Boletim eletrônico do LAE/FMVZ/USP, ed. 03, 06 jul. 2009

Сomentários

Transcrição

Boletim eletrônico do LAE/FMVZ/USP, ed. 03, 06 jul. 2009
Socioeconomia & Ciência Animal
Boletim Eletrônico do LAE/FMVZ/USP
Edição 003, de 06 de julho de 2009
ESPECIAL
“UMA VISÃO SOCIAL, ECONÔMICA E
1
AMBIENTAL DO AGRONEGÓCIO”
EDITORIAL
Esta é a terceira edição do boletim eletrônico
“Socioeconomia & Ciência Animal”, um projeto de
extensão desenvolvido pelo Laboratório de
Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
(LAE), da FMVZ/USP.
O foco desta edição é o desenvolvimento
sustentado da agropecuária.
Publicamos um ensaio do Professor Rubens
Nunes (FZEA/USP), que foi apresentado no I
Simpósio de Sustentabilidade da FMVZ/USP. O
texto
traz
uma
importante
visão
de
sustentabilidade sob o ponto de vista da
Economia.
Apresentamos uma série de artigos recentemente
publicados na Natural Resources Forum, que
enfatizam
os
esforços
relacionados
ao
desenvolvimento sustentado da agropecuária no
continente Africano. Tais trabalhos, além de sua
importante contribuição para a fundamentação de
políticas de desenvolvimento, contribuem para o
avanço de metodologias para avaliação da
sustentabilidade.
Divulgamos também nesta edição, uma seção
com alguns livros recentemente lançados no
Brasil.
Atualizamos
nossa
agenda
de eventos,
destacando a realização do simpósio de iniciação
científica da USP, que já está recebendo os
trabalhos dos alunos.
Finalmente, relembramos que este boletim é de
livre acesso a todos que tiverem interesse,
bastando enviar uma mensagem solicitando a
inclusão do e-mail destinatário para o seu
recebimento.
CONTRIBUIÇÃO AO I SIMPÓSIO DE
SUSTENTABILIDADE DA FMVZ-USP
Rubens Nunes
2
Até meados do século XX a teoria econômica
praticamente ignorou as interações do sistema
econômico - representado muitas vezes como um
sistema fechado - com o ecossistema.
A
natureza aparece como fonte de recursos, alguns
escassos. A escassez de terras férteis
fundamenta, por exemplo, a dinâmica da
população desenhada por Malthus e a teoria da
renda da terra de Ricardo. O que importa,
contudo, é que o fluxo de matéria e energia era
visto como unidirecional, partindo da natureza
para chegar, por meio do trabalho humano, ao
sistema econômico. Não se reconheceu, a
princípio, os fluxos de matéria e energia que,
provenientes do sistema econômico, afetam o
ecossistema, às vezes a ponto de inviabilizar a
reprodução do próprio sistema social.
Marx, em consonância com a economia clássica,
chega a afirmar que, retirado das mercadorias o
trabalho humano, sobra um resíduo inerte,
designado na Química da época por caput
mortum.
A princípio, a economia neoclássica também não
deu importância à questão ambiental, ainda que
suas ferramentas pudessem ser (e foram)
adaptadas para contemplar “externalidades” da
produção e do consumo. Na teoria da produção,
por exemplo, assume-se o pressuposto do “free
disposal”, pelo qual produtores podem se
desfazer de insumos não utilizados a custo zero.
1
Texto apresentado no I Simpósio de Sustentabilidade da
FMVZ/USP, realizado no dia 03 de junho de 2009.
2
Os editores
Economista, Professor do Departamento de Zootecnia da
Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos.
Pesquisador convidado do Laboratório de Análises
Socioeconômicas e Ciência Animal (LAE).
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
1
Na década de 1960 houve uma mudança de
percepção em relação ao ciclo de crescimento
iniciado com o fim da II Guerra Mundial. Em 1968,
o “Clube de Roma” publicou o relatório “Os limites
do Crescimento”, que apontou como fatores
críticos (i) a transição demográfica incompleta,
que fazia antever a explosão populacional; (ii) os
mercados de commodities conturbados, com
crescente volatilidade e preços em alta (em 1976
os EUA chegariam a embargar as exportações de
grãos, provocando a alta de preços que viabilizou
a expansão da soja no Brasil); (iii) a escassez de
recursos naturais não renováveis; e (iv) a
poluição.
de modo a deixar o mecanismo de mercado levar
a alocações eficientes. Reduzindo-se as
emissões (que passariam a ser custosas para o
emissor), a qualidade do meio ambiente
melhoraria gradualmente.
O trabalho patrocinado pelo Clube de Roma
sofreu críticas, que se concentraram em duas
direções: de um lado, a posição defendida entre
outros por Robert Solow, de que o progresso
tecnológico e avanços institucionais permitiriam
contornar os fatores limitantes do crescimento
econômico; de outro lado, economistas de países
em
desenvolvimento
mostravam
pouca
disposição para recomendar a desaceleração do
crescimento antes que seus cidadãos atingissem
níveis de renda e/ou bem-estar semelhantes aos
usufruídos
pelos
cidadãos
dos
países
industrializados.
Apesar do volume de pesquisa e publicação na
área, o consenso entre as duas vertentes não
parece próximo. Falta um modelo geral da
interação sistema econômico vs. ecossistema. A
pesquisa
identifica
casos
locais
dessas
interações, específicas a determinados produtos
em determinados ambientes, mas não se
conhecem os efeitos agregados. Discute-se, por
exemplo, se e em que medida o aquecimento
global resulta de efeitos antrópicos ou se é
causado pela dinâmica do próprio ecossistema,
com uma contribuição apenas marginal do
homem.
Do ponto de vista da teoria econômica, o livro de
Georgescu Roegen, “A Lei da Entropia e o
Processo Econômico”, de 1971, marca o início da
Economia do Meio Ambiente. Com base na
segunda lei da Termodinâmica, o autor discute
teoricamente os limites do crescimento de uma
economia. A criação de uma ordem é sempre
local; do ponto de vista do sistema envolvente, a
organização local, a criação de utilidades, implica
em aumento da entropia global, da desordem do
sistema.
