada tempo da dança contemporânea. • Com-
tros regulares entre a comunidade artística. É, desde
panhia Instável was created in Porto as a response
1997, uma associação cultural sem fins lucrativos,
to the need to provide options to improve the skills
dirigida por artistas e investigadores independentes
of contemporary dancers. The company was given
do campo das artes performativas, interessados em
a name that captures the contradiction of its exist-
criar contextos de experimentação, treino e apresen-
ence: a company as a permanent and established el-
tação que encorajem práticas artísticas experimen-
ement, but unstable (instável) like the ever changing
tais e multidisciplinares através de projetos abertos
conditions in contemporary creation. The project
a artistas nacionais e internacionais. • Núcleo de Ex-
is based on a will to experiment, practice and pro-
perimentação Coreográfica – NEC – started in 1993
mote pertinent choreographic languages for every
with regular encounters within the artistic commu-
moment in time.
nity. It has been, since 1997, a non-profit associa-
www.companhiainstavel.pt
tion, directed by independent artists and researchers in the field of performing arts. It is dedicated to
the creation of new contexts for experimentation,
training and presentation, encouraging experimental and multidisciplinary artistic practices.
www.nec.co.pt
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Animação came to life in 2001, with the support of
58
R A DA R 3 6 0 º
A Radar 360ª Associação Cultural iniciou o seu percurso oficial em 2005. Nos seus precedentes havia
um coletivo, que apesar de não estar formalizado,
RE SIDÊNCIAS
D E C U RTA DU R A Ç Ã O
⁄
SH O RT T E R M R E S I D E N C I E S
No âmbito do projeto “Brother”, uma coprodução
começou a trabalhar e a pesquisar sobre as áreas de
do Teatro Municipal do Porto, com estreia prevista
intervenção, que estão presentes atualmente no seu
para o ano de 2017. • Part of the project “Brother”,
trabalho. No domínio curricular, foram aprofundando os conhecimentos nas áreas artísticas das artes
de rua, circo e teatro físico, sob uma perspetiva de
formação contínua, ao nível nacional e internacio-
a coproduction with the Porto Municipal Theatre,
D E 1 5 FE V A 5 M A R
CR ISTI NA P L A NAS L E I TÃ O
CA M P O A L E G R E
nal. • RADAR 360º Associação Cultural had an of-
to debut in 2017.
D E 21 M A R A 11 D E A BR
E M A N U E L DE S O U SA ⁄ P O N TO TE AT RO
CA M P O A L E G R E
ficial start in 2005. In the years before that, it was
No âmbito do projeto “FM”, uma coprodução com o
an informal collective, which started working and
Teatro Municipal do Porto, com estreia a 1 de maio de
researching street performance, circus and physi-
2016, no Palco do Grande Auditório Manoel de Olivei-
cal theatre. Since then, they’ve been working and
ra do Teatro Rivoli, inserida no Festival DDD. • Part
No âmbito do projeto “GH”, uma coprodução do Teatro
training continuously in these areas, both nation-
of the “FM” project, a coproduction with the Porto
Municipal do Porto, com estreia a 15 e 16 de abril de
ally and internationally.
Municipal Theatre, performed on 1st May 2016, at
2016, no Palco do Auditório do Teatro Campo Alegre.
the Stage of Grande Auditório Manoel de Oliveira of
• Part of the project “GH”, a coproduction with the
the Rivoli Theatre, as part of Festival DDD.
Porto Municipal Theatre, to debut on 15 and 16 April
www.radar360.pt
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
D E 21 A 2 7 M A R & D E 2 A 9 A BR
M A RC O DA SI LVA F E RRE I R A
CA M P O A L E G R E
2016, at the Auditorium of the Campo Alegre Theatre.
