Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012

Сomentários

Transcrição

Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Associações de Marca filiadas à Fenabrave
AUTOS E COMERCIAIS LEVES
ABBM – Assoc. Bras. dos Concessionários BMW
ABCN – Assoc. Bras. dos Concessionários Nissan
ABRAC – Assoc. Bras. dos Concessionários Chevrolet
ABRACAF – Assoc. Bras. dos Concessionários de Automóveis Fiat
ABRACAM - Assoc. Bras. de Distribuidores de Automóveis Mercedes-Benz
ABRACIT – Assoc. Bras. dos Concessionários Citroen
ABRACOP - Assoc. Bras. dos Concessionários Peugeot
ABRADIF – Assoc. Bras. dos Distribuidores Ford Autos e Caminhões
ABRADIT – Assoc. Bras. dos Distribuidores Toyota
ABRAHINDRA - Assoc. Bras. dos Concessionários Mahindra
ABRAHY – Assoc. Bras. dos Concessionários Hyundai
ABRALAND – Assoc. Bras. dos Conc. Land Rover
ABRARE – Assoc. Bras. dos Concessionários Renault
ABRAV – Assoc. Bras. dos Revendedores de Automóveis Volvo
ABRAZUKI – Assoc. Bras. dos Conc. Suzuki Automóveis
ACJ – Assoc. dos Concessionários Jac Motors
ASSOAUDI – Assoc. Bras. dos Distribuidores Audi
ASSOBRAV – Assoc. Bras. Dos Distribuidores Volkswagen
ASSOCHERY – Assoc. Bras. dos Distribuidores Chery
ASSOCN – Assoc. Bras. Dos Concessionários CN Auto
ASSOKIA – Assoc. Bras. dos Distribuidores Kia Motors
ASSOMIT – Assoc. Bras. dos Concessionários Mitsubishi
ASSOYONG – Assoc. Bras. De Concessionários Ssangyong
AUTOHONDA – Assoc. Bras. de Conc. Honda de Veícs. Aut. Nac. e Importados
CAMINHÕES
ABRADA - Assoc. Bras. dos Distribuidores Agrale
ABRADIF - Assoc. Bras. dos Distribuidores Ford Autos e Caminhões
ABRAVO – Assoc. Bras. dos Distribuidores Volvo
ACAV – Assoc. Bras. dos Concessionários Man Latin America - Caminhões
ANCIVE – Assoc. Bras. dos Concessionários Iveco
ASSOBENS - Assoc. Nac. dos Concessionários Mercedes-Benz
ASSOBRASC – Assoc. Bras. dos Concessionários Scania
ASSOINTER – Assoc. Bras. De Distribuidores International
IMPLEMENTOS RODOVIÁRIOS
ABRADIGUE – Assoc. Bras. dos Distribuidores Guerra
ABRADIR – Assoc. Bras. de Distribuidores Randon
ABRALIB – Assoc. Bras. de Distribuidores Librelato
ABRANOMA – Assoc. Bras. dos Representantes Noma
MÁQUINAS AGRÍCOLAS
ABRACASE – Assoc. Bras. dos Distribuidores Case Ih do Brasil
ABRADA – Assoc. Bras. dos Distribuidores Agrale
ABRAFORTE – Assoc. Bras. dos Distribuidores New Holland
ASSODEERE – Assoc. Bras. dos Distribuidores John Deere
ASSOMAR – Assoc. Bras. dos Concessionários Agritech
ASSOREVAL – Assoc. Bras. dos Distribuidores Autorizados Valtra
UNIMASSEY – Assoc. Nac. dos Distribuidores Massey Ferguson
MOTOCICLETAS
ABBM – Assoc. Bras. dos Concessionários BMW
ABRACY – Assoc. Bras. de Concessionários Yamaha
ABRAKAS - Assoc. Bras. dos Concessionários Kasinski
ASSODAFRA – Assoc. Bras. dos Concessionários Dafra
ASSOHONDA – Assoc. Bras. de Distribuidores Honda
ASSOKAWA - Assoc. Bras. dos Concessionários Kawasaki
ASSUZUKI – Assoc. Bras. dos Concessionários de Motocicletas Suzuki
FENABRAVE
2
Considerações Gerais
Setor da Distribuição
Os números do primeiro semestre de 2012 foram bastante fracos em relação ao comportamento do mercado nos anos
anteriores. O setor como um todo apresentou queda de 3,1% totalizando uma comercialização de 2.663 milhões unidades,
contra 2.748 milhões unidades em igual período de 2011. Estes números serão revertidos ao longo do segundo semestre no
que se refere a comercialização de automóveis e comerciais leves, em função da redução do IPI adotada a partir de maio e do
retorno do crédito. O volume negociado de automóveis e comerciais leves foi de 1,6 milhões de unidades com queda de
apenas 0,3%. O segmento de caminhões apresentou desempenho negativo de -16,0% com a comercialização de 69,5 mil
unidades. O segmento ônibus comercializou 14,7 mil unidades, o que representou uma queda de 10,2% no período. O
segmento de motos também foi afetado com queda de 7,6% (848,6 mil unidades). Máquinas agrícolas foi o único segmento
que apresentou resultado positivo, em função do fraco desempenho do ano passado. Finalmente, no segmento de
implementos rodoviários tivemos uma queda de 13,4% com vendas somando 25,2 mil unidades.
Crescimento da quantidade comercializada em %
1º s emes tre
Automóveis e
Comerciais Leves
Total
Máquinas
Agrícolas
Caminhões
Ônibus
Motos
Implementos
2011/2010
10,2
9,5
-7,7
17,0
23,6
10,5
8,6
2012/2011
-3,1
-0,3
6,6
-16,0
-10,2
-7,6
-13,4
Automóveis
O segmento de automóveis apresentou queda de 0,14% no primeiro semestre, resultado bastante inferior às expectativas do
início do ano. Grande parte deste resultado decorre da diminuição da oferta de crédito por parte do sistema financeiro , em
função do elevado grau de inadimplência. Para contornar este problema e preocupado com o desempenho da indústria o