Hoje os efeitos do sistema econômico sobre o
ambiente são amplamente reconhecidos. Assim
como não há almoço grátis, não há - do ponto de
vista social - lixo grátis. Tais efeitos não são,
contudo, totalmente identificados, o que dá
margem a interpretações distintas da interação
dinâmica
entre
sistema
econômico
e
ecossistema.
Uma das razões pelas quais o consenso é difícil
relaciona-se ao fato de que se trata de uma interrelação complexa de sistemas complexos, em
que ocorrem múltiplas retro alimentações.
Sistemas complexos tendem a ser imprevisíveis e
sensíveis às condições iniciais. A idéia de
“variações na margem”, tão presente na
economia neoclássica, pode ser traiçoeira. Efeitos
grandes podem surgir de causas pequenas;
causas próximas podem produzir efeitos
distantes. Um exemplo: pesquisa divulgada
recentemente (Nature Geoscience) associa à
areia do Saara carregada pelo vento às chuvas
na região Amazônica. Não por acaso, o
surgimento a teoria do caos está associado a
pesquisas sobre clima (o modelo computacional
de Edward Lorenz) e biologia (o modelo
predador-preza de Lotka e Volterra), justamente
duas áreas relevantes para a discussão das
relações entre sistema econômico e ecossistema.
(i) A vertente neoclássica é otimista, crendo na
possibilidade praticamente ilimitada de a natureza
regenerar-se e reciclar as emanações do sistema
econômico. A política ambiental correspondente
é a criação de mecanismos para internalizar as
externalidades (como os mercados de carbono),
Do ponto de vista normativo, das políticas
públicas voltadas para a exploração sustentável
do meio ambiente, a incerteza tem conseqüências
importantes. Não se sabe se quaisquer medidas
serão suficientes, ou mesmo necessárias. Talvez
restrições ao crescimento não evitem o colapso
(ii) A vertente da Economia Ecológica crê que a
natureza tem uma capacidade limitada de
regeneração;
ultrapassados
determinados
limiares de poluição, o sistema não retornaria
mais ao equilíbrio original. Nesse sentido, o
equilíbrio parcial dos mercados de poluição
poderia não ser suficiente para livrar-nos da
“tragédia dos comuns” planetária.
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
2
do sistema econômico; talvez o colapso não
venha mesmo sem restrições ao consumo.
Na incerteza, recorre-se ao princípio da
precaução. “Reduzir, reutilizar, reciclar” é uma
máxima baseada nesse princípio. A solução de
um jogo homem-natureza como o desenhado
aqui depende (i) da valorização do consumo
presente; (ii) das conjecturas sobre o futuro; e (iii)
da aversão ao risco.
Natureza
Homem
Reduz
consumo
Mantém
consumo
Regenera
Não
Regenera
A
B
C
D
As letras A, B, C e D representam as
recompensas do “homem” associadas a cada par
de escolhas, sua e da natureza. Pode-se imaginar
a seguinte ordenação: C > A (se a natureza se
regenera de qualquer modo, para que reduzir o
consumo?), e D > B (se o Titanic vai afundar de
qualquer jeito, é melhor que a orquestra continue
tocando). “Manter o consumo” é a estratégia
dominante para o “homem”, e o colapso, se
tivesse que vir, seria inevitável. O problema é a
possível existência de nexos causais entre a
escolha do homem e a “escolha” da natureza. O
homem poderia “dar incentivos” e influir na
“escolha” da natureza. O jogo ficaria assim, em
que as letras minúsculas representam o “ganho”
da natureza:
Natureza
Regenera
Não Regenera
Homem
Reduz
consumo
Mantém
consumo
A,a
B,b
C,c
D,d
Os otimistas acreditam que a > b e a > c, de
modo que se o homem escolher reduzir o
consumo, a natureza “escolherá” regenerar-se.
Mas para o homem escolher reduzir o consumo,
seria preciso crer que d < a, de forma que a
natureza escolheria a regeneração, caso o
homem escolhesse reduzir o consumo. Tal
crença traduz-se em conjecturas sobre a
probabilidade e o período em que o colapso
ocorreria. Para o homem escolher reduzir o
consumo, seria preciso que a diferença C – A, a
perda de bem-estar decorrente da redução do
consumo, fosse compensada pela redução do
risco de não regeneração da natureza.
Ocorre que os agentes econômicos são muito
diferentes entre si no que diz respeito à
valorização do consumo presente (a diferença C
– A) e ao horizonte temporal relevante para a
tomada de decisão. Então, a operacionalização
do princípio da precaução será sempre objeto de
controvérsia, dados interesses conflitantes (o
consumo é privado, mas o colapso, se vier, é
universal).
Para avaliar a pressão que se coloca sobre o
agronegócio, podemos ter uma idéia aproximativa
da diferença C – A pelo comportamento da
demanda por alimentos, com as ressalvas de que
a produção agroalimentar é apenas uma parte do
agronegócio e a produção de energia renovável
tem crescido em importância.
As tabelas a seguir resumem dados sobre a
dinâmica da população e da produção agrícola
per capita no mundo e no Brasil.
Período
1979-81
1989-91
1999-2001
2003
2004
População Mundial
Total
(milhões de habitantes)
4.435
5.263
+ 18,6%
6.070
+ 15,3%
6.301
+ 3,8%
6.377
+ 1,2%
População Mundial
Agrícola
2.219
2.442
2.573
2.594
2.600
+ 10,0%
+ 5,4%
+ 0,8%
+ 0,2%
Fonte: FAO (www.fao.org)
Índice de produção agrícola per capita (19992001 = 100)
Período
1979-81
1989-91
1999-2001
2003
2004
Mundo
87,1
92,4
+6,1%
100,0
+8,2%
102,3
+2,3%
105,3
+2,9%
Brasil
69,0
80,1
100,0
114,8
120,4
+16,1%
+24,8%
+14,8%
+4,9%
Fonte: FAO (www.fao.org)
Observam-se nessas tabelas algumas tendências
referentes à demanda e à oferta de alimentos.