T E AT RO E X PER IMEN TAL
DO PORTO ( T EP)
DE 7 A 15 MAR
JOA NA C R AVE I RO
R I VOL I
É a mais antiga companhia teatral portuguesa em
[ P Á G. 4 3 ]
D E 23 M A R A 1 3 A BR
RENATA PORTAS — PÚBLICO RESERVADO
R I VOL I
funcionamento, tendo estreado o primeiro espetá-
No âmbito do projeto “Viajantes Solitários”, uma
culo em 1953. Sob a direção artística de António
coprodução com o Teatro Municipal do Porto, com
Pedro (1953-1961), o TEP foi uma companhia per-
apresentações a 16, 17, 18 e 19 de março de 2016,
cursora do teatro moderno em Portugal. Em 1978 foi
na Rua da Madeira (São Bento). • Part of “Viajantes
No âmbito do projeto “O Jogo das Perguntas ou A
cofundador do FITEI. Em 1999, e após um incêndio
Solitários” (Lonely Travellers), a coproduction with
Viagem à Terra Sonora”, uma coprodução do Teatro
nas suas instalações, transferiu-se para Vila Nova de
the Porto Municipal Theatre, with performances on
Municipal do Porto, com estreia a 15 e 16 de abril de
Gaia, onde esteve até dezembro de 2014. Em 2012, a
16, 17, 18 and 19 March 2016, at Rua da Madei-
2016, no Palco do Grande Auditório Manoel de Olivei-
direção artística foi assumida por Gonçalo Amorim,
ra (São Bento).
ra do Teatro Rivoli. • Part of the project “O Jogo das
encenador residente desde 2010. • Teatro Experimental do Porto is the oldest Portuguese theatre
Perguntas ou A Viagem à Terra Sonora” (A Game
[ P Á G. 26 ]
company. Their first production was in 1953. Di-
production with the Porto Municipal Theatre, debu-
rected by António Pedro (1953-1961), TEP was a
leading company of modern theatre in Portugal. In
2012, Gonçalo Amorim assumed the artistic direction, being its resident stage director since 2010.
www.cct-tep.com
of Questions or Travelling to the Sound Land), a coting on 15 and 16 April 2016, at the Stage of Grande
DE 14 A 18 MAR
J O NATH A N SA L DA N H A
CA M P O A L E G R E
No âmbito do projeto “Eco da Víscera”, um filme de
Jonathan Saldanha com estreia prevista para o ano
de 2017. • Part of the project “Eco da Víscera” (Visceral Echoes), a film by Jonathan Saldanha which
is forecast to be released in 2017.
D E 1 4 A 31 M A R
A N DRÉ M E N DE S
CA M P O A L E G R E
No âmbito do projeto “Hector”, uma coprodução com
o Teatro Municipal do Porto, com estreia a 7 de maio
de 2016, no Auditório Municipal de Gaia, inserida no
Festival DDD. • Part of the project “Hector”, a coproduction with the Porto Municipal Theatre, with
a performance on 7 May 2016, at the Gaia Municipal Auditorium, as part of Festival DDD.
Auditório Manoel de Oliveira of the Rivoli Theatre.
[ P Á G. 4 4 ]
59
C OPRODUÇÕE S
AC OLHIMENTO S
DO T E AT RO M U N ICIPAL D O P ORTO E M C I RC U L A Ç Ã O
N O TE ATRO M U N I C I PA L DO P ORTO
I N TE RM I TÊ N C I AS
J OC L É C I O A Z E V E D O
12 & 13 MAR
QU I 21, S E X 22 & S Á B 23 A BR ⁄ 21 H 3 0
D. Q U I XOTE
C E N T RO D E DA N Ç A D O P O RTO
AU D I T ÓR I O • CA M P O A L E GRE
Festival Cumplicidades, Teatro da Trindade
(Lisboa, Portugal)
•
BA RBA A ZU L
T E AT RO D E M A R I ON ETA S D O P ORTO
UNIVERS O S PAR ALELO S
MAL A VOA DO R A
Sob a música de Minkus, D. Quixote e o seu fiel escudeiro servem de suporte narrativo a uma intriga
centrada nos amores de Kitri e Basílio, inspirada no
segundo volume da novela de Cervantes. Com grande
aparato e virtuosismo, o bailado “D. Quixote” intercala uma natureza estritamente realista e popular
19 MAR
de caráter espanhol, com um mundo de fantasia e de
Auditório Municipal de Cinfães
sonho. Encruzilhada de vários géneros, desde as dan-
De 26 FEV A 6 MAR
ças de carácter – fandangos, seguidilhas e boleros,
Teatro Nacional D. Maria II
1 & 2 ABR
juntam-se os ensembles, variações e Pas de Deux, pró-
(Lisboa, Portugal)
Teatro Municipal Joaquim Benite
prios da linguagem clássica e romântica. • With great
(Almada, Portugal)
fanfare and virtuosity, the “Don Quixote” dance in-
Teatro Virgínia
(Torres Novas, Portugal)
•
UMA G AIVOTA
CÁTIA PINHEI RO, JO SÉ NUNE S
& PEDRO ZE G RE P ENIM
De 4 a 13 MAR
São Luiz Teatro Municipal
(Lisboa, Portugal)
•
NOIT E
CIRC O L A NDO
•
tercalates the strictly realistic and popular Spanish approach with a world of fantasy and dreams.
