Aviso nº 7 - Gripe Aviária - Direção

Сomentários

Transcrição

Aviso nº 7 - Gripe Aviária - Direção
AVISO Nº 7
GRIPE AVIÁRIA
Considerando a recente confirmação de gripe aviária de alta patogenicidade
provocada pelo vírus Influenza A, dos subtipos H5N1, H5N2 e H5N9 em França;
Considerando que não é possível excluir a possibilidade daqueles vírus se
encontrarem presentemente em circulação nas aves selvagens;
Considerando as medidas de biossegurança destinadas a reduzir o risco de
transmissão da gripe aviária de alta patogenicidade provocada pelo vírus da
gripe do tipo A, subtipo H5N1, de aves selvagens para aves de capoeira e outras
aves em cativeiro, previstas na Decisão da Comissão 2005/734/CE, de 19 de
outubro de 2005, na sua versão atual;
Considerando as zonas de maior risco para a gripe aviária, determinadas à luz
daquela Decisão em 2007;
Considerando a Lei nº 11-A/2013 de 28 de janeiro que procedeu à reorganização
administrativa do território das freguesias;
Tendo em conta o disposto no artº 4º do Decreto-Lei 39209 de 14 de maio de
1953, conjugado com o ponto 3 do artº 5º do mesmo diploma e com o artº 62º do
Decreto-Lei nº 110/2007 de 16 de abril, na sua versão atual, determina-se que:
1. Constituem zonas de maior risco para a gripe aviária, por reunirem um ou mais
dos fatores previstos no anexo I da Decisão 2005/734/CE, as freguesias
constantes no Anexo I do presente Aviso;
2. Nas zonas de maior risco para a gripe aviária identificadas no nº 1, são
proibidas concentrações de aves de capoeira e de outras aves em mercados
avícolas, espetáculos, exposições e eventos culturais nos quais se utilizem aves,
incluindo soltas de pombos;
3. Nas zonas de maior risco para a gripe aviária identificadas no nº 1, é proibido
o uso de aves das ordens Anseriformes e Charadríiformes como negaças
durante a época de caça;
4. Nas explorações avícolas localizadas nas zonas de maior risco para a gripe
aviária identificadas no nº 1 é proibida a manutenção de aves de capoeira
ao ar livre;
5. Em derrogação do disposto no ponto anterior, a Direção Geral de
Alimentação e Veterinária pode autorizar a manutenção de aves de capoeira
ao ar livre, quando as explorações avícolas possuam condições que permitam
assegurar que as aves apenas são alimentadas e abeberadas no interior ou
sob abrigos suficientemente dissuasores de aves selvagens e que impeçam
estas últimas de pousar ou de entrar em contacto com os alimentos ou a água
destinados às aves de capoeira.
6. Os requerimentos para efeitos do disposto no número anterior devem ser
apresentados nas Direções de Serviços de Alimentação e Veterinária
CAMPO GRANDE, Nº 50 1700-093 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX. 21 323 95 01
Regionais da área onde se localiza a exploração avícola, que avaliam e
concedem a autorização após verificarem se estão reunidas as condições
necessárias para o efeito;
7. Nas explorações avícolas localizadas nas zonas de maior risco para a gripe
aviária identificadas no nº 1, os reservatórios de água exteriores, necessários a
determinadas aves de capoeira por motivos de bem-estar animal, devem
estar suficientemente protegidos contra as aves selvagens;
8. Nas explorações avícolas localizadas nas zonas de maior risco para a gripe
aviária identificadas no nº 1, as aves de capoeira não podem ser abeberadas
com água proveniente de reservatórios de águas superficiais aos quais
tenham acesso as aves selvagens, a menos que essa água seja tratada para
assegurar a inativação de eventuais vírus;
9. Devem continuar a ser observadas todas as medidas de biossegurança,
divulgadas anteriormente, que permitam reduzir o risco de introdução ou de
propagação da doença nos efetivos avícolas.
10. As infrações ao presente Aviso são punidas nos termos do Decreto-Lei n°
39209, de 14 de maio de 1953, com a redação que lhe foi dada pela Lei n°
30/2006, de 11 de julho e do Decreto-Lei nº 110/2007 de 16 de abril.
11. São revogados os Avisos nº 1 de 22 de outubro de 2005, nº 4 de 20 de abril de
2006, nº 5 de 1 de junho de 2006 e nº 6 de 20 de novembro de 2007;
12. Este Aviso entra imediatamente em vigor, solicitando-se a todas as
autoridades veterinárias, policiais e administrativas que fiscalizem o seu
cumprimento.
Lisboa, 30 de dezembro de 2015
O Diretor Geral
Álvaro Luís
Pegado
Lemos de
Mendonça
Assinado de forma digital por
Álvaro Luís Pegado Lemos de
Mendonça
DN: c=PT, o=Ministério da
Agricultura e do Mar,
ou=Direcção-Geral de
Alimentação e Veterinária,
cn=Álvaro Luís Pegado Lemos
de Mendonça
Dados: 2015.12.30 17:10:53 Z
Álvaro Pegado Mendonça
CAMPO GRANDE, Nº 50 1700-093 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX. 21 323 95 01

Documentos relacionados

Sanidade Avícola - Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio.

Sanidade Avícola - Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio. comum ocorre por pessoas, roupas, calçados, água, alimentos, produtos de origem aviárias, equipamentos e fômites em geral. Apesar de a infecção causar conjuntivite transitória em humanos e ser cons...

Leia mais

Bactérias atenuadas para septicemia, com potencial para vacina em

Bactérias atenuadas para septicemia, com potencial para vacina em Wanderley Dias da Silveira Eliana Guedes Stehling Marcelo Lancellotti Marcelo Palma Sircili Jacqueline Boldrin de Paiva Gerson Nakazato

Leia mais