Por um lado, a população mundial continua
crescendo a taxas positivas, ainda que
declinantes; contudo, a população urbana cresce
mais que a população total. Milhões de pessoas
estão migrando para áreas urbanas, onde as
rendas são mais elevadas, o que faz crescer a
demanda por alimentos em proporção maior que
a do crescimento populacional. A oferta responde
ao crescimento da demanda, observando-se
taxas de crescimento da produção agrícola per
capita positivas e elevadas. Observa-se também
que o crescimento da oferta agrícola se dá de
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
3
forma desigual no mundo. Comparando-se o
crescimento do produto agrícola per capita de
alguns países, nota-se que os países
desenvolvidos apresentam pequeno crescimento
e às vezes declínio da produção e que, dentre os
países que apresentam crescimento expressivo, o
Brasil é o que tem maior participação na oferta
total de produtos agropecuários.
Taxas de crescimento do produto agrícola entre
1999-2001 e 2004 – Países selecionados
Tajiskistão
Armênia
Romênia
Honduras
Burnei
Marrocos
Namíbia
45,9%
39,4%
29,1%
27,7%
26,7%
23,6%
21,9%
Brasil
Estados Unidos
Alemanha
Itália
França
Reino Unido
20,4%
3,1%
2,7%
0,2%
-0,3%
-3,4%
Fonte: FAO (www.fao.org)
Os preços relativos sinalizam o aumento da
produção
agropecuária
nos
países
em
desenvolvimento. Há incentivos econômicos para
(i) expandir a área de agricultura e pastagens; (ii)
obtenção de ganhos de produtividade; (iii)
aumento do consumo de insumos agrícolas
modernos; e (iv) aumento da emissão de
poluentes
por
parte
dos
sistemas
agroalimentares. Em termos do jogo homem
natureza, a humanidade em geral tem revelado
na prática que o consumo presente vale mais que
o risco de um possível colapso futuro.
O desafio atual para a construção de um
agronegócio sustentável passa por uma agenda
que contemple os seguintes tópicos: (i) a
construção de um consenso político mínimo sobre
níveis aceitáveis de risco ambiental; e (ii) a
criação de incentivos para o uso mais prudente
dos recursos naturais, mobilizando instrumentos
de preços (mercados para externalidades) e
políticas públicas de preservação e recuperação
de recursos.
A definição de direitos de propriedade sobre a
terra é uma precondição necessária para a
efetivação de políticas públicas. Em geral, a
devastação é maior onde os direitos de
propriedade são mal definidos.
ARTIGOS PUBLICADOS
WORKING WETLAND POTENTIAL: AN INDEX
TO GUIDE THE SUSTAINABLE
DEVELOPMENT OF AFRICAN WETLANDS
Past experience shows that inappropriate
agricultural development in wetlands can
undermine sustainability and may have profound
social and economic repercussions for people
dependent on the range of ecosystem services
provided by those wetlands. Nonetheless, there is
escalating pressure to expand agriculture within
wetlands due to increasing population, in
conjunction with efforts to increase food security.
This paper describes the development of a semianalytical framework for identifying, organizing
and analyzing the complex factors that link
people, agriculture and wetland ecosystems — an
index of Working Wetland Potential (WWP). The
method is based on a form of multi-criteria
analysis that integrates biophysical and socioeconomic aspects of wetland utilization…
MCCARTNEY, M.P.; HOUGHTON-CARR, H.A.
Working Wetland Potential: An index to guide the
sustainable development of African wetlands.
Natural Resources Forum. v.33, n.2, p.99-110,
2009.
RECONCILING PEOPLE'S LIVELIHOODS AND
ENVIRONMENTAL CONSERVATION IN THE
RURAL LANDSCAPES IN KENYA:
OPPORTUNITIES AND CHALLENGES IN THE
AMBOSELI LANDSCAPES
Two of the eight Millennium Development Goals
(MDGs) adopted by the United Nations General
Assembly in September 2000 are: eradication of
extreme poverty and hunger; and ensuring
environmental sustainability. The link between
depressed livelihoods and unsustainable use of
land and natural resources can be seen in Kenyan
rangelands. Here, the local community is
dependent on land and its resources for
livelihoods, but the demand and competition is
increasing, endangering both the resources they
depend on and threatening environmental health.
Amboseli is an Arid and Semi-Arid Land (ASAL)
area that experiences ecological constraints,
resource
limitations,
and
low
economic
investment.
Local
communities
in
such
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
4
landscapes are resource-dependent for their daily
livelihoods, and have few socio-economic
opportunities. (…) This paper focuses on the two
Millennium Development Goals mentioned above.
Linkages, challenges and opportunities in
enhancing rural livelihoods while promoting
environmental sustainability in rural landscapes of
the Amboseli Rural Landscape are discussed.
OKELLO, M.M.; SENO, S.K.O.; NTHIGA, R.W.
Reconciling
people's
livelihoods
and
environmental
conservation
in
the
rural
landscapes in Kenya: Opportunities and
challenges in the Amboseli landscapes. Natural
Resources Forum. v.33, n.2, p.123-133, 2009.
SALT-INDUCED LAND AND WATER
DEGRADATION IN THE ARAL SEA BASIN: A
CHALLENGE TO SUSTAINABLE
AGRICULTURE IN CENTRAL ASIA
Expansion of irrigated agriculture in the Aral Sea
Basin in the second half of the twentieth century
led to the conversion of vast tracks of virgin land
into productive agricultural systems resulting in
significant increases in employment opportunities
and income generation. (…) Excessive use of
irrigation water coupled with inadequate drainage
systems has caused large-scale land degradation
and water quality deterioration in downstream
parts of the basin, which is fed by two main rivers,
the Amu-Darya and Syr-Darya. Recent estimates
suggest that more than 50% of irrigated soils are
salt-affected and/or waterlogged in Central Asia.