FA LL
V I CTOR HU G O P ON T E S
16 ABR
Teatro Virgínia
(Torres Novas, Portugal)
•
GUA R DA M U N DO S
BRU N O M A RT I N S
QUA 2 7 & QU I 28 A BR
P LU G & P L AY
E SA P – E S C OL A S U P E R I OR A RTÍ STI CA
D O P ORTO
AU D I T ÓR I O I AC • R I VOLI
A conferência internacional PLUG & PLAY, organizada no âmbito do Curso de Design e Comunicação
Multimédia da Escola Superior Artística do Porto,
16 ABR
pretende contribuir para a afirmação do papel do
Auditório Municipal Augusto Cabrita
Design na cidade portuense. É um evento de entrada
(Barreiro, Portugal)
gratuita, realizado desde 2009, que tem como principal objectivo dar a conhecer o trabalho profissio-
DE 10 A 13 MAR
nal desenvolvido por designers nacionais e interna-
São Luiz Teatro Municipal
cionais. Para mais informação: www.facebook.com/
(Lisboa, Portugal)
eventoPLUGANDPLAY • It’s a free-entrance event,
performed since 2009, with the main purpose of
24 MAR
showcasing the professional work of national and
Teatro Académico Gil Vicente
international designers. For further information:
(Coimbra, Portugal)
26 MAR
Centro Cultural Vila Flor
Fotografias © José Caldeira
(Guimarães, Portugal)
www.facebook.com/eventoPLUGANDPLAY
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
11 & 12 MAR
INFORMAÇÕE S
60
BILHE TEIR A
RE SERVAS
C OMO CHEG AR
Espetáculos Internacionais no Grande Auditório
Os bilhetes reservados deverão ser
TE ATRO RI VO L I
MO Rivoli e Auditório Campo Alegre
obrigatoriamente levantados num período máximo
10,00 EUR
de cinco dias, após o qual serão automaticamente
Praça D. João I — 4000-295 Porto
cancelados. No caso de serem efetuadas reservas
nos cinco dias anteriores à iniciativa, estas
De carro
manter-se-ão até 72 horas antes da iniciativa.
Coordenadas GPS: Latitude 41° 08’ 51” N
Espetáculos Nacionais no Grande Auditório
Não se efetuam reservas nos três dias
Longitude 8° 36’ 34” O
MO Rivoli e Auditório Campo Alegre
(72 horas) que antecedem o espetáculo.
7,50 EUR
De comboio
Estação de São Bento
DE SC ONTO S
De metro
Trindade ou Aliados
Espetáculos no Auditório Isabel Alves Costa
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
do Rivoli e noutros espaços do Campo Alegre
5,00 EUR
50% • Cartão de Amigo, Bilhete de Grupo (min.
De autocarro
10 pessoas), Colaboradores da Câmara Municipal
200, 207, 302, 904, 22, 11M
e Empresas Municipais do Porto, Porto Card
Espetáculos do Programa Paralelo
40% • Professores e alunos da Universidade do
5,00 eur preço adulto;
Porto; Outras instituições e empresas protocoladas
TE ATRO CA M P O A L E GRE
Rua das Estrelas s/n — 4150-762 Porto
2,00 eur preço criança
(até aos 12 anos de idade);
30% • Menores de 30 anos, maiores de 65 anos,
2,00 eur por aluno, professores
portadores de Cartão Jovem, profissionais do
acompanhantes com entrada gratuita
espetáculo, desempregados e estudantes
(Grupos Escolares)
O programa Paralelo e as sessões de cinema não
O programa Paralelo não se encontra ao
Cinema
5,50 eur Medeia Filmes no Campo Alegre (sujeito
a descontos específicos)
Longitude 8° 38’ 21” O
se encontram ao abrigo destes descontos.