Governo Federal reduziu, a partir de 21 de maio, o IPI para automóveis e colocou os bancos estatais para aumentarem a oferta
de crédito no mercado, no que foram seguidos pelos bancos privados. Como resultado, os dados de agosto foram recordes e
projetam um crescimento forte para o ano. A redução da taxa Selic com forte diminuição dos juros reais também contribui para
o melhor desempenho das vendas.
Comerciais Leves
Neste segmento a queda de vendas foi de praticamente 2%, mas ainda assim a sua participação de mercado cresceu um
pouco atingindo 13,6% do total (13,4% em igual período de 2011). Mesmo não representando o maior percentual de vendas, a
queda na comercialização dos importados refletiu de maneira negativa no mercado.
Caminhões
As vendas de caminhões, como esperado no final do ano, foram bastante fracas. A antecipação de compras de 2011 irá se
refletir ao longo do ano e o segmento deve fechar no vermelho em 2012, se recompondo no próximo ano. A mudança de Euro
3 para Euro 5 foi a principal causa deste comportamento de mercado. O Governo Federal também está incentivando este
mercado com a redução da taxa de financiamento do BNDES para 2,5%, ou seja, taxa de juros reais negativas. Ainda assim, a
queda nos investimentos e no desempenho econômico como um todo não deve contribuir para melhora de venda de
caminhões ao longo do segundo semestre.
Ônibus
O segmento de ônibus também apresentou retração. A comercialização caiu para 14,7 mil unidades (-10,2%), também como
sinal de acomodação em função do forte crescimento de vendas em 2011.
Motocicletas
No segmento de motos, o corte de crédito foi mortal. Como o nosso mercado comercializa, na sua maioria, motos de até 150
cilindradas e para consumidores de renda mais baixa, a inadimplência fez com que o fechamento de crédito para este mercado
fosse forte e, como consequência, as vendas caíram 7,6% no primeiro semestre, e devem seguir caindo até o final do ano se
nenhuma medida específica para o segmento for adotada.
Implementos Rodoviários
O segmento de implementos rodoviários também apresentou retração no período com queda de vendas de 13,4%. A quebra
da safra de verão em função da seca na região sul, somada ao fraco desempenho de setores importantes para a venda de
Implementos, como construção civil, mineração, importações, etc, contribuíram e deverão contribuir para um desempenho fraco
do segmento no ano de 2012. Os incentivos para caminhões também se aplicam ao segmento.
FENABRAVE
3
Automóveis
Evolução dos Emplacamentos Mensais 10 Semestre – 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012
Fonte:
DENATRAN
Os emplacamentos no setor de automóveis apresentou pequeno crescimento no primeiro semestre de 2012.
Comparando com os primeiros seis meses de 2011, o segmento cresceu 0,02%.
Participação Mensal dos Emplacamentos no 10 Semestre 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012
Fonte:
DENATRAN
No 1º semestre de 2012, a participação de mercado mensal se manteve estável, entre 14% e 18%, com exceção
do mês de junho que registrou a participação de 21,5%
FENABRAVE
4
Automóveis
Série Histórica dos Emplacamentos Mês a Mês – 1997 ao 10 Semestre 2012
4
8
1.
2
7
7
´
Fonte:
DENATRAN
Mesmo respeitando a sazonalidade de vendas, mais fracas no primeiro semestre, o desempenho do segmento foi
o melhor da história, registrando a marca de 1,274 milhão de unidades, frente a 2011.
FENABRAVE
5
Automóveis
Evolução dos Automóveis – Bicombustível - Por Montadora - 10 Semestre 2012
No primeiro semestre de 2012, a Fiat manteve a liderança do segmento de biocombustível, comercializando 285.220 unidades,
seguida pela VW, com 278.502 unidades e GM com 243.593 unidades.
FENABRAVE
6
Automóveis
Participação e Volume dos Emplacamentos por Marca no 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
FENABRAVE
Fonte:
DENATR AN
7
Automóveis
Participação e Volume dos Emplacamentos por Marca no 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
A liderança, no primeiro semestre de 2012, foi conquistada pela FIAT, com 288.070 unidades, representando 22,61% do
mercado. A marca liderou em todos os meses, com exceção de abril. A VW ficou 0,32 pontos percentuais abaixo da FIAT, com
22,29% do total. A GM ocupou a terceira posição, com 19,18% (atrás da VW 3,11 pontos porcentuais). A FORD manteve o
quarto lugar com participação de 9,80%. A RENAULT registrou 6,78% de participação, enquanto a NISSAN, 3,98% e a
HONDA, 3,78%. Já a PEUGEOT alcançou 2,31%, a CITROEN, 2,16% e a TOYOTA, 2,06%.
FENABRAVE
8
Automóveis
Participação dos Emplacamentos por subsegmento em 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
9