Considering the availability of natural and human
resources in the Aral Sea Basin as well as the
recent research addressing soil and water
management, there is cause for cautious
optimism. (…) Because of water withdrawals for
agriculture from two main transboundary rivers in
the Aral Sea Basin, there would be a need for
policy level interventions conducive for enhancing
interstate cooperation to transform salt-affected
soil and saline water resources from an
environmental and productivity constraint into an
economic asset.
QADIR, M.; NOBLE, A.D.; QURESHI, A.S.;
GUPTA, R.K.; YULDASHEV, T.; KARIMOV, A.
Salt-induced land and water degradation in the
Aral Sea basin: A challenge to sustainable
agriculture in Central Asia. Natural Resources
Forum. v.33, n.2, p.134-149, 2009.
THE MIOMBO WOODLANDS AT THE CROSS
ROADS: POTENTIAL THREATS,
SUSTAINABLE LIVELIHOODS, POLICY GAPS
AND CHALLENGES
The Miombo, the most extensive tropical
woodland formation of Africa directly supports the
livelihoods of over 100 million people through the
provision of many tree products and ecosystem
services essential to both the rural and urban
communities. While the destruction of the Miombo
has often been blamed on the rural communities
dwelling near the forest resources, many urban
dwellers depend heavily on the various products
derived from the woodlands. This paper highlights
the importance of the Miombo in the livelihoods of
rural people, the potential threats to this
ecosystem and opportunities for its sustainable
management...
SYAMPUNGANI,
S.;
CHIRWA,
P.W.;
AKINNIFESI, F.K.; SILESHI, G.; AJAYI, O.C. The
Miombo woodlands at the cross roads: Potential
threats, sustainable livelihoods, policy gaps and
challenges. Natural Resources Forum. v.33, n.2,
p.150-159
PROPERTY RIGHTS AND GOVERNANCE OF
AFRICA'S RANGELANDS: A POLICY
OVERVIEW
Recent efforts at securing property rights in
dryland Africa have generally involved several
interrelated processes such as legal and policy
reforms that recognize and strengthen customary
rights or the seasonal rights of pastoralists, and
the decentralization of land allocation and
administration to lower governance levels. These
solutions are in turn beset by new problems, key
among them are establishing norms for local
participation in decision making, preventing
manipulation and capture by elites, lack of
accountability of local level institutions and
authorities, and the onset of a new generation of
resource user conflicts. Increasing avenues
through which dialogue and communication can
occur among policy actors (including local
communities) in order to mobilize multiple
experiences, information, and to manage power
relationships — a collaborative approach to policy
governance — is one way of approaching the
complexity paradox. This is anticipated to provide
opportunity
for
learning,
innovation
and
adaptability.
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
5
MWANGI, E.; Property rights and governance of
Africa's rangelands: A policy overview. Natural
Resources Forum. v.33, n.2, p.160-170, 2009.
ECHINOCOCCOSIS / HYDATIDOSIS: ITS
PREVALENCE, ECONOMIC AND PUBLIC
HEALTH SIGNIFICANCE IN TIGRAY REGION,
NORTH ETHIOPIA
A cross sectional study was carried out to assess
the prevalence, economic and public health
significance of echinococcosis / hydatidosis in
Tigray Regional State, north Ethiopia. Out of 18
stray dogs euthanized and examined, three of
them were found harboring the adult parasite
Echinococcus granulosus in their small intestine.
From 5,194 cattle examined at slaughter houses,
1.146 (22.1%) of them were found harboring
hydatid cyst. The majority of the infected cattle
had hydatid cyst in both liver and lungs. The
hydatid cyst infection in the lung, liver, kidney,
heart and spleen were found to be 13%, 8.1%,
0.5%, 0.4%, and 0.1%, respectively. The
estimated total annual loss from bovine
hydatidosis due to offal condemnation (lungs and
liver) and carcass weight loss was 25,608
Ethiopian (Eth.) Birr. The present human
hydatidosis survey conducted in all six zonal
hospitals of Tigray Regional State disclosed one
active clinical case in Mekelle hospital during the
study period. While, the retrospective data
analyses of the six zonal hospitals indicated that
eight cases of human hydatidosis were diagnosed
since 2000. Thus echinococcosis/hydatidosis is
considerably prevalent disease in cattle and it is a
serious public health concern in Tigray region.
KEBEDE, W.; HAGOS, A.; GIRMA, Z.; LOBAGO;
F. Echinococcosis/hydatidosis: its prevalence,
economic and public health significance in Tigray
region, North Ethiopia. Tropical Animal Health
and Production. v.41, n.6, August, 2009.
ENVIRONMENTALLY SUSTAINABLE
PRODUCTION OF FOOD, FEED AND FUEL
FROM NATURAL RESOURCES IN THE
TROPICS
Responding to the challenges posed by global
warming, peak oil and biofuels will require a
paradigm shift in the practice of agriculture and in
the role of live stock within the farming system.
Farming systems should aim at maximizing plant
biomass production from locally available
diversified resources, processing of the biomass
on farm to provide food, feed and energy and
recycling of all waste materials. The approach that
is the subject of this paper is that the generation
of electricity can be a by-product of food/feed
production. The concept is the fractionation of
biomass into inedible cell wall material that can be
converted to an inflammable gas by gasification,
the gas in turn being the source of fuel for internal
combustion
engines
driving
electrical
generators…
Preston,
T.R.
Environmentally
sustainable
production of food, feed and fuel from natural
resources in the tropics. Tropical Animal Health
and Production. v.41, n.6, August, 2009.