De comboio
abrigo dos descontos previstos.
3,00 eur Rivoli (preço único);
De carro
Coordenadas GPS: Latitude 41° 09’ 03” N
OUTR AS
INFORMAÇÕE S
Campanhã (e metro até Casa da Música)
De metro
Casa da Música
De autocarro
Teatro Rivoli
200, 204, 207, 209, 1M
Terça a Sexta 13h00 – 22h00
Todas as salas têm acesso e lugares disponíveis
Sábado e Domingo 14h30 – 22h00
para espetadores com mobilidade reduzida.
Em dias de espetáculo a bilheteira mantém-se
•
aberta até 30 mins. depois do início do mesmo.
Não é permitida a entrada nas salas após o início
Tel. 22 339 22 01
do espetáculo, salvo indicação em contrário
[email protected]
dos assistentes de sala. Em caso de atraso
e impossibilidade de entrada, o valor do bilhete
Teatro Campo Alegre
não será devolvido.
Seg a Dom 14h30 – 19h00
•
e 19h30 – 22h30
Espetáculos de entrada gratuita estão sujeitos
Tel. 22 606 30 00
à lotação do espaço e pode ser necessário o
[email protected]
levantamento prévio de bilhete.
Bilhetes também disponíveis em
Os menores de 3 anos podem assistir a espetáculos
•
www.tmporto.bol.pt
classificados “Para todos os públicos”
www.bilheteiraonline.pt
(Decreto-Lei 23/2014 de 14 de fevereiro).
•
A participação nos workshops é feita mediante
inscrição prévia, limitada à lotação definida.
Informações e pedidos de inscrição através de
[email protected]
•
A informação presente nesta agenda poderá
ser alterada por motivos imprevistos.
EQUIPA
C Â MA R A
MUNIC IPA L
DO PORTO
T E AT RO
M U N ICIPAL
D O P ORTO
Presidente
Rui Moreira
DIREÇ Ã O
PELOURO DA
C ULTUR A
Direção
e Programação Geral
Tiago Guedes
Adjunto
Guilherme Blanc
Chefe de Divisão de
Equipamentos Cénicos
Stela Rato
Diretora Municipal
Mónica Guerreiro
Assistente de Direção
Francisco Malheiro
Diretora
de Departamento
Sofia Alves
P RO G R A MA ÇÃ O
Comunicação
Patrícia Campos
João Gesta
(Quintas de Leitura)
P RO DUÇÃ O
Cristina Oliveira e
Ricardo Freitas*
(Coordenação)
Carla Moreira*,
Patrícia Vaz,
Paulo Covas*
T ÉC N I CA
Bruno Malveira*,
José Reis*
F RENT E DE CA SA
E REL . P ÚB L ICA S
Vânia Ferreira
Direção de Cena e
Produção Técnica
Luísa Osório*,
Vanessa Santos*
Som
Luís Carlos Pereira,
Ricardo Cabral*,
Tiago Pinto*
Vitória Sousa,
Marta Silva,
Ana Viegas,
Emília Sousa,
Ana Margarida Pinto
APOIOS
PA R C E R I A S
Luz
Diogo Barbedo,
Luis Silva*,
Romeu Guimarães*
Maquinaria
António Silva*,
João Queirós*,
Paulo Pereira
Audiovisuais
Luís Miguel Sousa
MA NU T E N Ç Ã O
João Bastos
(Coordenação)
Francisco Choupina
DMSI / Paulo Moreira
B IL H ET E I R A
Armanda Rodrigues,
Carlos Ribeiro,
Maria da Glória Ribeiro,
Paulo Vasconcelos
DE S I G N
White Studio
A P O IO
A DMINIST R AT IVO
M E D I A PA R T N E R S
Jorge Soares,
Marco Silva,
Patrícia Gilvaia*
(Coordenação)
A P O IO IN FOR M Á T I C O
A S SE S S O RIA
DE IMP RENSA
E DIVULG A Ç Ã O
61
SE G U R A N Ç A
Polícia Municipal
do Porto
Securitas