Automóveis
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
10
Automóveis
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
11
Automóveis
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
12
Automóveis
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
13
Automóveis
Frota Circulante, 1º semestre 2012
A frota está concentrada, principalmente, nas regiões Sudeste (56% do total) e Sul (21%). A idade média do
segmento está em 13,4 anos. O crescimento da frota em relação a junho de 2011 foi de 8,7%.
FENABRAVE
14
Usados
Automóveis
Proporção entre Vendas de Automóveis Usados e Emplacamentos
de Automóveis Novos / por Região Geográfica - 10 Semestre 2012
A proporção de veículos usados para veículos novos negociados é, na média, 2,8, mantendo-se igual a 2010. A
região Sul é a que apresenta maior proporção de usados negociados sobre novos: 3,5.
Percentual do Volume de Usados Negociados por Idade - 10 Semestre 2012
O gráfico reflete a negociação de automóveis usados considerando a sua idade. Observa-se que o volume de
negociações dos automóveis de até 10 anos corresponde a 57,82% do mercado. De até 5 anos é de apenas
29,3%, indicando como o grande volume de comercialização é de carros mais velhos.
FENABRAVE
15
Comerciais Leves
Evolução dos Emplacamentos Mensais 10 Semestre – 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012
Fonte:
DENATRAN
O primeiro semestre de 2012 registrou queda de 1,65%, somando 358.166 unidades, invertendo a curva
ascendente de crescimento que vinha sendo registrada no setor. Uma das razões para esta desaceleração está
associada ao aumento do imposto para importados.
Participação Mensal dos Emplacamentos nos 10 Semestres 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e
2012
Fonte:
DENATRAN
Na distribuição das vendas, mês a mês, neste segmento, houve pouca variação, valendo salientar os meses de
maio e junho onde superaram a casa dos 18%.
FENABRAVE
16
Comerciais Leves
Série Histórica dos Emplacamentos Mês a Mês – 1997 ao 10 Semestre 2012
´
Fonte:
DENATRAN
O primeiro semestre de 2012 registrou um pequeno declínio nos emplacamentos. Este movimento poderá ser
revertido ao longo do ano em função dos incentivos dados pelo Governo.
Evolução dos Comerciais Leves – Bicombustível – por Montadora – 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
17
Comerciais Leves
Evolução dos Comerciais Leves – Bicombustível – por Montadora – 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATRAN
Observando o gráfico acima, a liderança de Comerciais Leves bicombustíveis permanece com a FIAT, registrando
emplacamentos de 62.079 unidades e participação de 31,26%.
FENABRAVE
18
Comerciais Leves
Participação e Volume dos Emplacamentos por Marca no 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
FENABRAVE
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
19
Comerciais Leves
Participação e Volume dos Emplacamentos por Marca no 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
A FIAT liderou o segmento de comerciais leves durante todos os seis primeiros meses de 2012, com participação
de 20,57% no período, com 73.667 unidades emplacadas. Em seguida, a VW obteve uma participação de 14,63%,
com 52.389 unidades. A diferença entre as duas montadoras foi de 5,94%. A GM, com 46.093 unidades
emplacadas e com participação de 12,87%, ocupou a terceira posição, seguida pela FORD, com 29.771 unidades
e participação de 8,31%. A RENAULTI apresentou participação de 6,74% no período. A marca MITSUBISHI, com
23.847 unidades emplacadas, ficou com 6,66% do mercado. Na sequência, aparecem a HYUNDAI, com 5,77%;
TOYOTA, com 5,23%; KIA, com 3,27% e Honda, com 2,63% de participação.
FENABRAVE
20
Comerciais Leves
Participação dos Emplacamentos por subsegmento em 2012
Fonte:
DENATRAN
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
21
Comerciais Leves
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
22
Comerciais Leves
Frota Circulante
A maior concentração da frota está na região Sudeste, seguida pela região Sul. A idade média deste segmento é
de 11,6 anos (ligeiramente inferior aos 11,9 anos do mesmo período de 2011). Mesmo com um desempenho mais
fraco neste primeiro semestre do ano, a frota de comerciais leves apresentou crescimento de 13,3%.
Usados
Comerciais Leves
Proporção entre Vendas de Comerciais Leves Usados e Emplacamentos
de Comerciais Leves Novos / por Região Geográfica - 10 Semestre 2012
No caso dos comerciais leves, a proporção entre usados e novos é de 1,9 no Brasil, 0,1 menos que 2011. A
exemplo dos automóveis, a Região Sul é a que apresenta maior proporção relativa de usados, com 2,3 para cada
novo.
FENABRAVE
23
Usados
Comerciais Leves