RISK FACTORS FOR FOOT AND MOUTH
DISEASE SEROPREVALENCE IN INDIGENOUS
CATTLE IN SOUTHERN ETHIOPIA: THE
EFFECT OF PRODUCTION SYSTEM
A serological survey to investigate risk factors for
Foot and Mouth Disease (FMD) occurrence was
conducted between October 2007 and March
2008 in Southern Ethiopia. Antibodies against
non-structural protein of FMD virus (using 3abc
ELISA) were measured as indicator of exposure
to the virus. The seroprevalence of FMD was
9.5% and 48.1%, respectively at animal and herd
levels. Within herd seropositivity was ranged from
6.7 to 46.7% with 18.6% risk of being seropositive
for an animal in positive herds. The most
important herd level risk factors identified were
pastoral system compared to sedentary, low
altitude compared to high altitude, keeping cattle
with small ruminants when compared to one
species or alone. (…) Consequently, higher
prevalence of FMD in pastoral system where
animals are an integral part of life has substantial
livelihood and economic implications, which
signifies the need for devising control measures.
MEGERSA, B.; BEYENE, B.; ABUNNA, F.;
REGASSA, A.; AMENU, K.; RUFAEL, T. Risk
factors for foot and mouth disease seroprevalence
in indigenous cattle in Southern Ethiopia: the
effect of production system. Tropical Animal
Health and Production. v.41, n.6, August, 2009.
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
6
IMPACT OF MANAGEMENT INTERVENTIONS
ON SMALLHOLDER DAIRY FARMS OF THE
WESTERN HIGHLANDS OF CAMEROON
increasing the scale of production will greatly
increase productivity of farm inputs, thus
recommended for development of the dairy sector
in African countries.
A study was carried out to evaluate the impact of
interventions to solve constraints in smallholder
dairy farms of the Western Highlands of
Cameroon. The interventions consisted of
improved breeding through introduction of artificial
insemination, better feed supplementation,
farmers training in milk processing and better
veterinary services. Results show that there was a
decrease in average monthly expenditures of 18%
relative to the month before interventions started.
Much of the expenditures were related to feed
(38% of all costs). There was an overall increase
in farm income. Close to 2/3 of the income were
derived from milk products from home processed
milk and culled animals. (…) A spillover effect is
that more crop farmers are willing to be engaged
at least partially in dairy farming. It will be good if
many more farmers could benefit from these
interventions.
Ndambi, O.A.; Hemme, T.. An economic
comparison of typical dairy farming systems in
South Africa, Morocco, Uganda and Cameroon.
Tropical Animal Health and Production. v.41,
n.6, August, 2009.
BAYEMI, I.P.H.; WEBB, E.C.; NDAMBI, A.;
NTAM, F.; CHINDA, V. Impact of management
interventions on smallholder dairy farms of the
western highlands of Cameroon. Tropical Animal
Health and Production. Volume 41, Number 6 /
August, 2009.
www.cileite.com.br/panorama/qualidade31.html
AN ECONOMIC COMPARISON OF TYPICAL
DAIRY FARMING SYSTEMS IN SOUTH
AFRICA, MOROCCO, UGANDA AND
CAMEROON
Population growth, urbanisation and increased per
capita milk consumption are main reasons for
recent increasing milk demand in Africa. Due to
globalisation, it is important to know how
competitive various production systems are,
especially as most governments promote local
production and disfavour dairy imports. The TIPICAL (Technology Impact, Policy Impact
Calculations model) was used to analyse and
compare costs and returns of predominant dairy
farming systems in South Africa, Morocco,
Uganda and Cameroon. Results show that, as
farms grew larger in size, family resources
(especially land and labour) became insufficient
and there was need for their acquisition from
external sources. (…) It was concluded that,
intensification of dairy farming and simultaneously
SUGESTÃO DE ARTIGO TÉCNICO
A importância do ordenhador para a produção
de leite de qualidade
Por Letícia Caldas Mendonça
Ms. Ciência Animal, Analista da Embrapa Gado de Leite
[email protected]
Acesse em:
CLIPPING
Cows bred to burp less will reduce
greenhouse gases: The farm animals are
responsible for nearly three-quarters of total
methane emissions. Most of the gas comes from
bovine burps, which are 20 times more potent
than carbon dioxide as a greenhouse gas.
Stephen Moore, a professor at the University of
Alberta in Canada, is examining the genes
responsible for methane produced from the
animal’s four stomachs in order to breed more
efficient, environmentally friendly cows. He
completed tests using traditional techniques to
breed efficient animals that produce 25 per cent
less methane than less efficient animals
(Reuters/Impact Lab).
Tubarões caçam como serial killers, diz
estudo: Tubarões e serial killers perseguem suas
vítimas de maneira semelhante, de acordo com
cientistas americanos.Os pesquisadores usaram
os mesmos métodos de criminalistas e
descobriram que o maior peixe predatório do
mundo escolhe suas presas concentrando-se nas
áreas que conhece melhor. Os cientistas
adaptaram análise do perfil geográfico para
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
7
investigar os hábitos de caça dos tubarões - uma
técnica matemática usada para identificar serial
killers, estupradores e incendiários. (...) A
pesquisa, liderada por Neil Hammerschalg, da
Universidade de Miami, foi divulgada no Journal
of Zoology - uma publicação da Sociedade
Zoológica de Londres (Estadão Online/Ambiente
Brasil).
EU ministers agree to new rules on animal
slaughtering: European farm ministers agreed
recently to new rules for slaughterhouses
intended to minimize suffering of animals when
they are killed. The new rules, which take effect in
2013, will require slaughterhouses to incorporate
animal
welfare
into
their
designs.
Slaughterhouses will be required to regularly
monitor techniques for stunning animals before
slaughter to ensure that animals don't regain
consciousness before they are killed (Dow
Jones/CNN).
EU adopts slaughter welfare regulation:
European agriculture ministers have agreed on
tough new animal welfare rules to minimize
suffering at time of slaughter. The EU Agriculture
and Fisheries Council adopted a new regulaton on
Monday (22 June), which will come into force in
2013. It will require all slaughterhouse operators
to appoint an Animal Welfare Officer, monitor the
efficiency of stunning techniques and ensure that
all staff involved in slaughter are properly trained
and certified (Meat Info).