L IM P E Z A
Iberlim
*Teatro do Bolhão
R E DE DE P RO GR A M A ÇÃ O
A rede 5 Sentidos foi criada em 2009, no âmbito do QREN
2007-2013, com o intuito de promover a programação cultural
e a produção artística em rede. Atualmente composta por onze
equipamentos culturais do país, a 5 Sentidos procura apoiar
e dinamizar o desenvolvimento das artes performativas em
Portugal organizando digressões de espetáculos e apoiando
a produção de novas criações através de cofinanciamentos,
coproduções e residências. A estratégia da rede 5 Sentidos –
assente na troca de saberes, processos e experiências de trabalho – visa fortalecer o desempenho dos parceiros, dinamizar
a criação artística e alargar os públicos. Os equipamentos que
integram esta rede de programação cultural são: Teatro Municipal do Porto Rivoli Campo Alegre (Porto), Teatro Viriato
(Viseu), Centro Cultural Vila Flor (Guimarães), Centro de
Artes de Ovar (Ovar), O Espaço do Tempo (Montemor-o-Novo), Teatro Académico Gil Vicente (Coimbra), Maria Matos
Teatro Municipal (Lisboa), Teatro Micaelense (Ponta Delgada), Teatro Municipal da Guarda, Teatro Nacional São João
(Porto) e Teatro Virgínia (Torres Novas).
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
Produção
Pedro Oliveira
Programa Paralelo
Dina Lopes*
(Coordenação),
Rute Pimenta
APOIO S E
PARCERIAS
AS SINATUR AS
62
25
B I L H E TE I R AS
Teatro Rivoli
Ter a Sex 13h00 – 22h00
Sáb e Dom 14h30 – 22h00
Tel. 22 339 22 00
[email protected]
[email protected]
Teatro Campo Alegre
Seg a Dom 14h30 – 19h00
e 19h30 – 22h30
Tel. 22 606 30 00
[email protected]
[email protected]
EURO S
AS SI NATU R A
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
O RIVOLI DANÇA !
5 E SP E TÁ C U LO S DE DA N Ç A
+ 50% de desconto na programação em vigor
Assista a 5 espetáculos de dança, à sua escolha, da temporada de janeiro a julho de 2016 com a assinatura “O Rivoli Dança!”.
Adquira já esta assinatura nas bilheteiras do Teatro Municipal do Porto e escolha os espetáculos da sua preferência!
Para qualquer outro espetáculo da programação em vigor, os portadores desta assinatura beneficiam de 50% de desconto.
Esta assinatura deve ser guardada até ao final desta temporada de programação.
Os descontos não se aplicam às atividades do programa PARALELO e Cinema.
CARTÃO RIVOLI ALEGRE
Como aderir?
O Cartão Rivoli Alegre é oferecido na compra simultânea de 3 bilhetes
para espetáculos distintos.
O desconto deste cartão de amigo é aplicável a apenas
um bilhete por espetáculo. Tem a validade de um ano.
Quais os benefícios?
Desconto de 50% na aquisição de bilhete para todos os espetáculos;
Convites para ensaios abertos;
Convites para conversas com o Diretor do Teatro Municipal do Porto (marcação prévia)
CALENDÁRIO MARÇO ⁄ ABRIL
63
CA L E N DA R M A RC H ⁄ A P RI L
MA R Ç O ⁄ M A RC H
HOR A
E SP ET Á C ULO
D I S C I P L I NA
E S PA Ç O
PÁG.