Percentual do Volume de Usados Negociados por Idade - 10 Semestre 2012
Também neste segmento podemos observar que a maioria das unidades comercializadas são de carros com mais
de 5 anos, portanto já considerados velhos. Para os veículos de até 5 anos, foram comercializados menos de 40%
do total.
FENABRAVE
24
Caminhões
Evolução dos Emplacamentos Mensais 10 Semestre – 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012
Fonte:
DENATRAN
Os caminhões registraram queda de 16,04% comparando o primeiro semestre de 2012 com o de 2011. Foram
emplacadas 69.535 unidades, ante 82.823, respectivamente.
Participação Mensal dos Emplacamentos no 10 Semestre 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e
2012
Fonte:
DENATRAN
O bom desempenho do mês de janeiro está associado a troca do Euro 3 pelo Euro 5. Os compradores
continuaram comprando do Euro 3 que estava em estoque, a um preço mais acessível que o novo modelo.
FENABRAVE
25
Caminhões
Série Histórica dos Emplacamentos Mês a Mês – 1997 a 10 Semestre 2012
´
Fonte:
DENATRAN
A forte queda do período, como afirmamos no gráfico anterior, está associada a troca de modelo e ao
desaquecimento da economia no primeiro semestre do ano. Os investimentos praticamente pararam.
FENABRAVE
26
Caminhões
Participação e Volume dos Emplacamentos por Marca no 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
De acordo com os gráficos acima, a VW foi líder do segmento com 31,49% de participação no primeiro semestre
de 2012, à frente em todos os meses do período. A MERCEDES-BENZ ocupou o segundo lugar, com participação
de 25,79%. Em terceiro lugar ficou a FORD, com 16,28% do mercado, seguida pela VOLVO, com 9,86%, IVECO,
com 7,78% e SCANIA, com 6,80%.
FENABRAVE
27
Caminhões
Participação dos Emplacamentos por subsegmento em 2012
Fonte:
DENATRAN
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
28
Caminhões
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
29
Caminhões
Frota Circulante
A idade média do segmento é de 16,6 anos, e os caminhões estão distribuídos, principalmente, nas regiões
Sudeste e Sul do país. O crescimento da frota entre junho de 2011 e junho de 2012 foi de 7,6%.
FENABRAVE
30
Usados
Caminhões
Proporção entre Vendas de Caminhões Usados e Emplacamentos
de Caminhões Novos / por Região Geográfica - 10 Semestre 2012
A proporção de caminhões negociados é de 2,3 usados para cada novo no Brasil. O destaque é a região Sul, com
2,9 usados para cada novo. No ano passado, o BRASIL registrou 2,0, e a região Sul, 2,3.
Usados
Caminhões
Percentual do Volume de Usados Negociados por Idade - 10 Semestre 2012
Os modelos com mais de 10 anos de uso correspondem a 66,36% do volume total negociado. O que chama a
atenção são os caminhões com até 5 anos representam apenas 11% do mercado.
FENABRAVE
31
Ônibus
Evolução dos Emplacamentos Mensais 10 Semestre – 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012
Fonte:
DENATRAN
Revertendo uma evolução positiva do setor, o primeiro semestre de 2012 apresentou queda de 9,63%.
Participação Mensal dos Emplacamentos no 10 Semestre 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e
2012
Fonte:
DENATRAN
O volume de vendas mês a mês apresentou pouca variação, com destaque para março, que obteve desempenho
superior.
FENABRAVE
32
Ônibus
Série Histórica dos Emplacamentos Mês a Mês – 1997 ao 10 Semestre 2012
´
Fonte:
DENATRAN
Também no mercado de ônibus o resultado do primeiro semestre foi muito fraco.
FENABRAVE
33
Ônibus
Participação e Volume dos Emplacamentos por Marca no 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
No segmento de ônibus, a M. BENZ liderou a comercialização no primeiro semestre, mantendo a primeira posição
em todos os meses. A montadora atingiu participação de 44,67%, emplacando 6.670 unidades no período. A VW,
segunda colocada, com 3.783 unidades, ficou com 25,33% de participação. A MARCOPOLO emplacou 1.775
ônibus, equivalente a 11,89% e, a VOLVO, fechou o semestre representando 6,34% do mercado. A IVECO ficou
com 4,15% e a SCANIA, 3,74%.
FENABRAVE
34
Ônibus
Frota Circulante
Em 2012, a idade média da frota de ônibus foi de 14,8 anos (2011 = 14,7). A exemplo dos outros segmentos, a
maior concentração de ônibus encontra-se na região Sudeste. A frota de ônibus evoluiu 7,5% nos últimos 12
meses.
Usados
Ônibus
Proporção entre Vendas de Ônibus Usados e Emplacamentos
de Ônibus Novos / por Região Geográfica - 10 Semestre 2012
A proporção de ônibus negociados, na média, é de 1,6, usados para cada novo. Em 2011, essa proporção era de
1,4 usado.
FENABRAVE
35
Usados
Ônibus
Percentual do Volume de Usados Negociados por Idade - 10 Semestre 2012
As vendas de ônibus usados estão concentradas em modelos com mais de 10 anos, correspondendo a