End 'cruel' religious slaughter, say scientists:
Religious slaughter techniques practiced by Jews
and Muslims are cruel and should be ended, says
a scientific assessment from the Government's
animal welfare advisers. The Farm Animal
Welfare Council says that slitting the throats of the
animals most commonly used for meat, chickens,
without stunning, results in "significant pain and
distress". The committee, which includes
scientific, agricultural and veterinary experts, is
calling for the Government to launch a debate with
Muslim and Jewish communities to end the
practice. One Muslim organisation, the Halal Food
Authority, already insists on the slaughterhouses it
regulates stunning animals first on welfare
grounds, as long as they are still alive when their
throats are slit (The Independent).
Breeding gentler layers, maintain production:
The team of scientists is led by Agricultural
Research Service (ARS) biologist Heng-wei
Cheng at the agency’s Livestock Behaviour
Research Unit in West Lafayette, Ind., and William
M. Muir of Purdue University, also at West
Lafayette. (…) Cheng and his colleagues selected
breeding birds based not just on production traits,
but also took into account competitive interactions
among the birds in a group, or communal, setting.
This selection programme turns “survival of the
fittest”, which emphasizes the individual, into
“survival of the adequate,” which emphasizes the
group. Cheng is conducting further research to
look at physiological alterations that explain the
less aggressive behaviour in the new line of hens.
His preliminary work indicates this may be due to
a decrease in dopamine levels in the birds.
Dopamine is a neurotransmitter that has been
associated with dysfunctional behaviour, as well
as with a decline in the ability to cope with stress
(ARS/World Poultry).
Philippines to sign two agreements with Brazil
on agricultural development: The Philippines
and Brazil intend to work together in the area of
agricultural development with the signing of two
memoranda of understanding (MOU) during the
visit of President Gloria Macapagal Arroyo to
Brazil this week. (…) The MOU on Cooperation on
Agriculture involves collaboration in livestock and
animal health, biofuel feedstock and development,
dairy, horticulture, food safety, agribusiness
management, sustainable land management,
genetics and biotechnology, processing and postharvest technologies and agricultural machineries,
and plant and animal science (Department of
Foreign Affairs, Republic of The Philippines).
Supermercados suspendem compra de carne
de frigoríficos acusados de desmatamento na
Amazônia: Três redes de supermercados de
âmbito nacional - Pão de Açúcar, Carrefour e
Wal-Mart - decidiram suspender, desde a semana
passada, a compra de carne de onze frigoríficos
localizados em áreas apontadas como de
desmatamento na região amazônica. Segundo
nota conjunta, os três grupos repudiam atos
contrários à lei e que causem danos ao meio
ambiente. (...) Os três varejistas, além de outras
68 empresas revendedoras de derivados do boi e
fabricantes que utilizam o boi como matéria-prima
para seus produtos, foram notificados pelo
Ministério Público Federal (MPF) no Pará e
alertados a evitarem a venda de produtos que
tenham origem nas áreas apontadas pelo
Greenpeace em seu estudo A Farra do Boi na
Amazônia, divulgado há duas semanas. (...) Ao
mesmo tempo a International Finance Corporation
(IFC), ligada ao Banco Mundial, anunciou que
cortou o financiamento de R$ 90 milhões ao
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
8
grupo Bertin, o maior frigorífico do país e
apontado como um dos responsáveis por ações
que contribuem para a devastação na Amazônia
(Agência Brasil).
Funding fall threatens animal science studies:
A continuing decline in United States federal
funding for animal and biomedical research is
jeopardising animal science studies, university
professors have warned. Michigan State
University animal science professors James
Ireland, George Smith and Jose Cibelli and five
colleagues from other institutions warned in a
recent issue of Science that the continuing decline
in federal funding for animal and biomedical
research jeopardises work in their field. The
researchers noted that, though the economic
value of livestock and poultry in the US exceeds
$US132 billion, only 0.04 percent ($US32.15
million) of the US Department of Agriculture's
budget was allocated to its competitive grants
programmes for research involving farm animals.
In comparison, the National Institutes of Health
(NIH) budget for human health research is nearly
$US30 billion (Horse Talk).
Canada: egg antibiotics creating resistance:
Antibiotics such as cephalosporin used in chicken
hatcheries in Canada are causing human
resistance to the medicines, according to a report
in the Canadian Medical Association Journal
(World Poultry).
UK: reducing confusion over food labels:
Environment Secretary Hilary Benn announced
new measures to cut food waste by reducing the
widespread confusion over food labels, according
to a report by Department for Environment, Food
and Rural Affairs (DEFRA). It has been indicated
by research that consumers confuse ‘use by’ and
‘best before’ dates, and end up throwing away
perfectly edible food that has passed its ‘best
before’ (DEFRA/World Poultry).
Chicken feathers put to use – hydrogen
storage: Researchers have discovered that
carbonised chicken feathers could provide an
inexpensive, environmentally friendly way to store
hydrogen fuel for future motor vehicles. If the
concept is proven and accepted by the automobile
industry, it could go a long way toward helping to
dispose of the 2.7 bln kg of chicken feathers
generated each year by commercial poultry
operations, reports ScienceNOW Daily News
(ScienceNOW Daily News/World Poultry).
Teachers learn how to teach agriculture: Kids
might bite into a strawberry topped with whipped
cream, but few know how the fruit grows or how to
pick it. Similarly, the "Got milk?" ad campaign
emphasizes the benefits of drinking milk, but how
many kids know that the average cow produces
90 gallons or more of the white stuff a day? Or
that a pig farm can birth 75 to 80 piglets a week?
Teachers such as Gail Sanders want to change
how young people think about farming and food, if
they do at all, and learned some ways during a
four-day course offered through Aurora University
and the DuPage County Farm Bureau (Chicago
Tribune).
Whales generate more money alive than dead:
In a report released at the International Whaling
Commission 2009 annual meeting, whale watches
generate more currency per year for whaling
governments than hunting and killing the whales.
The report was compiled by the International Fund
for Animal Welfare and states that an estimated
$2.1 billion dollars is made per year from the ecotourism industry. Last year alone saw 13 million
people from 119 countries participating in whale
watches. But despite the findings, Iceland,
Norway and Japan are actively trying to increase
support for their continuing whaling activity.