ter 1
Vários Horários
Fantasporto
Cinema
Rivoli • Auditórios
8
qua 2
Vários Horários
Fantasporto
Cinema
Rivoli • Auditórios
8
qui 3
Vários Horários
Fantasporto
Cinema
Rivoli • Auditórios
8
sex 4
Vários Horários
Fantasporto
Cinema
Rivoli • Auditórios
8
11h00
Encontro com Amir Reza Koohestani (IR)
Encontro
ESMAE • Teatro Helena Sá e Costa
11
21h30
ESCANDALOSOS DESEJOS DE UM MIL FOLHAS + SPEECHES
⁄ MARIANA AMORIM (PALCOS INSTÁVEIS)
Dança
Campo Alegre • Café-Teatro
9
Vários Horários
Fantasporto
Cinema
Rivoli • Auditórios
8
21h30
IVANOV ⁄ AMIR REZA KOOHESTANI (IR)
Teatro
Campo Alegre • Auditório
10 - 11
19h00 - 21h00
Introdução ao Macho Dancing ⁄ Eisa Jocson (PH)
Workshop
Rivoli • Sala de Ensaios
24
21h30
GNR + LOBO ⁄ PORTO BEST OF
Música
Rivoli • Grande Auditório MO
12 - 13
qui 10
21h30
TODA A GENTE ⁄ TEATRO EXPERIMENTAL DO PORTO
Teatro
Campo Alegre • Auditório
14 - 15
sex 11
9h30
A MONTANHA ⁄ ANTÓNIO JORGE GONÇALVES
Teatro
Campo Alegre • Sala-Estúdio
16
10h30
A MONTANHA ⁄ ANTÓNIO JORGE GONÇALVES
Teatro
Campo Alegre • Sala-Estúdio
16
15h00
A MONTANHA ⁄ ANTÓNIO JORGE GONÇALVES
Teatro
Campo Alegre • Sala-Estúdio
16
19h00
ДУМИ МОЇ ⁄ FRANÇOIS CHAIGNAUD (FR)
Dança
Rivoli • Café-Concerto
19
19h45
DEATH OF THE POLE DANCER ⁄ EISA JOCSON (PH)
Dança
Rivoli • Sub-Palco
20 - 21
21h30
ДУМИ МОЇ ⁄ FRANÇOIS CHAIGNAUD (FR)
Dança
Rivoli • Café-Concerto
19
21h30
TODA A GENTE ⁄ TEATRO EXPERIMENTAL DO PORTO
Teatro
Campo Alegre • Auditório
14 - 15
22h15
MACHO DANCER ⁄ EISA JOCSON (PH)
Dança
Rivoli • Palco do Grande Auditório MO
20 - 21
23h15
ДУМИ МОЇ ⁄ FRANÇOIS CHAIGNAUD (FR)
Dança
Rivoli • Café-Concerto
19
14h30
Stephen Dwoskin (EUA)
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
22
16h00
Voyeur? Espectador? ⁄ Gabriela Moita, Eisa Jocson, Óscar Felgueiras
Encontro
Rivoli • Café-Concerto
23
16h00
A MONTANHA ⁄ ANTÓNIO JORGE GONÇALVES
Teatro
Campo Alegre • Sala-Estúdio
16
17h00
Aquecimento Paralelo ⁄ Mara Andrade
Workshop
Rivoli • Sala de Ensaios
24
19h00
ДУМИ МОЇ ⁄ FRANÇOIS CHAIGNAUD (FR)
Dança
Rivoli • Café-Concerto
19
19h45
DEATH OF THE POLE DANCER ⁄ EISA JOCSON (PH)
Dança
Rivoli • Sub-Palco
20 - 21
sáb 5
qua 9
sáb 12
Estreias
Voyeur?
Ligação — Tema Pelouro da Cultura 2016
Grande Auditório MO · Rivoli [Grande Auditório Manoel de Oliveira Rivoli]
Auditório IAC · Rivoli [Auditório Isabel Alves Costa Rivoli]
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
DIA
64
MA R Ç O ⁄ M A RC H
DIA
HOR A
E SP ET Á C ULO
D I S C I P L I NA
E S PA Ç O
PÁG.