66,60%.Também aqui, temos ideia de como nossos ônibus são antigos. Menos de 10% da frota negociada tem
menos de 5 anos.
FENABRAVE
36
Motocicletas
Evolução dos Emplacamentos Mensais 10 Semestre – 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012
Fonte:
DENATRAN
No primeiro semestre de 2012, o desempenho de vendas de motocicletas reverteu o
crescimento registrado nos últimos anos tendo uma queda de 7,58%.
.
Participação Mensal dos Emplacamentos no 10 Semestre 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e
2012
Fonte:
DENATRAN
A distribuição das vendas de motocicletas, ao longo do primeiro semestre, não apresentou grandes oscilações. A
ausência de crédito contribui para esta performance negativa.
FENABRAVE
37
Motocicletas
Série Histórica dos Emplacamentos Mês a Mês – 1997 a 10 Semestre 2012
´
Fonte:
DENATRAN
Pelo gráfico acima, nota-se queda nos níveis de emplacamentos no segmento de motocicletas.
FENABRAVE
38
Motocicletas
Participação e Volume dos Emplacamentos por Marca no 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
FENABRAVE
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
39
Motocicletas
Participação e Volume dos Emplacamentos por Marca no 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
A liderança da HONDA se manteve durante o primeiro semestre, registrando participação de 79,44%. A YAMAHA
vem em seguida, com participação 10,72% e 90.973 unidades emplacadas. A SUZUKI ocupa a terceira posição,
com 2,22%, à frente da DAFRA, com 2,05%. A KASINSKI apresentou no primeiro semestre participação de
1,51%. A SHINERAY emplacou 7.510 unidades e ficou com 0,88% do mercado. Em seguida, aparece a
KAWASAKI, com 4.684 unidades emplacadas e uma participação de 0,55%. A TRAXX registrou participação de
0,40% do mercado, com 3.384 unidades, seguida por BMW e H. DAVIDSON, com 0,40% e 0,38%,
respectivamente.
FENABRAVE
40
Motocicletas
Participação dos Emplacamentos por subsegmento em 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
41
Motocicletas
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
42
Motocicletas
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
43
Motocicletas
Evolução Percentual por subsegmento 2007 a 2012
Fonte:
DENATRAN
Fonte:
DENATRAN
FENABRAVE
44
Motocicletas
Frota Circulante
A idade média das motocicletas, no Brasil, é de 7,7 anos. A Região Sudeste possui a maior frota em circulação (
7,5 milhões de unidades), com idade média de 8,5 anos. A frota de motos no Brasil cresceu 11,9% nos últimos 12
meses.
FENABRAVE
45
Usados
Motocicletas
Proporção entre Vendas de Motocicletas Usadas e Emplacamentos
de Motocicletas Novas / por Região Geográfica - 10 Semestre 2012
A proporção de motocicletas negociadas, em média, no Brasil, é de 1,3 usada para cada nova.
Usados
Percentual do Volume de Usadas Negociadas por Idade - 10 Semestre 2012
As vendas de motocicletas usadas se concentram em modelos de até 6 anos de fabricação. Em outras palavras,
as motos negociadas no mercado de usados são mais novas que os demais veículos.
FENABRAVE
46
Máquinas Agrícolas
Evolução dos Emplacamentos Mensais 10 Semestre – 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012
Fonte:
DENATRAN
No primeiro semestre 2012, o setor de máquinas agrícolas cresceu 4,20%, vindo de uma queda de 23,32% no
mesmo período de 2011.
.
Participação Mensal das Vendas nos 10 Semestres - 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012
Fonte:
DENATRAN
Houve, a partir de março de 2012, maior concentração nos emplacamentos.
FENABRAVE
47
Máquinas Agrícolas
Série Histórica das Vendas Mês a Mês – 1997 ao 10 Semestre 2012
´
Fonte:
DENATRAN
As vendas de máquinas agrícolas apresentaram, ao longo do primeiro semestre de 2012, uma recuperação nos
emplacamentos.
FENABRAVE
48
Implementos Rodoviários
Evolução dos Emplacamentos Mensais 10 Semestre – 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012
Fonte:
DENATRAN
O segmento de implementos apresentou redução na comercialização de unidades no primeiro semestre de 2012,
mesmo com os incentivos do governo.
Participação Mensal dos Emplacamentos no 10 Semestre - 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 e
2012
Fonte:
DENATRAN
Nota-se uma maior concentração nos emplacamentos nos meses de março, abril e maio de 2012.
FENABRAVE
49
Implementos Rodoviários
Série Histórica das Vendas Mês a Mês – 1997 ao 10 Semestre 2012
´
Fonte:
DENATRAN
Observa-se nitidamente a recuperação desse segmento em 2012.
FENABRAVE
50
Implementos Rodoviários
Participação e Volume dos Emplacamentos por Marca no 10 Semestre 2012
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
Fonte:
DENATR AN
No segmento de implementos rodoviários, a RANDON ficou em primeiro lugar, com 7.533 unidades emplacadas e