Iceland has stated that there is no plan to scale
back this year's quota of murdering 150 fin whales
and 100 minke whale (BBC News).
Fundo Amazônia poderá ser usado para
rastrear animais: A forte pressão internacional
de compradores e ONG´s ambientalistas obrigou
a Associação da Indústria Exportadora de Carne
Bovina (Abiec) a aceitar um compromisso público
de rejeição à aquisição de boi criado em áreas de
desmatamento ilegal na Amazônia. Além disso, a
Abiec negocia com o BNDES um programa de
rastreamento eletrônico do gado na região da
floresta com recursos do Fundo Amazônia.
Gestor do fundo composto por doações
internacionais para preservação da Amazônia, o
BNDES tem participação no capital de vários
frigoríficos e busca responder à pressão
internacional por mecanismos de proteção ao
bioma amazônico. O fundo já tem US$ 110
milhões da Noruega, deve receber US$ 30
milhões da Alemanha, mas poderia captar US$
17 bilhões até 2017 (Valor/Informativo da
Sociedade Brasileira de Silvicultura).
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
9
Pecuária na Amazônia terá guia eletrônica
para fiscalizar transporte de animais: Com o
objetivo de evitar o aumento do desmatamento
provocado pela produção pecuária na Região
Amazônica, o ministro da Agricultura, Reinhold
Stephanes, disse na terça-feira (23) que está
sendo elaborado um projeto para a implantação
da guia eletrônica de transporte animal. O
mecanismo tornará mais eficaz a fiscalização da
procedência dos animais e a sua localização. As
informações poderão ser obtidas pelos fiscais
federais de uma base de dados via satélite
(Agência Brasil).
Evolução dos mamíferos é mais rápida em
regiões quentes: Um estudo realizado na Nova
Zelândia sugere que a evolução molecular dos
mamíferos é mais acelerada em regiões de
climas mais quentes.
Os pesquisadores da
Universidade de Tecnologia de Auckland
analisaram pares de mamíferos da mesma
espécie e descobriram que o DNA dos que vivem
em climas quentes muda com mais rapidez.
Essas mudanças “ em que uma parte do código
genético é substituída por outra - são conhecidas
como "microevoluções" e representam o primeiro
passo em direção à evolução. (...) A pesquisa,
publicada na revista científica Proceedings of the
Royal Academy B, comparou o DNA de 130 pares
de mamíferos “um de cada par morava em
altitude e latitude diferentes - de "espécies irmãs",
que possuem similaridades genéticas (Estadão
Online/Ambiente Brasil).
CNI lança bolsa nacional de resíduos: No
próximo dia 08 (julho), a Confederação Nacional
da Indústria - CNI lançará, em Porto Alegre - RS,
a primeira bolsa nacional de resíduos. O Sistema
Integrado de Bolsas de Resíduos - SIBR permitirá
que empresas de todo o país comuniquem
gratuitamente pela internet suas intenções de
compra, venda e doação de qualquer tipo de
resíduo (Celulose Online).
China may block imports of US chicken:
Reports state that China is expected to ban
imports of US chicken in coming days. This would
result in heightened trade tension between the 2
nations, as well as a blow to the US poultry
industry, reports The Wall Street Journal (The
Wall Street Journal/World Poultry).
New test: free-range, organic, or caged? A
New Zealand researcher has developed a
scientific technique to identify the difference
between eggs from caged hens and those from
free-range and organically raised hens. It is
believed to be the first time that eggs from
different farming systems have been distinguished
by using isotope analysis. Karyne Rogers, of GNS
Science’s National Isotope Centre in Lower Hutt,
compared different brands of off-the-shelf eggs
from caged, barn, free-range and organic farming
regimes. Using isotope analysis, Dr Rogers found
almost all the eggs could be differentiated by
relating the carbon and nitrogen found in the egg
to the hen’s diet. This is possible as diet directly
reflects the type of farming environment where the
hens were raised (World Poultry).
Can a livestock trailer be made more
‘humane’? The nation’s leading animal-welfare
monitoring and humane-labeling program for food
products, American Humane Certified, will
convene a panel of experts in animal handling,
animal science, veterinary medicine and
transportation equipment manufacturing to
develop improved welfare standards for design,
technology
and
monitoring
of
livestock
transportation. The livestock transportation
equipment that meets the standards will be
recognized with the American Humane Gold
Award (Farm and Dairy).
Política de desenvolvimento da Aquicultura e
Pesca está no Diário Oficial: O presidente Luiz
Inácio Lula da Silva sancionou a norma que
estabelece
a
Política
Nacional
de
Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e da
Pesca. A Lei 11.959 está publicada na edição de
terça-feira (30) do Diário Oficial da União. O
objetivo
é
promover
o
desenvolvimento
sustentável da pesca e da aquicultura como fonte
de alimentação, emprego, renda e lazer, além de
garantir o uso sustentável dos recursos
pesqueiros e melhores resultados econômicos e
sociais, junto com a preservação e a conservação
do meio ambiente (Agência Brasil).
Link between farmed fish and mad cow
disease: Researchers are suggesting new
reasons that support the importance of accurate
and comprehensible labeling when it comes to
seafood. Scientists from the University of
Louisville have now brought into question the
safety of eating farmed fish that could transmit
Creutzfeldt Jakob disease, which is commonly
now as Mad Cow Disease. Although it has not yet
been proven that it is possible to transmit the
disease to humans through consumption of fish,
some farm fished are fed byproducts rendered
from cows, leading scientists to believe that a ban
of feeding cow meat or bone meal to fish be put
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
10
into place until the safety of this practice is
confirmed (Cattle Network).
EVENTOS
Welfare group to push for science-based
policy, practices: The University of California
created a council of animal health experts
intended to advise policymakers and animal
agriculture producers on animal welfare issues.
"As animal agriculture is facing many challenges
in California, it is appropriate that the University of
California play a leadership role in reviewing
animal
production
practices,
including
recommendations to our producers that will
enhance animal welfare standards in our state,"
Dr.