21h30
ДУМИ МОЇ ⁄ FRANÇOIS CHAIGNAUD (FR)
Dança
Rivoli • Café-Concerto
19
21h30
TODA A GENTE ⁄ TEATRO EXPERIMENTAL DO PORTO
Teatro
Campo Alegre • Auditório
14 - 15
22h15
MACHO DANCER ⁄ EISA JOCSON (PH)
Dança
Rivoli • Palco do Grande Auditório MO
20 - 21
23h15
ДУМИ МОЇ ⁄ FRANÇOIS CHAIGNAUD (FR)
Dança
Rivoli • Café-Concerto
19
dom 13
17h00
TODA A GENTE ⁄ TEATRO EXPERIMENTAL DO PORTO
Teatro
Campo Alegre • Auditório
14 - 15
ter 15
18h30
L’ombre des Femmes / Ver Primeiro Medeia Filmes
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
25
22h00
Posto Avançado do Projecto / Ver Primeiro Media Filmes
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
25
21h30
VIAJANTES SOLITÁRIOS ⁄ TEATRO DO VESTIDO
Teatro
São Bento • Rua da Madeira
26 - 27
21h30
TODA A GENTE ⁄ TEATRO EXPERIMENTAL DO PORTO
Teatro
Campo Alegre • Auditório
14 - 15
21h30
VIAJANTES SOLITÁRIOS ⁄ TEATRO DO VESTIDO
Teatro
São Bento • Rua da Madeira
26 - 27
21h30
TODA A GENTE ⁄ TEATRO EXPERIMENTAL DO PORTO
Teatro
Campo Alegre • Auditório
14 - 15
19h00
ONDE O FRIO SE DEMORA ⁄ LUÍSA PINTO
Teatro
Rivoli • Auditório IAC
28
21h30
VIAJANTES SOLITÁRIOS ⁄ TEATRO DO VESTIDO
Teatro
São Bento • Rua da Madeira
26 - 27
21h30
TODA A GENTE ⁄ TEATRO EXPERIMENTAL DO PORTO
Teatro
Campo Alegre • Auditório
14 - 15
17h00
ONDE O FRIO SE DEMORA ⁄ LUÍSA PINTO
Teatro
Rivoli • Auditório IAC
28
19h00
VIAJANTES SOLITÁRIOS ⁄ TEATRO DO VESTIDO
Teatro
São Bento • Rua da Madeira
26 - 27
21h30
TODA A GENTE ⁄ TEATRO EXPERIMENTAL DO PORTO
Teatro
Campo Alegre • Auditório
14 - 15
22h00
LORENZO SENNI (IT) ⁄ UNDERSTAGE
Música
Rivoli • Sub-Palco
29
19h00
TEATRO EXPANDIDO! ⁄ LANÇAMENTO
Literatura
Rivoli • Café-Concerto
30
22h00
O Amante ⁄ João Sousa Cardoso
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
31
qui 24
21h30
DINAMITE ⁄ CONCERTO DE HOMENAGEM À DINA
Música
Rivoli • Grande Auditório MO
32
sáb 26
17h00
NOVOS TALENTOS ⁄ GONÇALO LÉLIS
Música
Rivoli • Café-Concerto
33
ter 29
22h00
Ciclo Agnès Varda
Cinema
Rivoli • Grande Auditório MO
34
qua 30
18h30
Ciclo Agnès Varda
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
34
21h30
Ciclo Agnès Varda
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
34
18h30
Ciclo Agnès Varda
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
34
21h30
Ciclo Agnès Varda
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
34
22h00
QUINTAS DE LEITURA / VÁRIOS ARTISTAS
Literatura
Campo Alegre • Auditório
35
qua 16
qui 17
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
sex 18
sáb 19
ter 22
qui 31
65
ABRIL ⁄ APRIL
HOR A
E SP ET Á C ULO
D I S C I P L I NA
E S PA Ç O
PÁG.