29,89% de participação. Em seguida vem a GUERRA, com 3.319 unidades, refletindo participação de 13,17%. A
FACCHINI teve participação de 10,65%, com 2.684 unidades emplacadas, enquanto a LIBRELATO ficou com
participação de 9,81%, o que representa 2,471 unidades. Na sequência vem a NOMA, com 9,21% e RODOFORT,
com 2,60%.
FENABRAVE
51
Implementos Rodoviários
Frota Circulante
A idade média dos implementos no Brasil é de 8,7 anos. A Região Sudeste possui a maior frota em circulação
(251 mil unidades), com idade média de 8,9 anos.
FENABRAVE
52
Usados
Implementos Rodoviários
Proporção entre Vendas de Implementos Rodoviários Usados e Emplacamentos
de Implementos Rodoviários Novos / por Região Geográfica
10 Semestre 2012
A proporção de implementos negociados, em média no Brasil, é de 1,2 usado para cada novo.
Usados
Percentual do Volume de Usados Negociadas por Idade - 10 Semestre 2012
As vendas de implementos usados se concentram em modelos de até 9 anos de fabricação.
FENABRAVE
53
Crescimento do PIB - Oferta e Demanda
2012-2013
(% - Preços de Mercado)
PIB a precios de mercado
Oferta
Agropecuaria
Industria
Mineração
Transformação
Construção Civil
Serviços
Demanda
Consumo do Governo
Consumo das Familias
Formação Bruta de Capital
Exportação
Importação
2011
2012 P
2013 P
2.7
1.3
3.0
3.9
1.6
3.2
0.1
3.6
2.7
-0.6
-0.5
0.4
-3.3
2.7
2.2
2.5
2.5
2.5
1.5
5.0
3.4
1.9
4.1
4.7
4.5
9.7
2.6
3.0
-1.6
2.3
3.8
2.6
4.3
2.7
4.5
5.5
Fonte: IBGE. Elaboração e Projeção: MB Associados (31/08/12).
A economia brasileira teve resultado frustrante até o final do primeiro semestre de 2012 e a indicação até o final
do ano continua ruim, apesar de sinalização de melhora na margem. Devemos ver um crescimento mais baixo
ainda do que foi em 2011, com a indústria, do lado da oferta, e os investimentos, do lado da demanda, como
principais causas desse decréscimo. As causas desse resultado ruim são, primeiro, a falta de reformas
microeconômicas que gerem crescimento de longo prazo na economia. Desde 2004 não temos grandes reformas
que estimulam crescimento maior, como temos visto acontecer em países que seguiram fazendo reformas, como
Chile, Colômbia e Peru. Segundo, o consumidor perdeu fôlego em 2011 e 2012, especialmente no setor de
automóveis, com um excesso de endividamento que está sendo readequado ao longo de 2012. Por fim, a crise
internacional tem sua dose de culpa ao paralisar decisões de investimento e diminuir o ritmo de crescimento das
exportações. Desses fatores, apenas o consumidor deve estar mais equilibrado em 2013. As reformas seguem
paradas e a Europa provavelmente dará sustos no ano que vem. Por isso, devemos crescer, sim, em 2013, mais
do que em 2012, mas ainda é difícil esperar uma recuperação significativa.
FENABRAVE
54
Inflação (IPCA) em 2012
Cresc. acm 12 meses - %
IPCA
meta de inflação
8.0
6.0
5.3
5.4
4.5
4.0
2.0
Dec-07
Dec-09
Dec-11
Dec-13
Fonte: IBGE e Bacen. Elaboração: MB Associados.
A inflação segue acima da meta em 2012, o que tem sido ajudado pela desaceleração continua da economia
desde 2011. Mas se mantém acima da meta graças ao caráter inercial da inflação brasileira, os preços de
commodities em alta, especialmente na agricultura depois da crise americana (seca), mas também pela
expectativa que temos de elevação de preço da gasolina. O cenário negativo para a Petrobras torna necessária
essa elevação. Para 2013, a queda dos preços de energia pode trazer alívio temporário e levar o IPCA para casa
dos 5,4%.
FENABRAVE
55
Massa real de renda e ocupação
Crescimento acumulado em 12 meses em %
9
ocupados
Rendimento médio real
Massa real
6
3
0
ocupados
rendimento
massa
2010
3.5
3.8
7.4
2011
2.1
2.7
4.8
2012
1.5
3.7
5.2
2013
2.5
2.8
5.4
-3
Dec-06
Jun-08
Dec-09
Jun-11
Dec-12
Fonte: IBGE. Elaboração: MB Associados.
A massa real de renda segue crescendo bem, com expansão prevista acima de 5% em 2012 e 2013. No ano que
vem não devemos ter o crescimento visto no salário mínimo como neste ano, o que deve levar a uma
desaceleração temporária logo no começo de 2013, mas a tendência é de recuperação ao longo do período, o que
será essencial para manter a queda das taxas de inadimplência de pessoa física.
FENABRAVE
56
Comprometimento da renda das famílias com gastos com
aquisição de veículos (*)
Em estudo feito pela MB Associados identificamos o grau de comprometimento de renda da população brasileira
como crédito. Os dados estimados pela MB sinalizam números um pouco maiores do que os dados do BC, já que
os dados analisados do IBGE captam todo endividamento das famílias, mesmo os que não passam pelo sistema
financeiro. Mais ainda, identificamos que o comprometimento médio de compras de veículos é de 28,7% da renda