Richard
Breitmeyer,
California
state
veterinarian, said in a press release. Dr.
Breitmeyer is one of 14 members of the UC
Animal Welfare Advisory Council, which was
formed in May (AVMA).
AVISO SIICUSP: estarão abertas as inscrições
dos trabalhos de Iniciação Científica para o 17º
Simpósio Internacional de Iniciação Científica da
Universidade de São Paulo (SIICUSP), no
período de 29/06/2009 a 17/08/2009, no site
http://www.usp.br/siicusp.
vo
8 Simposio Internacional de Reproducción
Animal
Córdoba, Argentina – 10 a 12 de julio de 2009
www.iracbiogen.com.ar
7º. Congresso Internacional do Leite
Juiz de Fora MG – 13 a 16 de julho
www.cnpgl.embrapa.br/7congresso/
a
LIVROS PUBLICADOS
Gestão Sócio-ambiental: responsabilidade e
sustentabilidade do negócio
Lilian Aligleri, Luiz Antonio Alogleri e Isal
Kruglianskas
Editora Atlas
Auditoria ambiental: uma ferramenta de
gestão
Lucila Maria de Souza Campos e Alexandre de
Ávila Lerípio
Editora Atlas
Estudo de casos: fundamentação científica,
subsídios para coleta e análise de dados e
como redigir o relatório
Antonio Carlos Gil
Editora Atlas
Sistema Agroindustrial da Carne Ovina: o
exemplo do Mato Grosso do Sul
André Sório
Editora Méritos
46 Reunião Anual da Sociedade Brasileira de
Zootecnia
Maringá PR – 14 a 17 de julho de 2009
www.reuniaosbz.com.br
Simpósio sobre Doenças Transmitidas por
Pulgas e Carrapatos na Clínica de Pequenos
Animais
São Paulo SP – 19 de julho de 2009
[email protected]
47º Congresso da Sociedade Brasileira de
Economia, Administração e Sociologia Rural
Porto Alegre RS – 26 a 30 de julho de 2009
www.sober.org.br
XXXVIII Congresso Brasileiro de Engenharia
Agrícola
Juazeiro BA – 02 a 06 de agosto de 2009
www.sbea.org.br/Conbea/conbea2009.htm
I Brasil Sul Pig Fair
II Simpósio Brasil Sul de Suinocultura
Chapecó SC – 04 a 06 de agosto de 2009
www.nucleovet.com.br
1º. Simpósio SAMVET de Gado Leiteiro
Ribeirão Preto SP – 06 e 07 de agosto de 2009
www.samvet.com.br
V Simpósio de Búfalos das Américas 2009
Pedro Leopoldo MG – 12 a 14 de agosto de 2009
www.vsimpbuf.org.br
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
11
AveExpo – III Fórum Internacional de
Avicultura
Foz do Iguaçu PR – 19 a 21 de agosto de 2009
www.aveexpo.com.br
I Congresso Internacional sobre Uso da
Levedura na Alimentação Animal
Campinas SP - 17 a 18 de setembro de 2009
www.cbna.com.br
XVIII Congresso Brasileiro de Economistas
São Paulo SP – 16 a 19 de setembro de 2009
www.cbe2009.com.br
Augusto Hauber Gameiro
[email protected]
Professor da FMVZ/USP
Teresa Cristina Alves
[email protected]
Doutoranda da FZEA/USP
Rubens Nunes
[email protected]
Professor da FZEA/USP
7º. Congresso Brasileiro de Agroinformática
Viçosa MG – 21 a 25 de setembro de 2009
www.sbiagro2009.ufv.br
V Congresso Brasileiro de Ciência
Tecnologia de Carnes
São Paulo SP – 25 a 27 de agosto de 2009
www.ital.sp.gov.br/ctc
EQUIPE
e
II Congresso de Supply Chain do IBPSC
São Paulo SP – 25 de setembro de 2009
www.ibpsc.net
VII International PENSA Conference
São Paulo SP – November 26 – 28, 2009
www.pensaconference.org
37º. Encontro Nacional de Economia (ANPEC)
Foz do Iguaçu PR – 08 a 11 de dezembro de
2009
www.anpec.org.br
CONTATO
USP / FMVZ / VNP / LAE
Laboratório de Análises Socioeconômicas e
Ciência Animal
Av. Duque de Caxias Norte, 225 - Campus USP
CEP 13.635-900, Pirassununga - SP
Telefone: (19) 3565 4300
Fax: (19) 3565 4295
ENVIO DO BOLETIM
Para solicitar cadastramento na lista de
destinatários ou cancelamento do recebimento,
favor escrever para:
[email protected]
Universidade de São Paulo
Coordenadoria do Campus de Pirassununga
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Departamento de Nutrição e Produção Animal
Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal - Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal
12

Documentos relacionados

Boletim eletrônico do LAE/FMVZ/USP, ed. 19, 26 abr. 2010

Boletim eletrônico do LAE/FMVZ/USP, ed. 19, 26 abr. 2010 Associação Brasileira de Agribusiness (ABAG) e o Programa de Estudos dos Negócios do Sistema Agroindustrial (Pensa/USP), com participação de professores da Escola de Administração da USP, coordenad...

Leia mais

Boletim eletrônico do LAE/FMVZ/USP, ed. 26, 31 ago. 2010

Boletim eletrônico do LAE/FMVZ/USP, ed. 26, 31 ago. 2010 como sendo os têm como principal atividade a produção de leite, empregam ativos bastante específicos, tendo investido em know-how, tecnologia, economias de escala e até alguma diferenciação do prod...

Leia mais

Boletim eletrônico do LAE/FMVZ/USP, ed. 20, 24 mai. 2010

Boletim eletrônico do LAE/FMVZ/USP, ed. 20, 24 mai. 2010 by using different systems of bonus payment for milk price based in percentage of fat and protein in the milk. The comparisons were made, initially, disregarding the bonus payment for milk price ba...

Leia mais