Segurança Pública aprova regulamentação do uso de spray de

Сomentários

Transcrição

Segurança Pública aprova regulamentação do uso de spray de
Polícia Civil / Divisão Policial do Interior -
Segurança Pública aprova regulamentação do uso de spray de pimenta
Divisão Policial do Interior
Enviado por:
Postado em:02/06/2014
Pela proposta, cidadãos comuns não poderão comprar embalagens superiores a 100 ml e lojas
deverão oferecer capacitação técnica para o manuseio do produto. Comercialização será controlada
pelo Exército. Texto segue para análise da CCJ.
A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados
aprovou proposta (PL 2400/11) que regulamenta o uso e a comercialização de spray de pimenta.
Pelo texto, do deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT), cidadãos comuns com mais de 18 anos
poderão adquirir o produto em embalagens inferiores a 100 mililitros. A partir desse volume, o item
passa a ser privativo das forças de segurança pública e empresas de segurança privada. O relator,
deputado Guilherme Campos (PSD-SP), defendeu a aprovação da matéria, com emendas. Ele
reinseriu no texto a exigência, que havia sido retirada pela Comissão de Desenvolvimento
Econômico, Indústria e Comércio, de que a empresa comercializadora ofereça capacitação técnica
para o manuseio do gás de pimenta e treinamento aos usuários para enfrentar situações de risco,
com emissão de certificados. “Apesar de ser uma arma não letal, o spray pode causar riscos
à saúde em caso de má utilização”, justificou Campos. A proposta mantém a legislação
atual, que prevê que a fabricação, venda e comercialização do gás de pimenta sejam controladas
pelo Exército. Para manter esse controle, o comprador deverá ser identificado e apresentar
documentos de idoneidade criminal. Além disso, emenda aprovada pela Comissão de Segurança
Pública determina que as lojas mantenham banco de dados atualizado que assegure o rastreamento
das informações pelo Exército. Guilherme Campos destaca que o spray de pimenta representa uma
oportunidade para as pessoas se defenderem. “O bandido há de pensar duas vezes antes de
abordar esses cidadãos porque podem estar portando esse tipo de equipamento", disse. Alternativa
O diretor de relações institucionais da Condor, empresa que fabrica o spray, Antônio Carlos
Magalhães, concorda que o produto pode ser uma alternativa de segurança pessoal. Ele explicou
que o item foi desenvolvido nos anos 1970 para afugentar animais. Posteriormente, concluiu-se que
o gás, extraído da fruta da pimenta, não prejudicava pessoas e hoje é vendido em lojas de varejo
nos Estados Unidos, podendo ser comprado por qualquer pessoa. Magalhães acha exagerada a
classificação brasileira atual, que equipara o gás de pimenta a armamento pesado. “A gente
considera incoerente o fato de que uma arma de fogo o cidadão comum pode adquirir, mas um
spray de pimenta não”, argumentou. O executivo da Condor defende, porém, que o produto
seja diferente do que é usado pelas forças de segurança. Na avaliação dele, o spray deveria ser em
gel ou espuma e não aerosol, para que não se disperse no ambiente, seja não inflamável e tenha
sua quantidade restrita, o que já está previsto na proposta em tramitação na Câmara. Ele
acrescentou que o equipamento já vem com um chip que permite seu rastreamento no caso de uso
inadequado. Tramitação O projeto, que tramita em caráter conclusivo, ainda será analisado pela
Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Íntegra da proposta: PL-2400/2011
Reportagem – Vania Alves Edição – Marcelo Oliveira Fonte: Agência de Notícias da
Câmara
http://www.dpi.policiacivil.pr.gov.br
30/9/2016 5:37:17 - 1

Documentos relacionados

EMPRESAS - 11.12.14: Relações com fornecedores

EMPRESAS - 11.12.14: Relações com fornecedores levou a escolher a Marfrig foi esta questão do desenvolvimento de produto; o seu desempenho nesta área é muito rápido e confiável”, disse Gravallos. “Tem uma (divisão) da empresa focado...

Leia mais