mensal. Se juntarmos os outros créditos pagos a cada mês temos um consumidor que desembolsa 53,7% por
mês com prestações, o que é um número elevado. Para as classes C e DE esses números são ainda maiores.
Isso explica, em parte, a elevação da inadimplência em veículos nos últimos dois anos. Excessivamente
endividadas, as famílias tiveram que começar a devolver seus veículos, especialmente as famílias de classe mais
baixa de renda. Esse movimento começa a se reverter, sinalizando que a maior parte do ajuste já deve ter sido
feito.
FENABRAVE
57
Inadimplência acima de 90 dias em relação ao total da modalidade
(%)
em %
Cheque especial
Crédito pessoal
Aquisição de veículos
16
Aquisição de outros bens
14.2
11.8
12
8
6.0
5.8
4
0
Jul-04
Jul-06
Jul-08
Jul-10
Jul-12
Fonte: Bacen. Elaboração: MB Associados. (*) Atraso acima de 90 dias.
FENABRAVE
58
Setor da Distribuição
As vendas do setor automotivo neste primeiro semestre apresentaram desempenho negativo. Os segmentos de
automóveis e comerciais leves vão retomar sua tendência de crescimento até o final do ano, mas os demais
segmentos seguirão apresentando resultados negativos. Como vimos anteriormente, o desempenho da economia
brasileira será melhor ao longo do segundo semestre, mas não o suficiente para uma recuperação plena que deverá
ocorrer no ano de 2013.
I.
Automóveis e Comerciais Leves
Os segmentos de automóveis e comerciais leves estão sendo beneficiados por vários fatores: i) isenção de
IPI, ii) queda de taxa de juros; iii) massa salarial ainda crescente, mesmo que velocidade menor; iv) retorno do
crédito. Por estas razões os resultados serão positivos no ano fechado.
II.
Ônibus
Depois de 5 anos de crescimento (menos no período da crise, em 2009), o mercado de ônibus apresentou
desempenho negativo no primeiro semestre do ano, que deverá permanecer até o final de 2012.
.
III.
Caminhões
O segmento de caminhões, cujo crescimento foi muito positivo nos últimos anos (média de quase 20% ao
ano), vai ter um ano de crescimento negativo em função da alteração na motorização (Euro 3 por Euro 5) e
pelo desaquecimento geral da economia. Setores que vinham sustentando este crescimento, como
mineração, construção civil e logística estão mais devagar em 2012. Mesmo com as linhas baratas do BNDES
(juros negativos) não há espaço para uma reversão neste cenário até o final do ano.
IV.
Implementos Rodoviários
O mercado de implementos rodoviários, a exemplo do mercado de caminhões, está sofrendo com a queda do
nível de atividade no Brasil, em especial os investimentos.
V.
Motocicletas
Este segmento do setor automotivo vai apresentar resultado negativo em 2012, em especial pela ausência de
crédito. A venda por meio de consócios se mantém, o que ajuda a dar alguma sustentação no mercado.
FENABRAVE
59
Conselho Diretor
Conselho Diretor – 2011 / 2014
Presidente do Conselho Deliberativo e Diretor – Flávio A. Meneghetti
Presidente Executivo – Alarico Assumpção Júnior
Vice-Presidente
Antonio Figueiredo Netto
Edson Luchini
Elias dos Santos Monteiro
José Alberto Gisondi
Mário Sérgio Moreira Franco
Maurício de Souza Queiroz
Paulo de Tarso Costabeber
Paulo Matias
Vice-Presidente Ad-doc
Glaucio José Geara
José Carneiro de Carvalho Neto
Octávio Leite Vallejo
Ricardo de Oliveira Lima
Membros Natos
Alencar Burti
Sérgio Antonio Reze
Waldemar Verdi Jr.
FENABRAVE
60
Administração Regional Fenabrave – 2011 / 2014
ADM. REG. FENABRAVE / AL - Paulo Patury Accioly
ADM. REG. FENABRAVE / AP - Otaciano Bento Pereira Júnior
ADM. REG. FENABRAVE / BA - Raimundo Valeriano Santana
ADM. REG. FENABRAVE / CE - Fernando Pontes
ADM. REG. FENABRAVE / DF - Luís Fernando Machado e Silva
ADM. REG. FENABRAVE / ES - Luciano Piana
ADM. REG. FENABRAVE / GO - José Roberto Ventura da Silva Jr.
ADM. REG. FENABRAVE / MG - Mauro Pinto de Moraes Filho
ADM. REG. FENABRAVE / MS - Roberto José Mosena
ADM. REG. FENABRAVE / MT - Manoel Dionisio Guedes
ADM. REG. FENABRAVE / PA - Leonardo Menezes Pontes
ADM. REG. FENABRAVE / PB - Paulo Guedes Pereira
ADM. REG. FENABRAVE / PE - Marcony Sobral Mendonça
ADM. REG. FENABRAVE / PR - Helmuth Altheim
ADM. REG. FENABRAVE / RJ - Sebastião Pedrazzi
ADM. REG. FENABRAVE / RN - Rodrigo Queiroz Cândido
ADM. REG. FENABRAVE / RS - Fernando Augusto Esbroglio
ADM. REG. FENABRAVE / SC - Ademir Antonio Saorin
ADM. REG. FENABRAVE / SE - Antônio Valença Rollemberg Neto
Semestral do Setor de Distribuição de Veículos Automotores no Brasil/2012.
Elaborado pela Assessoria Econômica Interna da FENABRAVE – Divisão de Inteligência de Mercado.
Revisado e Complementado por MB Associados
Revisão Ortográfica: MCE-Mazzuchini Comunicação e Eventos
Novembro / 2012
FENABRAVE
61