sex 1
18h30
Ciclo Agnès Varda
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
34
21h30
SEM LEGENDAS ⁄ JOANA PROVIDÊNCIA
& LUÍS MIGUEL CERQUEIRA
Dança ⁄ Teatro
Rivoli • Palco do Grande Auditório MO
36 - 37
19h00
SEM LEGENDAS ⁄ JOANA PROVIDÊNCIA
& LUÍS MIGUEL CERQUEIRA
Dança ⁄ Teatro
Rivoli • Palco do Grande Auditório MO
36 - 37
21h30
OS DILEMAS DIETÉTICOS DE UMA MATRIOSKA
DO MEIO ⁄ QUARTETO CONTRATEMPUS
Música / Ópera
Campo Alegre • Auditório
38 - 39
dom 3
17h00
OS DILEMAS DIETÉTICOS DE UMA MATRIOSKA
DO MEIO ⁄ QUARTETO CONTRATEMPUS
Música / Ópera
Campo Alegre • Auditório
38 - 39
qua 6
17h00
Encontro com Gilles Jobin (CH)
Encontro
Faculdade de Ciências da UP • Auditório do
Departamento de Física e Astronomia
41
sex 8
21h30
QUANTUM ⁄ GILLES JOBIN (CH)
Dança
Rivoli • Grande Auditório MO
40 - 41
sáb 9
22h00
TEETH OF THE SEA (UK) ⁄ UNDERSTAGE
Música
Rivoli • Sub-Palco
42
sex 15
21h30
O JOGO DAS PERGUNTAS... ⁄ RENATA PORTAS
— PÚBLICO RESERVADO
Teatro
Rivoli • Palco do Grande Auditório MO
44 - 45
21h30
GH ⁄ EMANUEL DE SOUSA — PONTO TEATRO
Teatro
Campo Alegre • Palco do Auditório
43
17h00
NOVOS TALENTOS ⁄ DANIEL CUNHA
Música
Rivoli • Café-Concerto
46
19h00
O JOGO DAS PERGUNTAS... ⁄ RENATA PORTAS
— PÚBLICO RESERVADO
Teatro
Rivoli • Palco do Grande Auditório MO
44 - 45
21h30
GH ⁄ EMANUEL DE SOUSA — PONTO TEATRO
Teatro
Campo Alegre • Palco do Auditório
43
dom 17
21h30
IT ME + UN TÈKNE ⁄ MARIA DE MELO FALCÃO + XANA NOVAIS
(PALCOS INSTÁVEIS)
Dança
Campo Alegre • Sala-Estúdio
47
ter 19
18h30
O Tesouro ⁄ Ver Primeiro Medeia Filmes
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
48
22h00
Uma Nova Amiga ⁄ Ver Primeiro Medeia Filmes
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
48
qui 21
vários horários
Festa do Cinema Italiano
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
48
sex 22
vários horários
Festa do Cinema Italiano
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
48
sáb 23
vários horários
Festa do Cinema Italiano
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
48
dom 24
vários horários
Festa do Cinema Italiano
Cinema
Rivoli • Auditório IAC
48
qui 28
19h00-21h00
Masterclass ⁄ Ambra Senatore (IT)
Masterclass
Rivoli • Sala de Ensaios
55
22h00
QUINTAS DE LEITURA ⁄ VÁRIOS ARTISTAS
Literatura
Campo Alegre • Auditório
51
11h00 - 13h00
Masterclass ⁄ Aimar Pérez Galí (ES)
Masterclass
Gaia • Armazém 22
53
18h30
SUDANDO EL DISCURSO: UNA CRITICA ENCUERPADA
⁄ AIMAR PÉREZ GALÍ (ES)
Dança
Rivoli • Sala de Ensaios
52 - 53
19h00
Aquecimento Paralelo ⁄ Elisabeth Lambeck
Workshop
Rivoli • Sala de Ensaios
55
21h30
ARINGA ROSSA ⁄ AMBRA SENATORE (IT)
Dança
Rivoli • Grande Auditório MO
54 - 55
sáb 2
sáb 16
sáb 30
Estreias
Voyeur?
Ligação — Tema Pelouro da Cultura 2016
Grande Auditório MO · Rivoli [Grande Auditório Manoel de Oliveira Rivoli]
Auditório IAC · Rivoli [Auditório Isabel Alves Costa Rivoli]
Festival DDD — Dias da Dança
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
DIA
TE ATRO MUNICIPAL DO PORTO • RIVOLI • CAMPO ALEGRE • MARÇO ⁄ ABRIL 2016
66
W W W. TE ATROMUNICIPALDOPORTO.PT
Teatro Municipal Rivoli • Praça D. João I, 4000 - 295 Porto • t. +351 22 339 22 00
Teatro Municipal Campo Alegre • Rua das Estrelas, 4150 - 762 Porto • t. +351 22 606 30 00
[email protected][email protected]
Fotografia QUANTUM ⁄ Gilles Jobin (CH) © Gregory Batardon

Documentos relacionados

Agenda Jan - Jul 2016 - Teatro Municipal do Porto

Agenda Jan - Jul 2016 - Teatro Municipal do Porto open field for people and multiple discussions. Open to the idea that stages are also places of self-knowledge, knowledge of others and everything that surrounds us. A theatre connected to life. A ...

Leia mais