Documentos relacionados

do Arquivo PDF

do Arquivo PDF ACAV – Assoc. Bras. dos Concessionários Man Latin America - Caminhões ANCIVE – Assoc. Bras. dos Concessionários Iveco ASSOBENS - Assoc. Nac. dos Concessionários Mercedes-Benz ASSOBRASC – Assoc. Bra...

Leia mais

do Arquivo PDF

do Arquivo PDF ACAV – Assoc. Bras. dos Concessionários Man Latin America - Caminhões ANCIVE – Assoc. Bras. dos Concessionários Iveco ASSOBENS - Assoc. Nac. dos Concessionários Mercedes-Benz ASSOBRASC – Assoc. Bra...

Leia mais

do Arquivo PDF

do Arquivo PDF Já o segmento de implem entos rodoviários surpreendeu positivamente com forte crescimento no semestre, encerrado e mantendo esta tendência até os dados já divulgados de agosto, quando apresentaram ...

Leia mais

Fenabrave traz JD Power pela primeira vez ao Brasil

Fenabrave traz JD Power pela primeira vez ao Brasil incentivo para estimular o consumo de veículos. Confira, a seguir, notícia sobre o assunto. A Fenabrave avaliou como muito positivas as medidas adotadas pelo governo e anunciadas no último dia 21 d...

Leia mais

Evolução Porcentual por subsegmento 2005 a 2010

Evolução Porcentual por subsegmento 2005 a 2010 ABRAV – Assoc. Bras. dos Revendedores de Automóveis Volvo ABRAZUKI – Assoc. Bras. dos Conc. Suzuki Automóveis ASSOAUDI – Assoc. Bras. dos Distribuidores Audi ASSOBRAV – Assoc. Bras. Dos Distribuido...

Leia mais

Apresentação do PowerPoint

Apresentação do PowerPoint Empregos x Produtividade no PIM Produtividade = Motos / Empregado

Leia mais

A consciência ambiental aliada à tecnologia traz

A consciência ambiental aliada à tecnologia traz Nosso País tem ocupado as manchetes internacionais como exemplo de superação para o mundo, e o nosso setor, mais ainda, por comemorar resultados expressivos, ainda que com ligeira e esperada queda ...

Leia mais

do arquivo PDF

do arquivo PDF Programação Temática será voltada para a retomada da rentabilidade por parte das concessionárias e serão destacadas palestras para cada segmento automotivo, além das focadas em economia, ferramenta...

Leia mais